Maio 2009

Edição 22

R$14,90Comprar

Perspectivas

Quo vadis capitalismus?

A crise não vai dar lugar a um novo sistema monetário e financeiro internacional, mas a algumas reformas parciais. É preciso inventar novas fórmulas mediante as quais a gigantesca dinheirama para salvar o sistema se converta, mesmo que parcialmente, no seu contrário: na diminuição do poder impune do dinheiroFrancisco de Oliveira


Retomada econômica

Hora de redirecionar os recursos

Tentar restabelecer o sistema, irrigando-o com grande volume de verbas públicas não tem muito sentido. Não se trata mais de assegurar apenas que a intermediação financeira funcione, mas que a ajuda flua para onde é necessária, para o bem da humanidade e do planetaLadislau Dowbor


G-20

FMI: mais forte e impositivo

Com recursos triplicados, o Fundo não dá sinais de que vai abandonar as políticas do passado, continuando a exigir, para a concessão de créditos, medidas como o aumento das taxas de juros, redução das despesas públicas e congelamento dos saláriosArnaud Zacharie


Sustentabilidade

Economias “verdes” e crescimento zero

Para sair da crise, vários governos estão propondo medidas de um “keynesianismo ecológico”, que combinam a retomada do crescimento com o respeito ao meio ambiente, mas para que o dispositivo funcione é preciso ir além e promover um rompimento radical com a política neoliberalPeters Custers


Povo nas ruas

A geopolítica das manifestações

Desde 2008, mesmo antes de a desordem financeira chegar a seu auge, o mundo tem visto eclodir protestos em vários cantos do planeta. De natureza variada, as contestações revelam tanto as mazelas preexistentes quanto os efeitos severos da redução econômica. Entre as mais importantes estão as revoltas por comidaMichael Klare


Contestações

O sonho indestrutível de um mundo melhor

Após o fim da Guerra Fria, a luta armada foi substituída por outras formas de ação. O recurso às armas acabou ficando vinculado ao terrorismo, enquanto a violência das grandes potências ocidentais conquistou legitimidade. Mas a esperança de mudar a realidade continuaAlain Gresh


Liberdade, igualdade, fraternidade

Elogio às revoluções

Revoltas populares deixam na história e na consciência humana uma marca indelével, mesmo quando fracassam ou são desonradas. Elas encarnam o momento, tão raro, em que a fatalidade se insurge, e o povo toma a dianteiraSerge Halimi


Argentina

A saga dos piqueteiros

Com a crise econômica do final dos anos 1990, a classe média argentina ficou empobrecida e a taxa de desemprego chegou a 20% da população ativa do país. Nesse contexto surgiu o movimento que propôs novas formas de ação para que desempregados pudessem ser ouvidosDaniel Vilá|Dardo Castro


Povos indígenas isolados

Entre a Bíblia e a motoserra

Ações ilegais de missionários, madeireiros e garimpeiros em territórios ocupados por índios isolados são mais ameaçadoras do que obras de infraestrutura. Monitoramento constante e demarcação de terras indígenas para esses povos são o grande desafioChristiane Peres


Trabalho escravo

Perversos contratos de trabalho

Estima-se que milhares de pessoas, em diferentes regiões do Brasil, trabalhem em condições degradantes e estejam impedidas de romper com o empregador. É a escravidão contemporânea, que longe de ser um resquício de modos de produções arcaicos, é usada como forma de viabilizar a concorrência na economia globalizadaLeonardo Sakamoto