Março 2014

Edição 80

R$14,90Comprar

PARA ONDE VAI O BRASIL

As novas condições do desenvolvimento

A abertura comercial com câmbio valorizado e juros altos suscitou o desaparecimento de elos das cadeias produtivas na indústria de transformação, com perda de valor agregado gerado no país. Para juntar ofensa à injúria, essa abertura afastou o Brasil do engajamento nas cadeias produtivas globaisLuiz Gonzaga Belluzzo


PARA ONDE VAI O BRASIL

Alternativas brasileiras

Quais são os caminhos que o Brasil pode trilhar nas áreas política, econômica, social e internacional: maior ou menor influência do dinheiro na política? Prioridade no controle da inflação ou no crescimento? Programas para toda a população ou focados nos mais pobres?Samuel Pinheiro Guimarães


OS ULTRANACIONALISTAS

Extrema direita ucraniana, entre o nacionalismo e a desordem

As extremas direitas ganham terreno na Europa, ainda que muitas delas procurem adotar novos hábitos. Obviamente, tais movimentos desempenham seu papel na Ucrânia. O Svoboda e o Praviy Sektor esperam ganhar com a revolta popular contra o sistema corrupto do ex-presidente Viktor Yanukovich, deposto no dia 22 de fevereiroEmmanuel Dreyfrus


MANIFESTAÇÕES

Os Black Blocs e a violência

Há muito pouca violência em manifestações por parte de manifestantes. No entanto, há muita violência e violência sistemática por parte da polícia. Um debate público que se concentre na destruição de vidraças e não na agressão sistemática à integridade física me parece equivocado e desequilibradoPablo Ortellado


RUMOS DO DESENVOLVIMENTO

Desindustrialização precoce: futuro ou presente do Brasil?

A perda relativa de importância da indústria na economia brasileira é precoce ou acontece porque o país já completou esse ciclo de desenvolvimento? Para apresentar essa problemática, publicamos o artigo do embaixador Rubens Ricupero, ex secretário-geral da UnctadRubens Ricupero


LIVRE-COMÉRCIO

Uma armadilha transatlântica

O salto do livre-comércio e do atlantismo cria o risco de obrigar os europeus a importar carne com hormônios, milho geneticamente modificado, frangos lavados com cloroSerge Halimi


LOBBY DAS MINERADORAS

Pelo ouro do Peru

Candidato da esquerda em 2011, o presidente peruano Ollanta Humala só tem uma obsessão: satisfazer o lobby das mineradoras, com o risco de reprimir mobilizações populares, como em Cajamarca, no norte do paísAnna Bednik


COMO A DIREITA IMPÔS A PRIVATIZAÇÃO DA ENERGIA

Xeque-mate contra a esquerda mexicana

Desde 1938, a indústria petrolífera mexicana constituía um símbolo nacional, que a tempestade neoliberal não conseguiu derrubar. Isso terminou: enquanto o país “celebra” os vinte anos do NAFTA, o presidente Enrique Peña Nieto decidiu pela privatizaçãoJean François Boyer


QUITO DECIDE OBTER RESSARCIMENTO

A Chevron polui, mas não quer pagar suas multas no Equador

De um lado, o Equador, pequeno país sul-americano. De outro, a Chevron, gigante petroleira, cujo faturamento em 2012 foi quase o triplo do PIB equatoriano. Combate desigual? Pouco importa. Quito reivindica o ressarcimento pela poluição causadaHernando Calvo Ospina


DOPADOS PELA FALÊNCIA DAS INSTITUIÇÕES TRADICIONAIS

Na Europa, extremas direitas mutantes

Há trinta anos, por toda a Europa, as extremas direitas vão de vento em popa. Se alguns partidos ainda empregam diatribes neonazistas, a maioria procura respeitabilidade e invade o terreno socialJean-Yves Camus


AS VIAS DA NORMALIZAÇÃO MIDIÁTICA

Front National passa da demonização à fascinação

Procurando apresentar-se como um partido “fora do sistema”, o Front National reclama do desdém dos jornalistas. Porém, seus representantes, como a maioria dos políticos, usam a mídia amplamente.Eric Dupin


PARA TERMINAR COM A UNIÃO EUROPEIA DOS BANQUEIROS

Um novo impulso para qual Europa?

Primeiro apoiada na hegemonia norte-americana, depois incorporada ao capitalismo financeiro globalizado, a Europa está cada vez mais ameaçada de explodirEtienne Balibar


PEIXES, VEGETAIS GOURMET E FOSFATOS...

A quem pertencem as riquezas do Saara Ocidental?

A questão da independência do Saara Ocidental diz cada vez mais respeito aos rumos do desenvolvimento do Marrocos. Isso porque a região, que Rabat denomina “estados do Sul”, contribuiu fartamente para as receitas de exportação do reino.Olivier Quarante


BLACK BLOCS

O baile dos mascarados

O ativismo destrutivo entrega aos fardados oficiais a única vitória real que eles podem almejar contra a indignação coletivaGuilherme Scalzilli


ENTREVISTA

MST: “Vamos trazer para o presente o sonho do futuro”

Neste ano, o MST, um dos principais movimentos sociais de todo o mundo, completa três décadas de luta. Para conhecer o caminho percorrido e os desafios que a organização ainda tem pela frente, conversamos com Gilmar Mauro, da direção nacionalVictoria Darling


Catástrofes climáticas cotadas na bolsa

Quando as finanças se conectam com a natureza

Catástrofes climáticas espalham pelo mundo sua cota de dramas e imagens espetaculares. E colocam uma questão prosaica: quem pagará os estragos?Razmig Keucheyan


3ª MOSTRA ECOFALANTE DE CINEMA AMBIENTAL

Moldamos cidades ou elas nos moldam?

Segundo dados da ONU, mais de 50% da população mundial já vive nas cidades. Estima-se que até 2050 cerca de dois terços da população mundial habitarão áreas urbanas. Essas pessoas se veem obrigadas a moldar seu modo de vida e seus ritmos para se integrar ao contingente que vive na urbeMônica C. Ribeiro


SANEAMENTO

A falta de água em São Paulo

Educar as pessoas para que mudem seus hábitos em relação ao consumo de água é salutar, mas existe uma grande diferença entre conscientizar e responsabilizar, mesmo subliminarmente, o cidadão pela ameaça de racionamento.Edson Aparecido da Silva


EDITORIAL

O que está em disputa

Silvio Caccia Bava