Novembro 2011

Edição 52

R$14,90Comprar

COPA 2014

Estamos sofrendo uma manipulação brutal

Carlos Vainer, professor do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da UFRJ, denuncia a manipulação do amor dos brasileiros por sua cidade e pelo futebol como forma de conquistar apoio para a realização da Copa do Mundo. Ele alerta: é um grande negócio para as grandes empresas, não vão sobrar migalhasLuís Brasilino


OS RUMOS DA ESQUERDA

A esquerda que não desejamos mais

O jogo está perdido? Poderiam os eleitores e militantes de esquerda mais interessados no conteúdo do que nos rótulos ter esperanças, inclusive nos países ocidentais, de combater a direita junto com camaradas conquistados pelo liberalismo, mas ainda eleitoralmente hegemônicos?Serge Halimi


GOOGLE

Quando as palavras valem ouro

O Google conseguiu estender o território do capitalismo para a própria língua, fazer das palavras uma mercadoria e fundar um modelo comercial inacreditavelmente lucrativo. Quando propõe correções a uma palavra que escrevemos errado ele transforma um material sem grande valor em um recurso econômico rentávelFrédéric Kaplan


COPA 2014

A Lei Geral dos interesses particulares

Autoridades brasileiras parecem admitir que a recepção de um megaevento esportivo autoriza também megaviolações de direitos, megaendividamento público e megairregularidades. É preciso questionar a legitimidade dessa relação de vassalagem política, que endossa negócios privados que geram considerável ônus públicoLeandro Franklin Gorsdorf|Thiago A. P. Hoshino


COPA 2014

Desrespeito e exploração dos trabalhadores dos jogos

É raro encontrar no debate na imprensa tradicional discussões sobre ou com os principais personagens que, ao fim e ao cabo, são os últimos responsáveis pela realização da Copa no Brasil: os trabalhadores das diversas categorias profissionais que se esforçarão dia após dia para que tudo realmente aconteçaRamon Szermeta


COPA 2014

África do Sul 2010: legado no bolso da Fifa e seus parceiros

Os sul-africanos acreditaram nas promessas de mais emprego, turistas e investimentos bilionários que viriam com a Copa. Mas, segundo Eddie Cottle, autor do livro Copa do Mundo da África do Sul: um legado para quem?, nada disso se materializou. Estariam os brasileiros caindo na mesma armadilha?Alexandre Praça


CRISE

A quem serve o Banco Central Europeu

Alheio a deliberações democráticas, o Banco Central Europeu precisa encarnar o objetivo da estabilidade monetária, a qual conduziu a zona do Euro para a beira do abismo. Entretanto, a crise reforçou o poder do BCE a ponto de, às vezes, a sorte dos assalariados do Velho Continente parecer ser jogada em FrankfurtFrançois Ruffin|Antoine Dumini


AFEGANISTÃO

O escândalo do Kabul Bank

Em seis anos, os dirigentes do Kabul Bank perderam US$ 914 bilhões em depósitos. O montante, quase um sétimo do PIB afegão, revela a corrupção endêmica reinante no país e a incapacidade do governo de enfrentá-la.Louis Imbert


EDITORIAL

A cooperação internacional brasileira

Silvio Caccia Bava


OCUPAR WALL STREET

Democracia sim, plutocracia não!

O movimento Ocupar Wall Street identifica o poder econômico como a principal fonte dos problemas de “99% da população”. Em um país onde o capitalismo historicamente foi alvo somente de críticas esporádicas e marginais, uma afirmação desse tipo assume a importância de um fato significativoJeff Goodwin


RELIGIÃO

O que significa o crescimento evangélico no Brasil?

A imagem dos evangélicos é de um segmento formado por pessoas na maioria das vezes honestas e confiáveis nas relações pessoais, mas intolerantes c/ religiões e morais alheias. Suas lideranças costumam ser percebidas com desconfiança, sendo algumas consideradas ambiciosas e arrivistas. Em que medida a avaliação procede?Ronaldo de Almeida


CONFERÊNCIA

As iniquidades em saúde na agenda global

O mundo em crise é um espaço socialmente muito pouco saudável. Mas, se as deliberações da Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde forem de fato levadas a sério, é possível que se levantem barreiras à barbárie anunciada e sejam mitigadas as consequências da crise sobre a saúde e a qualidade de vidaAlberto Pellegrini Filho


OS RUMOS DA ESQUERDA

Os laboratórios da esquerda italiana

A partir dos anos 80, a Itália passou por mudanças: grandes indústrias foram decompostas em pequenas empresas, sindicatos cada vez mais divididos e desconectados dos partidos políticos. Desintegrado, o movimento operário perdeu aquilo que era sua força. Com a globalização, os novos trabalhadores ficaram sós e sem vozFrancesca Lancini


OS RUMOS DA ESQUERDA

Sindicalismo VS Socialismo

Em maio de 1914, uma comissão parlamentar de inquérito realizada no Congresso norte-americano promoveu um debate entre Samuel Gompers, presidente da Federação Americana do Trabalho (AFL), e Morris Hillquit, fundador e pensador do Partido Socialista. O objetivo: esclarecer as divergências entre sindicalismo e socialismoequipe Le Monde Diplomatique Brasil


OS RUMOS DA ESQUERDA

História de uma palavra ardilosa

O que significa ser “de esquerda”? A pergunta pode parecer ingênua, dada a insistência com que esse rótulo estrutura tanto as identidades das organizações políticas quanto os valores individuais. Mas a divisão entre esquerda e direita não tem nada nem de natural, nem de imutável, nem de necessárioLaurent Bonelli


MEIO AMBIENTE HUMANO

Causa ecológica e causa antropólogica

Tão urgente quanto a ecológica, a causa antropológica é, por ora, pouco pensada. Situação dramática. Uma tarefa crucial se impõe, portanto, aos que se aventuram em invocá-la: é preciso se arriscar a propor pelo menos um rascunho de temas principais suscetíveis de estruturar o pensamento da humanidade em perigoLucien Sève


INDÚDTRIA DA SECA

Somália e semiárido brasileiro: seca, fome e política

Há uma pergunta que devemos nos fazer: em pleno século XXI, a ocorrência de um fenômeno conhecido e recorrente como a seca, mesmo a pior em sessenta anos, deve levar à fome e à mortandade? na realidade, a própria história recente do Brasil demonstra como é possível construir a convivência com a secaAdriano Campolina


AQUECIMENTO

A grande muralha verde da África

A África será o primeiro a sofrer com o aumento da temperatura e a seca. Com tudo indicando uma tendência desfavorável, era preciso reagir. Adotar uma nova abordagem: em vez de distribuir comida, não valeria mais a pena atacar diretamente as raízes do problema? Foi assim que nasceu a ideia da grande muralha verdeMark Hertsgaard


FEIJÃO TRANSGÊNICO

E se os doutores estiverem errados?

A aprovação do feijão transgênico da Embrapa permitiu reavivar a promessa de que a transgenia abrirá caminho para uma revolução na alimentação. Foi o mote perfeito para tirar o foco do fato de esse mercado ser dominado por poucas multinacionais que patenteiam as sementes e tiram de circulação as não transgênicasGabriel Bianconi Fernandes


ENERGIA

A China padece de carvão

Milenar, a relação entre a China e o carvão tornou-se, no século XXI, uma verdadeira armadilha para a modernização do país. Dependência energética, dramas sociais e catástrofe ecológica anunciada pela alta emissão de gases de efeito estufa: qual desses aspectos seria o mais inaceitável?Any Bourrier


ESPORTE E POLÍTICA

Um boxeador contra a oligarquia filipina

Eleito em 2010 deputado, Manny Pacquiao promete ser ainda mais eficaz na política do que nos ringues. Como um slogan martelado indefinidamente, o boxeador repete sua determinação em erradicar a pobreza. Mas, até agora, o impacto do deputado-boxeador, que não esconde suas ambições presidenciais, mostra-se bem magroDavid Garcia