Abril 2017

Edição 117

R$14,90Comprar

EDITORIAL

As grandes empresas e a corrupção

O foco das notícias, propositalmente, é nos servidores públicos e políticos que praticaram os ilícitos. Apenas recentemente, em razão de vários escândalos e denúncias, é que começa a surgir o papel das grandes empresas nesse processo todo.

 Silvio Caccia Bava


CAPA

O desmonte do Estado de proteção social

O governo Temer poderá, em pouco tempo, colocar em prática um conjunto de reformas que significará uma revisão do papel do Estado brasileiro, que, em lugar de combater desigualdades, prestar serviços públicos de qualidade e formular políticas públicas de interesse social, se voltará para garantir o direito de propriedade, assegurar o cumprimento de acordos e honrar os compromissos com os credores das dívidas interna e externaAntônio Augusto de Queiroz


GOVERNO SEM VOTO

Os governos e as ruas

A polarização do último ano de governo Dilma perdura. Mesmo se houvesse pauta comum, o fosso que separou famílias, amigos, colegas de trabalho em dois continentes políticos é profundo. Alguém será capaz de lançar uma ponte?Angela Alonso, Hellen Guicheney e Rafael de Souza


CAPA

Dores de um parto incerto

Pela frente, um desafio enorme. De muitas maneiras, o segundo governo Dilma e o governo Temer revelaram algo complexo, mas já sabido: o país tem mais de um projeto de naçãoLeandro Karnal


CAPA

Um país repartido

Os partidários do impeachment, como se sabe, venceram folgadamente nas duas Casas Legislativas, na opinião pública e, é bom que fique claro, nas ruas. Mas o que aconteceu com as duas posições e seus argumentos quase um ano depois daquele 12 de maio em que Dilma foi afastada da Presidência da República?Wilson Gomes


DOSSIÊ ESPECIAL – ELEIÇÕES NA FRANÇA

O fim dos partidos políticos?

Com uma disputa pela presidência mais aberta do que o esperado, a torpeza de François Fillon, candidato pelo partido. Os Republicanos, monopoliza a atenção em detrimento de questões mais relevantes, como a cultura (ver p.14). Confrontada mais do que nunca às amarras no projeto europeu (ver p.12), a esquerda manifesta também grande embaraço em relação à imigração (ver p.16). E, se os candidatos procuram se afastar dos partidos tradicionais, as organizações criadas por suas campanhas não fazem jus à renovação proclamada (ver abaixo)

 Allan Popelard


DOSSIÊ ESPECIAL – ELEIÇÕES NA FRANÇA

Mais uma vez, a armadilha do voto útil?

O primeiro turno da eleição presidencial francesa, em 23 de abril, opõe onze candidatos bastante diferentes. Esse pluralismo é em parte eclipsado por questões jurídicas e pelo destaque da mídia às pesquisas eleitorais. Entretanto, a percepção da natureza profundamente antidemocrática das instituições francesas e europeias avança. Mas a tradução em termos eleitorais dessa nova consciência corre o risco de se perder na armadilha do “voto útil”, que opõe a extrema direita a um entusiasta da globalizaçãoSerge Halimi


DOSSIÊ ESPECIAL – ELEIÇÕES NA FRANÇA

Os sortilégios da cultura

Figura obrigatória dos programas eleitorais, os projetos relativos à cultura refletem as disposições ideológicas de cada partido. Alguns veem na matéria um campo identitário, outros a enxergam como uma bagagem educativa a ser distribuída para cada um. Seu papel-chave na transformação social parece, entretanto, esquecidoEvelyne Pieiller


DOSSIÊ ESPECIAL – ELEIÇÕES NA FRANÇA

Imigração constrange a esquerda

A estratégia conservadora de fomentar a oposição entre os mais pobres fez da imigração uma questão decisiva para numerosos franceses. Como uma vantagem inesperada a mais para a direita, essa situação impõe para a esquerda a necessidade de caminhar sobre um campo minado, além de dividi-laBenoît Bréville


SÉRIE ESPECIAL

Racismo, mídia e esquerdas

“Na sociedade da tolerância opressiva, o lugar vetado para negras e negros é o da disputa da agenda política manifestado em sua pequena presença nas esferas governamentais, nos comandos dos partidos políticos e na mídia”, destaca Dennis de Oliveira, professor da ECA-USP, no quarto artigo da série especial “Racismo na mídia e na esquerda”Dennis de Oliveira


QUANDO OS PROGRESSISTAS CEDEM À MISANTROPIA

O desprezo pelo povo

Enquanto o populismo de direita vai de vento em popa nos Estados Unidos, uma onda de desprezo pela classe trabalhadora cresce na oposição. Progressistas desmoralizados pela derrota nas eleições presidenciais de 2016 lambem suas feridas se enganando com ilusões de superioridade metafísica. Nem sempre de forma consciente, eles revivem uma antiga ideiaAngela Nagle


OPOSIÇÃO LANÇA MÃO DOS CONTRAPODERES

A Constituição contra Donald Trump

Imigração, direitos das mulheres – desde que assumiu a presidência, Donald Trump enfrenta resistência de todos os lados, ainda que a base eleitoral lhe permaneça fiel. Alguns contestadores decidiram utilizar as possibilidades de resistência oferecidas pela Constituição, concebida pelos Pais Fundadores com o objetivo do equilibrar os poderesAnne Deysine


O MÉXICO DIANTE DE TRUMP

“Não somos uma colônia dos Estados Unidos”

As proposições injuriosas do presidente Donald Trump em relação ao México aceleraram a campanha presidencial no país latino-americano. As eleições serão apenas em julho de 2018, mas um candidato já se destaca: Andrés Manuel López Obrador, que encarna as esperanças da esquerdaAndrés Manuel López Obrador


PROJETOS DA CASA BRANCA SEMEIAM O PÂNICO AO SUL DA FRONTEIRA

A armadilha da dependência se fecha sobre o México

Os Estados Unidos não declararam guerra ao México; eles apenas querem renegociar o acordo comercial que têm com seu vizinho. A ideia, contudo, apavora o parceiro latino-americano. Desde os anos 1980, os mexicanos ataram sua economia aos Estados Unidos. Uma virada de 180 graus ao norte do Rio Grande não deixaria de provocar tormentas ao sulJames M. Cypher


ANCARA TENTA RECUPERAR ESPAÇO NO ORIENTE MÉDIO

Erdogan prevê fim do “modelo turco”

Entre controvérsias com os líderes europeus, o presidente turco, Recep Erdogan, que busca fortalecer seu poder, aproxima-se da Arábia Saudita e da Rússia. Essa mudança de foco reflete a situação delicada da Turquia em seu ambiente regional. O tempo em que ela aparecia como um dos grandes beneficiários da Primavera Árabe parece ter ficado para trásJean Marcou


O PODER INSCRITO NA ORDEM DAS COISAS

A teoria zumbi das leis do mercado

Confira a seguir entrevista com Alain Deneault, professor de Filosofia Política da Universidade de Montreal, doutor em Filosofia pela Universidade de Paris 8 e diretor de programas no Collège International de Philosophie em Paris. Ele esteve no Brasil no fim de 2016 para participar do seminário internacional “Capitalismo extrativista e a gestão empresarial do ‘social’”, na Casa da Ciência da UFRJHenri Acselrad e Grupo de Pesquisa do Laboratório Estado, Trabalho, Território e Natureza (ETTERN/IPPUR/UFRJ)


DESLOCADOS AMBIENTAIS

Mudanças climáticas impactam mobilidade humana no Brasil

A mudança do clima não afeta apenas comunidades distantes, como no Ártico ou os pequenos países insulares. Seus impactos atingem também o Brasil. Em entrevista, Erika Pires Ramos, da Rede Sul-Americana para as Migrações Ambientais (Resama), destaca a necessidade de construir políticas públicas para restaurar o ambiente degradado e para reconhecer os direitos das populações atingidas e deslocadas

 Rodrigo Farhat


VIDA, MORTE E RESSURREIÇÃO

Por onde andam os Pontos de Cultura?

A Cultura Viva morreu? De maneira alguma. Ela segue viva como sempre seguiu e, inclusive, em um novo e mais poderoso patamar. Vários Pontos de Cultura se empoderaram nesse processo, se equiparam, avançaram na consciência política, saindo do estágio do “em si” para o “para si”Célio Turino


RT, PEÇA-CHAVE DA ESTRATÉGIA RUSSA

Moscou perturba o consenso global

Acusado de ser um instrumento do Kremlin, o canal RT retoma os códigos, e os defeitos, dos canais de informação 24 horas. O forte crescimento de sua audiência nos Estados Unidos e na Europa deve-se a uma linha editorial abertamente crítica em relação às políticas ocidentais, modulada em função das regiõesMaxime Audinet