Novembro 2013

Edição - 76
1451347_10151785417397449_1408326722_n
  • Claudius
    fte67dd7iet2ugg
    EDITORIAL
    As vítimas da repressão
    O momento é propício para atender ao clamor que surgiu das manifestações de junho e que continua a se expressar de maneira pulverizada todos[...]
    por: Silvio Caccia Bava
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • OS SIGNIFICADOS POLÍTICOS E SOCIAIS DE MUDANÇAS INSTITUCIONAIS
    Desmilitarização e reforma do modelo policial

    A aprovação da PEC 51 é decisiva para evitar sobretudo a brutalidade policial letal contra os mais vulneráveis e a criminalização da pobreza, processos indissociáveis da intensificação do racismo. A desmilitarização não será suficientes para que se alcancem esses objetivos, mas constituem passos indispensáveis

    por: Luiz Eduardo Soares
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • DEVASTAÇÃO PELA GUERRA E PELA POBREZA
    No Afeganistão, o quebra-cabeça do sistema de saúde

    Enquanto as tropas militares norte-americanas se preparam para deixar o país até o fim de 2014, o sistema de saúde afegão encontra-se em um estado mais deplorável do que nunca, com destaque para as dificuldades de acesso aos cuidados médicos de aproximadamente 450 mil deslocados internos pelo conflito armado

    01/11/2013
    Leia Mais →
  • VIOLÊNCIA DE ESTADO
    Desmilitarizar as polícias: um bom começo

    A irracionalidade fardada que ocupou os telejornais e as ruas durante os protestos de junho serviu para recolocar na agenda pública um debate que ainda não foi encarado de forma suficiente pela sociedade. Até quando vamos tolerar ser vigiados, perseguidos, controlados, encarcerados e violentados pelas forças do Estado?

    por: Movimento Mães de Maio
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • INVESTIGAÇÃO NOS ENTREPOSTOS DO E-COMMERCE
    Amazon, do outro lado do computador

    Com empresários celebrizados, telas finas e cores vivas, a economia digital evoca a imaterialidade, a horizontalidade e a criatividade. Porém, uma investigação sobre a gigante do comércio eletrônico Amazon revela o outro lado da moeda: fábricas gigantes em que humanos pilotados por computadores trabalham até a exaustão

    por: Jean-Baptiste Mallet
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • CIDADES DEPENDENTES DA ECONOMIA CARCERÁRIA
    Louisiana, prisioneira de suas prisões

    Com 2,3 milhões de presos, os EUA têm a maior taxa de encarceramento do mundo. O setor penitenciário, que emprega mais pessoas que a General Motors, a Ford e o Walmart juntos, representa um desafio econômico relevante, em particular nas zonas rurais, onde os xerifes são encorajados a encher as celas de suas prisões

    por: Maxime Robin
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • ESTILINGUE CONTRA PAÍSES AFRICANOS
    Justiça internacional, do sonho à realidade

    Em reunião de cúpula extraordinária, os países da União Africana pediram a suspensão das ações no Tribunal Penal Internacional contra chefes de Estado em exercício. Eles desafiam um dos princípios da corte, ao mesmo tempo que revelam as contradições inerentes da justiça internacional

    por: Francesca Maria Benvenuto
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • NEM DIAMANTES NEM SAFÁRIS
    Agonia silenciosa da República Centro-africana

    Deslocados internos: 230 mil; refugiados: 70 mil… Após o golpe de Estado, a República Centro-Africana submerge no caos. Os gritos de alerta lançados pela ONU parecem ter finalmente tirado a “comunidade internacional” de seu torpor. Mas a resolução preparada por Paris para o Conselho de Segurança será suficiente?

    por: Vincent Munié
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • PARQUES TEMÁTICOS SOBRE O TRABALHO
    Em Beirute, um estranho “mundo das crianças”

    A cidade reconstituída aqui tem como característica não possuir nenhuma instância política: na praça principal encontramos um teatro de colunas, o Burger King, o banco e a delegacia. A um intervalo regular, funcionários do parque aparecem no teatro cantando e dançando, para realizar uma parada à glória do KidzMondo

    por: Mona Chollet
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • CONGRESSO
    PEC 37: o que as ruas não perceberam

    Graças à pressão das manifestações de junho, o Congresso repeliu uma proposta que favoreceria a impunidade.” Essa história foi alardeada aos quatro ventos. Agora vamos aos fatos

    por: Rogério B. Arantes
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • Claudius
    fte67dd7iet2ugg
    EDITORIAL
    As vítimas da repressão
    O momento é propício para atender ao clamor que surgiu das manifestações de junho e que continua a se expressar de maneira pulverizada todos[...]
    por: Silvio Caccia Bava
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • AMÉRICA LATINA
    Construindo uma nova arquitetura financeira regional

    Os próximos anos podem ser definitivos para o processo de integração regional latino-americana. Passada uma década de governos progressistas, é crucial que se consolidem propostas de transformação. Para isso, a questão do financiamento é central

    por: Luciano Wexell Severo
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • O FIM DA PM
    Desmilitarização: há que se ter vontade política do Estado

    O debate sobre a desmilitarização surge no bojo das manifestações que eclodiram em junho. O grau de interesse, mesmo da esquerda, sempre foi mínimo pelas questões relacionadas à polícia. No entanto, permitiu-se à população conhecer a polícia violenta, que direcionava sua letalidade e corrupção apenas às favelas

    por: Marcelo Freixo
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • MERCADO E GASTRONOMIA
    O vinho, do terroir à marca

    Um vinho é sempre a flor e o fruto de um equilíbrio singular e não reprodutível. Os antigos se maravilhavam, a sociedade industrial fica em pânico

    por: Sébastien Lapague
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • IMIGRAÇÃO
    Lampedusa

    O Ocidente se valeu há trinta anos de sua prosperidade e de suas liberdades, como uma arma de ataque ideológico contra os sistemas que combatia

    por: Serge Halimi
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • RACIONAIS MC´S
    O novo caminho de Edi Rock

    O novo lugar a ser ocupado pelos Racionais MC’s na cultura brasileira apenas começou a se delinear. Por ora, é evidente que o disco solo de Edi Rock dá continuidade a Jorge Ben Jor e a Tim Maia, e se coloca ao lado de Seu Jorge e Emicida, entre outros. Música negra no mercado hegemônico

    por: Walter Garcia
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • SEGURANÇA ALIMENTAR, DIREITOS SOCIAIS, ECOLOGIA...
    Um tratado para estabelecer o governo das multinacionais

    As discussões sobre um acordo de livre-comércio entre o Canadá e a U.E foram concluídas em 18 de outubro. Um bom presságio para o governo dos EUA, que espera firmar uma parceria desse tipo com a Europa. Negociado em segredo, permitiria às multinacionais processar qualquer Estado que não siga as normas do liberalismo

    por: Lori Wallach
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • RACIONAIS
    Fim de semana no parque: vinte anos

    Algumas obras artísticas mudam a história. Este artigo se propõe a discutir um desses casos. A obra em questão é o rap “Fim de semana no parque”, lançado em 1993 pelo grupo Racionais MC s. A obra foi um divisor de águas na forma de pensar um fenômeno social chamado periferia

    por: Tiarajú D'Andrea
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • INFLAÇÃO FORA DE CONTROLE
    A Venezuela se afoga em seu petróleo

    Caracas pagou uma parte das importações de alimentos com títulos do Tesouro, sugerindo que faltam divisas ao país. É possível que o governo tenha cometido erros de direção, mas a Venezuela, que possui as maiores reservas de petróleo, sofre por causa de sua riqueza: uma renda que sai do país sem irrigar a economia

    por: Gregory Wilpert
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • ECONOMIA VS. REVOLUÇÃO
    Fazer compras em Caracas

    Enquanto as penúrias sociais afetam mais, em geral, aqueles que têm menos, na Venezuela parece ser o contrário. Aqui, quanto mais elevada a posição na hierarquia social e mais prateleiras de supermercado se frequenta, menos acesso se tem a produtos de primeira necessidade

    por: Anne Vigna
    01/11/2013
    Leia Mais →
  • SEGURANÇA PÚBLICA
    Os limites do modelo policial brasileiro contemporâneo

    As agências de segurança têm primado pelo controle violento da criminalidade, pela discriminação de determinados grupos sociais e pela virtual ineficácia em controlar os membros de seus próprios quadros. Ao mesmo tempo, essas agências têm se mostrado indulgentes com os crimes e as ilegalidades das elites

    por: Luís Antônio Francisco de Souza
    01/11/2013
    Leia Mais →
EDIÇÕES ANTERIORES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *