Janeiro 2014

Edição - 78
1549289_10151925258037449_951158480_n
  • Claudius
    s1kxrrr0ar0j413
    EDITORIAL
    O jogo mudou
    Podemos não estar percebendo, mas o jogo mudou. Nos últimos anos a sociedade e a economia brasileira ganharam novos players. Empresas transnacionais compraram empresas[...]
    por: Silvio Caccia Bava
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • UMA CIDADANIA REDUZIDA A DADOS BIOMÉTRICOS
    Como a obsessão por segurança muda a democracia

    A segurança está entre aquelas palavras com sentidos tão abrangentes que nós nem prestamos mais muita atenção ao que ela significa. Erigido como prioridade política, esse apelo à manutenção da ordem muda constantemente seu pretexto (a subversão política, o terrorismo…), mas nunca seu propósito: governar as populações

    por: Giorgio Agamben
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • O MOVIMENTO DE JUNHO-OUTUBRO
    A luta pela paz

    No Rio de Janeiro, a multiplicação de ameaças de morte nas manifestações e pelo telefone aos mídia-ativistas indica a existência de práticas repressivas extralegais por parte do próprio aparelho do Estado

    por: Giuseppe Cocco
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • CAÇADA AOS CAMPONESES
    Paraguai é devorado pela soja

    O Paraguai espera ser reintegrado ao Mercosul na reunião de cúpula do dia 17 de janeiro, um ano e meio após ter sido expulso em repúdio à queda do presidente Fernando Lugo. Um golpe de Estado que favoreceu, principalmente, os verdadeiros chefes do país: os senhores da soja

    por: Maurice Lemoine
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • DOSSIÊ AMAZÔNIA
    Concentração fundiária e grilagem no Pará

    A Constituição Federal (art. 51 do ADCT) e a do estado do Pará (art. 15) determinaram a revisão da legalidade das titulações de terras realizadas a partir da metade do século passado, permitindo o combate à grilagem. Passadas duas décadas, nem o Congresso Nacional nem o estado do Pará cumpriram suas obrigações

    por: Girolamo Domenico Treccani
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • DOSSIÊ AMAZÔNIA
    De qual cidade se apropriam os pobres?

    A lógica dos grandes projetos irradiou-se para o interior das metrópoles amazônicas. Assim, as cidades de Belém e Manaus, nos dias atuais, têm na infraestrutura urbana um meio de ampliar divisas em âmbito local e global, mesmo que para isso as relações sociais e culturais sejam alteradas de forma drástica e arbitrária

    por: Sandra Helena Cruz
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • DINAMISMO DIPLOMÁTICO
    O mundo segundo Teerã

    Assinado em novembro, o acordo sobre o setor nuclear iraniano marca uma etapa importante da aproximação entre Washington e Teerã. Os obstáculos permanecem, mas a República Islâmica parece determinada a aproveitar a nova conjuntura do Oriente Médio e desenvolver um diálogo construtivo com os EUA e com seus vizinho

    por: Shervin Ahmadi
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • TRIBUNAIS DE CONTAS
    As muitas faces do controle e da corrupção no Brasil

    O controle externo a cargo dos tribunais de contas será capaz de contribuir substancialmente para a superação da estagnação detectada do combate à corrupção? Premidos por essa interrogação, os membros do Ministério Público de Contas observaram que é chegada a hora de reformar os tribunais de contas

    por: Luciano Ramos
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • MACONHA NAS AMÉRICAS
    A legalização é uma ação de paz

    Os mais de sessenta anos de proibição não conseguiram em nenhum momento eliminar o mercado ilegal de venda de maconha ou de outras drogas ilícitas. Pelo contrário: os dados desse período indicam uma expansão do consumo entre diferentes classes sociais, regiões e o surgimento de novas drogas

    por: Renato Cinco
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • O HOMEM TORNA-SE ÍCONE
    Os caminhos inesperados de Mandela

    Seu nome, entoado nos cinco continentes, é sinônimo de resistência, libertação, universalidade. Lutador obstinado e esperto, Nelson Mandela não existe mais. Porém, a mera ideia de que as pessoas se lamentassem ao pé de sua estátua o exasperava: é necessário ir em frente, dizia, e continuar na tarefa da emancipação

    por: Achille Mbembe
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • Claudius
    s1kxrrr0ar0j413
    EDITORIAL
    O jogo mudou
    Podemos não estar percebendo, mas o jogo mudou. Nos últimos anos a sociedade e a economia brasileira ganharam novos players. Empresas transnacionais compraram empresas[...]
    por: Silvio Caccia Bava
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • O TOUR DO AYAHUASCA
    Febre xamânica na Amazônia peruana

    “Tive a impressão de ser uma serpente que vomitava o Universo.” Em 1963, o escritor norte-americano William Burroughs descrevia nesses termos sua experiência com a ayahuasca. Desde então, um número crescente de turistas visita o Peru para descobrir as propriedades terapêuticas ou místicas dessa bebida

    por: Jean-Loup Amselle
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • O IMPÉRIO DOS VIDEOGAMES
    Para somar pontos, leia este artigo

    O videogame extrapola o universo doméstico, tornando-se instrumento de políticas públicas e ferramenta de gerenciamento

    por: Benoît Bréville
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • IMPÉRIO DOS VIDEOGAMES
    Super Mario chega ao museu

    Há vinte anos, era comum que os jogos de videogame utilizassem cenários e roteiros de produções cinematográficas. Hoje, o fenômeno inverso tornou-se corrente. Um sinal, entre outros, da consagração cultural dessa indústria

    por: Mathieu Triclot
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • DOSSIÊ AMAZÔNIA
    Fortalecimento da agricultura familiar na Amazônia?

    As fantásticas oportunidades propiciadas pelas riquezas naturais da Amazônia caíram como uma luva na agenda desenvolvimentista do governo central. Nesse projeto, os agricultores familiares participam nas franjas, quando integrados aos grandes empreendimentos capitalistas de agroenergias e commodities agropecuárias

    por: Gerson Teixeira
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • IMPÉRIO DOS VIDEOGAMES
    Em busca de realismo, mas virtual

    Gráficos em alta definição, inteligência artificial, cenários complexos… Graças ao aumento da potência de processamento, a indústria videolúdica se lançou em busca de um realismo que procura, em primeiro lugar, fortes sensações em vez de tentar imitar a realidade

    por: Martin Lefebvre
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • DOSSIÊ AMAZÔNIA
    O desafio das redes de defesa e garantia de direitos na Amazônia

    A grande maioria das cidades da Amazônia brasileira encontra-se alijada de muitas políticas governamentais em execução no país. Elas são excluídas ou secundarizadas, o que priva suas populações do acesso a bens, serviços e equipamentos públicos importantes para lhes garantir boa qualidade de vida

    por: Aldalice Otterloo
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • O IMPÉRIO DOS VIDEOGAMES
    No Canadá, a indústria “está em casa”

    Diga “videogame”, e seu interlocutor vai logo pensar espontaneamente nos Estados Unidos ou no Japão, mas, com certeza, não no Canadá. Entretanto, ao estender um tapete vermelho fiscal para essa indústria, o país tornou-se a escolha prioritária de desenvolvedores tanto independentes como gigantes

    por: Ulysse Bergeron
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • DOSSIÊ AMAZÔNIA
    Povos da Pan-Amazônia: construindo resistências, apontando caminhos

    Para as populações da Pan-Amazônia, a articulação e a unificação de suas lutas são um imperativo de sobrevivência. Os projetos de integração viária e de infraestrutura continental afetam inúmeros povos por meio de deslocamentos forçados, destruição ambiental, desestruturação das culturas e criação de bolsões de miséria

    por: Luiz Arnaldo Campos
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • RETÓRICA REACIONÁRIA
    Mentiras contra a energia verde

    Placas solares não reembolsariam a energia gasta na sua fabricação, as baterias para estocar seus watts seriam nocivas e a generalização de lâmpadas de baixo consumo anunciaria um desastre ecológico? Assim vejamos…

    por: Phillipe Bovet
    06/01/2014
    Leia Mais →
  • FRANÇA
    No tempo dos levantes

    É exatamente a falta de disputa em torno das orientações essenciais que explica o desgosto dos franceses com o som e a fúria de sua classe política, em que duas correntes rivais e cúmplices monopolizam a representação nacional

    por: Serge Halimi
    06/01/2014
    Leia Mais →
EDIÇÕES ANTERIORES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *