Carta pública ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados do Brasil - Le Monde Diplomatique

SOBRE O JULGAMENTO POLÍTICO DE JEAN WYLLYS

Carta pública ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados do Brasil

por Eugênio Raúl Zaffaroni
dezembro 6, 2016
compartilhar
visualização

Setores antidemocráticos do Parlamento brasileiro querem calar a voz do único deputado gay assumido do Brasil, cujo mandato é referência internacional na defesa dos direitos humanos e das liberdades individuaisEugênio Raúl Zaffaroni

Venho por meio da presente expressar a minha profunda preocupação pelo processo instaurado por este Conselho contra o deputado federal Jean Wyllys, iniciado como consequência de uma série de representações assinadas por adversários políticos e instrumentalizado por setores antidemocráticos desse Parlamento que querem calar a voz do único deputado gay assumido do Brasil, cujo mandato é referência internacional na defesa dos direitos humanos e das liberdades individuais.

O deputado Jean Wyllys, reeleito em 2014 com 144.770 votos (o sétimo mais votado do seu estado, com mais de onze vezes a votação recebida em 2010) e seguido nas redes sociais por milhões de pessoas, é uma das figuras políticas brasileiras mais respeitadas no mundo. Eleito três vezes para o Prêmio Congresso em Foco como o melhor deputado do Brasil; reconhecido pela revista britânica The Economist como uma das 50 personalidades mais destacadas do mundo na defesa da diversidade; convidado para palestrar em centros acadêmicos de prestígio mundial, como as universidades norte-americanas de Harvard, Brown, Princeton, CUNY e George Washington University, a Universidade Hebraica de Jerusalém e a Universidade Autônoma da Cidade do México; merecedor de diversos prêmios e distinções oficiais no Brasil e fonte de consulta permanente sobre a atualidade brasileira no exterior, Jean Wyllys é uma voz ouvida com atenção por organizações internacionais, universidades, movimentos sociais, e pelos principais veículos de comunicação do mundo.

O trabalho de Jean Wyllys no Parlamento é essencial para a democracia brasileira: defensor de minorias sempre silenciadas, autor de projetos de lei corajosos e consistentes sobre questões fundamentais de direitos civis e intransigente defensor da liberdade, Wyllys representa uma voz que não pode ser calada sem que o próprio Estado democrático de direito fique em dúvida, muito menos quando quem pretende calar sua voz é um representante do que há de mais violento, retrógrado, antidemocrático e odioso na política brasileira. Jean Wyllys sofre desde o início do seu primeiro mandato uma sistemática perseguição política e é vítima constante de ameaças de morte, insultos, ofensas homofóbicas e campanhas criminosas de difamação orquestradas pelos mesmos que agora impulsionam este absurdo processo disciplinar contra ele, uma verdadeira caça às bruxas sem amparo na lei e contrária aos princípios democráticos.

Se o deputado Jean Wyllys for sancionado (seja mediante uma punição simbólica ou com a suspensão ou cassação de seu mandato) por ter reagido, como qualquer ser humano faria, aos insultos inaceitáveis de um deputado homofóbico, misógino e fascista que usou a tribuna da Câmara, no mesmo dia, para defender publicamente a tortura e “homenagear” a memória do criminoso que a praticou contra a ex-presidenta da República durante a última ditadura, o Parlamento brasileiro estará dizendo ao mundo inteiro que esses são seus valores: a tortura, a misoginia, a homofobia, a ameaça, o insulto.

Se a Câmara dos Deputados do Brasil punir um ativista de direitos humanos por ter reagido às agressões de um parlamentar que declarou publicamente que não estupraria uma colega apenas “porque é feia” e que, em diversas oportunidades, usou contra o deputado Jean Wyllys palavras de baixo calão no microfone da Casa, estará dizendo ao mundo que esse é o estado atual da democracia no Brasil.

Por isso, com grande preocupação, dirijo-me aos integrantes deste Conselho e peço que não permitam esse ato de perseguição política inaceitável contra o deputado Jean Wyllys.

Eugênio Raúl Zaffaroni é juiz da Corte Interamericana de Direitos Humanos e ex-ministro da Corte Suprema de Justiça da Argentina.



Artigos Relacionados


Edições Anteriores