Maio 2015

Edição - 94
11205622_10152923271202449_848653754088754614_n
  • Claudius
    giieiw3i92xi4de
    EDITORIAL
    A captura do sistema político
    Para falar sobre a situação política atual no Brasil é preciso compreender algumas mudanças substantivas que ocorreram no passado recente e criaram as condições[...]
    por: Silvio Caccia Bava
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • EQUADOR
    Onde a defesa da água é delito

    Apesar das evidências dos custos do extrativismo, ele continua sendo a aposta dos governos latino-americanos para fomentar o crescimento econômico. a mineração vence credos religiosos e ideologias políticas. Esquerda e direita acabam cooptadas, ou, dito, de outra forma, subordinam-se igualmente às ordens do império

    por: Carlos Pérez Guartambel
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • DE DUBLIN A LISBOA, QUEM SÃO OS ALIADOS DE ATENAS?
    À procura do próximo Syriza

    Na queda de braço que disputa com Berlim em torno da política de austeridade e da manutenção do pagamento da dívida pública, Atenas procura por apoios. A vitória de Alexis Tsipras, da frente de esquerda Syriza, nas eleições gerais de janeiro de 2015 favoreceu seus potenciais aliados na Europa?

    por: Renaud Lambert
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • AMÉRICA DO SUL E EUROPA: O DESAFIO DA INSTITUCIONALIDADE
    O Podemos e os enigmas que vêm do Sul

    A referência sul-americana na Europa corta para os dois lados: a América do Sul é laboratório para o sul da Europa, e vice-versa. O laboratório de lutas desde pelo menos o zapatismo continua sendo global

    por: Alexandre Fabiano Mendes e Bruno Cava
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • UM IMAGINÁRIO REPUBLICANO ABERTO PARA O MUNDO
    O internacionalismo no tempo da Comuna

    Muitos historiadores analisam a Comuna de Paris como um levante patriótico que teve origem no confisco dos canhões da Guarda Nacional, em março de 1871. Os fundamentos intelectuais da insurreição, porém, parecem mais antigos: desde 1868, nos clubes políticos e nas reuniões populares, o sonho da “República Universal”

    por: Kristin Ross
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • ALEMANHA
    Uma hegemonia fortuita

    “A França ficaria contente se alguém forçasse o Parlamento [a adotar as reformas], mas é difícil, é a democracia.” Pronunciadas pelo ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, essas palavras não ilustram apenas o desdém dos dirigentes europeus pela soberania popular, mas o domínio da Alemanha sobre a Europa

    por: Wolfang Streeck
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • CATÁSTROFE MAQUIADA
    Desemprego, o mito das vagas não ocupadas

    Se desse ouvidos aos discursos sobre os postos de trabalho não ocupados, a França estaria sentada sobre imensas jazidas de emprego. Tais proposições alimentam uma proposta política: reforçar o controle sobre os desempregados. No entanto, as cifras colocadas em destaque não significam bem aquilo que dizem, ao contrário

    por: Hadrien Clouet
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • COBERTURAS QUE FLUTUAM AO SABOR DO CALENDÁRIO POLÍTICO
    Quarenta anos de imigração nas mídias francesa e norte-americana

    Tocante quando morre em um naufrágio, preocupante quando perturba a ordem pública, o estrangeiro sempre turbina a audiência. Tanto na França como nos Estados Unidos, a cobertura da imigração foca cada vez mais questões humanitárias e de segurança, respondendo em geral às exigências do calendário politico

    por: Rodney Benson
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • NUMA ILHA EFERVESCENTE, A ESPERANÇA ENFRENTA A ANSIEDADE
    O debate em Cuba

    A visita do presidente François Hollande a Cuba, em 11 de maio, marca uma nova etapa do degelo das relações entre Havana e as potências ocidentais. Raúl Castro e Barack Obama já haviam dado, em abril, um aperto de mão histórico na Cúpula das Américas. Essa aceleração da história suscita algumas interrogações na ilha…

    por: Janette Habel
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • DIFÍCIL REEQUILÍBRIO ESTRATÉGICO
    Escalada entre Irã e Arábia Saudita atordoa Washington

    Após um mês de bombardeios, a coalizão liderada pela Arábia Saudita declarou preferir uma saída política para a crise no Iêmen. Entretanto, em queda de braço com o Irã, o reino wahabita não descarta uma ofensiva terrestre contra a rebelião xiita houthi. Essa possibilidade inquieta o governo Obama

    por: Akram Belkaïd
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • Claudius
    giieiw3i92xi4de
    EDITORIAL
    A captura do sistema político
    Para falar sobre a situação política atual no Brasil é preciso compreender algumas mudanças substantivas que ocorreram no passado recente e criaram as condições[...]
    por: Silvio Caccia Bava
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • RETORNO DO DIÁLOGO COM O OCIDENTE
    Um acordo que amplia o leque de possibilidades do Irã

    Acima de tudo, a celebração de um acordo sobre o programa nuclear iraniano é uma vitória para o Irã. É verdade que o regime teve de ceder em pontos outrora inegociáveis, como o número de centrífugas e a taxa de enriquecimento de urânio, mas, em troca, alcançou o estatuto de interlocutor reconhecido do Ocidente

    por: Shervin Ahmadi
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • TERCEIRIZAÇÃO
    Regular para mudar práticas

    No Brasil, o processo de reestruturação produtiva dos anos 1990 intensificou o avanço da terceirização espúria nas empresas e ampliou perigosamente a presença dela na administração direta do Estado. O fenômeno atingiu milhões de trabalhadores, demitidos e recontratados por empresas prestadoras de serviços

    por: Clemente Ganz Lúcio
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • CASA-GRANDE & SENZALA
    “Severino, me ajuda aqui!”

    A imagem retoma Gilberto Freyre em Casa-Grande & Senzala. À sombra de flamboyants, os meninos, todos negros ou mulatos, puxam cavalos para deleite do “senhozinho”. A sociedade patriarcal brasileira está ali sintetizada sem que ninguém se dê conta. As crianças dos dois lados são exploradas.

    por: Pollyanna Brêtas
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • TERCEIRIZAÇÃO DO TRABALHO E TERCEIRIZAÇÃO DA POLÍTICA
    A repressão da luta autônoma dos garis do Rio de Janeiro

    Após uma campanha eleitoral que fazia do governo candidato à reeleição o baluarte dos direitos trabalhistas, a mistificação aparece nua e crua: de um lado, temos o fiasco macroeconômico da aventura neodesenvolvimentista; de outro, as bandeiras envernizadas pelo marketing eleitoral foram novamente esquecidas

    por: Giuseppe Cocco e Silvio Pedrosa
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • DIGITAL
    A onda dos webdocumentários

    Permitir ao espectador imergir em um assunto, levá-lo a traçar seu próprio caminho e privilegiar a passagem do tempo: após anos tateando, o webdocumentário finalmente aprendeu a explorar plenamente as possibilidades oferecidas pela interatividade. Falta descobrir um modelo econômico estável

    por: David Commeillas
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • E O CUSTO DA CRISE VAI PARA...
    A regressão social que ameaça a sociedade brasileira

    São inteiramente procedentes as preocupações com os desdobramentos sociais do ajuste de corte recessivo perseguido com ardor pelo governo federal. Se a paralisia prolongada já provocou retrocesso, um recuo maior na economia pode causar um estrago ainda mais sério na estrutura social

    por: Waldir Quadros
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • CRESCIMENTO ECONÔMICO E BEM-ESTAR
    Satisfação e desconforto: o novo impasse no Brasil

    Os filtros que sustentavam a falsa meritocracia expressa pelos monopólios sociais por meio da educação, das redes de indicações e dos círculos de relacionamento vêm sendo questionados pelo avanço das políticas de inclusão em vários níveis, revelando incapacidade de segmentos de maior renda viver a competitividade

    por: Marcio Pochmann
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • IDEOLOGIAS MUTANTES, ALIANÇAS DESCONCERTANTES
    Como escapar da confusão política

    Ao dizer que “Marine Le Pen fala como uma comunista dos anos 1970”, François Hollande contribuiu para bagunçar as referências políticas na França. De seu lado, a multiplicação de alianças entre Estados que, a priori, são opostos dificulta a compreensão das relações internacionais.

    por: Serge Halimi
    03/05/2015
    Leia Mais →
  • SUFRÁGIO UNIVERSAL, UMA CONQUISTA INACABADA
    Democracias perecíveis

    Segundo uma concepção amplamente difundida, a instauração do sufrágio universal é o desfecho do processo democrático: qualquer volta atrás é impossível. Do ponto de vista global, porém, o direito de voto está longe de ser linear. Enfrentando frequentes retrocessos, demanda mobilização popular e continua sendo frágil

    por: Razmig Keucheyan
    03/05/2015
    Leia Mais →
EDIÇÕES ANTERIORES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *