Março 2011

Edição - 44
01_Capa Ed44-1
  • Claudis
    kjazz9j16j116zz
    EDITORIAL
    Depois do “Dia de Fúria”.
    A onda de protestos e mobilizações populares nos países do Oriente Médio traz grandes novidades. Anuncia uma verdadeira reconfiguração da geopolítica regional, que, ao[...]
    por: Silvio Caccia Bava
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • MOVIMENTO SINDICAL
    A Itália redescobre a sua classe trabalhadora

    O sindicalismo combativo renasce na Itália: apesar dos apelos da esquerda institucional para a aprovação de certos acordos trabalhistas, operários da Campânia e de Turim votaram contra a diminuição de horas de intervalo,a organização da escala semanal ao bel prazer dos patrões e a possibilidade da jornada de 10 horas

    por: Serge Quadruppani
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • CIRURGIAS PLÁSTICAS
    Refazendo o mundo a golpes de bisturi.

    O crescimento do setor de cirurgias plásticas – de 465% na última década – reflete uma tentativa de resolver a contradição entre os sonhos cada vez mais grandiosos alimentados pela mídia.

    por: Mona Cholllet
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • PESCA PREDATÓRIA
    Atuns com escolta paramilitar

    Em outubro de 2009, a captura do atuneiro frigorífico gigante Alakrana e os 47 dias de sequestro dos 36 membros da tripulação causaram forte comoção e deram ampla visibilidade aos problemas enfrentados por essas embarcações, que operam principalmente na costa da Somália.

    por: Edouard Sill
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • FUTURO DO JORNALISMO
    Autômatos da informação.

    Ávidos por reduzir custos, em detrimentos dos jornalistas, grupos de imprensa tradicionais começam a se interessar por esses novos métodos de produção participativa de conteúdos.Essas

    por: Ignacio Ramonet
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • CRISE DO WELFARE
    A nova noção de risco

    Utilizando conceitos oriundos do universo das companhias de seguros, as “reformas” são legitimadas aos olhos das populações. A noção de risco foi assim mobilizada a fim de redefinir os direitos sociais e instaurar a confusão entre seguros sociais e privados. Paralelamente, a ideia de solidariedade foi reativada.

    por: Noëlle Burgi
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • DIREITOS HUMANOS
    Ordem e progresso. Horror e escárnio.

    O corpo do ex-deputado Rubens Paiva, morto sob tortura em 1971, não foi encontrado até hoje. Aqui, diferentemente do Chile e da Argentina, os assassinos continuam livres e impunes.

    por: Marcelo Mirisola
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • CRISE DO WELFARE
    Uma outra proteção social

    Nos últimos anos,a liberalização incide sobre serviços sociais de interesse geral, cujos benefícios são destinados a melhorar as condições de vida das populações. Nesse contexto, os atores da proteção social solidária procuram destacar suas diferenças:no qual, a solidariedade deve ser um compromisso, não generosidade.

    por: Denis Stokkink
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • CRISE DO WELFARE
    A filha da solidariedade

    A mutualidade nasceu de um compromisso cívico,recorrendo por vezes a notáveis caridosos e filantropos. Seus pioneiros –sob o impulso do federalismo de Pierre-Joseph Proudhon, defensor da ideia das associações de entidades autônomas – souberam promover os primeiros agrupamentos que deram força ao movimento mutualista.

    por: Jean Sammut
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • MUNDO ÁRABE
    E se o Próximo fosse o Irã?
    As balas que matam podem ser xiitas ou sunitas, moderadas ou radicais, pró-ocidentais ou “anti-imperialistas”. As populações que morrem, também. Mas os regimes que[...]
    por: Serge Halimi
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • MUNDO ÁRABE
    Em busca da soberania.

    No espaço de semanas, o mito da passividade dos povos árabes e da sua inaptidão à democracia voou em estilhaços pelos ares. Pela primeira vez desde os anos 1970, não se poderá mais analisar a geopolítica sem levar em conta, ao menos parcialmente,as aspirações de povos e países que voltaram a ser donos do seu destino.

    por: Alain Gresh
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • MUNDO ÁRABE
    O exército nas revoluções árabes.

    A maior parte dos dirigentes árabes se deparou com a importância histórica do exército na construção dos Estados após as independências e, rapidamente, compreendeu o perigo que as forças armadas poderiam representar. Trataram, então, de marginalizar e neutralizar essa instituição, sobretudo por privilégios econômicos.

    por: Salam Kawakibi, Bassma Kodmani
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • CRISE DO WELFARE
    Entre o Estado e a sociedade.

    Se associar a uma mutual é um ato de militância. Reunir pessoas que têm diferentes horizontes, mas nem por isso deixam de compartilhar o desejo de viver em conjunto, é um ato de emancipação. Uma mutual, por sua natureza de organismo intermediário, que faz a ligação entre Estado e os cidadãos, contribui p/ a democracia.

    por: Jacques Chemarin
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • TUNÍSIA
    A Nova agenda da transição

    Além das questões de segurança e de geopolítica regional, vários dirigentes tunisianos avaliam que o verdadeiro desafio é de ordem social e econômica. Mal o ditador havia fugido, um número inacreditável de reivindicações veio à tona, em especial no setor da habitação, que apresenta um déficit antes desconhecido.

    por: Akram Belkaïd
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • Claudis
    kjazz9j16j116zz
    EDITORIAL
    Depois do “Dia de Fúria”.
    A onda de protestos e mobilizações populares nos países do Oriente Médio traz grandes novidades. Anuncia uma verdadeira reconfiguração da geopolítica regional, que, ao[...]
    por: Silvio Caccia Bava
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • EGITO
    Tudo dentro da ordem.

    Temendo uma vez mais atrair a mão forte do regime egípcio, a Irmandade Muçulmana decidiu não se associar à convocação do movimento contra Mubarak; só no terceiro dia ela começou a participar dos protestos, com a presença de sua força organizada. Ao final, declarou sua intenção de fundar um partido político legal.

    por: Gilbert Achcar
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • ENTREVISTA C/ SEBASTIÃO VELASCO, CIENTISTA POLÍTICO E PROFESSOR DA UNICAMP
    Obama no Brasil

    A vinda de Obama ao Brasil coloca muitas interrogacoes. O que mobiliza o presidente dos EUA? A evolucao surpreendente da crise do Oriente Medio pode dificultar o acesso ao norte-americano ao petroleo da rgiao, numa situacao como essa, o pre-sal brasileiro entra na agenda estadunidense e ganha maior importancia

    por: Silvio Caccia Bava
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • EGITO
    A revolução após a revolução

    As lutas dos trabalhadores tiveram um papel determinante nos últimos anos. Elas se amplificaram em todos os setores, fazendo nascer uma cultura da crítica e da reivindicação no Egito. “Em 2010 não se passou um dia sem que houvesse pelo menos três protestos no país”, destaca um dirigente sindical.

    por: Raphaëlle Bail
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • OBAMA NO BRASIL
    Uma oportunidade de reaproximação

    Na visita ao Brasil sobrará pauta e faltará tempo. Uma vez que se trata de uma reaproximação, os dois países darão prioridade a temas menos “espinhosos” e que possam gerar mais consenso. A aposta é que serão discutidos o crescimento global, o desenvolvimento de energias renováveis e a reconstrução do Haiti.

    por: Raphael Neves
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • Líbia
    O Lugar das Tribos
    Na noite de 15 de fevereiro de 2011, os cidadãos de Benghazi, a segunda maior cidade da Líbia, se reuniram para exigir a libertação[...]
    por: Ali Chibani
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO
    O caso da usina de Belo Monte

    É verdade que Belo Monte inundará metade da área originalmente planejada, mas isso se dará à custa de mais de 100 km de rio que viverá uma seca eterna. Nesse trecho estão localizadas duas comunidades indígenas e várias ribeirinhas, todas dependentes das águas do Xingu para se alimentar, se locomover e ter alguma renda.

    por: Biviany Rojas
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • MARROCOS
    A monarquia ainda sob direito divino.

    Aos 48 anos de idade, Mohammed VI reina com tranquilidade e cada vez menos alarde. Ele tomou gosto pelo cargo e tornou-se a figura central do sistema. Porém, a pouca importância dada ao Parlamento e às instituições políticas e o desrespeito aos direitos humanos preocupam quem acompanha seu regime de perto.

    por: Ignace Dalle
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • MÉXICO
    Da Soberania à Dependência

    Em 2010,no Cons. de Segurança ONU,o México votou a favor de sanções contra o Irã e não condenou o ataque à frota humanitária destinada a Gaza,em sintonia c/ os EUA.Será que o país renunciou à liberdade que caracterizou sua política externa,fundamentada na soberania nacional e no respeito à autodeterminação dos povos?

    por: Jean François Boyer
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • MÍDIA
    A ofensiva chinesa sobre a informação.

    Longe de limitar sua presença no comércio, nas grandes obras e na exploração das matérias-primas, a China está implantando aos poucos no mundo inteiro, veículos de informação de Estado que desempenaham uma dupla função de comunicação e de inteligência.

    por: Pierre Luther
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • TECNOLOGIA DIGITAL
    Sabotagem em Programas Nucleares

    O caso Stuxnet, história de uma sabotagem altamente tecnológica, é um romance no qual a ação logo passa dos códigos de computador para o jogo de espelhos da inteligência secreta e da diplomacia.Abre-se um novo front de conflitos, o dos ciberataques,que podem destruir instalações nucleares e outros complexos industriais

    por: Philippe Rivière
    04/03/2011
    Leia Mais →
  • ENTREVISTA PELA EQUIPE DE REDAÇÃO
    Cinemateca Brasileira

    A Cinemateca Brasileira, ao longo do tempo, passou por muitas transformações. Hoje, ela guarda um acervo impressionante e ocupa um complexo de antigos edifícios tombados, todos restaurados e modernamente equipados, numa área de 24 mil Km², cedidos pela Prefeitura de São Paulo, onde era o matadouro municipal.

    por: equipe Le Monde Diplomatique Brasil
    04/03/2011
    Leia Mais →
EDIÇÕES ANTERIORES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *