As resistências e lutas no Brasil pandêmico

Na história da formação territorial do Brasil, as doenças epidêmicas não são novidade. Entre os séculos XV e XIX, a dizimação de grandes grupos étnicos devido ao contágio de doenças como varíola, tuberculose e sarampo, pertencentes ao campo patogênico europeu, foi utilizada pelos colonizadores como estratégia geopolítica na interiorização territorial, na dominação dos povos originários …

por em

Um imperativo do presente: Future-se nas estaduais de SP?

Há pouco mais de um ano, o economista que ficou conhecido como o pior ministro da Educação da história brasileira, Abraham Weintraub, lançou o programa Future-se para as universidades e institutos federais. O evento com formato de Ted Talk empresarial anunciava com tom heroico a pretensa grandeza das suas inovações. No primeiro painel, um mapa …

por em

Seria o capitalismo uma doença?

Em outra oportunidade [1] sugerimos que o neoliberalismo é um processo estranho ou desacoplado dos sistemas da natureza, ao alertamos que o individualismo está esgotando o patrimônio natural com o objetivo competitivo de concentrar renda, provocando uma desmedida destruição ambiental e desigualdade social que pode comprometer a nossa resiliência na Terra. Que o modelo de …

por em

A resistência LGBTQ+ no século XXI

“Somos muitos Severinos”, disse João Cabral de Melo Neto. Em sua poesia o escritor declama protesto em memória dos muitos preteridos socialmente que, marginalizados, são levados a um homicídio assistido. O autor se iguala ao objeto da obra e afirma: “Somos muitos Severinos, iguais em tudo na vida“, remontando o corredor da morte que é …

por em

A quem interessa silenciar a Filosofia?

A pandemia causada pela Covid-19 tem sido usada, por alguns, para aumentar os ataques à Filosofia. Esses ataques não são recentes, mas com esta nova situação a defesa dos cortes no investimento público dedicado à Filosofia, às Ciências Humanas e às Ciências Sociais se tornou mais enfática, usando-se o argumento de que tais saberes não …

por em

Entre a rua e o gabinete: o paradoxo bolsonarista

O discurso anti-establishment tomou conta do cenário nacional durante o governo Dilma, e, como já era de se esperar, vários políticos se apropriaram da retórica para conseguir apoio popular. Bom, de fato conseguiram. Bolsonaro é o exemplo mais atual. Eleito com um discurso populista e antipolítico, vendeu a seus eleitores a ideia de que não …

por em

O cuidado da casa comum caiçara

Aqui é a casinha do Martim, disse Karina Ferro, com as mãos sobre sua barriga e ao lado de seu marido, Edmilson do Prado. Dias depois, em 4 de julho de 2019, essa casinha estaria no centro de um conflito que envolve a violação reiterada dos direitos de caiçaras, povos e comunidades tradicionais no Brasil. …

por em

O racismo como psicopatologia social do Brasil

No livro Peles negras, máscaras brancas,[1] o psiquiatra Frantz Fanon (1925-1961) sustenta que o racismo passou a se tornar uma psicopatologia social a partir do colonialismo. No Brasil, sabidamente, a subordinação das minorias raciais teve início com a sua mercantilização pelo processo de colonização europeu. Ainda que possa ser considerado como o período pré-histórico do …

por em

Política fiscal e desoneração tributária no Brasil

Munidos de poder econômico e lobby político, os grupos de interesse recorrem à política estatal para garantir a realização dos negócios. Sabem que o Estado exerce influência considerável na economia por meio da demanda efetiva, seja adquirindo bens, comprando equipamentos, contratando serviços e reciclando títulos podres. Porém o Estado ao garantir a realização dos negócios …

por em

A economia política da austeridade na América Latina na crise de 2020

A crise atual estabeleceu um aparente consenso entre os economistas de que é necessária uma atuação do Estado a fim de minimizar seus impactos. A tolerância com os gastos públicos é, todavia, globalmente heterogênea e possui um caráter muito restrito na América Latina. O FMI, por exemplo, apenas incentiva uma postura mais ativa do Estado …

por em

Novas vozes no processo penal internacional

Por volta do dia 11 de março de 2020, o pronunciamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) viria a impactar energicamente a comunidade internacional, ao declarar que a epidemia viral de origem zoonótica desencadeada pelo coronavírus (SARS-CoV-2) adquiria o nível de uma pandemia global, com alarmantes níveis de contágio e gravidade, ocasião em que teria …

por em

“Tem irmão morrendo aqui dentro!”: a gestão carcerária-militar (do limite) da vida

Nos últimos anos, o sistema carcerário amazonense ficou mundialmente conhecido por dois “massacres”, protagonizados por presos, com mais de cento e vinte homens mortos. Esses eventos se demonstraram bastante úteis para a reprodução de discursos securitários e colonialistas. Ilustrados com mapas, deram atenção à “expansão” nacional e internacional das facções criminosas sudestinas e ao “descontrole” …

por em

O medo dos brancos em falar da branquitude

Existe uma dificuldade para os brancos reconheceram sua branquitude. Acredito que ela venha de alguns dados não só da história brasileira, mas da história moderna e contemporânea do mundo ocidental. E, precisamente, do modo em que as relações sociais tuteladas por ideias raciais foram desenvolvidas ao longo do tempo. O mundo foi moldado por mestres …

por em

Neoliberalismo: a ideologia do invisível

A primeira coisa a se fazer quando se reflete sobre um objeto confuso e multifacetado como o mundo social é perceber as hierarquias de questões mais importantes a serem esclarecidas. Sem isso nos perdemos na confusão. A questão do poder é a questão central de toda sociedade. A razão é simples. É ela que nos …

por em

A ilha completa mais de duas semanas sem mortes por Covid-19

No trágico período que vivemos, Cuba pode finalmente respirar: no último sábado, a ilha completou duas semanas sem nenhuma morte causada pelo novo coronavírus depois de, no dia 19 de julho, amanhecer sem novos casos de Covid-19. Diante do almejado resultado, questionamos: a que se deve o sucesso cubano? Situada a apenas 140 km do …

por em

O pior de nós no poder: cenários de um Brasil incendiado

Existem dois grandes grupos de temas: os político-institucionais e o campo social. Em geral, o último é pouco falado e é objeto de muitas pesquisas etnográficas e de opinião. Trataremos esse terreno como campo fértil do ódio. Este cenário tem a ver com a sociedade, a cultura e sua complexa atualidade. Já o primeiro tema …

por em

Pandemia, crise e periferias

“No início da pandemia, aqui foi tudo meio incerto, porque em casa só eu estou trabalhando, em um estágio que paga muito pouco, mãe, padrasto e irmão desempregados, mesmo antes da pandemia. Assim que saiu a notícia de corte nos contratos, entrei em desespero porque até então era a única renda, anunciaram os auxílios e …

por em

Para o projeto bolsonarista a Antropologia é inútil ou perigosa?

Tomou posse no dia 16 de julho o quarto ministro da Educação do governo Bolsonaro. Milton Ribeiro é um teólogo e pastor que defendeu publicamente, em 2016, a associação entre ensino e dor. Na campanha eleitoral de 2018, Bolsonaro já avisava em seu plano de governo – melhor seria desgoverno – que usaria a Educação …

por em

CEP cancelado

O aplicativo Covid por CEP, criado pelo urbanista Thales Mesentier, foi colocado no ar este mês. A ideia é ajudar no combate à pandemia a partir de dados georreferenciados, oferecendo visualização espacial dos casos da doença na cidade do Rio de Janeiro, de acordo com o código de endereçamento postal. É possível realizar a busca …

por em

Breque dos Apps: direito de resistência na era digital

“Estamos cansados!”. Em tom de protesto, reclamação e denúncia, esta foi a expressão mais utilizada pelos entregadores das plataformas digitais de delivery durante as entrevistas informais concedidas no transcorrer da greve da categoria, deflagrada no dia 1° de julho de 2020, em Brasília. O cansaço dos trabalhadores de aplicativos, que circulam pelas cidades para fazer …

por em

Valentia de rebanho

Já superamos a marca dos 120 dias desde o início do isolamento social. A vida mudou bastante; nosso ritmo cognitivo e de movimento corporal, nossa carência afetiva e de contato físico aflora como se fôssemos estrangeiros em nossa própria terra. O futuro tornou-se uma tela em branco onde projetamos nossos medos e nossas fantasias camufladas …

por em

Algumas notas sobre o ensaio Homo Bolsonarus, de Renato Lessa

O ensaio de Renato Lessa, Homo Bolsonarus, recentemente publicado na Revista Serrote, é um dos textos filosófico-políticos mais relevantes que apareceram nesse contexto de pandemia. Seu esforço se insere em um desafio, ainda longe de esgotado, de compreender a atual conjuntura brasileira, particularmente, a eleição de Jair Bolsonaro. Em grande medida, Lessa se orienta por …

por em

Nem tudo está perdido

Para o geógrafo David Harvey, há uma taxa quase mística de crescimento para uma economia de mercado capitalista, informalmente estimada, que seria de 3%. Se mantida anualmente, por muito tempo, levaria o capitalismo a encontrar saídas para os períodos de baixa do rendimento acumulado das taxas de retorno do capital (mais-valia), o que indicaria, para …

por em

Um novo paradigma de consciência social para o Brasil

Tal como hoje se organiza, a escola é um espaço abissal e extremamente desumanizador. Esta afirmação não vai contra a escola enquanto projeto social, tampouco menospreza as suas funções intelectuais, críticas, políticas, culturais e profissionais. Trata-se aqui da escola enquanto máquina de fazer estatística, enquanto um sistema intencionalmente repleto de mecanismos e artifícios de opressão …

por em

As tensões no Mar do Sul da China: é tempo para a guerra?

Matérias atuais expostas em diversos jornais brasileiros evidenciam a questão do Mar do Sul da China (MSC) como um dos pivôs que fortalecem as divergências entre Washington e Pequim. De fato, na opinião de muitos estudiosos e analistas, a região do MSC é reconhecidamente um ponto de tensão importante na relação das duas grandes potências, …

por em

Covid-19 escancara abismo social entre população negra e branca

A pandemia do coronavírus descortinou no Brasil e no mundo questões históricas relacionadas a desigualdade social, racismo estrutural e violência sofrida pelas populações mais vulneráveis. Enquanto organizações da área da Saúde devidamente clamam por “fique em casa, lave as mãos e use máscara”, evidencia-se quem tem e quem não tem condições para seguir tais medidas. …

por em

A miséria de uma certa filosofia – resposta a Paulo Ghiraldelli

Em texto publicado em seu blog, o professor de filosofia Paulo Ghiraldelli Júnior questiona nosso artigo publicado na última quinta-feira (16) no caderno “Ilustríssima” da Folha de S. Paulo. Cabe registrar, primeiramente, nossa satisfação por ter motivado réplica em assunto tão importante. Também ficamos felizes em perceber que, em boa parte de seu texto, ele …

por em

Um caminho para o Brasil em tempos de pandemia

A crise sanitária pela qual atravessa o país tem tido repercussões socioeconômicas dramáticas, ao paralisar diversas atividades, destruir postos de trabalho em massa e desestabilizar os fluxos de geração de renda na economia, de fundamental importância para a sobrevivência de muitos brasileiros que dependem da informalidade para garantir o seu sustento e de suas famílias. …

por em

Além da periferia da pele: Uma entrevista com Silvia Federici

O que é o “corpo” no capitalismo? Quando falamos de corporeidade, como nosso entendimento do “eu” em relação ao nosso corpo é redefinido, reduzido e mutilado sob a lógica do capital e as imposições do estado? Embora as respostas para essas perguntas sejam relevantes para quem trabalha no capitalismo, elas têm peso e ressonância específicos …

por em

Por um programa de garantia de empregos no Brasil

Em meio à pandemia, a prefeitura do munícipio de Três Pontas (MG) identificou a aglomeração de pessoas como um problema a ser combatido. Em resposta, contratou cem pessoas desempregadas para fazer o trabalho de monitoramento de pontos de aglomeração ao custo de um salário mínimo. E se outras prefeituras pudessem contratar desempregados com salários pagos …

por em

“A pandemia de Covid-19 tem sufocado a agricultura familiar no Brasil”

O orçamento do Programa de Aquisição de Alimentos caiu de R$ 850 milhões para R$ 186 milhões entre 2012 e 2020. Qual o impacto dessa queda tanto para agricultores familiares quanto para a população que recebe os alimentos? O PAA é um programa extremamente importante para a agricultura familiar, tendo em vista a sua capilaridade …

por em

Brasil Paralelo tenta censurar debate

Em maio, publiquei no Le Monde Diplomatique Brasil um artigo sobre a produtora gaúcha Brasil Paralelo. Em poucas palavras, o texto demonstrava o modus operandi da iniciativa, questionava a narrativa sobre seu financiamento, denunciava sua estreita colaboração com Olavo de Carvalho e avaliava seu papel no projeto de país idealizado pela extrema-direita nacional. Mais de …

por em

Direito de resposta da Brasil Paralelo

No dia 18 de maio de 2020, o jornal Le Monde Diplomatique Brasil publicou matéria que excede os limites da liberdade de imprensa, e ofenderam injustificadamente a imagem da Brasil Paralelo. A publicação, denominada “Produtora de Extrema-Direita. Os mitos da Brasil Paralelo” (disponível através do link: <https://diplomatique.org.br/os-mitos-da-brasil-paralelo/>), veiculou suposições inverídicas e com o intuito exclusivo …

por em

O Ministério do Meio Ambiente entre o MPF e o capital

O Ministério do Meio Ambiente é mais um alvo na corda bamba da instabilidade bolsonarista, de um lado o inquérito do Ministério Público Federal em relação ao ministro Ricardo Salles propõe investigar inúmeros crimes de improbidade administrativa cometidos pelo ministro, de outro a pressão de gigantes do capital que não querem seus investimentos associados ao …

por em

A ruína da política ambiental brasileira e a urgência de responsabilidade

A gravidade da questão ambiental no Brasil é tamanha que as críticas às (des)políticas do atual governo têm reunido juristas, políticos, empresários e ambientalistas de diferentes posições e com divergentes interesses. Cria-se quase uma unanimidade em torno do problema, mostrando que o assunto é tão escabroso e evidente, que a maior parte das pessoas compreende …

por em

Por quê?

Não tivesse sido brutal e lentamente assassinado entre 25 e 28 de outubro de 1973, em dependências do quartel general do IV Exército brasileiro, em Recife, por meio de torturas bárbaras infligidas por humanos tomados por alguma deformação monstruosa, nunca julgados e cujos nomes e rostos sequer sabemos, todos criminosos autorizados por uma ditadura asquerosa …

por em

A sopa de morcego como último raio gourmetizador

“Uma gravata limpa atrai sempre a sopa do dia” (Lei de Murphy)   Quando a Covid-19 começou a se alastrar pela Lombardia, registros de uma sopa de morcego que seria a gênese do vírus já embrulhavam estômagos ao redor do mundo e reforçavam sentimentos de superioridade étnica. Hoje sabemos que não há relação entre a …

por em

As lutas camponesas e a utopia possível

Enquanto essa fala era dita como parte da oficina da Comissão Pastoral da Terra (CPT) no Fórum Popular da Natureza, 200 famílias que trabalham e produzem alimentos nas terras banhadas de sangue pelo massacre de Pau D’Arco poderiam ser despejadas na semana seguinte. Em 2017, nove trabalhadores e uma trabalhadora foram torturados e assassinados por …

por em

Violência travestida de educação

A violência contra a criança sob a justificativa de disciplina ainda é amplamente utilizada em nossa sociedade. Apesar de haver uma legislação específica sobre isso, constituindo estes atos como violação dos direitos básicos e fundamentais da criança e adolescente em prática criminosa (Constituição de 88 – Artigo 227, ECA – Artigo 17 e Lei 13.010 …

por em

Brasil, outros 500: a Marcha dos 2000 vinte anos depois

Às vésperas do dia 22 de abril, há vinte anos, mais de três mil indígenas, representantes de 140 povos de todo o país, se reuniram em Coroa Vermelha, no extremo Sul da Bahia, para a Conferência Indígena 2000. O evento colocava em perspectiva a situação dos diferentes povos no final do século passado, demarcando uma posição …

por em

Ideologia do discurso anti-ideologização no Brasil

Agentes públicos do Brasil atual têm atacado pelas redes sociais e para redirecionar políticas públicas o que chamam de “ideologização” das universidades, das escolas, de gênero, do meio ambiente, da cultura, da família etc. Mais alto grau da artimanha ideológica de controle social, com o fim de acelerar o domínio social por parte da classe …

por em

Cooperativismo e economia solidária para o crescimento do Brasil

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) chegou ao Brasil e o cenário que já não era dos melhores, piorou. O número de trabalhadores e trabalhadoras desempregados ou na informalidade deu um salto. Dados mais recentes do IBGE mostram que 12,7 milhões de pessoas estão desempregadas no Brasil, isto é 12,9% da população. Em três meses …

por em

Qual é a hora de gritar abaixo a ditadura?

Entre o fim de março e o início de abril (época em que o golpe de 1964 é lembrado ou, no caso do delinquente que ocupa a Presidência, celebrado), estrearia em São Paulo e no Rio de Janeiro o documentário “Libelu – Abaixo a Ditadura”. Selecionado para a mostra competitiva do festival É Tudo Verdade …

por em

Bolsonaro ano 1: a democracia no picadeiro

Das sombras ao estrelato ou como Jair se transmutou de homem em mito debochando de todos nós Passados um ano e meio do governo liderado pelo presidente Jair Bolsonaro e diante do que se transformou sua presença como ilustre inquilino do Planalto, uma grande parcela daqueles que o elegeram já se mostraram arrependidos. Entretanto, algo …

por em

A mudança de conjuntura e a resiliência de Bolsonaro

Neste início de segundo semestre de 2020, Bolsonaro se encontra nas “cordas”, castigado por uma série de derrotas e acontecimentos recentíssimos que fazem crer que o seu governo pode estar em fase terminal. Entretanto, não se deve desconsiderar a resiliência de Bolsonaro e de seu governo (atestada por diversas pesquisas de opinião), por razões que …

por em

Fogo no Ártico

Quando ouvimos a temperatura de 38º celsius, a imagem que vem à cabeça é de uma praia no Nordeste brasileiro, ou do verão escaldante do Rio de Janeiro. Mas no dia 21 de junho, essa foi a temperatura registrada na cidade de Verkhoiansk, na Rússia. A cidade fica dentro do círculo polar ártico. Isso mesmo, …

por em

30 anos do ECA e a maior ameaça de sua história

Faz 30 anos que o Estatuto da Criança e do Adolescente, principal lei do país na área, foi conquistada. O ECA reconhece as crianças e adolescentes como cidadãos com direito à educação, saúde, alimentação e convivência familiar e comunitária etc., construindo um arcabouço legal de referência. Ele foi o principal norte, depois de nossa Constituição, …

por em

Reflexões sobre o combate à Covid-19 nos EUA e no Brasil

A análise de Henry Giroux sobre a desigualdade na era da pandemia publicada na revista Salon é destes textos que vale a pena ler para comparar com o caso brasileiro. Para Giroux, a desigualdade não é apenas o câncer do capitalismo, é sua forma de atacar o tecido social, o bem-estar social e o corpo …

por em

Precisamos curar o Brasil

A atuação do governo brasileiro tem sido absolutamente desastrosa em muitas áreas, mas nada se compara aos resultados produzidos nos dois grandes desafios que enfrentamos nesse começo de século: o combate à pandemia de Covid-19 e a destruição da floresta amazônica.  O vírus Sars-Cov-2 espalha-se livremente pelo país, atingindo mais de 1, 6 milhão de …

por em

As MPs de Bolsonaro: reflexos e predileções da nova política

Observar a edição de Medidas Provisórias (MPs) pelos governos federais tornou-se uma importante rotina para aqueles que pretendem compreender a disposição política das gestões, sua agenda legislativa e o diálogo que pretendem travar com outras instituições, em especial com o Congresso Nacional. Herança dos Decretos-leis, as MPs são atos normativos primários editados pelo presidente da …

por em

Para não morrer, resistir é preciso: o futuro começa agora

Divulgar os males seria contribuir para agravar os problemas e para exasperar o povo? Os fatos angustiam, mas conhecê-los é um caminho necessário para o encontro e aceitação das soluções. (D. Paulo Evaristo Arns, 24 de junho de 1976) Censurar ou selecionar as informações oficiais sobre a atual pandemia é a nova tática do governo …

por em

A resistência cotidiana no capitalismo com (e sem) a Covid-19

No Brasil, assim como em boa parte dos estados nações denominados como “em desenvolvimento”, a segregação socioespacial é um dos fundamentos da reprodução do capital e que, no momento em que hoje vivemos, com a pandemia da Covid-19, se aprofunda, radicalizando ou chegando a situações extremas para a vida da população. Tomando Lefebvre (1983) como …

por em

O vírus que o Brasil não conseguiu eliminar

A pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2) tem alterado a rotina de grande parte das pessoas. Com o avanço da doença, a partir da transmissão comunitária, medidas de contenção social foram adotadas pelos governos como forma de combate à Covid-19. Entretanto, tais recomendações vêm causando severas repercussões negativas para uma parcela específica e significativa da sociedade: …

por em

Contra o normal no futuro

Sob o capitalismo, é necessário que os agentes econômicos ajam obedecendo a uma visão de futuro, capaz de modular os esforços produtivos presentes que garantam a sobrevivência do próprio capital. Quando a produção é incapaz de atingir os consumidores, ela se mostra como uma crise de superprodução, esterilizando o valor sob a forma de tempo …

por em

Elena Ferrante: desejo de intangibilidade

O poeta italiano Attilio Betolucci tem um verso que diz: “Ausência, a mais aguda presença”. Como no paradoxo do verso de Bertolucci, a ausência de uma figura que acompanhe o nome Elena Ferrante tem sido percebida como uma das presenças mais afirmativas do cenário literário contemporâneo. Há quase três décadas, Ferrante tem assinado algumas das …

por em

O que Bolsonaro falou durante a pandemia

Em dois meses e meio de pandemia Jair Bolsonaro falou o suficiente para preencher 130 páginas de pronunciamentos, entrevistas, coletivas e “lives”. Em uma média superior a mil palavras ao dia, é possível reconhecermos padrões de conteúdo, prioridades e valores do presidente diante da maior crise sanitária do século XXI. Durante 77 dias de pandemia …

por em

O enfrentamento do coronavírus na Venezuela

A pandemia do novo coronavírus teve seu início entre novembro e dezembro de 2019, sendo identificada pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan. A alta transmissibilidade do vírus SARS-CoV-2 provocou uma rápida propagação do quadro a nível mundial desde então.[1] Na Venezuela, os primeiros casos reportados foram registrados no dia 13 de março e …

por em

Quem gosta de passado é quem questiona estátua

Nenhuma estátua importante foi derrubada em São Paulo, mas o debate borbulha com a possibilidade de que haja uma intervenção na narrativa histórica urbana, que ela possa ser feita por atores para além da política tradicionalmente institucionalizada em um ato de protesto. “Seria isso legítimo?” “Não seria isso apagar a memória histórica?” As perguntas precisam …

por em

Vítimas invisíveis: pessoas LGBT+ na pandemia de Covid-19

Em virtude do alto poder de contágio do novo coronavírus, as autoridades públicas da maior parte do mundo passaram a conjugar dois importantes métodos no combate à pandemia de Covid-19: o distanciamento físico e os protocolos de higiene. A redução do contato físico através de uma nova gestão do espaço e os protocolos sanitários tornaram-se …

por em

Despolitização da política econômica e avestruzes

Para analisar a inserção internacional do Brasil no enfrentamento à pandemia da Covid-19, o professor Oliver Stuenkel, da FGV-SP, cunhou o termo “aliança de avestruzes“, situando o país junto a seus pares que negam a gravidade da crise sanitária global e rejeitam as normas preconizadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como necessárias à sua …

por em

Economia política, moral e o novo coronavírus no Brasil

As crises, como todas as coisas no mundo, apresentam duas faces normalmente encaradas antiteticamente como positivas e negativas. Quando se pensa na ciência como esfera destacada do conhecimento necessário à sua compreensão e superação, as crises acabam por fazer renascer questões de maior profundidade e relevância, exigindo por parte dos cientistas um esforço no sentido …

por em

Você falaria “eu avisei” para este rapaz?

Não sei o nome dele – pode também ser ela – e nem o do fotógrafo. O jovem é entregador, deve ser motoqueiro, a se conferir pelo capacete. É possível que rale sete dias por semana, faça chuva ou faça sol. É um batalhador e tem jeito de estar revoltado como os milhares que o …

por em

A arte pela vida durante a pandemia

Às vezes me pergunto sobre a obviedade em escrever e falar sobre cultura e sua importância. Parece-me que, principalmente, nesses tempos de pandemia e isolamento muitas das nossas atividades e rotina têm relação – ainda que mínima – com a arte. Para mantermos nossa sanidade mental ou tentarmos, assistimos a séries e filmes, lemos livros, …

por em

Renda básica na educação

A garantia por parte do Estado de uma renda básica permanente não é algo simples de se colocar em prática. São necessárias costuras políticas complexas e múltiplas análises do cenário fiscal presente e futuro do Brasil. Felizmente, qualificadas mentes do debate público como Tatiana Roque, Monica De Bolle, Daniel Duque e Naercio Aquino Menezes Filho, …

por em

Precariado das ruas, presente!

Dia 1 de julho de 2020 entrará para a história como um marco, o primeiro grande levante do precariado das ruas contra as condições de pauperização a que é diariamente submetido.  É importante destacar algumas questões que envolvem essa temática para entendermos o porquê esse é um dia para ser lembrado. Comecemos por uma recapitulação …

por em

Brasil é citado como referência negativa pela relatora da ONU

Desde o início da pandemia, a educação tem vivido uma disputa de perspectivas sobre quais os melhores caminhos para as políticas emergenciais na área.  Por um lado, há aqueles que, sob uma perspectiva produtivista, defendem falaciosamente que “a educação não pode parar” – tal qual o slogan furado do governo federal para a manutenção do …

por em

O amanhã no “chão da escola”: lidando com afetos

Começo com palavras que não são minhas e que assim foram ditas, quase sem pausa e em caixa alta: “MINHA MAIOR PREOCUPAÇÃO NÃO ESTÁ NA APRENDIZAGEM NESTE PERÍODO, E SIM COMO SERÁ A FORMA HUMANIZADA DE RECEBER ESSES ALUNOS QUE ASSIM COMO EU (OU PIOR) ESTÃO PASSANDO POR UM MOMENTO ESTRESSANTE”.  Tais palavras são da …

por em

Uma festa verde, amarela e violenta

Se eu ousasse escrever que em um determinado tempo a política era feita com armas, minha afirmação estaria incorreta. A política nunca deixou de lado o seu braço armado e não pode existir poder político sem algum tipo de coerção para que seja exercido. Atos de violência cometidos por ditaduras não melhoram a situação das …

por em

Para além da apropriação cultural

Um dos objetivos que constitucionalmente fundamenta a República Federativa do Brasil é o de erradicar a pobreza e a marginalização, reduzindo as desigualdades sociais e regionais. Nossa Constituição, fundada em amplo conhecimento sobre a formação econômico-social do país, construiu mecanismos vários que, frente às nossas deficiências estruturais advindas da condição de país com passado colonial, …

por em

Eles não têm educação?

Até agora, completando 18 meses de governo, Jair Bolsonaro não teve um ministro da Educação de verdade, pois nada foi feito na eminente pasta. Este é o discurso clichê de uma parte da mídia e de intelectuais de plantão. Há outros comentaristas que apontam o ex-ministro Abraham Weintraub como um gestor ligado a ala ideológica …

por em

“Algo está fermentando sob o coração do noroeste da Europa”

O professor de Geofísica da Universidade de Nevada (Estados Unidos), Corné Kreemer, usa dados geodésicos de estações de GPS para entender os processos que orientam a deformação e o movimento das placas tectônicas. Sua técnica lhe permitiu fazer uma descoberta inédita na Europa: a superfície terrestre está se movendo para cima e para fora em …

por em

Tranca, contêiner e bomba: a gestão penitenciária da pandemia no Brasil

“Granadas indoor: fabricadas com o corpo inteiramente de borracha, duplo estágio e retardo 1,5 segundos, são ideais para utilização em ambientes internos.  Granadas lacrimogêneas: produzem densa fumaça, com agentes lacrimogêneos, garantindo a eficácia na ação dos agentes da lei.  Pimenta OC e CS: para uso no controle de distúrbios, garantem eficácia na incapacitação através da …

por em

De títulos e raças

Campo Grande, 13 de abril de 2013. Diante dos ouvintes atentos, a senhora de vestido azul acinzentado se apresenta para a plateia como “mestre em Educação, em Direito Constitucional e Direito de Família”. Ao que tudo indica, não foi a primeira nem a única vez em que a palestrante se utilizou dessa digressão preambular para …

por em

Contextualizar o desmonte é essencial

O Sistema Único de Saúde (SUS), promulgado na Constituição de 1988, é um dos maiores sistemas públicos de saúde do mundo. Estruturado a partir do princípio da saúde como um direito universal, é composto por uma extensa rede de Atenção Primária à Saúde (APS) que, a partir do modelo de atenção da Estratégia de Saúde …

por em

Será que o Brasil vai ter acesso à vacina contra o novo coronavírus?

É comum agora ver notícias sobre um potencial tratamento ou vacina contra o novo coronavírus. Em meio à pandemia, e com a avaliação de que o retorno à normalidade só será possível após a descoberta de uma forma de imunização, estas informações podem trazer esperança. Mas, infelizmente, tais soluções ainda podem estar muito distantes. Tanto …

por em

Onde os fracos não têm vez

“Às vezes, salvar uma vida é um crime maior do que tirá-la”. Eis a frase dita pelo médico eugenista Harry Haiselden no filme A cegonha negra de 1917, em que interpreta a si mesmo, momentos antes de recusar uma manta quente a um recém-nascido com deformações físicas. O filme trata da eugenia, ideia bastante presente …

por em

Sobre igrejas no contexto da pandemia

Falar sobre o papel das igrejas no contexto da pandemia, necessariamente, exige que se fale sobre os impactos da crise no cotidiano delas. Desde o início do isolamento social, muitas igrejas tiveram que repensar a forma de realizar as celebrações, os rituais, os estudos bíblicos e o acompanhamento às famílias enlutadas, em especial, pela Covid-19. …

por em

Fascista ou não fascista? Eis a questão

O neofascismo grassa no mundo. De Viktor Orbán a Rodrigo Dunterte, avolumam-se as experiências sobre as quais historiadores, cientistas políticos, sociólogos e antropólogos discutem a viabilidade e correção do uso do ferramental cognitivo criado pelo estudo das experiências fascistas do século XX para o século XXI. O Brasil, florão da América, fulgura como caso a …

por em

Como sobreviver às marcas invisíveis da tortura?

No Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura, 26 de Junho, os sobreviventes e as famílias dos sete jovens torturados pelo Exército no episódio conhecido como Sala Vermelha lutam pela responsabilização penal dos torturadores e convivem com as marcas invisíveis da brutal sessão de tortura a que foram submetidos em 20 agosto de 2018, …

por em

Um projeto de destruição

Passadas pouco mais de três décadas da redemocratização no Brasil, que concebeu a celebrada Constituição Cidadã, estamos hoje enquanto sociedade sendo sufocados pela força e violência de um projeto autoritário em curso no país. Projeto desavergonhado, de um presidente populista, que saiu das sombras da nossa história e galgou poder no Estado brasileiro se apoiando …

por em

Impactos da Covid-19 nas periferias

Não é segredo para ninguém que o novo coronavírus evidenciou e potencializou as desigualdades existentes na sociedade brasileira. Desigualdades sociais, econômicas, raciais e urbanas tornaram-se condições para quem morre ou vive ante a pandemia mais grave e aguda do último século, que tem vitimado e está interrompendo milhares de vidas, além da dor, do trauma …

por em

Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura

“Quero a utopia, quero tudo e mais Quero a felicidade dos olhos de um pai Quero a alegria muita gente feliz Quero que a justiça reine em meu país Quero a liberdade, quero o vinho e o pão Quero ser amizade, quero amor, prazer Quero nossa cidade sempre ensolarada Os meninos e o povo no …

por em

A geografia, o governo das massas e a curva da Covid-19

Passados alguns meses do início da pandemia, é possível dizer que dois campos de interesse mobilizaram, com especial intensidade, a atenção de pesquisadores e críticos preocupados com os fenômenos pertinentes à escala urbana. Os eventos ligados à segregação socioespacial e ao governo das massas ganharam, assim, uma posição de relevo na reflexão crítica que se …

por em

Sorriso amarelo ou os tamagotchis da branquitude e a luta antirracista

No dia 25 de maio de 2020, Derek Chauvin assassinou George Floyd após asfixiá-lo com o seu joelho. O primeiro estava armado, o segundo, desarmado. O primeiro era um policial com um contingente de três policiais para apoiá-lo, enquanto o segundo, um cidadão comum que estava sozinho. O primeiro é um homem branco, o segundo, …

por em

Preservar monumentos da barbárie para a elaboração de erros

O cruel assassinato de Georg Floyd – cruel por ter sido explícito e não por ser fato isolado –, nos Estados Unidos, desencadeou uma série de manifestações e protestos contra o racismo mundo afora. Assim como o fogo usado pelo tunisiano Mohamed Bouazizi para se suicidar se alastrou pelos países árabes, o movimento antirracismo tem …

por em

O Exército é o fiel da balança?

O país vive uma guerra discursiva entre o presidente da República e outras instituições de relevância democrática, como o Supremo Tribunal Federal, e o mapa desse conflito demonstra que Jair Bolsonaro está perdendo espaço político. Ao lado do presidente, de forma serviçal, encontra-se o Exército.  Mas por quê?  Primeiramente deve-se lembrar que o Exército brasileiro …

por em

Covid-19 e a Doutrina do Choque: a distopia brasileira

A pandemia de Covid-19, declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 11 de março de 2020, surgiu em um contexto de crises social, ecológica, econômica e política. Entre mandos e desmandos, o Brasil oficialmente ultrapassou a lamentável marca de 1 milhão de pessoas infectadas e o número de 50 mil mortes. Saliento a subnotificação …

por em

Rico e desigual: as persistentes e vergonhosas contradições do Brasil

O Brasil foi classificado como o 7º país mais rico do planeta em 2010. Atualmente, ocupa a 9ª posição nesse ranking. Mas as previsões de encolhimento do PIB brasileiro, em 2020[1], já possibilitam projetar que o país passará a ocupar a 12ª posição na seleta lista das maiores economias mundiais a partir de 2021. Baseado …

por em

Povos indígenas do Cerrado enfrentam dificuldades para se proteger da Covid-19

Lavar as mãos regularmente com água e sabão. Na aldeia Guyraroká, a recomendação da Organização Mundial da Saúde não é tão simples de ser cumprida. Os Guarani Kaiowá que ali vivem, além de buscar evitar a contaminação pelo novo coronavírus, lidam com as dificuldades no abastecimento de água da região, no bioma Cerrado.  A aldeia …

por em

“Importar” manifestações contra o racismo?

As manifestações contra o assassinato de George Floyd chacoalharam o mundo e provocaram questionamento das massas sobre colonialismo e, claro, sobre racismo.  No Brasil, a onda não passou desapercebida. Em meio à alta instabilidade institucional que sacode a República, o próprio vice-presidente general Hamilton Mourão escreveu recentemente um artigo afirmando que não deveríamos “trazer para …

por em

Taiwan: o barril de pólvoras do século XXI

Taiwan é uma pequena ilha montanhosa, de aproximadamente 36 mil quilômetros quadrados, banhada pelos mares da China meridional e da China Oriental, e sem grandes recursos naturais.  Sua história recente, contudo, confunde-se com o enredo da política mundial dos dois últimos séculos. O motivo está na proximidade de Taiwan com o que hoje é conhecido …

por em

Brasil derruba Weintraub

Quem derrubou o “pior ministro da Educação da história do Brasil” foi a União Nacional dos Estudantes (UNE), a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), as entidades estudantis estaduais e municipais, a Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG), a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), a Ordem dos Advogados do Brasil …

por em

Morte súbita: a volta do futebol brasileiro na pandemia e a política

Maracanã sob silêncio. No terceiro dia com mais mortes durante a pandemia do coronavírus no Rio de Janeiro, o Flamengo voltou aos gramados contra o Bangu pelo Campeonato Estadual. Sem torcida, além das delegações esportivas envolvidas na partida, estavam no complexo do estádio até 400 pacientes que conviviam a doença. Essa é a capacidade do …

por em

Desinformação desafia o controle do uso de agrotóxicos

Frente à expansão do agronegócio, nas últimas duas décadas, e à proximidade cada vez maior entre as plantações de soja e as comunidades rurais e urbanas, o controle do uso de agrotóxicos na Região Metropolitana de Santarém enfrenta dois grandes desafios. A subnotificação de casos de intoxicação por contato com essas substâncias químicas e a …

por em

Uma reflexão a partir de Hans Jonas

Há tanto racismo na filosofia quantos foram os seus autores, quase sempre homens, quase sempre brancos, quase sempre europeus ou norte-americanos. Compreendido como o conjunto de teorias que tentam legitimar a superioridade de uma raça ou de uma etnia sobre a outra, nossa história coleciona horrores como aqueles que aparecem em afirmações de Hegel, para …

por em

Brasil exporta soja com desmatamento ilegal

A pandemia de Covid-19 é fruto da interação natureza-agricultura-alimento-saúde. Um estudo publicado na Nature em 2019 concluiu que 25% de todas as doenças infecciosas e 50% das doenças zoonóticas que contaminaram os seres humanos estavam associadas à agricultura. A degradação ambiental e as mudanças climáticas aumentam ainda mais o risco de novas pandemias e, como …

por em

Ameaças da militarização do combate ao desmatamento no Amazônia

Enquanto a Amazônia sofre com o colapso do sistema de saúde em meio à pandemia de Covid-19, os desmatadores não fazem quarentena. Imagens do crescente e avassalador desmatamento da região e do Cerrado circulam pelo mundo todo. Na Europa, o acordo comercial do Mercosul com a União Europeia tem sido questionado, frente à possibilidade de …

por em

Brasil: do vírus à peste da autocracia

Há alguns anos, Achille Mbembe, utilizando preceitos foucaultianos, explicou o que denominou de “necropolítica”. O termo se refere à ideia de que “a expressão máxima da soberania reside, em grande medida, no poder e na capacidade de ditar quem pode viver e quem deve morrer”.  No Brasil do coronavírus, dos soturnos clamores por rupturas institucionais …

por em

Lésbica e maconheira: “The Last of us parte II” e a indústria cultural

É importante a observação de Benjamin Barber sobre a infantilização da cultura.[1] O mercado decidiu manter o mesmo consumidor desde tenra idade. Mas, por outro lado, nem todo conteúdo produzido por este mercado é infantil. As crianças que jogavam videogame nos anos 1990 cresceram e precisam, agora, de um conteúdo mais encorpado (não necessariamente intelectualizada, …

por em

É hora de tratar a educação como investimento público

Em 2020 celebramos o centenário do nascimento de Celso Furtado. Como ministro do Planejamento de João Goulart, Furtado foi o responsável pela elaboração do Plano Trienal (1963), o qual contava com o primeiro Plano Nacional da Educação – PNE. Em 25 de junho deste ano, o PNE 2014-2024 chega ao sexto aniversário, paralisado e sem …

por em

Educação: o fosso é mais fundo

Enquanto a centralidade do debate sobre a educação no período de isolamento social abarca a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), a instrumentalização da relação ensino-aprendizagem mediada pelas tecnologias de informação e comunicação (TIC) na Educação Básica em todos os níveis de ensino, assim como as ações autocráticas para o incremento da regulação …

por em

Futebol como instrumento de mobilização político contra Bolsonaro

Com os campeonatos paralisados em decorrência da pandemia de Covid-19, o futebol foi às ruas contra o autoritarismo crescente no país. Torcidas organizadas de clubes com rivalidades históricas se uniram, nas últimas semanas, em atos pró-democracia. As bandeiras levantadas pelos torcedores fazem contraponto a grupos bolsonaristas que defendem pautas anti-democráticas, como o fechamento do Supremo …

por em

Por que o discurso para ficar em casa não reverberou

Quando o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) passou a apresentar uma taxa diária de adesão da população paulista à quarentena, no começo de maio, pouca gente refletiu sobre o método utilizado para fazer a mensuração. Em parceria com as gigantes do setor de telecomunicações e com a associação que as representa a nível nacional, o …

por em

A esquerda precisa perder a razão

“E, em primeiro lugar, o individualismo. O intelectual colonizado aprendeu pelos seus mestres que o indivíduo deve afirmar-se. A burguesia colonialista introduziu a golpes de pilão, no espírito do colonizado, a ideia de uma sociedade de indivíduos, onde cada qual se encerra na sua subjectividade, onde a riqueza é a do pensamento. Mas o colonizado …

por em

Na pandemia, o Judiciário quer conciliar empresas e consumidores

Na manhã do último sábado (13/06/2020), um amigo me enviou uma reportagem recém publicada por um jornal de grande circulação que noticiava o novo projeto-piloto do Judiciário paulista. Buscando combater a “explosão de processos” prestes a ser deflagrada pelos impactos da pandemia do Covid-19, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) lançou …

por em

Crises do capitalismo e cidade mercadoria

Rosa Luxemburgo (1871-1919), filósofa alemã, previu uma crise final do capitalismo, porque ele corroeria a si mesmo pela derrocada da capacidade aquisitiva dos trabalhadores, o que faria cair a mais-valia pela baixa do consumo em massa, da massa (trabalhadora). Para suprir essa falta de mercado consumidor, a classe capitalista teria que expandir seus negócios para …

por em

Colonialismo cultural e injustiça estética

Meu primeiro contato com uma pessoa assumidamente gay se deu por meio da televisão. Entre meus nove e onze anos, eu, meus pais e irmãs costumávamos passar as noites de sábado assistindo A praça é nossa, programa humorístico do SBT. Interpretada por Jorge Lafond (1952-2003), um gay negro, Vera Verão era uma de nossas personagens …

por em

Acordo comercial entre Bolsonaro e Trump: chances reais ou ilusão?

O livre comércio está no imaginário das discussões entre Estados Unidos e Brasil há mais de um século. E também no interesse dos Estados Unidos com outros países latino-americanos, com alguns destes chegando à sua concretização em décadas recentes, entre eles Chile e Colômbia. Apenas como referência, vale lembrar que James Blaine, secretário de Estado …

por em

O PT caminha para perder a sua importância social e política

Junho 2013. Há exatos sete anos, uma onda de protestos tomava as principais ruas do Brasil. Após a agressão da Polícia Militar de São Paulo contra os manifestantes, o que fora conclamado para ser um protesto sobre a gratuidade do transporte público na cidade se tornou uma miríade de reivindicações com interpretações variadas e inconclusivas. …

por em

Esboço de análise sobre o Projeto de Lei do Future-se

A nova versão do Future-se, agora como Projeto de Lei (PL) (publicado no sítio web da Casa Civil, no final de maio de 2020), tem de ser examinada em seu inteiro teor, articulando os seus artigos, parágrafos, incisos em um único corpus analítico, juntamente com a Exposição de Motivos de 3 de abril de 2020 …

por em

Quais crianças sua branquitude escolhe proteger?

Um sábio provérbio africano diz: “É preciso um vilarejo inteiro para cuidar de uma criança”.  Significa que toda uma comunidade de pessoas e, não apenas os pais, deve garantir o ambiente saudável e seguro às crianças.  O Estatuto da Criança e do Adolescente, no seu artigo 3º Parágrafo único diz o seguinte: “Os direitos enunciados nesta …

por em

Vidas amarelas por vidas negras

Homem amarelo, olhos puxados, óculos, livros na mão e estudante de medicina: uma combinação que não gera estranhamento e que confirma o estereótipo do asiático dedicado e inteligente. Como os indivíduos negros e indígenas, os chamados orientais também fazem parte de um grupo racializado. Porém, ao contrário de uma história de genocídio que se estende …

por em

Apagão de dados e imunização digital: rastreamento só para o que interessa

Em muitas regiões do Brasil, o isolamento e monitoramento do avanço da Covid-19 tem sido feito por meio de esforços coletivos e autônomos. Povos indígenas e quilombolas fecham acessos a suas comunidades, tentando conter invasões e denunciar desmatamentos que, além de devastar, aumentam a circulação do novo coronavírus. Comunidades periféricas de zonas urbanas se auto-organizam …

por em

Opondo “pacíficos” x “violentos” nos discursos sobre manifestações

Conforme aumentavam em número e intensidade as manifestações nos Estados Unidos, cujo estopim foi a morte por sufocamento de George Floyd por um policial branco, a imprensa brasileira oscilava a narrativa, classificando as ações dos manifestantes: marchar, andar pelas ruas em multidão é permitido, legítimo. Assim como  diversos expedientes simbólicos similares – ajoelhar diante de …

por em

Papicha: resistência, criação e redirecionamento da libido

Os últimos anos têm sido de emoções à flor da pele. Em 2018, mesmo com debates nas ruas, com nossas famílias, amigos e conhecidos, um candidato da extrema-direita ganhou força na corrida eleitoral. Muitos de nós, e falo especialmente a partir do movimento estudantil, fomos incansáveis. Nossa energia e ação política moveram-se no espaço público, …

por em

A violência do vírus e a violência do mito

Na novela “O Noturno do Chile”, escrita por Roberto Bolaño[1], um padre de nome Sebastian Urrútia Lacroix narra o processo golpista contra o governo de Salvador Allende na década de 1970. Em uma das cenas, o padre está de visita a uma festa oferecida por um funcionário de alto escalão da embaixada norte-americana e grande …

por em

Black Panther: que África é esta em Wakanda?

Depois de dois anos, eu finalmente decidi assistir o blockbuster da Marvel, “Black Panther” (Pantera Negra, em português) que estreou nos cinemas em 2018 com um elenco estrelar dirigido pelo jovem diretor afro-americano Ryan Coogler. Difícil não ver na escolha do diretor e também do elenco um programa político. Em plena era do Me Too …

por em

Narcotráfico em tempos de Covid-19

No dia 24 de maio de 2020, alguns estados brasileiros completaram dois meses de isolamento social em busca da contenção do avanço do novo coronavírus entre seus habitantes. Esse isolamento fez com que diversos setores econômicos, sobretudo o comércio, fechassem as portas. Apenas os serviços considerados essenciais foram autorizados ao funcionamento, tendo todo um controle …

por em

O necrogoverno Bolsonaro isolado da ciência e do mundo

Duas coisas destacam o Brasil no atual momento de enfrentamento à pandemia: sermos o único país no mundo com mais de 100 milhões de habitantes que tem o desafio e compromisso de oferecer um Sistema Único de Saúde (SUS) de qualidade para todos. O SUS, mesmo diante de diversos ataques, resiste com seus trabalhadores e …

por em

Um novo “jeitinho” para justificar o ensino a distância?

A educação superior pública sempre passou por desafios, desde seu nascedouro com uma perspectiva de educação elitizada e voltada basicamente ao ensino, até alçar outros patamares, passando pela constituição de um sistema educacional complexo, amplo (embora ainda insuficiente para ser universal) e que pouco a pouco foi se legitimando a partir do tripé ensino-pesquisa-extensão. Essa …

por em

Pandemia e litígios na educação

A pandemia Covid-19 tem desafiado gestores e comunidades a encontrar medidas que evitem o colapso dos sistemas de saúde e reduzam os óbitos. Para tentar reduzir os casos de contaminação, prefeituras adotaram o regime de isolamento social, suspendendo atividades de diferentes naturezas, entre as quais dos estabelecimentos de ensino, públicos e privados. No caso dos …

por em

A pandemia que dissecou a tirania de Bolsonaro

O desinteresse que Jair Bolsonaro tem mostrado em relação ao combate à pandemia que devasta e ceifa a vida de tantos brasileiros demonstra a face mais sombria de uma pessoa que não apresenta qualquer conexão com os rumos da sociedade brasileira. Bolsonaro, além de perdido e sem horizonte para oferecer ao país, parece estar cada …

por em

A hora e a vez das organizações interestatais de bem-estar social

O novo coronavírus não conhece fronteiras nacionais. Com velocidade arrasadora, contaminou mais de 7 milhões de pessoas na África, América, Ásia, Europa e Oceania, das quais 400 mil perderam a vida. Não bastasse o sofrimento causado por cada indivíduo doente e falecido, o novo coronavírus lançou o mundo em uma nova e profunda crise econômica …

por em

Nada como antes

I Na ditadura, líderes denominacionais estudaram na Escola Superior de Guerra, entregaram pastores para os órgãos de repressão, e incutiram nos fiéis que era uma luta contra o comunismo ateu. A partir da década de 1970, o anticomunismo foi acirrado pelas campanhas de apoio aos mártires da cortina de ferro, e da cortina de bambu. …

por em

Trabalho infantil deixa 2,4 milhões com infâncias ceifadas no Brasil

Segundo definição da Organização Internacional do Trabalho (OIT), o trabalho infantil priva a criança de sua infância, de seu potencial e de sua dignidade, e é prejudicial ao seu desenvolvimento físico e mental. Outra definição possível é todo trabalho realizado por crianças e adolescentes abaixo da idade mínima permitida, de acordo com a legislação de …

por em

O aumento da tensão mundial e o desafio ao poder naval dos EUA

Quem tem o mar tem o comércio do mundo, tem a riqueza do mundo; e quem tem a riqueza do mundo tem o próprio mundo. Sir Walter Raleigh (1552-1618), conselheiro econômico e militar da Rainha Elizabeth I, da Inglaterra.1 Dois terços da superfície “terrestre” estão cobertos pela água dos mares; a maior parte dessas águas …

por em

Tanatoeconomia, a economia política da morte

Se a única coisa que de o homem terá certeza é a morte; a única certeza do brasileiro é o Carnaval no próximo ano. Gracialiano Ramos Thánatos significa morte em grego, oposto de bio. Na mitologia grega, Tânato1 era a personificação da morte. Ao contrário de Sísifo, que persuadiu Tânato elogiando sua beleza e conseguiu …

por em

O ar que você respira pode agravar a pandemia

O Brasil, até 3 de junho de 2020, havia atingido mais de 580 mil casos e 32 mil óbitos confirmados por Covid-19. O país já é o 2º com maior número de casos, após os EUA; o 4º com maior mortalidade, e o 10º em número de mortes por 100 mil habitantes. Como agravante deste cenário, …

por em

O Brasil atual e a República de Weimar: crise constitucional?

Nos últimos anos, com a ascensão de governos autoritários, a literatura sobre crises democráticas vem ganhando espaço não só no campo da ciência política1, mas também no debate constitucional2. As questões que se colocam são: qual é o ponto de ruptura para que se instale uma crise constitucional? Seria a Constituição e, por consequência, sua …

por em

A ciência e a origem do novo coronavírus: um debate necessário

  Um falso dilema Há um conhecido aforismo que diz que “em tempos de guerra a primeira vítima é a verdade”. Permitam-nos parafraseá-lo como forma de introduzir a reflexão que queremos apresentar neste artigo: em tempos de irracionalismo, a primeira vítima é a lógica. Quando as regras da argumentação lógica são manipuladas em função de …

por em

Piratas e traficantes: o mundo mágico infanto-juvenil

A figura do pirata foi romantizada pela modernidade, embora tais foras da lei fossem considerados verdadeiros marginais pelas autoridades. Como mostra o arqueólogo marinho Leandro Domingues Duran, os piratas foram vistos pelos contemporâneos “como uma corja desprezível de malditos” que povoaram “o imaginário da gente comum ao ponto de terem mesmo se transformados em homens …

por em

A desinformação em meio à crise social

Jamais alguém pôs em dúvida que verdade e política têm más relações. Assim Hannah Arendt inicia o ensaio Verdade e política1, publicado originalmente em 1967. No texto, discute a tensão entre esses dois elementos, questionando se é da essência da verdade ser impotente e se está na essência do poder o ato de enganar. A …

por em

Por que Trump rompeu com a OMS?

A estridente saída dos Estados Unidos da Organização Mundial da Saúde (OMS), anunciada por Donald Trump, em 29 de maio de 2020, tem duas dimensões: uma conjuntural e, outra, estrutural. No que se refere a conjuntural, não é mera coincidência que o presidente Trump tenha anunciado a saída do país no exato dia em que …

por em

Pandemia e ensino a distância

Um dos efeitos colaterais da pandemia Covid-19 foi o de compelir muitas instituições de ensino a acelerar a adoção de tecnologias para substituir as configurações presenciais de sala de aula por ambientes de aprendizagem virtuais, o chamado ensino a distância ganha centralidade no momento. Os riscos dessa aceleração tornam indispensável o debate quanto ao planejamento …

por em

Saúde indígena: atenção nunca precisou ser tão especial

Era o segundo mês de pandemia no Brasil. Os casos do novo coronavírus já haviam oficialmente tirado a vida de 12.400 pessoas e medidas restritivas contra a circulação já alteravam a rotina de todas as regiões do país. No dia 12 de maio de 2020, pontadas nas costas, acima dos rins, levaram uma técnica de …

por em

Ausência de políticas públicas efetivas para população de rua

A pandemia do coronavírus expôs de forma abrupta as faces cruéis da extrema desigualdade social, econômica e urbana. Em países como o Brasil, em que as desigualdades são gritantes, grande parcela da população, especialmente urbana, trabalha no mercado informal sem seguridade social, e mora em condição de precariedade extrema. Consequentemente, os efeitos da pandemia se …

por em

As resistências ao fascismo e ao racismo nos EUA e no Brasil

Quem já leu algo dos chamados “pais da política moderna” passou, inevitavelmente, por Thomas Hobbes e aprendeu que, para os chamados “contratualistas”, não há vida possível sem a existência do Estado. Seria essa grande e poderosa instituição o ente que protegeria a integridade física de cada súdito e preservaria sua propriedade. Independentemente do regime político …

por em

A visão turva do governo federal em relação à importância das “Humanidades”

No que se refere à criação de valor e riqueza, há pelo menos duas décadas, o foco tem se centrado no conceito de inovação produtiva, a qual possibilita o aumento da competitividade, de valor, e consequentemente maior riqueza nacional. Por meio de uma visão linear desenvolvida nos Estados Unidos na década de 1940 – para …

por em

Vidas em estatísticas

A morte de George Floyd no dia 25 de maio de 2020 gerou comoção entre negros e brancos nos Estados Unidos. Segundo relatos, o cidadão norte-americano de 46 anos que trabalhava de segurança em um restaurante de Minneapolis teria sido abordado por policiais após uma denúncia de que estaria usando documentos falsos. Na ocasião, o …

por em

A Marcha do Silêncio, Uruguai

A cada dia 20 de maio é realizada, a há 25 anos, a manifestação mais multitudinária da República Oriental do Uruguai, conhecida como a Marcha do Silêncio. A liderança incansável e inflexível é da Associação de Mães e Familiares de Uruguaios Detidos e Desaparecidos, entre muitas organizações, movimentos e personalidades que a apoiam. Um dado …

por em

Entre vírus, parasitas e fascistas: o que pode o cinema?

Com a pandemia de Covid-19 e o Poder Executivo chefiado por Bolsonaro, estamos com o pior cenário vivido por essa geração e o pior governo possível para enfrentá-lo. Mas será que voltar àquela situação anterior ao coronavírus é suficiente? Assim como a política, a arte já nos mostrava o esgotamento dos modos de vida que …

por em

O neoliberalismo destruiu a política como refúgio dos vulneráveis

Noam Abraham Chomsky nasceu em 7 de dezembro de 1928, na Filadélfia (EUA). Ele é lingüista, graças a seu pai, pois foi ele quem orientou seus passos no estudo da lingüística, e também filósofo. A educação que recebeu em casa contou com lições de hebraico e debates sobre política sionista – sua família estava muito …

por em

Damares Alves e a performance da masculinidade na reunião ministerial

A divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril realizada por meio da autorização do ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello provocou inúmeras sensações aos espectadores atentos aos desdobramentos da crise instalada no governo Bolsonaro. A sexta-feira de 22 de maio foi agitada pelas falas polêmicas de alguns dos ministros, cuja …

por em

Histórias e direitos humanos: pensando a partir da pandemia

Há algumas semanas um colega de profissão e amigo me convidou para uma mesa no Congresso da Ufba que trataria de política e narrativa. Não tinha uma ideia muito clara de que caminho iria percorrer; mas dias depois do convite li uma matéria de Maria Carolina Trevisan que tem me feito pensar. Intitulada “Apavorado”: com …

por em

Uma reflexão sobre o vídeo da reunião ministerial

A reunião ministerial do dia 22 de abril escancarou mais do que o baixo nível dos atuais ocupantes do Poder Executivo. Ela revelou o vírus que contaminou parcela da população brasileira; isto é, o fanatismo. Talvez poucas pessoas tenham participado de alguma reunião profissional ou até condominial com aquele clima e naquele tom. A falta …

por em

Guia básico para pensar a política externa brasileira

O texto abaixo não pretende apresentar um receituário capaz de resolver os nossos dilemas diplomáticos. Tal proposta seria meramente uma ilusão. O objetivo é contribuir, mesmo que de forma modesta, com a necessária reflexão coletiva a respeito das possibilidades e dos limites das diversas estratégias geopolíticas que circulam nos meios de comunicação. É preciso ter …

por em

Um intelectual sem concessões

Roberto Schwarz não é um intelectual usual, daqueles que nadam no sentido da corrente. Bem ao contrário. No limite, a sua trajetória pode ser vista como a explicitação de um modelo de trabalho intelectual que, dos anos 1960 até os dias de hoje, foi sendo cada vez mais colocado em questão. Pode-se mesmo dizer que …

por em

Cloroquina ou tubaína?

Cloroquina No dia 2 de junho, o Brasil registrou o recorde de 1.262 mortes num único dia pela Covid-19. Há muitas semanas o Brasil vem escalando os píncaros da tragédia desencadeada pela pandemia. Sem desenvolver nenhuma política para tratar do assunto, o governo federal conspira diariamente contra as medidas adotadas por estados e municípios. Ainda …

por em

Tempos melancólicos

“Um filme deveria ser como uma pedra no sapato.” Lars von Trier O coronavírus trouxe consigo ares de morte, de vazio, de nada, de fim-de-mundo. O filme Melancolia (2011), de Lars von Trier, prenuncia um cenário similar, tanto pela catástrofe anunciada quanto pela atmosfera pré-apocalíptica. Trier cria um enredo em que um planeta está prestes …

por em

A pandemia do confinamento: políticas de morte nas prisões

Desde o anúncio da pandemia do novo coronavírus, várias camadas de crises são construídas pelo Poder Público, muitas delas com efeitos letais. Na política criminal, tais crises traduzem-se no aprofundamento da exposição à morte da população prisional, já vulnerabilizada pela precariedade de suas vidas geridas pelo hiperencarceramento. O Brasil possui uma população prisional de 757.170 …

por em

#Blackouttuesday e a comoção seletiva da elite brasileira

Precisou um homem negro ser assassinado por asfixia nos Estados Unidos para que o Brasil, um um país onde um jovem negro é assassinado a cada 23 minutos, segundo dados da Organização das Nações Unidas, se mobilizasse contra o genocídio da população negra. Há uma semana a imprensa do Brasil e do mundo cobre as …

por em

Cara gente branca: quantos mais teremos que morrer?

Nos últimos dias temos observado a eclosão de protestos cada vez maiores por todo território dos EUA, em razão da violência policial estadunidense contra a população negra. A morte de George Floyd, homem afro-americano de 46 anos, marcou o estopim para manifestações, por algo que não é novo: o assassinato de mais um corpo negro …

por em

Cultura e o capitalismo de crise permanente

Ao contrário da perspectiva do capitalismo organizado, a substância das crises no regime capitalista (crise especulativa, crise bancária, crise financeira) vem de fundamentos estruturais e sistêmicos. É como se o capitalismo vivesse uma permanente crise estrutural, conforme expressão cunhada por István Mészáros, uma vez que, por não ter limites para a sua expansão, acaba por …

por em

Medo no fronte da pandemia em números

Se há uma certeza sobre a crise de coronavírus é que se trata de um fenômeno inédito. Outros familiares virais do Sars-CoV (Sars = Síndrome Respiratória Aguda Grave e Cov = Coronavírus e) são estudados faz tempo, mas ainda sim não temos muitas certezas em relação ao Sars-Cov-2. Estamos diante do temor do desconhecido. E …

por em

Os dilemas econômicos de Timor-Leste

Com exceção dos países mais importantes no cenário internacional ou os marcados por epicentros do novo coronavírus em cada região do planeta (Itália, Espanha, EUA e Brasil), a maioria das nações crivadas pela pandemia são invisibilizadas pela grande mídia, e mesmo num mundo intensamente globalizado, é difícil acessar informações sobre muitos lugares. Mas já que …

por em

As despesas da União com a Covid-19

Após quatro meses de declaração de emergência nacional, apenas 40,1% do valor planejado no orçamento do governo federal para combater a pandemia do novo coronavírus foi de fato gasto: dos R$ 274 bilhões autorizados, somente R$ 110 bilhões foram pagos. A baixa execução dos valores orçamentários é sentida pela população, que, em grande parte, está …

por em

O que está nos matando tem nome: neoliberalismo

O Brasil ultrapassou à assustadora marca dos 29 mil mortos (com subnotificação) em decorrência da pandemia de covid-19 no país. A crise sanitária se espalhou e o epicentro da pandemia passou da China para a Itália e demais países europeus, então para os Estados Unidos e, agora, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que …

por em

Justiça e jornalismo nas Américas

Por que a rede social não foi mais eficaz em assegurar a justiça social? Alguns argumentam que foi. Ela conecta as pessoas, viraliza a resistência contra o racismo e é útil juridicamente – porque mostra como os relatos policiais nem sempre correspondem às evidências amplamente divulgadas pela população. De fato, as evidências que levam ao …

por em

Big data: mídia e consumo digital

A percepção de que a sociedade pode ser um grande conglomerado de bolhas não é uma particularidade da internet, pois o mercado sempre viu as pessoas como possíveis clusters, como são identificadas as pessoas com um determinado comportamento em marketing. O meio digital trouxe novas possibilidades de catalogar e se relacionar com seus públicos-alvo, fazendo-os …

por em

A saúde dos povos indígenas e a obscuridade do governo

Darcy Ribeiro, em sua clássica obra Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno, ensinou que a história da relação entre a sociedade dominante e os povos indígenas do país constitui-se numa história marcada por chacinas e epidemias; ainda mais, que as doenças pulmonares encontram-se entre as principais causas da …

por em

Por uma comunidade cívica no Brasil

Mais uma pesquisa sobre a popularidade do governo de Jair Bolsonaro em tempos de pandemia foi divulgada. Mal publicam e uma horda de analistas políticos distribuem os resultados de maneira aleatória e instantânea em suas redes sociais. A conversa sobre política em tempos de covid-19 é feita nesse espaço social e não mais no bar, …

por em

A irresistível ascensão do fascismo de coalizão

A obra principal do fascismo é o aperfeiçoamento e organização do sistema ferroviário. Os comboios agora andam bem e chegam sempre à tabela. Por exemplo, você vive em Milão; seu pai vive em Roma. Os fascistas matam seu pai, mas você tem a certeza que, metendo-se no comboio, chega a tempo para o enterro. Fernando …

por em

Capítulos finais

O impasse que o Brasil vive está prestes a ser rompido. Quando Bolsonaro estabilizou os índices de apoio a seu governo em torno dos 30%, o país passou a viver uma situação nova: a rejeição ao governo e sua aprovação eram equivalentes. Entre os polos de rejeição/aprovação havia uma maioria que via aspectos positivos e …

por em

O uso da hidroxicloroquina e cloroquina à luz do ordenamento jurídico

Instalou-se no país um intenso e exaustivo debate em torno do uso off label dos medicamentos hidroxicloroquina e cloroquina, para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) e seus efeitos. Ao lado da discussão de seu uso terapêutico, há uma questão de ordem jurídica que não pode ser olvidada, ou seja, o desenho regulatório …

por em

Diplo transmite ao vivo seminário virtual sobre as direitas brasileiras

Entre os dias 1º e 10 de junho acontece o II Simpósio Direitas Brasileiras – “Bolsonaro no poder”, organizado pelo Centro de Estudos Marxistas (Cemarx), do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. O evento é aberto e poderá ser acompanhado no canal do Youtube do Le Monde Diplomatique Brasil (youtube.com/diplobrasil). …

por em

Programação do II Simpósio Direitas Brasileiras – “Bolsonaro no poder”

  1) Análise de conjuntura: governo Bolsonaro no contexto da pandemia Sessão 1: Governo e economia – 1º de junho (segunda) / 17:00-18:30 MARCOS NOBRE (UNICAMP/CEBRAP) LAURA CARVALHO (USP) Mediação: Sávio Cavalcante Sessão 2: Próximas eleições – 1º de junho (segunda) / 19:30-21:00 RACHEL MENEGUELLO (UNICAMP/CESOP) ANDRÉ SINGER (USP) Mediação: André Kaysel   2) Direitas, …

por em

A diluição do poder de expor à morte

Nós choramos a morte de João Pedro. O menino, morador de São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, foi morto durante uma operação da Polícia Federal, com apoio das polícias Civil e Militar. Morreu enquanto brincava. João Pedro, junto com os seus primos, jogavam sinuca em casa. Segundo as testemunhas, a família tentou …

por em

Sars-CoV-2, suinocultura intensiva e a agricultura industrializada

O aumento da produção de alimentos após a Segunda Guerra Mundial esteve atrelado à intensificação da agricultura, e, em sua esteira, à criação de animais em escala industrial, principalmente carnes bovina, suína e de frango, como, supostamente, um meio de produção de carne a preços acessíveis. À época, as tecnologias a ela relacionadas foram amplamente …

por em

Enem: não basta adiar, é preciso debater o calendário

Em seus 22 anos de trajetória, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) se consolidou como o principal mecanismo de acesso ao ensino superior no Brasil. Todas as universidades federais usam a nota do exame de alguma forma em seus processos de admissão. Através do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) instituições públicas federais, estaduais e …

por em

O que separa João Hélio de João Pedro?

“Vamos às atividades do dia: lavar os copos, contar os corpos e sorrir a essa borda rebeldia.” (Lion Man, Criolo). João Pedro Mattos, morador de São Gonçalo, Rio de Janeiro, foi baleado no abdômen dentro da casa do tio durante uma operação policial. João Pedro tinha 14 anos, era um adolescente, negro, morador da favela …

por em

Por quem os sinos dobram?

“Nunca se vence uma guerra lutando sozinho Você sabe que a gente precisa entrar em contato Com toda essa força contida e que vive guardada O eco de suas palavras não repercutem em nada”. Raul Seixas No ano de 1940, Ernest Hemingway publicou o romance For whom the bell tolls (em português, “Por quem os …

por em

O Estado e o Direito como perpetuadores de injustiças

Em Piracicaba, interior de São Paulo, um evento bizarro aconteceu no início do mês de maio. Simplesmente no meio de uma pandemia, uma crise sanitária e de saúde sem precedentes, uma juíza aprovou a reintegração de posse da gleba onde estava a comunidade Taquaral, no bairro Monte Líbano. O terreno em questão era uma propriedade …

por em

Figura alguma é o bastante

Entre os dias 23 de março e 23 de abril de 2020, Jeff Bezos teve sua fortuna aumentada em US$ 27,5 bilhões. Fundador e principal acionista da Amazon, Bezos é o homem mais rico do planeta, detentor, em 23 de abril, de um patrimônio de US$ 144,5 bilhões. O aumento de sua fortuna em 19% …

por em

Quando a cor importa: o racismo estrutural na esquerda

Para João Pedro Matos Pinto Os fascistas nunca esconderam o seu desejo pela punição da população negra. A famosa frase “bandido bom é bandido morto” tem endereço e cor. Esse texto não é para eles. Quem se coloca no lugar de julgar quem deve morrer e viver já abandonou qualquer resíduo disso que ainda chamamos …

por em

O “Evangelho da Razão” segundo Celso Furtado

Que diários são estes, escritos por Celso Furtado em diversos momentos de sua vida, e que Rosa Freire d’Aguiar, com criterioso trabalho de organização, nos presenteia? Rosa leu, releu e transcreveu os diários. Elaborou com esmero as notas de rodapé, as apresentações de cada capítulo e a introdução geral do livro, captando o essencial do …

por em

Etnia Xukuru-Kariri e as práticas populares no enfrentamento à Covid-19

A Covid-19 fez emergir uma crise instalada há muito tempo no sistema capitalista moderno e colonial. Essa crise aponta para a insustentabilidade desse modelo extrativista de sociedade, que busca mediar as relações do viver, por meio da mercadoria, buscando transformar todas as formas de vida e a natureza em recursos a serem extraídos para o …

por em

O abandono de pessoas trans durante a pandemia

Com o distanciamento social, muitos profissionais informais sofrem com a paralisação dos seus serviços. Para alguns grupos sociais já marginalizados, a situação se agrava. E nesse aspecto o isolamento social deixa de ser uma novidade para quem cresce num contexto de violência e vulnerabilidade social.  A discriminação social dos “diferentes” é um elemento presente no …

por em

O novo veto do Capitão Fome

Frustram nossa esperança equilibrista, mas estão longe de ser surpresa, os vetos do presidente Jair Bolsonaro ao Projeto de Lei 873/2020, que foi aprovado pelo Congresso Nacional e incorporava entre os beneficiários do chamado auxílio emergencial diversas categorias ausentes na lei original (13.982) e igualmente necessitadas dessa renda. Entre elas, foram vetados os agricultores familiares …

por em

Impeachment, autogolpe ou novas eleições

O Brasil “marcha” a passos desconcertados, porém diários, para uma ditadura que – quando comparada ao sombrio regime de exceção sofrido pelo país a partir do golpe militar de 1964 – tende a ser ainda mais nociva à sociedade, à economia, ao meio ambiente e à vida. Agora, o conjunto de forças que prestará esse …

por em

A perversa economia política da pandemia no Brasil

Após Keynes escrever sua célebre frase de que “no longo prazo todos estaremos mortos”, ele passou a ser acusado de se preocupar somente com as benesses que o uso de políticas econômicas expansionistas poderiam proporcionar no curto prazo, relegando às gerações futuras o ônus dessas decisões. Posteriormente, quando publicou sua teoria geral, resgatou a ideia …

por em

O governo contra-revolucionário de Jair Bolsonaro

Foi o cientista político Bernard Harcourt que, em sua obra “A contra-revolução” (Basic Books, 2018), demonstrou como se impôs nos Estados Unidos um modelo de governo de contra-insurgência pelo presidente Donald Trump cuja descrição serve como uma luva para descrever o modelo de governo de Jair Bolsonaro: assim como Trump nomeou para diretor geral da …

por em

A educação brasileira e a pandemia: breve olhar conjuntural

Qualquer aposta sobre o futuro, em qualquer flanco científico, é demasiadamente arriscada. Mesmo em mãos as evidências pretéritas, toda tentativa de descortinar o inexistente pode padecer ao fracasso, principalmente, no campo das ciências humanas. Neste sentido, tenho a pretensão de expor latentes questões, projetos, problemas e tendências da agenda neoliberal, materializada por meio das políticas …

por em

Hollywood vs o coronavírus

Os filmes oferecem cartografias de notável precisão para diagnosticar o caráter psico político, cultural e sociológico de uma sociedade em uma determinada época. Segundo o filósofo e teórico cultural norte-americano Douglas Kellner, nos anos 2000, uma série de filmes hollywoodianos retratou catástrofes apocalípticas variando de desastres ambientais a cataclismas sociopolíticos nas formas de entretenimento de …

por em

Cidadania a se construir

Nossa luta está iluminada pela vontade da construção da cidadania porque se houve cidadania para alguém neste país, ela foi concebida e gestada à imagem e semelhança das elites dominantes ou de grupo de poder autoritário. Depois de concebida foi doada pura e simplesmente, para dar feição de “povo” à população genérica. No Brasil, o …

por em

O multilateralismo, a pandemia e o rio da nossa aldeia

A singularidade, os dramas e as incertezas da pandemia do novo coronavírus apanharam descalça a humanidade, anunciando o limiar de um mundo que ainda não se revelou na extensão e profundidade de mudanças obviamente inevitáveis. Entre elas, certamente se colocará o incremento da busca por soluções comuns para desafios que são universais, em um mundo …

por em

É hora de falar da educação como bem público

Na rotina escolar da pandemia não existe aula presencial. Medida excepcional, a suspensão das aulas foi necessária para proteger a saúde e a vida de profissionais da educação, estudantes e suas famílias, mas tem gerado intensas polêmicas sobre as decisões tomadas pelas redes de ensino para administrar essa suspensão e, sobretudo, para lidar com a …

por em

O amanhã não pode ser normal

Nestas últimas semanas de quarentena tenho lido vários artigos, posts e comentários sobre a nova organização da vida social, da economia e das cidades. As crônicas são marcadas por muitas concordâncias, algumas fabulações, esperanças em tempos melhores, mais solidários, e o normal ceticismo daqueles que procuram, e não acham, algo intrinsicamente positivo na essência humana.  …

por em

Sobre abusos sexuais, isolamento social e rede de proteção

Em tempos de pandemia de Covid-19 e de isolamento social estamos mais próximos de compreendermos a maneira como crianças e adolescentes abusadas sexualmente são forçadas a lidar, em muitos casos, com a violência vivenciada, e, inversamente, estamos mais distantes de conseguir denunciar os casos justamente por causa da condição do distanciamento e de seus impactos …

por em

A ‘política negativa’ nos moldes do bolsonarismo

O título pode erroneamente induzir-nos a visualizar o bolsonarismo como um fenômeno de negação para o estabelecimento de algo novo. O que ocorre é justamente o inverso. A negação exerce um papel retroativo, de estabelecimento de ordens política, social e epistêmica corroídas pelo tempo. Logo ao expressar o seu interesse pela corrida eleitoral, Jair Bolsonaro …

por em

Pouca saúde

Não se deu até aqui prioridade necessária dentro do orçamento federal para gastar com saúde, nem mesmo para as ações específicas de combate à Covid-19 diante de uma tragédia humana, social e econômica, anunciada e crescente. Muito antes de ser confirmado o primeiro caso no país, em 3 de fevereiro foi declarada emergência nacional1 e, …

por em

Em defesa da vida, da saúde e dos direitos sociais em São Paulo

Estamos juntas/os, militantes de diferentes coletivos, pastorais sociais, fóruns, movimentos sociais, frentes e sindicatos enfrentando a pandemia do coronavírus que assola o país e, em especial, o estado de São Paulo. Reconhecemos os esforços das autoridades públicas municipais e estadual em São Paulo, que reagiram à pandemia instaurando o distanciamento social e reorganizaram-se para desenvolvimento …

por em

Quando a desigualdade passa a comandar a economia

“O governo deveria emitir mais moeda para enfrentar a crise econômica? Sim ou não?” A pergunta colocada pela página de debates da Folha de S.Paulo em 10 de maio oferece importantes pontos e contrapontos sobre os diferentes posicionamentos. Não estranhe, porém, ficar apenas mais confuso na tentativa de formar uma opinião após a leitura. Isso …

por em

Os militares e a destruição nacional

A combinação da tragédia humanitária da Covid-19 com a escalada autoritária do presidente Bolsonaro, no seu intento de alcançar o poder absoluto, coloca na ordem do dia o debate sobre o papel dos militares e aponta para a necessidade de a sociedade civil organizada enfrentar publicamente o debate acerca do papel constitucional das forças armadas, …

por em

Quem ganha com a crise?

A ideia de que a pandemia do novo coronavírus levará a ganhos geopolíticos para a China vem tornando-se parte de um senso comum no Brasil. Esse argumento foi expressado de forma irresponsável, difamatória e xenófoba pelo ministro da Educação brasileiro, por exemplo. Contudo, a suposição de ganhos geopolíticos para a China é uma afirmação peremptória, …

por em

Žižek e o cinismo do Messias

Slavoj Žižek foi considerado pela revista neoconservadora americana New Republic o “filósofo mais perigoso do ocidente” – o que deve ter significado um elogio, apesar das interpretações ao pé da letra de fragmentos de seus livros pelo editor sênior do jornal, Adam Kirsch, no afã de construir o perigo eminente. Além disso, o jornal britânico …

por em

A dívida pública: de vilã a aliada do Estado

O debate sobre a dívida pública há tempos tem sido alvo de discussões acaloradas. Consagrado no popular “gráfico pizza” da autoria cidadã da dívida, o questionamento em torno do uso da emissão de título como parte considerável do financiamento do Estado tomou espaço nas discussões sobre política econômica.  Nosso objetivo aqui é, aproveitando o ensejo …

por em

Os mitos da Brasil Paralelo

Nos anos 1950, tornou-se famosa a análise semiológica de uma capa de Paris-Match por Roland Barthes. A edição em questão mostra um soldado negro, vestindo uniforme francês, saudando a bandeira tricolor. A conclusão do semiólogo aponta ali a existência de um discurso mítico: o colonialismo francês está presente na cor da pele do militar, mas …

por em

O riso do inferno

Alegria maligna! Poucas palavras expressariam os deboches, as gargalhadas e as agendas de lazer não canceladas do Chefe de Estado brasileiro ante os milhares de mortos pela Covid-19. Um dos últimos exemplos foi seu passeio de jet ski no dia em que o número de vítimas fatais passou de 10 mil. É certo que palavras …

por em

Duzentos anos de discussão: história da saúde pública, pobreza e covid-19

Dia desses, Jair Bolsonaro relacionou as mortes por covid-19 à renda. Mal sabe ele que esse é um debate secular na história da saúde pública mundial. Nesse debate quem defendeu a relação entre mortalidade e pobreza foram os progressistas atentos às desigualdades sociais. E esses progressistas foram um a um abafados por práticas conservadoras de …

por em

Os resultados cambiais do BC devem ser usados no combate à crise

O Brasil é o atual epicentro da pandemia da Covid-19. O isolamento social é inevitável para mitigar o contágio e os óbitos, sobretudo com a grande possibilidade de colapso no sistema de saúde. Enquanto não se controlar o avanço da pandemia, não há como propor a volta à normalidade econômica. Há grande apreensão e incerteza …

por em

O contínuo prisão – periferia na pandemia

Uma pandemia provocada por vírus que ataca diretamente nossas vias respiratórias exige o máximo cuidado com questões sanitárias, como distanciamento social e higienização de superfícies, produtos sintéticos, alimentos, corpos e tudo que possa eventualmente ter contato com o novo coronavírus. Propagandas públicas e da iniciativa privada buscam constantemente divulgar e recomendar a adesão de novas …

por em

Homo Notitia: indivíduos como vetores de dados para consumo

O título para esse artigo é uma provocação para chamar a atenção de algo que trouxe uma ruptura em nossa sociedade de consumo, o uso de dados e informações para compreender comportamentos e compras. Notitia está em latim e expressa a ideia de informações ou dados, aquilo que é possível de ser transmitido através de …

por em

Nem tudo está perdido

Para o geógrafo David Harvey, há uma taxa quase mística de crescimento para uma economia de mercado. Segundo ele, informalmente estipulada desde os primórdios do capitalismo, seria de 3%. Se mantida anualmente, por muito tempo, levaria o capitalismo a encontrar saídas para os períodos de baixa do rendimento acumulado das taxas de retorno do capital …

por em

Covid-19 é mais que pneumonia; é uma endotelite

Uma equipe interdisciplinar do Hospital Universitário de Zurique (HUZ), na Suíça, descobriu que mais do que uma doença respiratória, a Covid-19 pode ser caracterizada como uma endotelite, uma doença do endotélio. Os pesquisadores publicaram em abril um estudo na revista médica Lancet demonstrando que o novo coronavírus SARS-CoV-2 atinge diretamente o sistema de defesa do …

por em

Ernesto Araújo e o nazismo no Brasil

Em Bertioga, cidade litorânea de São Paulo, foi encontrado em 1979 o corpo do austríaco Wolfgang Gerhard, com sinais de afogamento. Mas somente em 1985 é que se descobriu que não se tratava de um imigrante austríaco. Sua verdadeira identidade era Josef Mengele, também conhecido como “O Anjo da Morte”1. Mengele foi capitão da SS …

por em

Natureza humana ou condição humana: uma questão pré e pós-pandemia

Se o neoliberalismo tem marcado tanto nossas sociedades nas últimas décadas é porque ele está longe de se reduzir a sua dimensão econômica e se constituiu num verdadeiro projeto antropológico. Formulado por autores como F.Hayek e M.Friedman, sob inspiração de L.Mises, tal doutrina nasce em reação à emergência de novos movimentos sociais no último terço …

por em

Ministério “terrivelmente evangélico” e polícia “dos amigos”

Mas sei, que uma dor assim pungente Não há de ser inutilmente, a esperança O Bêbado e a Equilibrista – Aldir Blanc / João Bosco Moro caiu e Bolsonaro trouxe dois quadros do que poderíamos situar como alinhados ao bolsonarismo de núcleo-duro (a facção impregnada por uma ideologia que combina os imaginários militaristas e milicianos): …

por em

Renda básica é conquista da sociedade civil organizada

Direitos para a maioria da população não são concedidos gratuitamente. Não são benesses do poder, dos ocupantes de cargos na estrutura do Estado. Toda conquista de direitos tem por trás a mobilização da sociedade civil organizada, ainda que isso seja pouco visível aos olhos do conjunto da população brasileira. A pandemia da Covid-19 é mais …

por em

A Nakba continuada na Palestina e o enfrentamento da pandemia

Em uma crise política, os mitos do senso comum emergem. A imagem de Jair Bolsonaro – também conhecido como “Bolsomito” – segurando a bandeira israelense em uma manifestação no Palácio do Planalto, no dia 3 de maio de 2020, gerou uma tentativa de construção de um novo mito: o da bandeira sequestrada. Ou seja, o …

por em

Uma escalada militar, em meio à crise pandêmica

Eu gostaria de enfatizar que qualquer ataque de um submarino americano de mísseis balísticos, independentemente de suas características, será percebido como um ataque com armas nucleares. E, de acordo com nossa doutrina militar, uma ação desse tipo seria considerada motivo para uso retaliatório de armas nucleares pela Rússia. Maria Zakharova, porta-voz do Ministério dos Negócios …

por em

Pescadores e os rumos do desenvolvimento no Brasil

Antes mesmo de se recuperarem dos impactos causados pelas manchas de óleo que atingiram a costa brasileira em 2019, os pescadores artesanais precisam lidar com um nova crise econômica, ambiental, sanitária e social com a pandemia de Covid-19. Em geral localizadas em áreas com grande atividade turística, suas comunidades assistiram à chegada de pessoas, potencialmente …

por em

Quando a economia se torna o berro agonizante dos eugenistas

Em seu livro “Corpos em Aliança e a Política das Ruas” de 2015, a filósofa estadunidense Judith Butler afirma que as discussões acerca da expressão “nós, o povo” deveriam compreender a complexidade cultural e ideológica do tecido social que compõe uma nação.  Na publicação ela faz apontamentos em relação à questão da precariedade populacional – …

por em

O que os números revelam sobre mães e gestantes encarceradas

Ao longo de quase 20 anos, o Instituto Terra, Trabalho e Cidadania tem se dedicado ao monitoramento da condição das mulheres privadas de liberdade, as quais são em sua maioria mães ou gestantes. Assegurado pelo direito fundamental ao acesso à informação, o instituto enviou a todos os estados do país e ao Depen pedidos de …

por em

Pode a China inspirar o direito brasileiro no combate a Covid-19?

Em tempos de instabilidade política, sanitária e econômica em razão da Covid-19, o direito deve se apresentar para oferecer soluções pacíficas e justas aos conflitos e dilemas políticos, sociais e econômicos que dilaceram o Brasil: o aumento abrupto das já altas taxas de violência doméstica, desemprego e miséria escancararam a necessidade de políticas públicas inovadoras. …

por em

A Covid-19 e a desinformação que mata

O papel da disseminação das chamadas fake news durante as eleições foi algo fartamente documentado e verificado, tendo ocorrido principalmente por meio do uso de aplicativos como o WhatsApp. É a chamada desinformação que tem mobilizado vários países e governos diante da compreensão dos prejuízos que a circulação de mentiras tem causado aos países e …

por em

A servidão voluntária e a sociedade conservadora

Desde meados desta década, a configuração política planetária vem se alterando sensivelmente. Se antes, o que se via eram quadros razoavelmente progressistas, em especial na América Latina, o que se nota hoje é o surgimento de líderes reacionários e o conservadorismo dirigindo nações, promovendo enorme retrocesso em questão não apenas social, mas econômica. Exemplos não …

por em

A autonomia indígena em defesa da Amazônia (Parte II)

Parte II: Ao centro, pro fundo Estou no centro do Território Maró, na chamada “Casa de Apoio”, realizando uma ação de vigilância territorial junto aos indígenas Borari e Arapium. O grupo está visivelmente apreensivo com o sumiço de Ademir, um experiente caçador Borari que se perdera na mata fechada durante a atividade de monitoramento, no …

por em

A autonomia indígena em defesa da Amazônia (Parte I)

 Parte I: Na beira, à margem  São 5h00 da manhã e os japiins iniciam a cantoria nas pequiaranas que margeiam as águas escuras do rio Maró, quase na divisa do Pará com o Amazonas. Estou na Terra Indígena (TI) Maró, há 14 horas de barco da cidade de Santarém, em um território de 42 …

por em

A Covid-19 e alguns retratos da internacionalização do ensino superior

Discentes estão em casa, professores estão em casa e as aulas agora são ministradas por videoconferência – ou foram canceladas. A pandemia de Covid-19 impôs novas realidades e limites ao contato social tradicional do ensino superior, no Brasil e no mundo. Além das classes terem sido afetadas, diversos serviços e organismos que têm sua vida …

por em

Aumento das denúncias pode significar maior confiança na Justiça

Levantamentos indicam que na cidade de São Paulo os casos de feminicídios dobraram durante a quarentena. Houve também um aumento significativo de pedidos de medidas protetivas de urgência, prisões em flagrante por violência contra a mulher, denúncias por meio do canal “Ligue 180” e chamadas ao serviço de emergência 190 da Polícia Militar do Estado …

por em

A falta de empatia do presidente

De acordo com Antônio Geraldo da Cunha, em seu tradicional Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa, a palavra empatia significa “tendência para sentir o que se sentiria caso se estivesse na situação e circunstâncias experimentadas por outra pessoa”. Palavra que pode ter surgido na língua portuguesa por meio de uma derivação de empathy do inglês, a …

por em

Covid-19 e a política urbana: a densidade não é a vilã

Um único lar de idosos no Brooklyn (Cobble Hill Health Center), em Nova Iorque, registrou aproximadamente três vezes mais mortes por Covid-19 que a cidade de São Francisco, cinco vezes mais que Cingapura e nove vezes mais que toda Taiwan. A dramática situação vivida no estado levou o governador Andrew Cuomo a sentenciar a densidade …

por em

O sistema prisional e a Covid-19

Em 19 de março, foi declarada a primeira morte por Covid-19 no estado do Rio de Janeiro. Desde então, informações oficiais revelam que houve, aproximadamente, uma morte por dia no sistema prisional do estado, mas apenas quatro óbitos teriam sido causados pela doença. Entretanto, como não houve necropsia ou testes, não há como afirmar, e …

por em

Os poros abertos da América Latina

Quando Eduardo Galeano escreveu sua obra “As veias abertas da América Latina”, na década de 1970, fez uma crítica ao colonialismo e contestou uma visão eurocêntrica da história. No prefácio ele diz: “O passado é mudo? Ou continuamos sendo surdos?”. Diante da crise que assola a humanidade é trágico que milhares de pessoas estejam morrendo …

por em

As ruínas do palácio de Bolsonaro

As relações de Bolsonaro com o Congresso nunca foram amistosas, porém, nas últimas semanas, o caos se instaurou no Planalto. Os motivos? Falta de articulação política, apoio a manifestações antidemocráticas, ataques a governadores, a grande mídia, ao Congresso e ao Supremo Tribunal Federal, incapacidade do presidente em lidar com a crise do novo coronavírus e, …

por em

“Impeachment depende da união da esquerda e da direita democrática”

Desde a chegada ao país do coronavírus, São Paulo tornou-se o epicentro da pandemia no Brasil. E assim como em todo o mundo, são os setores populares os mais expostos ao contágio e os que mais dificuldades têm para obter um atendimento rápido e eficiente em qualquer unidade de saúde. A falta políticas públicas repercute …

por em

O uso do pensamento neoliberal como fortalecimento da elite

Foi na Bahia, em 1808, enquanto negros ainda eram escravizados no país, que a primeira instituição de ensino superior abria suas portas para a elite brasileira. A Escola de Cirurgia da Bahia é instituída em 18 de fevereiro e em novembro do mesmo ano, o Rio de Janeiro abriria sua Faculdade de Medicina. Antes, os …

por em

Covid-19, economia política e a esperança à la brasileira

As perdas humanas, sociais e econômicas provocadas pela pandemia da Covid-19 desnudaram o atual sistema econômico, evidenciando mais uma vez sua incapacidade em lidar com situações de crise. As incertezas causadas pela Covid-19 empurram, cada vez mais, o mundo de forma contundente ao que de pior o atual sistema produtivo oferece. Tal cenário fomenta forças …

por em

A punição penal na sociedade sem contato

A pandemia de coronavírus generaliza uma nova forma de sociabilidade que, a cada dia mais, parece ser a única forma de autopreservação possível neste tempo histórico: a sociedade sem contato. O encontro com o mundo exterior e o toque do outro foram apropriados pelo sanitarismo, de modo que todo contato passou a ser mediado por …

por em

Discurso fake de combate à fome versus práticas necessárias

Dentre as coisas que assumiram certa centralidade em tempos de Covid-19, o debate sobre a necessidade de romper a quarentena ganha certo destaque. Entre as alegações feitas por figuras públicas para a quebra do isolamento, ecoa a necessidade das famílias em garantir meios para seu sustento, para que as economias das famílias não sejam prejudicadas …

por em

Trabalho docente e ensino a distância nas escolas privadas

“A delinquência acadêmica caracteriza-se pela existência de estruturas de ensino em que os meios (técnicas) se tornam fins, e os fins formativos são esquecidos(…).” Maurício Tragtenberg Covid-19 e escolas privadas A necessidade de distanciamento social imposta pela pandemia de coronavírus se impôs também na educação. Desde o dia 23 de março, as aulas foram interrompidas …

por em

Siga o líder?

A última pesquisa de opinião do Datafolha saiu e surpreendeu críticos do governo Bolsonaro. Nela, o apoio ao presidente resiste às falas e ao comportamento irresponsável do chefe do Executivo federal brasileiro. Muito acontecimento grave já ocorreu desde que Bolsonaro foi eleito. Dois ministros com grande popularidade, o da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e da …

por em

Cuba e as possibilidade de enfrentamento aos efeitos da pandemia

Acompanhamos os efeitos da pandemia do novo coronavírus no Brasil, em todas as dimensões, mas também devemos nos voltar para acompanhar a situação em outros países, sobretudo, os países latino-americanos. Esse acompanhamento é ainda mais necessário se encararmos que se acirraram as desigualdades, as competições, incluindo-se a ‘guerra das máscaras’. Até o dia 14 de …

por em

Por que não querer que os incrédulos se contaminem?

Somente a experiência determina a percepção? Todas as respostas possíveis a essa pergunta não podem ser determinantes.  Ao dizer categoricamente que não, se deslegitima, por consequência inevitável, os importantes relatos individuais sobre ser migrante, mulher, LGBT ou negro em diferentes lugares e contextos do mundo. Neles, é a experiência de ser que organiza boa parte …

por em

Coronavírus é de Esquerda ou de Direita?

Duas obras clássicas vieram de prontidão à cabeça para realizar a reflexão proposta pelo título deste artigo. Foram elas: o filme “Dr. Fantástico” (ou no original em inglês: Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb”), de Stanley Kubrik, e o livro “Direita e Esquerda”, de Noberto Bobbio. Em linhas …

por em

A fatura do descaso com o setor de bens de capital e o desenvolvimento tecnológico

A pandemia da Covid-19 impactou fortemente a indústria brasileira; já em crise antes mesmo do vírus chegar. Todavia, a vulnerabilidade das cadeias industriais nacionais ficou evidente quando começaram as dificuldades para importar produtos essenciais da China, somadas à desvalorização do câmbio que passara a pressionar o custo dessas importações e, finalmente, à chegada do vírus …

por em

Um cenário que atualiza uma política estatal de extermínio dos indígenas

Não é a primeira vez que coletivos de povos indígenas, no Brasil, encontram-se em risco de morte devido a doenças não indígenas e, sobretudo, por causa dos não indígenas, como agora, com o novo coronavírus (Covid-19). Essa não é uma constatação fácil de fazer, pelo contrário, é dolorosa e reafirma uma ideia discutida por Pierre …

por em

A morte está dada

Não há trânsito na Marginal do Tietê, uma das vias responsáveis por altos índices de congestionamentos em São Paulo. São 9h30 de uma manhã ensolarada. A rua está vazia. Desde que a pandemia foi decretada eu não pude aderir à quarentena. Já diria um professor de faculdade: não há volta quando se escolhe ser jornalista. …

por em

O repúdio à realidade

O grande delírio racionalista não faz outra coisa senão surrar o real para que este obedeça. Edgar Morin A lenda da Esfinge que afligia a cidade de Tebas ao apresentar um enigma e devorar aqueles que não respondessem corretamente, manifesta-se claramente no momento atual. Somos devorados pela ausência de honestidade no mundo político e entramos …

por em

A derrocada de Bolsonaro

A crise na política brasileira desde o término das eleições de 2014 e que, posteriormente, culminou com o impeachment de Dilma Rousseff demonstram a crescente instabilidade do país nas relações institucionais. Com pouco mais de 30 anos após a promulgação da Constituição Federal de 1988, pela terceira vez, a nação brasileira pode vivenciar o terceiro …

por em

Quem foi Sergio Vieira de Mello?

Diante do lançamento de “Sergio”, longa protagonizado pelo ator Wagner Moura, na Netflix, me perguntei por que poucos brasileiros sabem quem foi Vieira de Mello? Presença de extrema importância , o diplomata e Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, por mais de três décadas, construiu uma extensa credibilidade, trabalhando em todos os …

por em

Covid-19, desigualdade social e tragédia no Brasil

Uma versão corrente do mito grego de Pandora diz sobre a possibilidade – devastadora – de uma caixa, que trazia as mazelas do mundo, ser aberta. Com a abertura da Caixa de Pandora os males da humanidade sairiam e se apresentariam tal como são na realidade. Prometeu, pai da humanidade, cujo nome também pode ser …

por em

Causa mortis determinada: a prisão

Não se deve mais deixar as prisões em paz, em parte alguma (Michel Foucault, em “Ditos & Escritos IV”)   9 de abril de 2015, unidade Paulo Roberto Rocha, complexo de Gericinó (RJ) A Casa de Custódia Paulo Roberto Rocha foi construída para acautelar 750 detentos, porém na data da vistoria a lotação era de …

por em

Sergipe segue modelo Bolsonaro de combate ao coronavírus

Com cores mais ou menos berrantes, a ideologia anti-científica e negacionista não parece estar circunscrita a um espectro político. Nos últimos 12 dias, o estado de Sergipe viu os casos de covid-19 explodirem em número de óbitos e de infecção. Porém na contra-mão das estatísticas e das recomendações da Organização Mundial de Saúde, governador do …

por em

Festival Varilux Em Casa oferece 50 filmes de graça

Há dez anos, o Festival Varilux de Cinema Francês acontece no mês de junho, sempre levando o melhor da cinematografia francesa recente para os cinemas de todo o Brasil. Porém, em tempos em que a recomendação é ficar em casa diante do avanço da pandemia de COVID-19 no Brasil, a edição 2020 precisou ser adiada …

por em

Difusão espacial do coronavírus: diálogo multidisciplinar

O coronavírus não é a primeira epidemia que o mundo assistiu. Já passamos por peste bubônica com a morte de mais de 200 milhões de pessoas, varíola, gripe espanhola, cólera, ebola entre tantas outras enfermidades, mas sem sombra de dúvidas que é a primeira a parar efetivamente a economia e a sociedade no século XXI. …

por em

O uso espúrio do conceito de determinantes sociais da saúde

Nelson Teich, no seu discurso de posse como ministro da Saúde, utilizou uma expressão que pode ter passado despercebida para muitos, em relação ao seu significado mais amplo, mas não para quem trabalha no campo da Saúde Coletiva. Em torno de 1min56 da gravação de seu discurso ele cita en passant o conceito de determinantes …

por em

Não somos deste mundo

“Existe uma Economia da Necessidade e uma Economia do Desejo” Eduardo Moreira, economista brasileiro Não quero escrever sobre política, diretamente, por mais importante que ela seja, e é. Quero escrever sobre vida – não obstante, como verão, ambas estão interligadas, só que muitos ainda insistem em não ver esse fato óbvio e em ficar irritados …

por em

Em 2019, a educação perdeu R$ 32,6 bi para o Teto de Gastos

Já faz quatro anos que a Emenda Constitucional 95, de 2016, foi aprovada. Nesse tempo, seus efeitos foram muito graves para as áreas sociais, especialmente as de saúde, educação, habitação, segurança alimentar e assistência social. Para a educação, área foco deste artigo, desde o começo das políticas de austeridade – em 2015, mas agravando-se a …

por em

Do sofrimento em se isolar ao agir coletivo na solitude

Em dezembro de 2019, em Wuhan, na China, surgiu um surto epidêmico de grave pneumonia, causado pela nova mutação na estirpe do coronavírus, chamado agora de Sars-CoV-2. Isso nos revela também que essa pandemia viral é uma segunda versão da Sars, que acometeu o mundo em 2003. Até às 10 horas do dia 13 de …

por em

O eclipse da cidade e os “sem direitos”

Estamos vivendo o impensável: em muitos lugares da metrópole de São Paulo o som, vindo de fora das janelas, está muito próximo do silêncio. Hoje a realidade parece conspirar com aquilo que define a cidade como o espaço apropriável que sustenta a vida, isto é, um espaço palpável, real e concreto. O que é exterior …

por em

O teatro bolsonarista

Um dos maiores críticos de William Shakespeare (1564-1616), o professor de Universidade de Yale, Harold Bloom (1930-2019), dizia que o Bardo de Avon era o centro do cânone ocidental em uma perspectiva secular, isto é, o ponto de referência da literatura não-bíblica na tradição ocidental. A onipresença shakespeariana se justificaria na medida em que ele …

por em

Militares do governo Bolsonaro engrossam o nevoeiro

Ao anunciar o programa de retomada da economia chamado “Pró-Brasil”, o governo Bolsonaro aumenta a espessura do nevoeiro em que ele nos meteu. Depois de regurgitar tantas sandices, ao radicalizar ideias obscurantistas, de atentar contra a vida de milhares de famílias e disseminar o ódio, de ardilosamente difundir desinformações no meio de uma pandemia, de …

por em

O sequestro do último adeus

“Se, sob o sol, nada mais velho e vil que a morte, quem viu, na vida, novidade em estar vivo?” Belchior, Até mais ver, 1993 A morte é uma ruptura para quem fica. Para quem vai, pouco se sabe. O mistério grava o coração das diferentes culturas: aparece na poesia, no canto sertanejo, longe da retórica …

por em

Pan-africanismo e democracia ainda são possíveis em África?

