Fevereiro 2018

Edição 127

R$14,90Comprar

ESTADOS UNIDOS

Os “inocentes úteis” do Pentágono

Edição 127 | EUA

 

 


Editorial

E agora?

Edição 127 | Brasil

Se as eleições de 2018 ainda são um importante marco dessa disputa, é preciso olhar para um horizonte mais amplo, organizar a resistência e entender que a construção de um pensamento hegemônico se faz no dia a dia


UNIVERSIDADES PÚBLICAS

Sobre o caráter da burguesia brasileira

No projeto-programa em vigor no governo Temer, comandado por uma burguesia cosmopolita com “complexo de vira-latas”, não existe uma nação nem interesses nacionais. Assim, ele não necessita de universidades públicas que pratiquem, de forma integrada, o ensino, a pesquisa e a extensão – e ajudem a formar uma nação


NEOLIBERALISMO E A COLONIALIDADE DO SABER

A Unilab e o desmonte da educação

Edição 127 | Brasil

A educação é uma frente bastante visada pelo movimento neoliberal. Projetos como o Escola sem Partido e os cortes maciços no orçamento têm o intuito de mantê-la sob as rédeas da colonialidade do saber, na qual o conhecimento possa continuar sendo privilégio de alguns grupos. Nesse contexto de ataques diretos, estão em jogo os projetos Unila e Unilab


ESFORÇOS DO BRASIL E DE SEUS VIZINHOS PARA GARANTIR O DIREITO À EDUCAÇÃO

O dramático panorama do financiamento do ensino

Edição 127 | Brasil

Contra postulados que veem a educação como um investimento como outro qualquer, aspecto reforçado na gestão Meirelles-Temer com o congelamento de gastos para os próximos vinte anos, é importante olhar os dados desse financiamento no Brasil e na América Latina e Caribe


OS DESAFIOS ESTRATÉGICOS DA ESQUERDA LATINO-AMERICANA

Governar sob bombas… midiáticas

Edição 127 | América Latina

A ruptura com seu sucessor e antigo colaborador Lenín Moreno fez Rafael Correa, presidente equatoriano entre 2007 e 2017, retomar o combate. Para além desse enfrentamento singular, ele testemunha conquistas e refluxos da esquerda latino-americana, e revela até que ponto a grande mídia se tornou uma arma a serviço dos partidos conservadores


CONQUISTAS E REFLUXOS

No Equador, a difícil construção de um serviço público de saúde

Edição 127 | Equador

Nos últimos dez anos, o governo equatoriano vem tentando restaurar o poder do Estado, em particular para garantir a todos os cidadãos acesso aos cuidados médicos – uma empreitada bastante auspiciosa, mas por vezes um tanto quanto inábil


200 MIL MORTES NOS ESTADOS UNIDOS

Overdoses de opiáceos com receita médica

Edição 127 | EUA

Eles matam mais que os acidentes de trânsito ou as armas de fogo. Após devastar os guetos negros nos anos 1990, os opiáceos dizimam os subúrbios e a baixa classe média norte-americana. Além da amplitude e do perfil das vítimas, essa epidemia de overdoses é inédita por sua origem: os consumidores tornaram-se dependentes tomando analgésicos prescritos por médicos


RENOVAÇÃO DO ENGAJAMENTO POLÍTICO

Juventude palestina não se vê como vencida

Edição 127 | Palestina

A decisão de Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel agravou o fracasso do “processo de paz” e provocou grandes protestos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza – uma contestação duramente reprimida pelos israelenses. Os jovens palestinos, inclusive os menores de idade, são os mais visados. Vários deles rompem com as velhas fórmulas de militância


RESISTÊNCIA, ABERTURA E PODER

O Irã se reinventa como potência local

Edição 127 | Irã

Na guerra fria que o opõe à Arábia Saudita, o Irã pode apoiar-se num arquipélago de minorias xiitas. A República Islâmica lhes ofereceu apoio decisivo, especialmente para combater os jihadistas na Síria e no Iraque. Entretanto, a origem da rivalidade entre as duas potências do Golfo parece muito mais política do que étnica ou religiosa


A URGÊNCIA DE REFUNDAR O MULTILATERALISMO

Bombeiros piromaníacos da ordem internacional

Edição 127 | Europa

Ao transgredirem as resoluções da ONU sobre Jerusalém, os Estados Unidos ilustram um dos principais perigos da geopolítica atual: o enfraquecimento dos fundamentos da legalidade internacional, nascida em 1945. Com o fim da Guerra Fria, surgiu a oportunidade de reafirmar uma regra aceita por todos, mas os ocidentais privilegiaram seus próprios interesses


DE PROTAGONISTA A “FÓSSIL DO DIA”

O Acordo de Paris e o Brasil

Edição 127 | Brasil

Perante o sobe e desce no entusiasmo sobre o tema mudanças climáticas, é preciso entender o que é o Acordo de Paris, como ele surge, quais são os grandes desafios e obstáculos à sua aplicação, e qual é o papel e a responsabilidade do Brasil na agenda global de clima


À PROCURA DE MÃO DE OBRA BARATA

O sacro império econômico alemão

Edição 127 | Alemanha

A fratura leste/oeste da União Europeia não se resume à oposição entre governos autoritários e democracias liberais. Ela reflete uma dominação econômica das grandes potências sobre os países do antigo bloco oriental, utilizados como reserva de mão de obra barata. Desde os anos 1990, as indústrias alemãs foram para a Polônia, a República Tcheca, a Eslováquia e a Hungria


ANSIEDADE IDENTITÁRIA NA FRANÇA

Integração, a grande obsessão

Edição 127 | França

No incessante debate sobre a integração de árabes e africanos na França, alguns preferem se referir a uma época mítica em que italianos, portugueses, poloneses – que seriam “menos diferentes” – eram assimilados sem contratempos. Tomando a questão como essencialmente cultural, essa leitura negligencia as lições de mais de um século de história da imigração


NASCIMENTO HUMANIZADO

A violência obstétrica como rotina do parto

Edição 127 | Brasil

Figurando como o segundo país com maior número de cesáreas do mundo, o Brasil segue desencorajando mulheres sobre a escolha do parto. A humanização do nascimento é o respeito ao protagonismo feminino e à sua fisiologia


LUTA CONTRA A VIOLÊNCIA E DIREITO À CIDADE

A violência urbana contra as mulheres

Edição 127 | Brasil

Relatório da ActionAid fornece subsídios para a luta das mulheres contra todas as formas de violência ao constatar que, em todo o mundo, elas ainda não desfrutam plenamente do direito à cidade, estando mais suscetíveis que os homens a sofrer agressões quando transitam nos espaços públicos


DISCURSO PÚBLICO VS. VIDA PRIVADA

O que a conduta de Harvey Weinstein nos diz sobre a esquerda

Edição 127 | EUA

Durante muito tempo, foi até mesmo considerado adversário inabalável do racismo, do sexismo e da censura. Deve-se a ele, por exemplo, uma grande quantidade de festas suntuosas destinadas a levantar fundos para a luta contra o HIV e a aids. Em 2004, ele havia manifestado seu apoio público a um grupo de mulheres batizado de “Mães que se opõem a Bush”


GÊNERO

Mudanças na sexualidade, permanência do sexismo

Edição 127 | França

Libertada, a palavra das mulheres permitiu a conscientização a respeito da amplitude da violência e do assédio a que são submetidas cotidianamente. Por outro lado, como explicar essa proliferação de comportamentos sexistas em um cenário em que as práticas sexuais evoluíram no sentido de uma maior igualdade entre os parceiros?


O DESGASTE DO ESPÍRITO OLÍMPICO

Populações dos Alpes rejeitam os Jogos de Inverno

Edição 127 | Suíça

Enquanto os XXIII Jogos Olímpicos de Inverno se iniciam em Pyeongchang, na Coreia do Sul, as populações dos Alpes não querem mais saber desses eventos, considerados artificiais, caros e destrutivos para o meio ambiente. O Comitê Olímpico Internacional se esforça para avaliar essa rejeição, expressa democraticamente, e para revisar seu modelo