Setembro 2012

Edição 62

R$14,90Comprar

EDITORIAL

A ditadura dos bancos de investimento

Silvio Caccia Bava


PREVIDÊNCIA

Ameaça à Seguridade Social

Estima-se que as desonerações já concedidas em 2012 implicarão redução de R$ 7 bilhões da receita previdenciária. As consequências políticas são evidentes: em breve, as forças do mercado voltarão com o mantra apocalíptico de que, “sem uma nova reforma da Previdência, o país será ingovernável”Eduardo Fagnani


PREVIDÊNCIA

Tirar o pé do freio

É fundamental estimular o consumo e o investimento, mas mais importante é remover o potente conjunto de freios ao crescimento que o governo ainda mantém por medo da inflação. São eles: taxa Selic, juros bancários e carga tributária, cujos índices estão entre os mais altos do mundo e cuja liquidez é uma das mais baixasAmir Khair


DA ÍNDIA AOS ESTADOS UNIDOS

Obesidade, mal planetário

Segundo um preconceito generalizado e sustentado pela indústria agroalimentar, os obesos, incapazes de controlar seus desejos, seriam os responsáveis por sua condição. Esse discurso oculta um fenômeno em via de globalização. Puxar o fio da obesidade é descosturar o tecido do modo de vida das sociedades ditas avançadasBenoît Bréville


MUTAÇÕES DO ENSINO SUPERIOR

Por que o preço das universidades dispara em todo o mundo?

Na França, o custo das universidades subiu 50% em dez anos. Entre as causas do encarecimento, está o aumento da taxa de matrícula defendido por think tanks e organizações internacionais. Nos Estados Unidos, muitos estudantes jamais conseguirão quitar os empréstimos contratados para pagar sua formaçãoIsabelle Bruno


PREVIDÊNCIA

Os trabalhadores subsidiam a indústria

As metas do mercado nem sempre são as mesmas da sociedade. As regras que regem a administração de uma grande indústria – voltadas para a redução máxima das despesas e o aumento exponencial do lucro – não podem ser aplicadas na gestão da Seguridade Social. Aqui, muito mais do que valores, tratamos de vidasÁlvaro Sólon de França


PREVIDÊNCIA

Dilma e o desenvolvimento

O ponto estratégico a ser considerado é que, para dizer de modo direto e sintético, a experiência internacional e nacional revela que “alívios” fiscais e tributários não necessariamente estimulam de forma efetiva a ampliação dos investimentos privadosJosé Carlos Braga


ELEIÇÕES NOS ESTADOS UNIDOS

A tentação do pior

Obama já aceitou um plano de redução do déficit orçamentário cortando gastos sociais sem aumentar o nível – estranhamente baixo – dos impostosSerge Halimi


IMPASSE EUROPEU

Um homem providencial para a Itália

Num acesso de sinceridade, o primeiro-ministro italiano Mario Monti lamentou que “os governos se deixem constranger pela decisão de seus parlamentos” em detrimento da Europa. Depois de uma declaração como essa, como se surpreender com o sucesso eleitoral do comediante Beppe Grillo e seu Movimento 5 Estrelas?Raffaele Laudani


UMA CLASSE ALTA GLOBAL?

A elite dirigente dos negócios

Demissões em massa para uns, remunerações estratosféricas para outros: duplamente lucrativa para seus defensores, a globalização justifica ao mesmo tempo a concorrência que comprime os salários e os privilégios desfrutados por um jet-set apresentado como supranacionalMichael Hartmann