Julho 2014

Edição 84

R$14,90Comprar

EDITORIAL

O verdadeiro programa da direita

Silvio Caccia Bava


POLÍTICA SOCIAL E DESIGUALDADE

Brasil: dois projetos em disputa

Para a corrente desenvolvimentista, os progressos recentes, embora positivos, não apagaram as marcas profundas da crônica desigualdade social brasileira, que tem raízes históricas herdadas do passado escravocrata, do caráter específico do capitalismo tardio e da curta experiência democrática do século XXEduardo Fagnani


GRANDE MERCADO TRANSATLÂNTICO

Chá, bolinhos e boas ideias no Shangri-La Palace

O que dizem lobistas, grandes empresários e dirigentes políticos quando os reunimos nos salões de um grande hotel?Renaud Lambert


NÃO FALTAM OPOSITORES AO NOVO PREFEITO

Uma tímida brisa de esquerda sopra sobre Nova York

Ainda que dirigidas por democratas, a maioria das grandes cidades norte-americanas deixa a segregação social correr solta. Em Nova York, os privilégios dos ricos parecem ter encontrado um freio na eleição, em novembro de 2013, do prefeito Bill de BlasioEric Alterman


ESTADOS FANTASMAS

O que a explosão do Iraque prenuncia

A ofensiva do Estado Islâmico no Iraque e no Levante (EIIL) surpreende só aqueles que se desinteressaram pela evolução do país após a retirada das tropas norte-americanas. A incompetência do poder central e sua política favorável aos xiitas criaram as condições para uma insurreição sunitaPeter Harling


AO FIM DE DEZ ANOS, O MODELO SE ESGOTA

Rumo ao fim do kirchnerismo na Argentina?

Em 16 de junho, a Suprema Corte dos Estados Unidos validou decisão que compele Buenos Aires a reembolsar fundos especulativos: estes se recusam a renegociar o valor de seus títulos da dívida argentina. O anúncio piora ainda mais a situação de Cristina Kirchner, cuja reeleição no primeiro turno em 2011 parece distanteJosé Natanson


MÚSICA ELETROACÚSTICA

No Brasil, sons são música!

Imagine que você é convidado para um concerto. Entra na sala do espetáculo, senta e pensa: onde estão os instrumentos? E os músicos? Vê somente uma mesa, um computador e cabos. As luzes se apagam e o concerto começa. Então você percebe que os sons vêm de todos os lados (de caixas de som!)NME


POLÍTICA SOCIAL E DESIGUALDADE

A dura tarefa de se opor ao que está dando certo

Vivemos uma situação no mínimo esdrúxula, em que legítimas manifestações por mais realizações do governo se veem confundidas com movimentos de direita, com amplo apoio na mídia, que quer reverter o que se conseguiu. Do lado da oposição positiva, vale a pena deixar as coisas mais claras…Ladislau Dowbor


POLÍTICA SOCIAL E DESIGUALDADE

Trajetória e deslocamento distributivo no Brasil

Desde 2003 vem ocorrendo um processo de inversão de prioridades. Com isso, houve menor deslocamento de recursos públicos ao rentismo, bem como o estabelecimento de novas políticas de renda acrescidas ao apoio às classes trabalhadoras na forma de emprego em profusão e elevação da renda na base da pirâmide socialMarcio Pochmann


ORIENTE MÉDIO

“A culpa é de Obama”?

O balanço da intervenção das potências ocidentais é igualmente catastrófico para os povos do mundo árabeSerge Halimi


GRANDE MERCADO TRANSATLÂNTICO

Descobrindo o tratado

As eleições europeias de maio testemunharam uma rejeição crescente às políticas predominantes no Velho Continente. A resposta de Bruxelas à reprovação popular? Acelerar a conclusão de um acordo secreto com Washington para criar o GMT− uma resposta paradoxal se considerarmos que as privatizações e a liberalizaçãoRaoul Marc Jennar|Renaud Lambert


GRANDE MERCADO TRANSATLÂNTICO

Dez ameaças aos norte-americanos…

10 – Submissão dos Estados a um direito feito sob medida pelas transnacionais por meio do dispositivo de regulamentação das diferenças entre Estados e empresasLori Wallach


GRANDE MERCADO TRANSATLÂNTICO

… e dez ameaças aos europeus

Submissão dos Estados a um direito feito sob medida pelas transnacionais por meio do dispositivo de regulamentação das diferenças entre Estados e empresasWolf Jäcklein


GRANDE MERCADO TRANSATLÂNTICO

Os três atos da resistência

Representantes políticos nacionais, deputados europeus e governos dispõem de diversas opções para se opor ao projeto de acordo transatlântico. Ainda é preciso que eles manifestem a vontade de fazê-lo, ou que as populações os convidem a isso…Raoul Marc Jennar


EXÉRCITO SOCORRE AS ELITES TRADICIONAIS

Tailândia: o 12° golpe de Estado

Após instaurar a lei marcial em 20 de maio e, dois dias depois, afastar os principais dirigentes políticos, o Exército tailandês controla a totalidade do poder. Atrás de uma aparente neutralidade, ele faz o jogo das elites de Bangcoc, seguidamente derrotadas nas eleiçõesDavid Camroux


ITÁLIA

Matteo Renzi, a “salvação” da Europa

O homem providencial de ontem decepcionou? Um outro aparece, portador de todas as esperanças. Último exemplo disso: o primeiro-ministro Matteo Renzi, que causou inveja quando seu partido venceu com larga vantagem na Itália as eleições europeias de 25 de maio.Raffaele Laudani


A FUNDAÇÃO QUE SERVE ÀS AMBIÇÕES DE AZNAR

Na Espanha, direita contra direita

Recuperar conscientemente o terreno (já bem demarcado) do neoconservadorismo: essa é a missão da fundação política de José Maria Aznar. O antigo chefe de governo espanhol espera, assim, tomar o poder que hoje está com seu rival, o primeiro-ministro Mariano RajoyGuillaume Beaulande


AJUDA RUSSA OU ACORDO COM O FMI?

As raízes econômicas da crise ucraniana

Eleito em 25 de maio para a presidência da Ucrânia, o oligarca Petro Porochenko deverá dar uma resposta às tentações separatistas das regiões russófonas, assumindo as consequências sociais do programa concebido pelo FMI.Julien Salingue


BALANÇO

Um ano depois de junho – parte 2

A segunda parte segue com o debate sobre as características de uma luta orientada por pautas, a questão do vandalismo e a inversão de seu lugar na narrativa, a reconquista das ruas e os efeitos institucionais das jornadas. As seções são autônomas, mas o contexto só se explica por sua abordagem conjuntaJoão Brant


FORÇAS ARMADAS E DITADURA

Quem está com a verdade, quem está com a mentira?1

A instituição militar perdeu uma oportunidade ímpar para romper definitivamente com o passado de violações cometidas por alguns de seus integrantes, para a tomada e manutenção do poder, que agora legitima pela omissão, não substituindo, como se esperava, o elogio do crime pela afirmação de uma força militar novaBelisário dos Santos Jr.|Inês Virginia Prado Soares