SÉRIE ESPECIAL

SÉRIE ESPECIAL: Cracolândia SP

Para debater as ações desencadeadas pelo governo estadual e pela Prefeitura de São Paulo a partir do dia 20 de maio na região conhecida como cracolândia, no centro da capital paulista, lançamos neste momento mais uma série especial do Le Monde Diplomatique Brasil, exclusiva para versão digital. Com olhares sob diferentes pontos de vista – jurídico, urbano, habitacional, da saúde mental, dos movimentos sociais e do patrimônio histórico –, o objetivo é traçar um diagnóstico da situação, avaliar as políticas adotadas e, quando possível, apontar caminhos ou soluções

17 de julho de 2017

Região da Luz em disputa: mapeamento dos processos em curso

Não é de hoje que a região da Luz, no centro de São Paulo, sofre pressões para torná-la mais um polo de expansão do capital imobiliário e seus produtos: centros culturais, condomínios residenciais de classe média, torres corporativas. Há várias décadas, entretanto, esse território popular, um dos bairros mais antigos da cidade, com arquiteturas preservadas, resiste a essas investidas, mesmo que isto tenha implicado em remoções, demolições e uso da violência.

por Isabel Martin, Gisele Brito, Pedro Mendonça, Pedro Lima e Raquel Rolnik


Santa Efigênia, Luz e Campos Elíseos: a Prefeitura derruba

15800433_1786304931620879_5471694757005434435_o

Na história da cidade de  São Paulo, os bairros por onde vem se deslocando o chamado  “fluxo” ou   as  “novas e velhas Cracolândias” são os que desde o final do século XIX abrigam grupos sociais diversos; estrangeiros de diferentes origens;  palacetes e cortiços, espaços de produção e de comercialização, assim como as atividades ilícitas e os excluídos tratados como caso de polícia.

por Sarah Feldman


o crack não existe

18700390_1848531505398221_6306191617968455062_o

Encontrei de tudo na cracolândia nestes últimos meses em que frequentei intensamente o fluxo da Luz, na região central de São Paulo. Conheci viajantes, ex-caminhoneiros e estrangeiros. Escutei samba surgido de galão de água, lata de tinta e palma seca. Estive com mães fortes, pais desaparecidos e órfãos de família inteira. Ganhei uma pintura de presente e ouvi histórias de rir, de chorar e para pensar. Só não encontrei o crack.

por Daniel Mello

Fissuras na renovação urbana da área central de São Paulo: do crack às PPPs na dinâmica imobiliária e urbana da região da Luz

Os eventos mais recentes de dispersão violenta dos usuários de crack da região dos Campos Elíseos, centro de São Paulo, realizados em paralelo às rápidas investidas da atual gestão municipal (Dória) através de demolições imobiliárias (amparadas pelo intenso policiamento municipal e estadual), lançam luz às questões em torno de quais interesses econômicos estão atrelados à substituição populacional e edilícia na região.

por Guilherme Moreira Petrella

A droga da exclusão

Marcello Casal/Agência Brasil

Participei de reuniões sobre a cracolândia com os três últimos prefeitos de São Paulo. Na mais recente delas, em janeiro de 2017, a primeira grande reunião da gestão Dória sobre o tema, havia mais coronéis da PM e delegados do que psicólogos, psiquiatras e assistentes sociais.

por Leon Garcia

 

O habitar precário e invisível: conflitos e disputas da política habitacional no território da Cracolândia

Até o início do século XXI as tentativas de transformação urbana no centro de São Paulo estavam pautadas nos projetos culturais e na valorização do espaço público. Os governos municipais e estaduais investiram massivamente no restauro do patrimônio histórico e cultural e na revitalização de espaços públicos significativos.

por Simone Gatti

 

 

Fazer sumir: políticas de combate à Cracolândia

Incêndio após operação policial na "nova cracolândia", no dia 11 de junho de 2017

É política concreta de “arrasa quarteirão”, que, com rapidez, eficácia, legalidade duvidosa e estratégia militarizada, visa erradicar essa famigerada territorialidade, abrindo espaço para acionar práticas de fazer sumir os que conflitam com o projeto de cidade limpa, moderna e parceira da iniciativa privada.

por Fábio Mallart, Marina Mattar, Taniele Rui e Vera Telles


EDIÇÕES ANTERIORES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *