Junho 2013

Edição 71

R$14,90Comprar

Editorial

Violência e controle social

Silvio Caccia Bava


CONSTRUÇÃO DE UM BLOCO SUL-AMERICANO

Brasil se aproveita do sonho de Bolívar

Unificar os doze países da América do Sul para livrá-los da tutela norte-americana: no Brasil, o projeto de integração é unanimidade. Reunindo patrões e sindicalistas, movimentos sociais e representantes do governo, tal mobilização poderia, entretanto, facilitar o surgimento de uma nova hegemoniaRenaud Lambert


O PAPEL DAS PRISÕES

Provisoriamente condenados…até que se prove o contrário

Seguindo o procedimento-padrão de encarcerar primeiro para depois analisar as condições do acusado e do próprio delito, a prisão provisória transformou-se em um instrumento para castigar os mais pobres, sejam eles culpados ou inocentesPatrícia Benvenuti|Cristiano Navarro


A MÁQUINA DE COSTURA DO MUNDO

Em Bangladesh, o horror

Antes mesmo do colapso das oficinas do Rana Plaza, em Daca, que matou mais de mil operários, outros dramas haviam jogado luz sobre as condições de trabalho nas fábricas de confecção de Bangladesh. Como o país chegou a tal situação?Olivier Cyran


O papel das prisões

Guerra às drogas: quando o remédio é pior do que a doença

No Brasil, a superlotação das cadeias não pode ser separada da visão proibicionista e punitiva da justiça criminal com relação às drogas. Nos EUA, um terço dos presos cumpre penas relacionadas ao uso de substâncias ilegais. Para Ethan Nadelmann, a guerra às drogas gera mais problemas do que as drogas em siLuís Brasilino|Flavio Lobo


O papel das prisões

O preso visto como inimigo

Para os presos, não existem direitos humanos, e isso ocorre porque não se consegue ver nesse outro um ser humano, apenas um inimigo. No dizer de Eugenio Raúl Zaffaroni, “a essência do tratamento diferenciado que se atribui ao inimigo consiste em que o direito lhe nega sua condição de pessoa”Kenarik Boujikian Felipe


REFLEXÕES SOBRE O LIBERALISMO

O laisser-faire é libertário?

A persistente popularidade do liberalismo vem do fato de nunca sabermos por onde pegá-lo. Criticamos seu aspecto econômico? Seus partidários insistem em sua contribuição ao pluralismo político e à diversidade culturalSerge Halimi


REFLEXÕES SOBRE O LIBERALISMO

Prezar a liberdade, defender a escravidão

Os partidários do liberalismo atribuem ao neoliberalismo o mérito de transformações emancipatórias às quais na verdade ele se opõeLucien Sève


ENCARCERAMENTO

Maioridade penal: mitos e fatos

Diante de tantos fatos e evidências a esclarecer o engodo em que consiste a apresentação da redução da maioridade penal e do aumento do tempo de internação de adolescentes infratores como fórmulas eficazes para diminuir a criminalidade e a violência, cabe aos cidadãos e eleitores exigir que se eleve o nível do debateRubens Naves


FICÇÃO CIENTÍFICA

África, o futuro presente

A ficção científica revela as possibilidades escondidas no presente e cristaliza as formas que o futuro pode assumir. Tornando assim sensíveis os medos e as esperanças coletivas, ela é sempre política. Enquanto os anglo-saxões a abandonaram em benefício da fantasia, os artistas africanos a aprendem e põem em práticaAlain Vicky


NOVAS FERRAMENTAS DO MARKETING

Pesca na banheira

A maioria das aplicações baixadas gratuitamente vão lhe atribuir outro dedo-duro, muito mais intruso, chamado spywareJacques Nantel|Ariane Krol


FRANÇA

Pluralismo linguístico

Seria necessário que, assim como o turista que não precisa mais de cheques de viagem, o estudante pudesse deixar seus país sem dicionário?Serge Halimi


REVOLTA DE CIDADÃOS DISCRIMADOS

Os ilegais do Kuwait

Como os demais países petroleiros do Golfo, o Kuwait vive da exploração de mão de obra estrangeira. No entanto, os bidoun, cidadãos kuwaitianos desprovidos de direitos, são uma particularidade desse pequeno emiradoAlain Gresh


PORTUGAL

Emigração como alternativa

Aumento da jornada de trabalho de 35 para 40 horas semanais, elevação da idade para a aposentadoria… Com o novo plano de austeridade aprovado no dia 12 de maio, Portugal aprofunda sua descida ao inferno. Partindo ou permanecendo no país, seus habitantes choram o desvanecimento de seus sonhos para o futuroJosé Luís Peixoto


ESTADOS UNIDOS

Imigração seletiva

Atualmente em discussão no Senado, a reforma da política norte-americana de imigração prevê a regularização de 11 milhões de imigrantes ilegais. A medida, que atrai a atenção da mídia e partidos, eclipsa outra: a instauração de um sistema de atribuição de vistos que vai ao encontro do desejo das empresas privadasBenoît Bréville


UMA REVOLUÇÃO REFÉM DAS QUESTÕES REGIONAIS

Guerras por procuração na Síria

Apoiado pelo Hezbollah libanês, o regime de Al-Assad retomou a ofensiva no oeste da Síria. Porém, dois anos após o início da rebelião, a revolução é perturbada por atores regionais e internacionais com objetivos contraditórios e mal definidosKarim Emile Bitar


DILEMAS DA ESQUERDA GREGA

Tomar o poder sem perder a alma

Como passar do status de principal força de oposição para o de maior partido de um país? Raras são as formações políticas da esquerda radical europeia que estão a ponto de discutir essa questão. É, contudo, sobre isso que se debruça o Syriza, na Grécia, depois que foi deixado às portas do poder pelas eleições de 2012Baptiste Dericquebourg


MÍDIA

O atraso da vanguarda

Dilma, tal como Lula, não está interessada no, reconheça-se, duro embate de encontrar cura para a crônica doença política brasileira, cujos efeitos se fazem sentir de forma sofrida sobre cada cidadão e cidadã historicamente submetidos a monopólios de opiniões reacionáriasMurilo César Ramos


DOSSIÊ ENVELHECIMENTO

As mudanças da população brasileira

O período até 2025 representa uma oportunidade para o “enriquecimento” da sociedade, uma vez que a razão de dependência demográfica vem caindo e, a partir daí, ela começará a se elevar em função do aumento da proporção de idososClemente Ganz Lúcio|Frederico Melo|Maria de Fátima Lage Guerra


DOSSIÊ ENVELHECIMENTO

Com que idade nos tornamos velhos?

Enquanto o governo de François Hollande se prepara para endurecer ainda mais o regime de aposentadorias, os comentaristas colocam em cena mais uma vez a guerra de idades: os velhos viveriam tranquilamente à custa dos jovens. Esse clichê não é o único quando se fala daqueles com mais de 60 anos…Jérôme Pellissier


DOSSIÊ ENVELHECIMENTO

A “exportação” de avôs e avós

Graças à chegada maciça de imigrantes em 2012, a população alemã aumentou pela primeira vez em oito anos. Mas ela envelhece rapidamente. Sem sistemas coletivos adaptados, as famílias vêm recorrendo a soluções no exteriorHeike Haarhoff