Hora de retomar um debate que costuma sumir e reaparecer no espaço público sem que saibamos realmente o porquê. Fato é que o interesse em torno ao pan-africanismo nunca se esgota por completo. Nos últimos quatro anos tenho refletido sobre as possibilidades de renovação e redescoberta desse projeto tanto cultural quanto político. O caminho que me …

por em

A economia mundo pós pandemia

Desde os tempos de Jean Baptiste Say (1767-1832) e David Ricardo (1772-1823), os economistas clássicos, assim chamados por Karl Marx (1818-1883), têm nos ensinado que a oferta cria sua própria demanda, que livre mobilidade de capitais é a garantia da eficiência econômica, que a participação do Estado na economia deve ser mínima e que a …

por em

Mentiras Plausíveis

A Covid-19 mexeu com nossa imaginação. Seu ineditismo desestabilizou nossa percepção de futuro. São várias as dimensões da vida social afetadas pela crise sanitária, mas o avanço global dos vírus aguçou os temores mais urgentes quanto aos efeitos econômicos do confinamento a que ele nos submeteu. Sempre que nos vemos desorientados pela inovação, buscamos ancorar …

por em

As gestantes em meio à pandemia de Covid-19

É consenso internacional o reconhecimento dos impactos da Covid-19 na vida das pessoas e no modo como é organizada a nossa sociedade. Entre aqueles que opõem vida e economia ou os que defendem que não há economia sem vida, quase todos estão pensando e experienciando as consequências e os impactos desta pandemia. Quando o tema …

por em

Entrevista com David Miranda

Em tempos de pandemia, na qual as opções de sobrevivência são menores e as vulnerabilidades se somam, ter referências de vidas que emergiram de cenários adversos é essencial. Uma dessas histórias é a do David Miranda, hoje deputado federal (PSOL-RJ), que já passou por situações que seriam dignas de filmes. Desde cedo, o amor foi …

por em

Quadra 36 e a incansável batalha de poder ser e permanecer

Campos Elíseos, 14hs. 18 de abril de 2018. Caminho pela Av. Rio Branco, no centro de São Paulo, avistando ao fundo a cavalaria da Polícia Militar. Ninguém sabia, mas aquele dia era dia de reintegração de posse.  Ela havia sido marcada com as famílias para dali a dois dias. Mas a eficiência do Estado, quem …

por em

Quando a bactéria da covardia se aproveita do vírus da pandemia

Dessa vez o Brasil não teve sorte, pois enfrenta os efeitos da pandemia de Covid-19 e, ao mesmo tempo, o pandemônio de um grupo no poder que – ao atacar, covardemente, a Constituição, as leis, a economia, a natureza, outros países, a lógica e a própria população brasileira – expõe as vísceras já apodrecidas de …

por em

Invisibilidade das pessoas com deficiência

Na terra onde a injustiça social impera, o desemprego aumenta e as políticas de assistência social sofrem com o abandono do governo, o coronavírus chegou de avião, trazido pela classe média, que retornava das suas férias em voos internacionais, mexendo com a estrutura de todo o país. Desde que a Covid-19 foi declarada, no dia …

por em

China e a biopolítica na crise do coronavírus

Da França, Bruno Latour escreve que parecemos estar encenando coletivamente uma palestra sobre biopolítica de Michel Foucault. Giorgio Agamben, da Itália, diz que a vigilância da quarentena é a crescente tendência de usar o estado de exceção como paradigma normal de governo. Achile Mbembe, camaronês, aciona novos sentidos de necropolítica na pandemia ao afirmar que …

por em

Quarto de despejos: a contemporaneidade de Carolina de Jesus

“No nosso paiz tudo está enfraquecido. O dinheiro é fraco. A democracia é fraca e os políticos fraquissimos. E tudo que está fraco, morre um dia”. A afirmação de Carolina Maria de Jesus, datada de meados da década de 1950 relataram para o mundo – anos depois – o cotidiano de moradores de uma favela …

por em

O incloroquinável Napoleão de hospício contra o mundo

Ultrapassamos oficialmente duas mil baixas em decorrência da guerra contra a Covid-19 no Brasil. Oficialmente. Nem o ora ex-Ministro da Saúde Mandetta acreditava nos números, ciente das subnotificações. Há, todavia, os que até das duas mil duvidam. A imagem da mulher agredindo um médico após ser comunicada da causa mortis de sua mãe resume bem …

por em

Cartografia dos óbitos da Covid-19 em São Paulo

Lembro a primeira vez em que entrei em contato com a ideia de que quando observamos as estrelas estamos, a bem da verdade, olhando o passado. A formulação de fundo didático e apelo poético guarda, como um de seus sentidos, o alerta para o fato de que uma atualíssima imagem pode se constituir num retrato …

por em

Erosão na parceria entre China e a cooperação Sul Global

No campo da governança global, ser um player relevante faz toda a diferença no momento de disputas no campo comercial. O Brasil conquistou esse espaço em poucos momentos de sua política exterior. Com efeito, a política externa e o tipo de inserção internacional pretendida estão intrinsecamente articulados com a política econômica e o interesse nacional1. …

por em

Doenças são negligenciadas pela indústria farmacêutica

Mais um dia. E vários pensamentos que não param de chegar. Tenho que ficar isolada? Minha família está em risco? Vou ter sequelas? Vou ficar sem trabalho? E se ficar, como vamos viver? Vai me faltar alimento? Se eu for no serviço de saúde, vão olhar por mim? Vão me olhar torto na rua? E …

por em

A distopia liberal, as economias de guerra e o pós-crise já em disputa

O mais inteligente, a meu ver, é aquele que ao menos uma vez por mês se chama de imbecil – um habilidade da qual não se tem notícia agora! Antes, em último caso, o imbecil tomava consciência da própria imbecilidade ao menos uma vez por ano, mas, agora, jamais. A coisa ficou tão confusa que …

por em

A importância da Filosofia em meio à crise da Covid-19

A quarentena por causa da pandemia do novo coronavírus tem levado as pessoas a buscarem formas de lidar com esta situação singular. Isso levou alguns filósofos italianos a criarem o projeto Prendiamola com Filosofia: stafetta di filosofi – strumenti pratici per affrontare la quarentena, que conta com duas lives realizadas (a primeira em 21/03/2020 e …

por em

Os reflexos da pandemia sobre migrantes e refugiados

A pandemia de Covid-19 atingiu a humanidade de uma maneira inédita, paralisando o planeta e lançando sobre todas as pessoas, simultaneamente, incertezas, medo, ansiedade, histeria coletiva e sentimentos de repulsa e xenofobia. Em curto espaço de tempo, todo o poder político, bélico e econômico se viu impotente diante da velocidade e comportamento imprevisível do coronavírus. …

por em

A dupla cegueira para lidar com a pandemia nas favelas

Se o novo coronavírus pudesse falar diria: “eu sou eu e o que cada sociedade faz de mim”. É que por sua rápida e fácil contaminação, ele persegue os circuitos da sociabilidade de cada sociedade, bem como o intercurso entre elas. Nesse sentido, sua natureza é também social, moldando-se às características do perfil de estratificação …

por em

A violência como propaganda imperialista nos filmes hollywoodianos

A maior parte dos filmes norte-americanos tem a intenção de exibir a superioridade bélica do Tio Sam justificando o seu domínio sobre o planeta. É preciso observar, entretanto, o poder mimético dos filmes hollywoodianos para compreender essa questão. Essas mercadorias retratam situações que dificilmente aconteceriam na vida real, realidades imaginadas, para em seguida mostrar as …

por em

Equador: quando o crime é se acostumar ao horror

O cheiro acre da morte está nas casas, nos bairros, nas ruas, sufocando Guayaquil. A “pérola do pacífico”, para o comércio internacional e comércio portuário, é a cidade da oligarquia político-bancária, a mais populosa e, acima de tudo, a mais desigual do país, com bairros luxuosos e prósperos conformando uma dolorosa contradição com áreas inteiras …

por em

Era uma vez em Hollywood…

Acabo de ler o texto do “filósofo pop” Slavoj Žižek sobre a epidemia do coronavírus: “El coronavírus es un golpe al capitalismo a lo Kill Bill…”, publicado numa coletânea denominada Sopa de Wuhan (2020). Antes de qualquer coisa, chama atenção a imagem de capa da coletânea, desenhos que lembram uma colônia de morcegos. Ao juntar …

por em

Danem-se os liberais, é hora de imprimir moeda

Todos os economistas da tradição clássica liberal estão de acordo: a moeda, ou o dinheiro, resume-se a um meio de trocas. O dinheiro, o meio que lubrifica as trocas, possibilita que o homem possa adquirir a mercadoria que bem necessita, seja ela para satisfazer suas necessidades básicas ou supérfluas. Para facilitar as trocas (compra e …

por em

É a demanda, Paulo Guedes!

Em razão do confinamento de grande parte da população, o consumo agregado caiu drasticamente, aqui e no resto do mundo: nos Estados Unidos, por exemplo, os pedidos de seguro-desemprego já ultrapassam os 22 milhões. Com exceção de itens essenciais, quase nada é consumido pelas famílias. As empresas, já afetadas pela impossibilidade de contar com seus …

por em

A Covid-19 e o direito à cidade dos pobres

Se o vírus causador da pandemia tivesse um DNA, ele traria o gene da sociedade urbana. Diferentemente de doenças como a febre amarela, a dengue ou a hantavirose, a doença causada pelo Sars-CoV-2 não encontraria meios de dispersão eficientes em um planeta coberto de aldeias e comunidades rurais. Diante da novidade, da extensão, da letalidade …

por em

“Não temos tempo de temer a morte”: missão Covid-19

A forma como os governos respondem à crise provocada pela pandemia da Covid-19 irá diferenciá-los em distintas trajetórias de desenvolvimento institucional. A falha épica dos mercados em gerenciar uma crise de proporções globais como essa expõe as “veias abertas” daqueles que, por incompetência ou por escolha, não investiram na construção de instituições sociais e econômicas …

por em

Coronavírus e o oportunismo neoliberal

O debate sobre os efeitos econômicos após o surgimento do coronavírus tem caminhado em paralelo com a preocupação mundial em relação aos milhares de mortos em decorrência do vírus. Sobre o primeiro ponto, ao meu ver a mídia global está expondo de forma contundente uma retórica falaciosa que não demonstra a verdadeira causa da crise …

por em

Biopolítica, política internacional e fim da exceção humana

A pandemia provocada pela Covid-19 evidencia a importância do conceito de biopolítica para compreendermos o modo como somos governados. O controle que ora se estabelece de modo evidente sobre a população tomada como corpo coletivo alude à característica central da noção de biopolítica. Não demora para que se obtenham dados a respeito de qual esfera …

por em

A cidadania vertical no Brasil e o coronavírus

Isolamento parcial, ou vertical como vem sendo denominado, consiste essencialmente em retirar das relações sociais somente os grupos mais suscetíveis à mortalidade pela Covid-19 como, por exemplo, as pessoas acima de 60 anos e portadores de condições de risco como hipertensão, diabetes, doenças respiratórias. A defesa do atual presidente Bolsonaro por essa medida, na base …

por em

A retomada das práticas alimentares ancestrais pelos Guarani Mbya

Comecei a escrever este texto antes da explosão da pandemia de Covid-19 no país. A ideia era refletir sobre a retomada da alimentação tradicional dos povos Guarani Mbya que vivem na Terra Indígena do Jaraguá e como tal processo tem sido de suma importância para a recuperação e a manutenção de seus costumes e para …

por em

Covid-19 e a emergência climática: conexões e desafios

As recentes cenas de aviões lotando as pistas de decolagem em todo o mundo, dos canais de Veneza mais limpos e de vias movimentadas sem o habitual trânsito de veículos, todas efeitos temporários da pandemia do novo coronavírus, remetem-nos a outro desafio enfrentado pela humanidade: as mudanças climáticas. As consequências e os prognósticos noticiados acerca da …

por em

O “Fora Bolsonaro” e o combate ao coronavírus

O Partido dos Trabalhadores segue cometendo um erro político fatal: continua tratando o governo Bolsonaro como um governo normal, como todos os anteriores que passaram pelo país desde a queda da ditadura militar. Coerente com essa avaliação atua em cada momento, em cada conjuntura, guiado pela estratégia onipresente de preparar e acumular forças para derrotá-lo …

por em

Emissão de moeda para diminuir o impacto da crise no Brasil

No momento em que se está diante de uma crise econômica (não financeira) de grandes proporções, ao contrário das demais crises que o capitalismo conheceu, desde a crise de 1929 até o presente, é fundamental fazer escolhas rápidas e certas, sob pena de o número de mortes, no Brasil, pelo coronavírus, poder vir a estar …

por em

Repensar a relação entre economia e sociedade

Há algumas semanas o que constituía uma norma econômica, aparentemente imutável, foi profundamente abalada. Leis de mercado revelam-se impotentes e a economia política se redefine. Mas, qual a amplitude das mudanças em curso ? Teriam as transformações atuais apenas um caráter de urgência ou seriam portadoras de mutações mais importantes, redefinindo nosso futuro ? Se …

por em

O vírus, o petróleo e a geopolítica mundial

Para além dos acontecimentos, existe uma história inconsciente – ou mais ou menos consciente – que escapa à lucidez dos atores, dos responsáveis ou das vítimas: elas fazem a história, mas a história as arrasta. F. Braudel, “História e Ciências Sociais” Editorial Presença, Lisboa, 1972, p. 130 As grandes epidemias repetem-se através da história, mas …

por em

O drama de um setor que agonizava antes da pandemia

O momento é extremamente preocupante no mundo todo. Milhões de vidas estão em risco, a economia vai sofrer uma retração inimaginável e sabemos que os mais impactados do ponto de vista da saúde física, mental e financeira são os mais pobres. Em países com alto índice de desigualdade social como o Brasil a crise se …

por em

O sentido do cárcere em tempos pandêmicos

A prisão brasileira possui suas diferenças com relação ao modelo carcerário que se desenvolveu na Europa, o qual se constituiu como o grande ponto de referência analítica nos estudos da prisão. Essa é uma das razões pelas quais o modelo prisional panóptico, afamado pelas análises de Michel Foucault, parece tão distante daquilo que acontece no …

por em

O coronavírus, entre o império da técnica e a vida nos escombros

“Todos têm de deixar sua zona de conforto.” A expressão surgida nos manuais de gestão corporativa, repetida como mantra nos departamentos de recursos humanos e que virou lugar-comum em um mundo fascinado e dependente de autoajuda, ganhou mais um uso criativo no último dia 30 de março ao sair da boca de Victor Orbán, primeiro-ministro …

por em

Políticas (e lacunas) da proteção do emprego e da renda

Passada pouco mais de uma década desde a crise financeira internacional de 2008, a economia mundial caminha para uma catástrofe, desta feita empurrada pela pandemia do coronavírus. Nesse cenário, o relaxamento das políticas de austeridade, a implementação de políticas fiscais anticíclicas e a formação paulatina de um novo consenso em torno de uma atuação mais …

por em

Regina Duarte não sabe sua função

A crise econômica consequente da pandemia do novo coronavírus afeta trabalhadores da cultura que já há tempos vêm sobrevivendo em contexto de arrocho orçamentário e censura por parte do Governo Federal. Há cerca de três semana, quando foram noticiados os primeiros cancelamentos de espetáculos e fechamento de espaços, a secretária especial da Cultura anunciou medidas …

por em

Covid-19: Não estamos no mesmo barco

Ilona Szabó de Carvalho, colunista do jornal Folha de S. Paulo, que muito respeitamos, escreveu na sua coluna de 8 de abril de 2020, que “Somos todos vulneráveis ao vírus Sars-Cov-2”. O termo epidemiológico correto seria que “somos todos suscetíveis ao vírus Sars-Cov-2”, pois a vulnerabilidade é profundamente desigual entre as pessoas. Tenho certeza de …

por em

Qual democracia precisamos?

O termo democracia tem significados diversos e é parte de disputas políticas, ideológicas e construções – partidárias, acadêmicas, midiáticas e das mais diferentes organizações e instituições. Aqui não se pretende adentrar em maiores aprofundamentos quanto às disputas e definições – necessárias e salutares – conceituais e/ou teóricas. Contudo, importa assinalar alguns aspectos que chamam atenção …

por em

Bolsonaro é presidente, mas não governa

O fato novo da acelerada conjuntura política do país se relaciona diretamente com a pandemia de coronavírus: Bolsonaro continua Presidente da República, mas não governa mais! As classes dominantes, e seus prepostos no Congresso Nacional e no Judiciário (STF), encontraram uma solução momentânea, não traumática, para a defesa e preservação de seus interesses – tira-lhe …

por em

Com a quarentena, “podemos ouvir o alô da Terra”, diz sismologista belga

Com milhões de pessoas ficando em casa para controlar a epidemia do novo coronavírus (Covid-19), o ruído captado no solo das principais capitais do mundo é muito menor. Em Bruxelas, a queda no nível de ruído é da ordem de 30% a 50%. É o que descobriu o sismologista belga Thomas Lecocq. Ele trabalha no …

por em

O mundo depois do fim

“Ainda nos encontraremos no lugar onde não há escuridão” George Orwell, 1984 O mundo não será o mesmo depois que as internações e as mortes diminuírem. Ao fim da pandemia sucederá uma nova ordem, diferente de ontem, da democracia liberal, de seus ideais e promessas. O impacto da Covid-19 irá além da tragédia epidemiológica, da …

por em

Desacelerando em tempos viróticos

Um gerúndio, desacelerando – em inglês, downshifting – traduz bem o momento atual em que o mundo está, literalmente, reduzindo a marcha. Mas o que muitos de nós está vivenciando hoje já faz parte de um movimento em curso. O downshifiting, assim como o minimalismo, reflete sobre o cansaço, o excesso e a saturação de …

por em

Emergindo ou submergindo?

Para o filósofo Wolfgang Leo Maar (A contra-revolução no Brasil), as práticas de natureza anti-democrática que têm ganhado força no Brasil mostram que a desigualdade social é “natural”, sendo o resultado direto de um projeto de construção coletiva. O direito de justiça, nas palavras de Maar, foi sucedido pelo que chamou de “direito oligárquico” e …

por em

Bolsonarismo em rota de colisão

Negacionismo, confronto, populismo, ataque à imprensa, panelaços. O cenário não poderia ser mais propício para uma crise política de governança, mas não só isso. Ao incorporarmos essa situação ao novo status quo produzido pela pandemia da Covid-19 percebemos claramente a instabilidade institucional presente. Bolsonaro foi eleito contra a conjuntura legislativa e constitucional que asseguram o …

por em

O Reichstag de Bolsonaro somos nós

Em 1932 o presidente da Alemanha Paul von Hindenburg ofereceu a Adolf Hitler a chancelaria, o comando do Estado. Logo que chegou ao poder, Hitler buscou eliminar a forte oposição que havia se formado contra ele. Para facilitar a perseguição aos seus opositores ele organizou uma farsa: provocou um incêndio que destruiu o prédio do …

por em

O fantasma de Auschwitz e a recusa em desviar o olhar

Em janeiro, mais de duzentos sobreviventes de Auschwitz, o notório campo de concentração nazista na Polônia, se reuniram para comemorar o 75º aniversário da libertação. Eles testemunharam as brutalidades da máquina de matar sancionada pelo Estado nazista, às quais, naquela época, o resto do mundo parecia indiferente. Mais de 1,1 milhão de judeus – junto …

por em

A covid-19 e a crise da governança regional da América do Sul

No momento em que os olhos do mundo se voltam para a pandemia da Covid-19, é possível pensar a atuação conjunta da América do Sul sob o horizonte da governança regional. É certo que a crise desencadeada pelo coronavírus encerra duas particularidades que reforçam ainda mais a importância em se discutir as relações internacionais e …

por em

Além do coronavírus

Não sou médico para comentar os aspectos epidemiológicos do vírus que nos assola. Mas algumas implicações sociais e políticas são óbvias. O primeiro ponto é que desde o golpe há uma fragilização generalizada das políticas sociais – e para efeitos de governança tudo começa já em 2013 com as manifestações, e com o boicote (“Dilma …

por em

O coronavírus, a barbárie e a força do Cerrado

Teria sido o Covid-19 criado em laboratórios chineses ou em laboratórios norte-americanos, como arma de guerra e com fins geopolíticos? Teria surgido na China, ou teria sido levado para China, por soldados norte-americanos, por ocasião de jogos militares? Seria fruto de mutação natural em patógeno adaptado a animais silvestres, em função de sua criação em …

por em

A luta para colocar comida na mesa durante quarentena

A rotina de Angélica Jahn, de 30 anos, mudou bastante com a chegada do Covid-19 no Brasil. Responsável pela limpeza das aeronaves do aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, ela e seu marido, que trabalha como operador de máquina, foram dispensados pelas suas empresas dia 25 de março. Com dois filhos para sustentar, o casal …

por em

Como pagar pela guerra contra o vírus

Não é fácil para uma economia não planejada se organizar para combater uma pandemia. É mais difícil ainda quando ela já se encontrava letárgica, conjugando dois elementos que aprofundam, exponencialmente, os efeitos negativos da pandemia: por um lado, com uma grande parcela da população no desemprego e na informalidade, a maior parte dos trabalhadores está …

por em

Saúde versus economia: uma falsa oposição

O mundo vive hoje, com a pandemia do coronavírus, uma guerra e o Brasil faz parte dela. Mas, diferentemente dos demais países, temos a presença entre nós de um “5ª coluna”, que trabalha aberta, cínica e descaradamente para derrotar-nos. E esse inimigo da nação é claramente identificado e conhecido de todos nós, tem nome e …

por em

As falsas premissas de Guedes e Bolsonaro sobre a crise

Em 2008, quando um dos maiores bancos de investimento do planeta, o Lehman Brothers, quebrou, desencadeou um tipo de crise que até agora não se esgotou. O estouro da bolha hipotecária norte-americana revelou uma economia global financeirizada, cujo principal efeito foi a superprodução de títulos mobiliários baseada então no endividamento das famílias trabalhadoras. Como se …

por em

É hora de deixar a imaginação descansar

O cenário que vivemos da pandemia do Covid-19 aumenta a percepção que temos das pessoas ao nosso redor e, principalmente, daquelas que assumem algum protagonismo relevante e/ou público. Essa oportunidade é mais uma questão prática do que sensonrial. Simplesmente porque são nesses momentos que precisamos que cada um exerça o melhor que está ao seu …

por em

O urbanismo contemporâneo e a cidade doente

Periódicas ondas epidêmicas e seus efeitos originaram transformações importantes na forma urbana: dos leprosários para confinar as vítimas da peste, às grandes obras de infraestrutura, como sistemas de esgoto e aquedutos para o controle da cólera, às normas de higiene que desenharam bairros projetados disseminados pelas nossas cidades, como o de Higienópolis, ao combate à …

por em

A aporofobia do bolsonarismo

Que o coronavírus esteja sendo “democrático” com os tipos de vida que ceifa mundo afora, que mate tanto ricos quanto pobres indiscriminadamente, é uma constatação relativa. Em especial no Brasil, essa pandemia está dando oportunidade inédita para falas e posturas que, despudoradas, apontam quem merece viver e quem pode morrer sem causar espanto. Quando o …

por em

Pensando o bolsolavismo e formas de ação

O que fazer? Assinamos, um de nós na primeira hora, o pedido de impedimento elaborado pelos parlamentares Fernanda Melchiona, Sâmia Bomfim e David Miranda, todos do Partido Socialismo e Liberdade (PSol). Assinamos o pedido não por acreditar ser ele a única ou mais viável solução para a crise em que estamos. Assinamos por acreditar que …

por em

As prioridades na pandemia do Covid-19

No enfrentamento da depressão que se avizinha, chama atenção a diferença de prioridade para a chegada dos socorros. A agilidade do governo em repassar recursos para o setor financeiro é digna da Bélgica, enquanto os entraves para aumentar o custeio do SUS e pagar a renda mínima dos vulneráveis se arrasta, como na Índia, para …

por em

De pandemias, desenvolvimento e multilateralismo

Em 11 de março de 2020, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a doença pelo coronavírus 19 (Covid-19), causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2), como uma pandemia. Quando escrevo este artigo são mais de 1 milhão de infectados, com mais de 40 mil mortos (letalidade de 4%), em todos os países do mundo. Nas Américas …

por em

O coronavírus infecta o óbvio da vida

Em O poço, filme espanhol de 2019, que integrou o catálogo da Netflix no dia 21/03, o diretor Galder Gaztelu-Urrutia mistura cenas de escatologia e canibalismo, assim como os gêneros suspense, terror e ficção. A narrativa impressiona pela sua atualidade subjetiva, sobretudo pela mensagem assustadoramente verdadeira que nos vincula ao filme: o individualismo ao extremo …

por em

Desventura e cegueira

Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara. (José Saramago) Imaginemos um cenário no qual o mundo simplesmente entra em colapso porque algo faz com que toda a economia global se paralise. A breve história do mundo nos ensinou que isso é possível quando eclodem conflitos de proporcionalidade catastrófica ou que envolvam países centrais na …

por em

Bolsonaro e a estratégia do caos

Nos últimos dias, estamos assistindo ao presidente Jair Bolsonaro lutar em diversas frentes contra a estratégia de isolamento social, contrariando recomendações da OMS,  de epidemiologistas, de estatísticos, de cientistas de dados e de demais pesquisadores que, neste momento, estudam o vírus e sua disseminação no mundo. Há quem diga que a preocupação do presidente é …

por em

E se Bolsonaro desejar o caos que a epidemia promete?

Ao leitor alarmado pelo título, deve-se, desde já, advertir que este é um ensaio meramente especulativo e escrito sob o escusável medo e a violenta emoção que a atual conjuntura nos impõe. Dela também decorre que seu conteúdo pode ser demasiado deprimente e pouco indicado em tempos de isolamento social. Feitas essas ressalvas, destaco que …

por em

Coronavírus: rastro e fruto de uma poeira pandêmica

Das nove grandes “epidemias maciças” de origem viral1 que assolaram o começo do século XXI, refiro-me às poeiras que fortemente atingiram grandes continentes e deixaram rastros pandêmicos, três delas (33.3%) envolveram coronavírus: Sars-Cov ( Cov = Coronavírus e Sars = Síndrome Respiratória Aguda Grave), inaugurando o século em 2002-2003 na Ásia; Mers-Cov (Síndrome Respiratória do Oriente …

por em

Simulações indicam que confinamento deve ser máximo

Nós, pesquisadores da Universidade Federal do ABC e da Universidade de Bristol, desenvolvemos um modelo complexo e robusto (mas simples de usar) que simula a disseminação do Covid-19 na sociedade. Ele mostra que é bem provável que teremos novos ciclos de surto e confinamento. A ferramenta está disponível on-line e pode ser abastecida livremente por …

por em

Crise e reforma

Mesmo após ficar claro que a pandemia do Covid-19 representaria uma catástrofe humanitária global, o ministro da Economia brasileiro seguiu clamando ao Congresso Nacional a necessidade de se “transformar a crise em reformas”. Tomando a calamidade como momentum para alavancar sua agenda, Paulo Guedes insiste na urgência das reformas liberais que, definitivamente, “ajudarão” a enfrentar …

por em

Não aceitar o inaceitável

Primo Levi dizia que monstros existem, mas são pouco numerosos para serem realmente perigosos: mais perigosos são os homens comuns dispostos a acreditar e obedecer sem discutir. Assim inicia a obra Desobedecer, de Frédéric Gros (Ubu Editora, 2018), uma defesa da desobediência civil às avessas. Para Gros, o problema não é a desobediência civil, que …

por em

Por um jornalismo histérico

No dia 24/03/2020, em pronunciamento em rede nacional, o presidente da república proclamou que, sobre a pandemia mundial e os pronunciamentos das comunidades científicas, internacionais e da imprensa nacional – cujo objetivo principal tem sido informar a população sobre os reais perigos da Covid-19 e como evitar/retardar sua propagação e contágio -, não se trata …

por em

Tsunami mundial 2020: a primeira onda, a segunda onda

Uma pandemia é um tsunami. Um tsunami nunca é composto de uma única onda. Nesse caso, aqui de dentro do olho do furacão da minha casa, vivemos agora no mundo da improbabilidade e o da incerteza cotidiana. Estamos obrigados a olhar para nossas vidas e repensarmos o modo como vivíamos até entramos nessa caverna escura. …

por em

Por um futuro que não repita o passado

O mundo mudou. A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) parece ser aquele momento de inflexão, de marco, no curso da história da humanidade. Havia um mundo pré coronavírus e, agora, abre-se uma janela de incertezas e oportunidades sobre como será este novo futuro. Tudo está instável e qualquer previsão a mais longo prazo será pontual, …

por em

Política da morte e a reconstrução da cidadania

Em pronunciamento à nação no dia 24 de março, o presidente do Brasil, Jair M. Bolsonaro, disse que, durante a pandemia do Sars-Cov2, a prioridade do governo deve ser a de manter empresas funcionando normalmente porque a fome matará mais que o coronavírus. Em um momento em que os brasileiros se põem em quarentena, e …

por em

Notas sobre uma leitura feminista da pandemia

Algumas análises apontaram os impactos da expansão pandêmica do Covid-19 como demonstrativos dos limites do atual modelo capitalista neoliberal. A insuficiência de políticas públicas para sistemas de saúde e seguridade social nos países desmantelados pelos mandatos de austeridade indicariam a urgência de revisar a profunda dessolidarização, jurídica e ética, que aplaca Estados e sujeitos. No …

por em

O distanciamento social como forma de cuidado coletivo

A antropóloga inglesa Marilyn Strathern, no já longínquo ano de 1989, auge do governo neoliberal de Margareth Thatcher no Reino Unido, argumentou que o conceito de sociedade estava teoricamente obsoleto para o uso das ciências sociais. De acordo com a autora, a nossa ideia de sociedade como entidade abstrata fez parecer que as relações sociais …

por em

A pandemia e o senso de coletividade

Atualmente fala-se com muita frequência sobre modos egoístas de relações humanas. E na superficialidade dos discursos sobre nossa postura e nossas ações individualistas, não é comum serem considerados os atravessamentos políticos desse fato social. A racionalidade neoliberal nos constrói, nos atravessa subjetivamente para que façamos de nós microempresas, empresários e negociantes de nós mesmos. Nosso …

por em

Bolsonaro, a pandemia e o compromisso com o mercado

Tomando emprestado o conceito de “capitalismo do desastre”, de Naomi Klein, que associa choques coletivos a rupturas nos regimes de bem-estar social, é possível dizer que o governo Bolsonaro começa a compreender a catástrofe pandêmica do novo coronavírus como ativo político a sua plataforma neoliberal. A identificação documentada dessa tendência política serve para dissipar ilusões …

por em

Falta da merenda escolar prejudica as famílias de baixa renda

Um milhão de alunos da rede municipal de educação da Capital que estão sem aulas por causa da quarentena de prevenção ao coronavírus deixaram de receber a alimentação diária oferecida nas escolas (merenda escolar). Na rede estadual, 3 milhões de refeições por dia deixaram de ser fornecidas por conta da suspensão das aulas. A antecipação …

por em

Reflexões sociológicas da quarentena

Os autores desse artigo um morando na cidade de São Paulo (Brasil), outro na cidade de Varese, região da Lombardia (Itália), procuram expressar suas impressões particulares diante da crise pandêmica atual nas localidades onde vivem. Ambos pesquisadores de sociologia, pensam, a partir de suas sensibilidades, como as pessoas em diferentes condições de isolamento social, na …

por em

A queda de braço entre governadores e Bolsonaro

Em artigo publicado no dia 13 de fevereiro na Folha de São Paulo, a professora Maria Hermínia Tavares apontava que governadores e prefeitos podem representar um importante dique de contenção a governos populistas. Na ocasião, a autora recordou que governadores, tais como João Dória e Flávio Dino “têm voz própria e alguns deles a usam …

por em

Jair Bolsonaro: massa, vírus e poder

A crise não é de “confiança”, não é “ética”, não é “financeira”; não é “política”, não é “institucional” e muito menos do “coronavírus”. É a crise de um padrão de sociabilidade que transforma tudo em mercadoria, inclusive saúde, educação e tempo de vida. A crise é do capitalismo. Silvio Almeida Queria começar este ensaio com …

por em

Nancy Fraser: “O neoliberalismo não se legitima mais”

A tradução do livro da filósofa feminista Nancy Fraser com Rahel Jaeggi, “Capitalismo em debate: uma conversa na teoria crítica”, acaba de ser publicado pela Boitempo no Brasil. Nesta entrevista concedida na New School, universidade onde dá aulas nos departamentos de Filosofia e Política, Fraser comenta sobre o livro, o retorno do capitalismo ao centro …

por em

O impeachment e a luta do povo

Concordo em boa medida com o artigo de Vladimir Safatle, intitulado “A única saída é o impeachment”, veiculado no último dia 20 na edição brasileira do jornal El País. Sim, ele tem razão: devemos colocar na ordem do dia o impeachment de Jair Bolsonaro. Sim, o impeachment teria um valor civilizatório, sinalizando importante ganho de …

por em

O que é o vírus e quem nós somos?

Ainda que as perguntas que intitulam esse artigo não estejam postas diretamente, um dos principais movimentos do nosso presente imediato tem sido respondê-las – sempre partindo da primeira para desaguar, inevitavelmente, na segunda, em uma espécie de jogo cuja perspicácia está no fato de que, para cada tentativa particular de explicar o que é o …

por em

Pandemia e a globalização da saúde no Reino Unido e Itália

A pandemia causada pelo Covid-19 tem agitado todos os países do mundo e até o momento a maioria dos casos na Europa e Américas estão em crescimento. Em alguns países a crise sanitária tem sido acompanhada atentamente, como é o caso da Itália e do Reino Unido. Por isso este artigo busca dialogar a respeito …

por em

O massacre como entretenimento, o entretenimento como massacre

Imagine que você chega em casa depois de um longo dia de trabalho e que no caminho do retorno você foi atingido por uma tempestade. Imagine então que você, com suas roupas ainda encharcadas, pega o controle remoto e liga a tv. São pouco mais de oito da noite e a primeira imagem da tela …

por em

Estado e cooperação internacional na luta contra o coronavírus

Tempos de crise internacional suscitam discussões, de ordem política e jurídica, sobre os conceitos de soberania e globalização. De um lado, há quem pregue o prevalecimento do Estado nas suas decisões frente ao sistema internacional, mantendo-o “forte”, no intuito de preservar a sua soberania. Há outros que pregam a cooperação internacional e a criação de …

por em

Reduzir ou suspender salários é solução para manter emprego?

Um dos pontos cruciais da crise do coronavírus no mundo e no Brasil é a questão da paralisia nas atividades econômicas, algumas mais diretamente afetadas, como bares, restaurantes e comércio em geral, que são fortemente intensivas em trabalho, e outras indiretamente em função da paralisação física parcial da produção, sendo boa parte impactada pela forte …

por em

No longo prazo todos estaremos mortos!

Após a grande depressão econômica de 1929, existia um debate na economia norte americana e no mundo, o estado deve ou não intervir na economia em momentos de crise? Este debate está presente até hoje. Em março de 1933 o presidente Franklin D. Roosevelt lançou as frases “Only Thing We Have to Fear Is Fear …

por em

“Fora Bolsonaro”: por que isso é urgente?

O governo Bolsonaro-Mourão não é um governo “normal”, como todos os anteriores que passaram pelo país após o término da ditadura em 1985. Ele é resultado e desdobramento direto do golpe perpetrado em 2016, que tirou Dilma Rousseff da Presidência da República, e também do uso de práticas bandidas durante as eleições. O processo eleitoral …

por em

É hora de comemorar, presidente?

Em meio a uma grave crise mundial, Jair Bolsonaro festeja seu aniversário. Segundo ele mesmo, uma festa pequena, só para os mais íntimos. O presidente Bolsonaro completa 65 anos de vida (ou seja, integrante de grupo de alto risco por contaminação pelo coronavírus). Ao invés de estimular a quarentena e servir de exemplo, Bolsonaro estimula …

por em

É hora de abandonar o vírus do liberalismo econômico

Jean J. Rousseau nas vésperas da Revolução Francesa afirmou que “O homem nasceu livre, mas em toda parte encontra-se acorrentado. Aquele que se julga senhor dos demais, não deixa de ser mais escravo do que eles” (1776). Assim, detectara que tanto os ricos quanto os pobres sofriam por razões diferentes. Essa assertiva abria o seu …

por em

Coronavírus e os contratos

O filósofo anglo-irlandês do século XVIII Edmund Burke (1729-1797) afirmou em sua obra Reflections on the Revolution in France (1790), que […] a sociedade é, de fato, um contrato […]. Acrescentou, ainda, que o Estado deve ser considerado um acordo de parceria, na ciência, em cada arte, em cada virtude e em toda perfeição. Como …

por em

É hora de sair

A cadeira que o presidente ocupa é maior que o próprio presidente. Ela exige uma liturgia e um respeito rigoroso. Trata-se do símbolo maior da República Federativa do Brasil. Nesse sentido, é o presidente Bolsonaro que deve dar o primeiro exemplo, como primeiro cidadão que é. Todavia, a realidade política brasileira passou a ser digna …

por em

Pandemias e crises: do feudalismo à sociedade capitalista atual

As pandemias são frequentemente apresentadas como casualidades, como movimentos aleatórios que surgem da interação humana em sociedade e com a natureza. Isso no melhor dos casos, quando não são compreendidas como castigo divino ou como provação para o paraíso. Contudo, quando olhamos historicamente, nos damos conta de que as grandes pandemias se inserem em quadros …

por em

Ficar em casa para quem?

Nos últimos dias, as redes sociais foram tomadas de assalto por discursos que clamam as pessoas para “ficarem em casa”, esta narrativa foi construída a partir das notícias da presença do Coronavírus (Covid-19) no Brasil. O Ministério da Saúde no dado mais atualizado, até a escrita deste texto, contava 234 pessoas pessoas infectadas pelo Sars-Cov …

por em

Emendas à Constituição Russa

No último dia 16 de março, a Corte Constitucional da Rússia aprovou as emendas que permitirão a Vladimir Putin a possibilidade de se manter na presidência até 2036. Dentre as implicações das emendas, muitas além da extensão do mandato presidencial, estão tentativas de Putin para solucionar os desafios econômicos, políticos e sociais que a Rússia …

por em

Aproveitando a crise para intensificar a concentração de riquezas

Mais uma vez o governo federal tenta aprovar propostas de emendas à Constituição Federal – com nomes que empolgam “Plano Mais Brasil”, “PEC Emergencial” e “PEC do Pacto Federativo”-, que aprofundarão a concentração de riquezas e prejudicarão a prestação dos serviços públicos essenciais. Diante desse cenário de “crise permanente”, utilizada como ferramenta retórica para “fundamentar” …

por em

A favela nos tempos do coronavírus

“Mas se alguma coisa haviam aprendido juntos era que a sabedoria nos chega quando já não serve para nada” (Gabriel G. Márquez)   Vivemos a primeira pandemia da globalização com níveis de letalidade relativamente altos e capacidade já comprovada de pôr em xeque o sistema de saúde mundial, inclusive dos países ricos. Diferente do que …

por em

O design inteligente do mercado

E eis que, novamente, a economia frustrou as expectativas dos economistas do mercado financeiro. Otimistas com a vitória de Bolsonaro na eleição presidencial e, principalmente, com a ida do ultraliberal Paulo Guedes para o comando da economia, eles apostavam, lá no primeiro dia útil de 2019, em um crescimento do PIB de 2,5% naquele ano. …

por em

COVID -19 – um vírus que perfura a retórica política

Na busca da sobrevivência, o coronavírus (COVID -19) desafia os sistemas comunicacionais. Tal qual o ser humano, o vírus busca continuar a existir, proliferar e comunicar. Sim, pode parecer bizarro, mas se concebermos a ideia de que a comunicação demanda por conexões, um vírus não estaria em situação diferente de todos outros seres vivos. A …

por em

As ideias continuam fora do lugar

“O Brasil está atrasado nas reformas estruturais que precisa fazer para voltar a crescer. A modernização das relações de trabalho e da previdência foi um bom começo. Mas é preciso ir além, aprofundar as reformas, se quisermos alcançar os países ricos que estão décadas à nossa frente. O mais importante, agora, são os próximos passos: …

por em

Dependência, superexploração e neoconservadorismo na América Latina

Neste artigo pretendemos dialogar sobre a relação indissociável entre dependência, superexploração e neoconservadorismo na América Latina. Para isto, utilizaremos como referências dois  intelectuais latino-americanistas: Ruy Mauro Marini e Vânia Bambirra. Faremos um breve retrato, em dados, sobre como estamos no mundo do trabalho, do consumo e da renda, para refletir sobre os fatos por trás …

por em

Marx e Engels: uma lição de retórica política para a esquerda

O Manifesto do Partido Comunista é um documento histórico escrito sob e sobre as circunstâncias de um período histórico particular. Segundo Eric Hobsbawm, trata-se do “escrito político individual mais influente desde a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, da Revolução Francesa”. Diversos estudos foram feitos sobre ele, centenas de milhões de pessoas o …

por em

Geopolítica e corporativismo: um capitão entre generais

A geopolítica do petróleo tem passado, nesse início de século XXI, por transformações estruturais, o papel do continente Americano na produção tornou-se tão significativo quanto o da região do Oriente Médio no século XX e o peso do continente Asiático no consumo tornou-se tão relevante quanto o da Europa no passado. Além disso, novas tecnologias …

por em

“Artista não precisa baixar o nível para falar com a quebrada”, diz Rincon Sapiência

Um dos principais nomes do rap nacional, Rincon Sapiência lançou, no final do ano passado, Mundo Manicongo, seu segundo álbum de estúdio. Depois do aclamado Galanga Livre (2017), vencedor do prêmio de melhor disco do ano pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), o MC paulistano voltou à carga com um disco encontra na …

por em

Frente ao colapso, uma tentação perigosa

Em momentos como este, é bom lembrar aos “cruzados” uma velha lição da história, a respeito das “guerras santas”, entre pequenos “peões militares” terceirizados pelas grandes potências: depois que começam, elas não costumam ter fim. J.L. Fiori, Geopolítica e Fé, JB, janeiro de 2019   Basta ligar dois pontos para desenhar uma reta. Mas no …

por em

Terraplanismo, crise da ciência e pós-modernismo

Vivemos em tempos em que falam-se mentiras em nome do fato, em que a ciência é ignorada em nome da ciência, em que massas são formadas pelo argumento da liberdade do indivíduo. Tempos em que as soluções fazem parte do problema, em que é urgente agir, mas a ação parece somente aumentar o obstáculo. Tempos …

por em

Negar a ciência: uma forma de expandir de si mesmo

“Não precisa de fórmulas complicadas de matemática para saber onde se vive”. É assim que a jornalista estadunidense Patricia Steere, criadora do podcast “Flat Earth and Other Hot Potatoes” (“Terra Plana e Outras Batatas Quentes”) justifica seu argumento de que o planeta não é redondo, ignorando o que diz a ciência desde pelo menos Galileu …

por em

Facebook: bem na foto entre turistas, nem tanto entre legisladores

O turista brasileiro em Bruxelas, Danilo F. Marques, ficou feliz de tirar uma foto no domingo, 16 de fevereiro, com o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, no bar A La Morte Subite. Outros turistas e frequentadores do centenário bar belga aproveitaram a visita surpresa para fazer o mesmo. Zuckerberg distribuiu sorrisos nas selfies com turistas …

por em

Brilho eterno de uma mente sem lembranças

Nestas últimas semanas, o presidente da República, balbuciando um rascunho de golpe, flertou com seu eros onipresente de autoritarismo, fermentando o clamor afetado de uma pequena parcela da população pelo fechamento do Congresso. Mas, convenhamos: de quem somente orgulho teve desse vezo esdrúxulo era possível cair outros frutos? Por mais incrível que possa parecer, uma …

por em

“Pibinho” mais uma vez

Na última quarta-feira dia 04 de março de 2020, o IBGE divulgou o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do ano de 2019, o resultado apurado foi de 1,1%, ou seja, ainda não recuperamos as perdas da recessão de 2015 e 2016 e ainda estamos no “nível de riqueza” de 2013. Já o crescimento do …

por em

Guiné-Bissau: novo golpe de Estado?

Não obstante sua luta pela libertação nacional ser reconhecida – não com o status que mereceria – como a mais bem sucedida guerra pela descolonização africana e Amílcar Cabral figurar como uma das grandes personalidades do século XX, a Guiné-Bissau, pequeno país situado na costa Ocidental africana, ainda continua a lutar para ser sujeito da …

por em

Mineração em Terras Indígenas: o que mostra a experiência internacional?

“Não há nada mais perigoso para uma Reserva Indígena do que uma mina valiosa” (Carls Shurz, Secretário do Interior dos Estados Unidos, 1881)   Em fevereiro de 2020, o Poder Executivo federal enviou ao Congresso Nacional um Projeto de Lei (PL 191/2020) que, entre outras medidas, propunha a regulamentação da mineração em Terras Indígenas (TIs). …

por em

A banalização da política e a desmoralização das instituições

A insensatez, o discurso de ódio e a violência institucional mostram-se os baluartes e os principais fatores da derrocada do Estado brasileiro sem a expressa perda de vigência da Constituição de 1988. A crise política, somado às inúmeras reinterpretações de direitos e garantias fundamentais de governos legitimados sob uma cortina de fumaça democrática, simplesmente sobre …

por em

São Paulo tem jeito: políticas de desenvolvimento

Toda proposta de desenvolvimento envolve uma visão de conjunto, valores pelos quais medimos o que acontece na cidade e o que deveríamos alcançar. O traço fundamental que nos caracteriza é uma profunda desigualdade, de renda, de patrimônio, de oportunidades. Nenhum dos outros grandes objetivos, a viabilidade econômica e a sustentabilidade ambiental, se alcança sem focar …

por em

As forças democráticas têm que parar o governo Bolsonaro

Como se esperava, era só uma questão de tempo: Bolsonaro, e sua matilha, atravessou de vez o Rubicão: explicitou o seu projeto de implantar uma ditadura no Brasil, tentando envolver, mais uma vez, as Forças Armadas do país. Os últimos acontecimentos, depois de muitos outros assistidos quase que passivamente pelo Congresso Nacional e o Poder …

por em

A formação do público evangélico no Brasil contemporâneo

Em coluna publicada no dia 4 de fevereiro no Estado de S. Paulo, Pedro Nery abordou um fenômeno que nomeou de “crentefobia“, em reflexão sobre a entrevista da cineasta Petra Costa ao programa Amanpour & Company, da PBS. Questionou falas de Petra e posicionamentos públicos diante de declarações biográficas e propostas políticas de Damares Alves, …

por em

Desmilitarização: uma provocação necessária

Nada é tão novo. A obsessão por segurança pública militar dá o tom da discussão. Vejo o absurdo crescente do autoritarismo e, mais uma vez, o silenciamento do debate público sobre desmilitarização. As discussões sobre PM, tiro, milícia e senador, com retroescavadeira e tudo, sacodem a velha história sobre a proibição de greves na conservadora …

por em

Um resgate necessário: o Brasil de combate à fome

Dentre as informações que recebemos ano após ano, os números atualizados de desnutridos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) encontram-se em uma gama de coisas que parecem nunca mudar: a existência da fome. Mesmo que existam diferenças entre progressos e retrocessos, faz alguns anos que os relatórios apontam algo entre setecentos …

por em

Ampliar o Fundeb é ato de responsabilidade cidadã

O colunista Marcos Mendes defendeu na Folha de São Paulo que “aumentar os recursos do Fundeb (Fundo de Financiamento da Educação Básica) é irresponsabilidade fiscal contra a União”. A União participa hoje com 10% da arrecadação do fundo que é a principal fonte de financiamento da educação básica. O pleito expresso por especialistas, gestores da …

por em

“A juventude sempre será a força motora das grandes mudanças”

Eduardo Suplicy, com quase 79 anos, hoje é um dos pré-candidatos do PT para prefeito de São Paulo nas próximas eleições de outubro. Vale lembrar que Suplicy foi o primeiro candidato a prefeito pelo PT, também em São Paulo, em 1985, em uma eleição marcada pela volta do direito da população de eleger seu prefeito …

por em

Políticas identitárias

“o fascismo que está em todos nós, que ronda nossos espíritos e nossas condutas cotidianas, o fascismo que nos faz gostar do poder, desejar essa coisa mesma que nos domina e nos explora”. Foucault Tentar inferir da condição de vítima a condição de um agente revolucionário parece-me ter sido um dos principais equívocos de Marx …

por em

O assassinato como política pública

Em agosto de 1970 a revista Veja estampou em sua matéria de capa uma inédita investigação acerca dos grupos conhecidos como “Esquadrões da Morte”. Os anos duros da ditadura militar brasileira carregavam consigo um experimento já consagrado em outras experiências autoritárias: a formação de grupos armados para a execução sumária de pessoas tidas como indesejadas. …

por em

A desinformação influencia eleições ao redor do mundo

O uso de desinformação como ferramenta política ganhou força na última década e influenciou significativamente grandes acontecimentos e eleições ao redor do mundo. No entanto, engana-se quem pensa que essa estratégia é recente. Ao longo da história, as conspirações e farsas circularam entre todas as classes sociais, sendo parte indissociável dos governos de reis, imperadores, …

por em

Jaraguá é Guarani

[…] Hoje já não resta quase nada de floresta em sua terra doente e não podem mais beber a água de seus rios. Agora querem fazer a mesma coisa na nossa terra. Davi Kopenawa 1, xamã yanomami. Na segunda semana de janeiro, por intermédio da Aliança Universidade e Povos Indígenas (Aupi), um coletivo que realiza …

por em

Future-se leva adiante política de supressão da autonomia universitária

As indicações para reflexão, debate e ação aqui sistematizadas complementam dois outros textos do autor, respectivamente relativos à primeira e à segunda versões do Future-se. O presente balanço examina, de modo mais específico, a terceira versão divulgada em 3 de janeiro de 2020, mas não se restringe a ela, pois busca analisar as nervuras essenciais …

por em

Depois da lama realidade virou ficção

Há ficção quando a existência passa a ser só carne e osso. Quando a união vira unidade. Quando a vida tenta se reestruturar, mas falha. E a falha vira a única forma de viver. Ou existir. Porque a vida é muito mais do que só carne e osso. Quando só se olha para o todo, …

por em

Campos de veneno

Nos inícios dos anos 2000 o terreno ao lado da casa de Seu Macaxeira foi comprado por um sulista recém chegado. De início, Seu Macaxeira ficou feliz com a chegada do novo vizinho. Era simpático e dizia que vinha trabalhar a terra. Ao se apresentar, falou que queria mesmo vir para um lugar tranquilo, que …

por em

A crise da democracia também está no cotidiano

De Aristóteles a Steven Levitsky, a democracia nunca teve uma explicação definitiva. Talvez seja esse um dos motivos pelos quais é difícil elaborar uma crítica que a totalize ou, da mesma forma, decretar as fronteiras de suas temporalidades, como se tornou comum nos últimos tempos como reação à ascensão de extremas-direitas em vários lugares do …

por em

O desastre do modelo de mineração: o que virá após Brumadinho?

Muito já se discute sobre os desafios da “transição energética” de combustíveis fósseis para renováveis, colocados como “verdes” ou “limpos” e, assim, atraindo uma nova leva de investidores em matrizes energéticas diversificadas. O Banco Mundial anunciou em 2017 o aumento da demanda por minérios variados para uma “economia de baixo carbono”. A proposta chamada de …

por em

Palavras de Samuel

Há alguns dias a sociedade brasileira assistiu ao vídeo de um secretário de governo com retórica, ideias e estética nazifascistas. Foi estarrecedor. Em matéria de Julia Moura publicada em 17 de janeiro na Folha de S. Paulo, o economista Samuel Pessôa disse ter pensado se tratar de fake news. Analistas, ele incluso, apontaram que o …

por em

“A pornografia é a máquina de propaganda do patriarcado”

Savannah é o nome artístico de Shannon Michele Wisley Longoria. Começou a trabalhar aos 20 anos como atriz na Vivid Entertaiment, produtora situada na Califórnia, uma cidade dos Estados Unidos onde reside o núcleo da produção mundial de pornografia. Shannon destacou-se rapidamente pela beleza do seu rosto. Rapidamente também começou a se envolver com drogas …

por em

MAS define candidatos sob ambiente de repressão na Bolívia

Foi da capital Argentina, Buenos Aires, que o ex-presidente Evo Morales anunciou o ex-ministro da economia Luis Arce Catacora como o candidato do Movimento ao Socialismo (MAS) para as eleições previstas para 3 de maio. O fato de a decisão ser proclamada do país vizinho revela a contundência das ameaças e perseguições contra amplos setores …

por em

Educação financeira para tapar o sol com a peneira

Seria completamente irresponsável da minha parte defender que o controle de receitas e despesas e o domínio de conceitos básicos relacionados a finanças pessoais como juros, inflação, empréstimos e investimentos são perfeitamente dispensáveis para um cidadão comum. É claro que não são. Uma vida financeira equilibrada, sem dívidas, por sinal, talvez seja uma das condições …

por em

A sabedoria do povo Na’Vi

Os números divulgados pela The Global Assessment Report on Biodiversity and Ecosystem Services, órgão intergovernamental estabelecido pelos Estados membros da ONU, em seu último relatório, o IPBES/2019, apontam para a avalanche de mais de um milhão de novas espécies que entrarão nas listas das “ameaçadas” de extinção, como consequência direta do aquecimento global. Segundo o …

por em

Memórias de Brumadinho: vidas que não se apagam

Tinham se mudado para a região mais ou menos um ano e nove meses atrás. No sul da Bahia onde viviam estavam sofrendo perseguições dentro da sua própria terra. Alguns integrantes da aldeia já estavam em Belo Horizonte para vender artesanato e mandar o dinheiro para suas famílias. Decidiram vir todos para a região. Apesar …

por em

Enfim, a classe trabalhadora chegou ao paraíso?

A palavra empreendedorismo vem ganhando espaço, desde a crise econômica de 2008, com ênfase em algumas de suas dimensões, supostamente positivas para o trabalhador: a não existência de chefes definindo o quê e como fazer; e a liberdade para decidir quando e onde fazer. Por outro lado, aspectos como insegurança, risco, ausência de direitos, isolamento …

por em

A China pode crescer mais?

O Birô de Estatísticas da China (BEC) anunciou, recentemente, a taxa de crescimento do PIB chinês para 2019. O índice ficou em 6,1%, a menor taxa desde 1990, mas dentro da meta estipulada pela governança chinesa de manter um ritmo de crescimento entre 6% e 6,5% a.a. Porém, uma série de questionamentos são lançados, sendo …

por em

Um ano do crime ambiental e humano em Brumadinho

Dia 25 de janeiro de 2019. 12h28 min. Um som estrondoso foi ouvido. Seu Sebastião jura ter ouvido dois sons, como bombas, seguidos um do outro. Dona Neiva começava a cozinhar o almoço quando o telefone insistiu em tocar. Roberta ouviu o filho batendo à porta de casa gritando que a barragem tinha se rompido. …

por em

A brutalidade democrática contra movimentos autônomos

Como nos último anos, 2020 se inicia com mais um anúncio de reajuste dos preços das tarifas de ônibus e metrô. O custoso valor de R$4,30 passou para R$4,40 no primeiro dia do ano. Agravando ainda mais as dificuldades de locomoção e acesso à cidade da população pobre e desempregada que, como já aponta a …

por em

Governo federal viola direitos culturais

A queda de Roberto Alvim da Secretaria Especial de Cultura não resolve o problema que a pasta enfrenta na gestão de Jair Bolsonaro. O discurso proferido pelo dramaturgo conservador, que copia Joseph Goebbels, ministro da Propaganda na Alemanha nazista, não representa somente a afinidade pessoal de Alvim com a proposta autoritária, e sim o atendimento …

por em

Quando o governo Bolsonaro não consegue esconder sua verdadeira face

O agora ex-secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, foi demitido por pronunciamento em que anunciava o programa do governo federal para a área no ano de 2020. De um governo que, dia sim e no outro também, nega a ciência, ataca as universidades e a liberdade acadêmica, agride a imprensa, não havia qualquer razão para …

por em

Parasita: Ninguém está a salvo

A polarização social, fenômeno crescente em todo o mundo, invadiu as telas de cinema em 2019. É o que mostra a recém-divulgada lista de filmes candidatos ao Oscar. Algumas das melhores produções recentes, como Coringa, do diretor Todd Phillips – candidato a onze estatuetas –, têm como tema a crise social que, em tantos países, …

por em

A esquerda precisa voltar a debater economia

A esquerda crítica perdeu historicamente o fio da meada na economia. Essa realidade pode ser vista, inclusive, nas geografias dos campus universitários. Mundo afora, o curso de economia saiu dos institutos de humanidades e foi parar nas faculdades de business. O neoliberalismo praticou um golpe duplo, tirou a economia da esfera democrática, enquanto, ao mesmo …

por em

O crime que pode derrubar o presidente

O assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, em 14 de março de 2018, no Rio de Janeiro,  se deu um mês depois do Estado cair sob intervenção federal. Três dias depois, o interventor general Walter Souza Braga Netto, em sua primeira aparição pública, evitou a imprensa e não deu qualquer …

por em

O dia em que eu não vi Miles Davis…

Setembro de 1988. Eu tinha 23 anos, cursava o segundo ano de Artes Cênicas, do então convênio PUC-PR/Fundação Teatro Guaíra, em Curitiba, trabalhava numa escola de inglês que ficava na praça Osório, no coração da cidade, e morava numa quitinete da XV, quase esquina com a Ubaldino do Amaral. Havia tempo que eu ansiava assistir …

por em

Romper ou dialogar, eis o dilema antibolsonarista

Quando Vladimir Lênin escreveu “O Estado e a Revolução”, em 1917, um dos seus principais alvos eram os sociais-democratas alemães que, ao contrário dos bolcheviques – adeptos de uma revolta armada –, atuavam para reorientar o Estado por dentro da democracia. “A substituição do Estado burguês pelo Estado proletário não é possível sem revolução violenta”, …

por em

Ode à informalidade

A edição de 27 de dezembro de 2019 do Jornal Nacional, dia em que o IBGE divulgou os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C) do trimestre móvel encerrado em novembro, enalteceu o dito melhor desempenho do mercado de trabalho desde 2016. Segundo a reportagem, o “desemprego” teria caído à menor taxa …

por em

Descoberta coloca Guiana como novo pólo estratégico no continente

A Guiana tem se destacado como fronteira promissora de exploração e produção de petróleo na América do Sul, em razão das descobertas offshore realizadas em seu território desde 2015. No final de 2019, a descoberta de petróleo no bloco Stabroek no sudeste do campo de Liza, anunciada pela petrolífera ExxonMobil, foi mais um marco desse …

por em

Direitos de crianças e adolescentes na América Latina e no Caribe

No último dia 20 de novembro, a Convenção sobre os Direitos da Criança da ONU completou 30 anos de existência. Trata-se do instrumento internacional de direitos humanos mais ratificado no mundo. Dos Estados-membros das Nações Unidas, apenas os Estados Unidos até hoje não assinaram a Convenção. Em seus artigos 28 e 29, que abordam o …

por em

Conexões entre uso de agrotóxicos e mortalidade na infância

O estudo desenvolvido como pesquisa de mestrado em Desenvolvimento Territorial da América Latina e Caribe na Unesp buscou compreender a relação entre os riscos introduzidos nos territórios rurais com a modernização do campo e o consequente alargamento das desigualdades socioterritoriais, a partir do processo de otimização da produção agrícola, especificamente no cultivo do tomate. Concomitante …

por em

A rede europeia pela democracia brasileira

Na capital da França, o embrião que deu ensejo à atual defesa enfática da abalada democracia brasileira veio à tona, primeiramente, no processo de gênese da Rede Europeia pela Democracia no Brasil, associação parisiense conhecida como RED.Br. A formação da RED.Br se deu em meados de 2016, a partir da articulação de vários intelectuais, professores …

por em

“É o mínimo para ser jornalista” diz Sérgio Gomes

“Um jornalismo humanizado. Algo que quebre essa obsessão pelo furo e pelas declarações”, foi a orientação de sala de aula. Quem melhor que Sérgio Gomes, o Serjão, para discorrer sobre a pauta? Líder de movimento estudantil e sindical, organizador de jornal alternativo e a mente por trás da Oboré e do projeto Repórter do Futuro. …

por em

As milhões de mulheres de A Vida Invisível

O filme “A Vida Invisível” já está fora da disputa do Oscar, mas merece ser assistido. Arranca lágrimas de quase todos os presentes na sala de cinema. Comigo não foi diferente. Custei a me recompor depois que a luz acendeu. Olhei ao redor e vi rostos impactados. Mas não basta que uma história seja triste …

por em

O sujeito moderno e o mal-ser na sociedade do desamparo

A construção da subjetividade humana é atravessada pelos valores éticos, morais, culturais e pela racionalidade política de cada época. E para diversos pensadores, como Michel Foucault, o sujeito moderno (nós em boa parte do Ocidente) vive e é atravessado pelos mecanismos específicos da racionalidade competitiva, individualista, de um ethos que ele procurou investigar nos seus …

por em

Estado de função

Muito se tem falado e escrito sobre a conformação de um estado de exceção em nossas latitudes. Recorrentemente pode ser visto o uso do conceito trabalhado por Giorgio Agamben como forma de entender a realidade brasileira atual. Em poucas palavras, esse filósofo italiano diz que “o estado de exceção tende cada vez mais a se …

por em

Crônica musical em Lisboa

“É brasileiro, já passou de português” Noel Rosa Recentemente, ao retornar de um compromisso acadêmico na Espanha, tive a oportunidade de visitar Lisboa. A capital portuguesa, sempre enigmática e surpreendente, brindou-me com um episódio que não me poderia furtar a narrar. Aconteceu em uma casa de espetáculos de fado que me tinha sido muito bem …

por em

“Fascismo não se debate. Fascismo se destrói”

O livro Antifa: o manual antifascista, de Mark Bray, publicado no Brasil pela editora Autonomia Literária se inicia com uma epígrafe do revolucionário anarquista espanhol Buena Ventura Durruti: “Fascismo não se debate, fascismo de destrói”. Mark Bray é historiador e investiga neste livro as práticas antifascistas do passado e do presente, assim como seus vínculos …

por em

Por uma coleção pública sem condições

O título deste texto retoma a conhecida conferência realizada pelo filósofo Jacques Derrida no ano de 1998, em Stanford, e intitulada “The future of the profession or the university without condition (thanks to the “Humanities”, what could take place tomorrow)”. Na versão brasileira, a conferência foi publicada em livro no começo dos anos 2000 com …

por em

Armas de natal

Que tal dar de presente para as crianças armas de fogo neste Natal? Ideia estapafúrdia e insensata? Mas é o que está acontecendo nos Estados Unidos. A poderosa indústria de armas intensifica nessa época sua publicidade, incentivando os pais a presentearem seus filhos com seus produtos mortíferos. A legislação de alguns estados permite que crianças …

por em

Lula: o centro gravitacional da democracia brasileira

Em 2019 completaram 30 anos que os brasileiros foram às urnas escolher um presidente depois de um quarto de século proibidos de votar para o maior cargo do Executivo. Um marco importante para a história do país, contudo, cabe lembrar, que, em 1989, Luís Inácio Lula da Silva já era o principal adversário das elites …

por em

Dos Cerrados: de saberes vernaculares e de conhecimento científico

Tudo se passa como se só restasse aos Cerrados um destino único: o que vem sendo dado pela expansão da monocultura empresarial de exportação com os seus latifúndios. Ao contrário dos muitos elogios, tanto na mídia como nos meios acadêmicos, ao sucesso do agronegócio que avança pelos Cerrados, há uma avaliação diferente, que não encontra …

por em

O fortalecimento da identidade negra em um clube do RJ

Durante os anos de 1940 e 1950, a sociedade brasileira viveu uma onda de democracia, que permitiu uma abertura ao debate e a liberdade de expressão. De acordo com o historiador José Murilo de Carvalho, o contexto dos anos 1940 iriam se caracterizar como a primeira experiência democrática, na qual a presença e a participação …

por em

Lições das reformas previdenciária e tributária suíças

No imaginário brasileiro, a Suíça é o país que deu certo, e por isso quase sempre aparece para nós como o exemplo a ser seguido. Esse olhar – que já é de antemão interessado – gera, porém, grandes distorções interpretativas. A Suíça acaba, na maioria dos casos, reduzida a um grande tudo e nada do …

por em

O vexame do governo Brasileiro na COP 25 e a luta da juventude

O Brasil construiu nas últimas décadas políticas ambientais que o credenciaram internacionalmente a desempenhar papel de destaque em conferências tendo o meio ambiente como temática. Nossa diplomacia ajudou na articulação de acordos globais importantes e colaborou destravando negociações, credenciando o País como um líder internacional ambiental. Infelizmente, o governo Bolsonaro destruiu essa reputação. A COP25, …

por em

A arte da moderação imprudente: pensando o doisladismo

O fenômeno do “doisladismo” remonta ao segundo turno das eleições de 2018. Na época, ele sustentou a recusa de uma parte dos eleitores a apoiar o candidato do PT Fernando Haddad. Mobilizando a crise econômica – que encontra no governo Dilma Rousseff ao menos algumas de suas causas -, o apoio do PT à ditadura …

por em

Dois argumentos de Ortega y Gasset contra a direita brasileira – que o cultua

Como a maioria dos escritores do chamado boom da literatura latino-americana, o peruano Mario Vargas Llosa entrou nos anos 1960 como um socialista convicto. A Revolução Cubana, em 1959, fora vista por escritores como ele e o colombiano Gabriel García Márquez como o grande acontecimento político da região no século XX, e quiçá um dos …

por em

Três memórias da ditadura e a escalada subhumanista

A dramática situação política do Brasil atual, em especial com o (des)governo da extrema direita subhumanista no poder, personificado na figura de Jair Bolsonaro, tem um ponto de explicação na relação como foi administrado o vínculo entre política e memória do “jovem passado” ditatorial brasileiro. A leitura do presente caótico é inseparável do diálogo com …

por em

A BNCC: dilemas, contradições e desafios

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC), tema que vem despertando certo desespero entre os professores preocupados com a questão da qualidade na educação, deve, de algum modo, ser apresentada ao grande público. O grande público, aqui citado, significa todo o conjunto de pessoas diretamente fora do debate educacional. Entretanto, por questões éticas e de solidariedade …

por em

É preciso falar sobre a polícia

O que ocorreu em Paraisópolis na madrugada do último domingo, primeiro dia do mês de natal, é uma expressão da São Paulo que vivemos. Uma grande metrópole que cresceu sem planejamento e, para nosso azar, continua assim. Paraisópolis está situada em uma região próxima de um dos bairros mais conhecidos da elite paulistana: o Morumbi. …

por em

Retrato da cultura política dos paulistanos: pouco conhecimento político e muita desconfiança

A qualidade da democracia na cidade de São Paulo está em um patamar médio: 5,67 em uma escala que vai de 0 a 10. É o que aponta o Índice de Democracia Local (IDL), calculado pelo Instituto Sivis e divulgado hoje, dia 5 de dezembro. A pesquisa olha para a qualidade da democracia no município …

por em

Matar e deixar que se matem

O sociólogo Mitchell Duneier conta em seu livro “Ghetto: the invention of place, the history a idea” a história de como a palavra “ghetto” chegou ao vocabulário dos negros pobres dos Estados Unidos da América. O termo foi apreendido pelos soldados norte-americanos durante a ocupação da Alemanha nazista ao fim da Segunda Guerra Mundial. Os …

por em

Cachaça: a história oculta da bebida nacional

Durante a Idade Média lusitana, raramente se bebia água pura, por ser muito difícil encontrá-la com bom cheiro e sabor. O historiador e antropólogo João Azevedo Fernandes destaca a relação dos portugueses com os regimes etílicos dos nativos da América e com os dos africanos da Costa Oeste do continente negro. Ressalta que o vinho …

por em

Três histórias de amor

Passados quatro séculos desde que William Shakespeare escreveu Romeu e Julieta, a peça continua viva como nunca. Adaptada para o teatro, cooptado para o cinema, apropriado para os quadrinhos, afinado para ópera e ajustado para novelas e séries de TV, Romeu e Julieta transcendeu a fronteira do tempo e rompeu a barreira do espaço. Publicado …

por em

Direitos Trabalhistas ou barbárie?

Imaginar como seria a situação dos trabalhadores em uma realidade onde não existisse qualquer tipo de proteção derivada de leis trabalhistas é um exercício difícil, mas não impossível. Basta, para tanto, observar a própria história do início da formação da classe operária com a industrialização na Europa, ao longo de todo o século XIX. Relatos …

por em

Negros artistas brasileiros dos séculos passados

Graças ao movimento negro – falado aqui no singular, mas completamente plural e diverso –, ao movimento quilombola e camponês, às políticas públicas de reparação histórica conquistadas ao longo do tempo, à institucionalização da data da Consciência Negra, à aprovação de leis específicas, ao pensamento acadêmico decolonial e outros fatores sociopolíticos, atualmente são vários os …

por em

Um difícil acordo dentro das transformações neoliberais

No fim de novembro de 2018 a então Primeira Ministra do Reino Unido, Theresa May, conseguiu chegar ao “único possível acordo” sobre o Brexit. Logo em seguida, vários ministros e pessoas do governo envolvidas nas negociações se demitiram, admitindo que o acordo era o pior possível para o Reino Unido. As reações foram além da …

por em

Entrevista com Noam Chomsky: o maior desafio ao poder estatal

Sem whistleblowers e jornalismo investigativo, governos são livres para abusar de seu poder e manter a população no escuro sobre as atrocidades que cometem, não apenas aos outros, mas também às pessoas que supostamente representam. Estamos testemunhando as duras consequências de desafiar o poder do Estado com o editor do WikiLeaks, Julian Assange, enfrentando uma …

por em

Estado de exceção, ditadura militar e vida nua

“Uma organização que mobiliza não só guardas corrompíveis, inspetores e juízes de instrução pueris […] Consiste em prender pessoas inocentes e mover contra elas processos absurdos”. Kafka A ditadura civil militar brasileira instaurou uma experiência traumática de violência política que também pode ser pensada nos moldes de uma violência reativa, aquela que é fruto do medo …

por em

“Roda viva” 50 anos depois

Desde criança, sempre ouvi falar da peça “Roda Viva”, de Chico Buarque, e a sua histórica montagem do Oficina, em 1968. Na época, os brutamontes do famigerado Comando de Caça aos Comunistas, o CCC, depredaram o teatro Ruth Escobar e espancaram os atores, entre os quais estava Marília Pêra. Censurada inúmeras vezes, a peça traz …

por em

Universidade, autonomia e sociedade

Em 2019, multidões saíram às ruas com palavras de ordem em defesa da pesquisa e da educação públicas. Com os cortes do governo, as universidades e os institutos federais estavam sendo ameaçadas na sua própria existência. Para o governo, os cortes são necessários por uma crise de insolvência do estado. Constrói-se a ideia de que …

por em

A importância da volta à terra para os palestinos

A partir de março de 2018, milhares de palestinos da região da Faixa de Gaza foram à fronteira para protestar. As manifestações, nomeadas como Grande Marcha do Retorno, relembraram, em um primeiro momento, a morte de seis manifestantes pelas mãos de forças de segurança israelenses em protestos que se deram em 1976 devido ao confisco …

por em

A moral e o passado: o “rótulo” Bolsonaro cresce na América Latina

Quando o empresário coreano-boliviano Chi Hyun Chung irrompeu por uma das ruas que dão acesso à Praça Kantuta, na região do Pari, zona central de São Paulo, no final de setembro, ninguém o notou de imediato. A chuva fina que caía sobre a cidade naquele domingo havia afugentado a maioria dos frequentadores que, normalmente, lotam …

por em

A filosofia africana e o ensino de filosofia no Brasil

Um estudante colonizado, por não fazer parte da origem da história intelectual que as filosofias universitárias são pontos de referência impressionantes, pode ser tão seduzido pelas tentativas de dar uma explicação filosófica ao Universo que rende toda a sua personalidade a elas. Quando o estudante faz isso, perde de vista o fato social fundamental: ele …

por em

Comemora Lula, comemoram os golpistas — e, mais ainda, os revanchistas

Um pacto “com o Supremo, com tudo” para “estancar a sangria”. Quem não se lembra das palavras de Romero Jucá sobre a Lava Jato à época do impeachment de Dilma Rousseff, quando sua turma emedebista tomou o poder? Ao que parece, não são poucos os desmemoriados. Entre os quais aqueles que, então, bradavam aos quatro …

por em

O encarceramento em massa de mulheres no Brasil

Em 2014 o Brasil possuía 37.380 mulheres cumprindo penas em privação de liberdade e, em 2018, esse número saltou para 42.355 mulheres em unidades carcerárias, segundo dados do Infopen. A evolução da taxa de aprisionamento nos cinco países que mais encarceram mulheres no mundo chama a atenção. No caso do Brasil o aumento em 16 anos (2000 …

por em

Os negros e os universitários

Recentemente o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) publicou um relatório atestando que 52% dos ocupantes de instituições superiores públicas de ensino são autodeclarados negros. A publicação deste relatório suscitou três questões pertinentes: estas vagas se dividem de maneira equânime ou representam a ocupação majoritária de negros em vagas que são desvalorizadas? A publicação …

por em

Filosofia em disputa

A produção de conhecimento é milenar, os filósofos estão entre os canônicos e há mais de 100 anos há produção de filosofia profissional contínua, mas ainda é extremamente tímida nos currículos de graduação e pós-graduação. Assim é hoje a situação da Filosofia Africana no Brasil que, contudo, reivindica seu lugar e aos poucos ocupa maior …

por em

Porque o “doisladismo” é um totalitarismo

A desqualificação da polarização é uma maneira sutil de silenciar o debate, ridicularizar e humilhar o contraditório. É um tipo de totalitarismo de mercado que opera essencialmente na esfera discursiva. Contudo, ao agir nessa esfera, seu triunfo final se manifesta na concretização de um projeto econômico destrutivo. Trata-se de uma atualização do famoso slogan de …

por em

Imigrantes e refugiados negros na cidade de São Paulo

Eram os últimos dias de setembro de 2017 e Jean* encontrava-se no Al Janiah, famoso restaurante palestino localizado na região central de São Paulo. O restaurante, convertido em um importante espaço de ativismo e resistência política – especialmente entre aqueles envolvidos com a temática migratória – abrigaria naquela noite um debate sobre o acesso de …

por em

Dualidade brasileira: da Faria Lima ao Sertão

Recentemente escrevi que o Brasil poderia apresentar uma taxa de crescimento econômico nos próximos anos e intensificar uma recuperação cíclica com as medidas liberais. Entretanto, isto não poderia ser visto como uma panaceia, que levaria o país para o desenvolvimento automaticamente. Naquela ocasião destaquei a importância da educação, ciência, tecnologia, inovação e de outras políticas …

por em

O transporte público é direito, não mercadoria

Desde 2015 é possível encontrar no artigo 6° da Constituição Federal a constatação de que o transporte público faz parte do grupo de direitos sociais que devem ser assegurados pelo Estado. Contudo, passados quase cinco anos da promulgação da Emenda Constitucional que incluiu esse direito aos cidadãos – a EC 90/15, de autoria da deputada …

por em

Conflito político, presidencialismo e sociedade civil no governo Bolsonaro

Rumo ao final do primeiro ano do governo Bolsonaro (PSL) é inegável o colapso institucional em andamento, confirmando a leitura ventilada durante a campanha eleitoral de que a vitória presidencial do ex-capitão oferecia riscos visíveis à democracia brasileira, refutando, assim, o tom de “normalidade” com o qual alguns analistas e cientistas políticos deram ao defender …

por em

Cultura não é turismo

Desde que teve ministério próprio, em 1985, a Cultura retrocedeu à secretaria em três momentos: na gestão de Fernando Collor, na de Michel Temer e agora com Jair Bolsonaro, por meio de decreto que dispensa a análise e o aval do Congresso Nacional. Na época de Temer, o encerramento da pasta durou pouco, graças às …

por em

Bolsonarismo sem confiança do investidor estrangeiro

A eleição de Bolsonaro, fiada na agenda ultraliberal de Paulo Guedes, inspirou ânimo e expectativas inéditas no Mercado, mas, passados 300 dias da implacável oposição do bolsonarismo a si mesmo, a mística governista dá sinais de esgotamento. O investidor não embarcará em aventuras por mera profissão de fé na ideologia do ocupante do Planalto: sua …

por em

Nós podemos reduzir a violência pela metade até 2030

A violência não somente causa prejuízos sociais e econômicos maciços, mas também corrói as instituições democráticas e prejudica direitos humanos fundamentais.  Entretanto, apesar de notícias assustadoras, houve progresso ao longo do último meio século na prevenção e redução de muitos tipos de violência. Embora a redução seja promissora, não há garantias de que a queda …

por em

O que está por trás do leilão dos excedentes da cessão onerosa

Nos últimos meses, em razão das dificuldades fiscais vivenciadas pelos governos federal e subnacionais, vários debates sobre o leilão do excedente da cessão onerosa, que será realizado no dia 6 de novembro, têm sido escamoteados. Para além da entrada imediata de recursos fiscais, o leilão deve ser contextualizado à luz das transformações geopolítica, bem como …

por em

Noturno do Chile

Para conhecer realmente a fundo qualquer período da história de um país, é necessário saber o que sua ficção já tivera antes a sabedoria de sinalizar, aquilo que em muitos casos fora antecipado pelo descompromisso imaginoso da arte. O que afinal é uma forma distinta entre o sonho e a coragem. A obra do chileno …

por em

Em meio ao fake history e fake news, é tudo verdade

Como professor de uma universidade pública, fui insultado por defensores do governo como um privilegiado, vagabundo, que não produz nada para a sociedade. Então, apresento algumas percepções preliminares das minhas pesquisas sobre os benefícios que o governo tem feito para indígenas, pobres, favelados, negros, trabalhadores, aposentados, mulheres, LGBTs, estudantes, artistas, garantindo-lhes a mais ampla liberdade …

por em

Apenas reagir ou inventar o Brasil que nós queremos?

O governo Bolsonaro combina elementos de uma sociedade disciplinar com técnicas neoliberais de uma sociedade de controle. Porém, não estamos relegados a uma distopia. Para Darcy Ribeiro, o povo brasileiro também pode inventar uma linha de força diversa, criadora. Inventar o Brasil que nós queremos. Com o reforço luminoso de Guimarães Rosa, nos perguntamos: como …

por em

Coringa e o semblante da margem

O real é aquilo que frustra a representação. […] O real é o momento em que o semblante se torna mais real do que o real de que ele é o real. [Alain Badiou, Em busca do real perdido] Vinda que finda A tinta de pintar tristeza. [Chico César, Pétala por Pétala]   Joker (2019) …

por em

O judiciário pune duplamente presas que são mães

Estamos no Fórum Criminal da Barra Funda. Ana atravessa o corredor de cabeça para baixo, algemada, trazida por um policial da carceragem até a porta da sala da audiência de custódia, onde permanece imóvel com a cara virada para a parede. É jovem, negra, mãe de dois filhos pequenos, e aguarda a chegada do defensor …

por em

“Que rei sou eu?” – Os personagens nos enredos do Judiciário

Nos últimos dias, o Supremo Tribunal Federal (STF) voltou a colocar em pauta as prisões em 2ª instância. O entendimento sobre a possibilidade de que réus que ainda não tivessem esgotado todos os recursos de defesa pudessem começar a cumprir pena de prisão havia mudado em 2016, no auge da Lava Jato. Na ocasião, o …

por em

A única ameaça a Bolsonaro está na política institucional

Este outubro que o calendário encaminha para o fim é, deste lado do mundo, mais um desses meses que permanecerão durante muito tempo como parte de nossas características nacionais. Há muitos desses na história da América Latina, como o janeiro da Revolução Cubana, em 1959, o março da Guerra da Água, na Bolívia, em 2000, …

por em

Angela Davis, a filósofa na cidade

Sócrates estava correto quando “afirmou que a razão de ser da filosofia é nos ensinar a viver de maneira apropriada. No nosso tempo, viver de maneira apropriada significa a libertação dos problemas urgentes da pobreza, necessidade econômica, doutrinação e opressão mental” (Angela Daivs, Lectures on Liberation)   Vire e mexe pessoas da comunidade acadêmica nos …

por em

Future-se: A educação pública na mira no setor privado

Recentemente o Governo Federal apresentou um Projeto de Lei (PL) denominado “Programa Institutos e Universidades Empreendedoras e Inovadoras” (Future-se), como uma resposta ao problema de financiamento das Universidades e Institutos Federais. O projeto é repleto de pontos “em aberto” e parte de uma diagnóstico impreciso sobre o funcionamento das Universidades Federais e seus problemas de …

por em

Estado mínimo ou Estado incompetente?

O governo atual promoveu a maior fuga de capitais em 23 anos, totalizado em R$ 10,79 bilhões em agosto. Já os bancos lucraram R$ 109 bilhões entre julho de 2018 e julho de 2019. É o maior lucro do setor em 25 anos. Por seu turno, o magnata Joseph Safra ampliou o seu patrimônio em …

por em

A hora e a vez das deepfakes no Brasil e no mundo

Uma grande agitação global teve início em torno dos perigos das chamadas deepfakes: simulações realistas de uma pessoa dizendo ou fazendo coisas que nunca foram feitas e que podem enganar o público, além de difamar e colocar em risco pessoas que já estão vulneráveis. Essas falsificações são geradas com técnicas de inteligência artificial cada vez …

por em

Privilégio e crise geográfica urbana

Rosa Luxemburgo (1871-1919), filósofa alemã, previu uma crise final do capitalismo porque ele corroeria a si mesmo pela derrocada da capacidade aquisitiva dos trabalhadores. Isso faria cair a mais-valia pela baixa do consumo em massa da classe trabalhadora. Para suprir essa falta de mercado consumidor, a classe capitalista teria que expandir seus negócios para além …

por em

Guerra comercial, petroleiros piratas e o vazamento de óleo

A guerra comercial e as sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos sobre o Irã e a Venezuela caminham no sentido de obstaculizar a presença desses países no comércio exterior e nas finanças internacionais, as indústrias naval e petrolífera têm sofrido o impacto dessas medidas de formas mais aguda por meio da retaliação à circulação de …

por em

A escola sob o dogma do mercado

Carlos Roberto Jamil Cury afirma que o princípio da gestão democrática é mais do que a eleição de diretores ou diretoras em escolas públicas. A gestão implica que os interlocutores dialoguem, tenham paciência na busca de respostas, que saibam construir uma boa educação com base na justiça. A gestão é democrática quando é encontro de …

por em

Angela Davis: mudanças estruturais não virão dos processos eleitorais

“Se [Hillary] Clinton tivesse sido eleita, evitaríamos a crise da democracia que estamos vivendo nos Estados Unidos, mas isso não resolveria questões estruturais, como racismo e misoginia”, disse Angela Davis durante o encerramento do seminário internacional “Democracia em Colapso?”, realizado pela editora Boitempo e o Sesc São Paulo entre 15 e 19 de outubro, com …

por em

Resistir é Refletir – Temáticas Sociais Contemporâneas

Nestes tempos sombrios, uma onda conservadora congela a alegria, conspira contra a liberdade, sufoca a democracia, e envolve o país do Oiapoque ao Chuí. Sem perspectiva, somos levados a uma polarização anacrônica que desperta um clima de ódio que paralisa a população pelo medo. Neste cenário, a iniciativa da socióloga e assistente social Márcia Moussallem, …

por em

É papel da Filosofia ajudar a evitar o desastre

O presidente da Sociedade Portuguesa de Filosofia esteve na última semana no Brasil para participar do I Congresso da Sociedade Brasileira pelo Estudo da Filosofia Medieval, em Porto Alegre. Na ocasião, José Meirinhos, que também é diretor do Departamento de Filosofia da Universidade do Porto e presidente da Sociedad [ibérica] de Filosofía Medieval, defendeu a …

por em

Bolsonaro: o fenômeno moral das classes médias

“Pretendo beneficiar um filho meu, sim”, respondeu o presidente Jair Bolsonaro sete dias depois de anunciar a indicação de filho mais novo (entre os três que são políticos), o deputado federal (PSC-SP) Eduardo Bolsonaro, para o cargo de embaixador brasileiro em Washington, nos Estados Unidos, no final de julho. “Se puder dar um filé mignon …

por em

Deflação, o problema é mais sério do que parece

O Brasil registrou deflação em setembro de 2019, menor valor para um mês de setembro desde 1998. Isto tem gerado um debate na sociedade brasileira. Mas, afinal o que é deflação? Isto é bom ou ruim? Quais seus impactos e implicações? O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é medido pelo IBGE e mensura …

por em

A extrema direita decolando no Uruguai

O Uruguai está atravessando um cenário eleitoral apertado, com vistas às eleições presidenciais de 27 de outubro. Os candidatos dos três principais partidos políticos do país, a Frente Ampla (coalizão de centro-esquerda atualmente no governo), o Partido Nacional e o Partido Colorado (centro-direita), estão no meio da campanha eleitoral. Neste cenário emerge um novo partido …

por em

Rioprevidência e a financeirização dos fundos de aposentadoria

A crise financeira do Estado do Rio de Janeiro a partir do segundo semestre de 2014 só agora vem sendo discutida a fundo. Esta crise foi motivada por um somatório importante de causas, nas quais se destacam: a rapina da administração Sérgio Cabral e Pezão, e seus auxiliares diretos; o sobreendividamento do estado com grandes …

por em

A desconstrução do planejamento na política neoliberal

Podemos conceituar o planejamento como uma atividade técnica (e política) institucionalizada, que a partir de dados históricos, estatísticos e teorias sócio-econômicas intenta interferir na realidade com o intuito de atingir objetivos e metas estabelecidas quantitativa e qualitativamente. Operacionalmente o planejamento, de maneira cíclica retroalimentando-se, pressupõe além de atividades de pesquisa e diagnóstico, atividades de planejamento …

por em

A miséria da alimentação tóxica

“A soberania começa pela boca!” Eduardo Galeano Em 16 de outubro se celebra o Dia Mundial da Alimentação e a criação, em 1945, da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO/ONU), que tem a missão de reunir os países na erradicação da fome no mundo. Desde a criação da FAO, a …

por em

Os efeitos nefastos da reforma da Previdência

A Constituição brasileira, como se sabe, é do tipo rígida, exigindo um ritual solene e difícil para sua modificação. A aprovação de uma emenda constitucional reclama iniciativa restrita (art. 60 da Constituição) e aprovação por maioria qualificada de três quintos dos parlamentares, nas duas casas legislativas, em dois turnos. O que era para ser difícil, …

por em

Lições do movimento municipalista internacional

No último domingo, a capital da Hungria elegeu seu novo prefeito, Gergely Karácsony, de centro-esquerda, derrotando assim o conservador István Tarlós. Além de governar Budapeste desde 2010, Tarlós disputava sua reeleição com o apoio do primeiro ministro, Viktor Orbán. Trata-se de uma derrota significativa imposta pela cidade de Budapeste à hegemonia da ultradireita no país, …

por em

Ser professor no Brasil hoje

A segunda década do século XXI registra no Brasil, como no resto do mundo, uma campanha cujo mote principal é o “ódio à democracia”, para tomar emprestada a expressão e o conceito de Jacques Rancière. Como nos lembra o autor, a palavra democracia foi, em sua origem, usada como insulto por todos que viam no …

por em

O preço do ressentimento: sobre o ataque às ciências humanas

O ataque à ciência tem sido uma constante no governo Bolsonaro. Mas a sua destinação tem como foco principal as ciências humanas. O presente artigo tenta compreender porque esse ataque é deferido com tanta ênfase àquela área. Longe de se localizar em certa noção de produtivismo, que exige extemporaneamente das ciências humanas uma produção científica …

por em

A prova de inocência de Lula é dada pelo bolsonarismo

O apoio consolidado a Moro e Dallagnol, mesmo após os vazamentos do The Intercept Brasil, mostra que uma grande parte da população não se deixa perturbar por um processo jurídico viciado. É cada vez mais difícil sustentar a versão que teria havido alteração nas mensagens expostas por Glenn Greenwald, considerando que até mesmo membros do …

por em

A subjetividade e o setembro amarelo

Relatos, comentários, queixas, piadas, diagnósticos, interpretações e tratamentos se sucedem na clínica. Eles reverberam muitas vezes o que percebemos no dia a dia. Naufrágio, todos morreram. Trinta anos depois, praticamente sem recursos, um esquelético pastor sobrevivente é encontrado numa pequena ilha. É um milagre ele ter sobrevivido naquelas condições. Surpresa maior ainda: ele tinha construído …

por em

Pão pra pensar

Parece que o velho pão entrou na conhecida arena das controvérsias alimentares e na mesma simplificada polaridade que perpassa muitas decisões do nosso esquizofrênico contrato com o neoliberalismo. Seu consumo tem sofrido um impacto devido às restrições impostas pela dieta de exclusão do glúten baseada em estudos que mostram seus malefícios. Por outro lado, percebemos …

por em

A submissão do Brasil a Trump deixou o país isolado

Poucos dias antes de viajar para participar da Assembleia Geral da ONU, Jair Bolsonaro disse que jantaria com o presidente Donald Trump, mas não houve jantar.  Apesar de os dois estarem no mesmo hotel, também não houve reunião entre os dois. Trump, no entanto, manteve reunião reservada com os líderes de Cingapura, da Coreia do Sul,  da …

por em

Socialismos: entre a reticência e o ponto final

Breve apontamentos introdutórios … não é fácil apagar o socialismo da memória dos povos e muito menos convencer a imensa maioria da humanidade, para a qual a solução dessas questões aparentemente elementares ainda continua pendente, de que o socialismo foi somente um equívoco dos que não haviam compreendido que a história acabou. Para esta humanidade …

por em

Reforma da Previdência e a seguridade social no Brasil

A fisionomia e a cultura política de diversas nações são decorrência dos grandes acontecimentos do seu passado. E estes sempre desempenharam uma função exemplar, simbólica e viva. O passado nunca está morto e não é um fardo que os homens têm de carregar. Na verdade, ele se constitui como uma herança que requer ser mobilizada …

por em

Gestão democrática em tempos de terrorismo na política educacional

“Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo. Os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo”. Paulo Freire No que se refere a uma administração educacional popular, o que significa participar e descentralizar? Para Paulo Freire, esses “objetivos estão presentes no discurso de políticos cuja orientação é oposta à nossa. O que nos diferencia …

por em

A arte contra a opressão

Governos autoritários temem o poder de expressão e o anseio de liberdade manifestado pela criação artística através dos tempos. Ditaduras costumam tentar exercer forte controle ideológico sobre as manifestações artísticas, submetendo a criação ao crivo da censura ou tentando domesticá-la a partir da lógica da propaganda. A censura federal atuou durante a ditadura militar instaurada …

por em

A sobrevivência das Borboletas

Este é um relato pessoal, mas não um exercício narcisista. É uma narrativa de interesse acadêmico, pois eu sou/estou professor universitário e pesquisador, apesar dos muitos obstáculos que atravessei para estar/ser/permanecer em instituições públicas de ensino superior. Sou da ordem das bixas lepidópteras. Rhopalocera E é sobre isso que vou falar: Ovo Larva  Pupa  Imago …

por em

Por que obedecemos?

No começo de setembro, João Doria, governador de São Paulo, ordenou via Twitter o recolhimento de apostilas de alunos do 8º ano do ensino fundamental da rede estadual paulista, a maior do país. Motivo: impedir que os estudantes tivessem acesso a um texto que tratava das dimensões socioculturais da sexualidade – identidade de gênero. No …

por em

Alternativa chilena como modelo na regulação no preço dos combustíveis

Um ataque militar realizado no dia 14 de setembro contra um complexo de processamento de petróleo na Arábia Saudita fez o preço do barril atingir sua maior alta desde a Guerra do Golfo, em 1990. No Brasil, os olhos se voltaram imediatamente para a reação que a Petrobras teria na definição do preço cobrado do …

por em

50 anos do boicote à Bienal de Arte de São Paulo

Meses depois da promulgação do Ato Institucional nº 5, a exposição de arte que mais engajava os artistas internacionais no Brasil foi inaugurada em setembro de 1969, apesar do boicote lançado por diversos profissionais veteranos e acatado por alguns dos mais de cinquenta países participantes. O processo de construção da mostra foi controverso. Em um …

por em

Bacurau e Pacarrete: (o interior do) Nordeste é uma ficção

O cinema e a região Nordeste são alvos do atual governo. Entre piadas sobre “nordestinos da cabeça grande” e uso do termo “paraíbas” de forma pejorativa, o governo Bolsonaro ameaça a Ancine e chegou a cortar 43% do Fundo do Audiovisual. Enquanto isso, nordestinos do cinema ganharam notoriedade em Cannes e no Festival de Gramado, …

por em

A estética mórbida do Bolsonarismo e o espírito neoliberal

Qualquer um que tenha ligado a televisão ou acessado a internet nos últimos meses percebeu que o presidente Jair Bolsonaro faz uso de uma iconografia degradante ou mórbida. Pensemos, por exemplo, na exposição recorrente do presidente em situações críticas e de aparente fragilidade, e aceitemos o convite que ela nos faz a uma reflexão sobre …

por em

Amazônia e soberania nacional

O mundo está acordando para a emergência climática. A crise das queimadas na Amazônia está trazendo à volta um debate antigo sobre o que significa a soberania nacional. E essa discussão deixa transparecer novas tensões que vão bem além da esfera doméstica. As queimadas são um lembrete do que já se sabia sobre as mudanças …

por em

Quais regiões são socialmente eficientes no Brasil?

Vários indicadores, como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), têm sido propostos para auxiliar os formuladores de políticas públicas na avaliação do bem-estar social. Entretanto, estes indicadores não levam em consideração o bom uso dos recursos financeiros (riqueza e gastos sociais) em prol da melhoria do desenvolvimento humano local. Pode-se argumentar que as regiões que …

por em

Orçamento ou estamento (de classe)?

O governo Temer, em maio de 2018, remanejou verba da saúde para o fundo de segurança . E transferiu do orçamento da cultura e da educação para subsidiar o valor do óleo diesel e acabar com a greve dos caminhoneiros. Nada diferente do que o governo Bolsonaro fez no primeiro semestre de 2019, quando transferiu …

por em

Quem são elas: o perfil das mulheres que abortam no Brasil

“Era uma pressão do tipo ou o emprego ou o filho”. Laura tinha 33 anos quando se sentiu coagida a realizar um aborto. Ela trabalhava como empregada doméstica na casa de uma família paulista e, quando descobriu que estava grávida, procurou os patrões para contar a notícia. Cecília, a dona da casa, respondeu que ou …

por em

Função política da imaginação e a universidade pública

Estamos sob um governo que infunde terror contra a ciência e as universidades públicas, mas quero lembrar neste artigo que, por isso mesmo, não podemos renunciar a pensar. Muito pelo contrário. Nos últimos anos, quem trabalha com filosofia política tem observado o interesse crescente no papel da imaginação, naquilo que seria uma imaginação política ou …

por em

Dissidência das Farc volta às armas

Tradicionalmente os colombianos despertam muito cedo com as notícias do rádio nas zonas rurais e até mesmo urbanas. Foi dessa maneira que desde as primeiras horas da quinta-feira de 29 de agosto a população alarmou-se com a informação de que uma dissidência do grupo Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) voltaria às armas devido a …

por em