Fevereiro 2015

Edição 91

R$14,90Comprar

POR TRÁS DOS RADICALISMOS

Xenofobia ou pobrefobia?

A mobilização contra a violência não será fértil se ignorarmos o terreno que a alimentou. Provocada pelas intervenções externas no Oriente Médio, a radicalização dos jovens jihadistas efetua-se também dentro de uma Europa que afasta o espírito das Luzes e deixar prosperar preconceitos e discriminaçõesBenoît Bréville


FANTASMAS E REALIDADE

Antissemitismo virulento, mas marginal

Se o índice de aceitação aos judeus baixou seis pontos desde 2009, quando atingiu o recorde de 85%, permanece de longe muito superior ao de todos os outros grupos: seis pontos acima do índice de aceitação dos negros, 21 acima dos magrebinos e 28 acima dos muçulmanos


ATENTADOS EM PARIS, ONDA DE CHOQUE

Os caminhos da radicalização

Com velocidade impressionante, os massacres em Paris fizeram emergir duas análises opostas. Uma propõe intensificar os bombardeios a distância e, em nome da segurança, sacrificar liberdades. A outra insisti na transformação do mundo, identificar as causas da decomposição social e restituir os encadeamentos que levaramLaurent Bonelli


AS CHACINAS EM PARIS PELO PRISMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

Sejam livres, é uma ordem!

Os ideólogos do jihadismo internacional sonham em cindir as nações europeias entre populações “brancas” convencidas de que um perigo islâmico as ameaça e uma franja de “muçulmanos” radicalizados pelo racismo e pelas intervenções ocidentais.Pierre Rimbert


POLÍTICA

Existe alternativa a esse modelo

É num cenário de vácuo político e de enfrentamento do crescimento das ideias e ações conservadoras que se dará a disputa. É numa conjuntura aguçada por crises, mas com tendência de aceleração das lutas sociais, em que se manifestam com força greves e protestos, que socialistas, democratas e progressistas devem se moverIvan Valente


INFÂNCIA NAS RUAS

Capitães da areia: até quando?

O quadro apresentado por Jorge Amado mantém-se perversamente inalterado desde 1937, e, quando uma voz se levanta para tentar aprofundar a questão, associando-a à falta de um regime mínimo de bem-estar social, um sem-número de vozes aciona suas metralhadoras em protesto contra aquilo que considera tentativa de justificaLeandro Gavião


ABALOS CONJUNTURAIS, FRAGILIDADES ESTRUTURAIS

Previsão de tempestade para a economia russa

A cada estação, um choque. Após a anexação da Crimeia na primavera, as sanções no verão e a queda dos preços dos combustíveis no outono, a economia russa sofre com a desvalorização repentina do rublo desde novembro. Reabrindo as cicatrizes dos anos 1990, essa crise deixará vestígios ao expor fraquezas estruturaisJulien Vercueil


A ESQUERDA GREGA PODE MUDAR A EUROPA?

De Paris a Atenas, é preciso escolher os combates

Na Grécia e na Espanha, o avanço de uma esquerda crítica das políticas de austeridade encoraja os defensores de uma mudança profunda na União Europeia. Cada vez mais formal, o debate democrático avança. E o confronto cultural e religioso, o “choque das civilizações” que os autores dos atentados em ParisSerge Halimi


LUTAS PELO PODER NO APARELHO DE ESTADO GREGO

A esperança misturada a uma preocupação surda

O avanço das forças progressistas nas eleições gregas perturba um aparelho de Estado controlado há quarenta anos por duas famílias políticas. Enquanto as dificuldades trazidas pela austeridade levaram grande parte dos funcionários públicos a optar pela coalizão de esquerda Syriza, redes extremistas organizam-se em tornThierry Vincent


SAÚDE

Medicina: as alternativas cubanas

Cuba desenvolveu há sessenta anos uma medicina única no mundo, que alia a medicina moderna à medicina natural e tradicional. A ilha caribenha obtém hoje os melhores resultados do continente em matéria de saúdeAnne Vigna e Gabriela Ordonez


DIANTE DO TERROR, OS LIMITES DA RESPOSTA MILITAR

Camarões ameaçado pelo Boko Haram

Roger Bourdeau


UM CONCORRENTE PARA O TRADICIONAL ALIADO NORTE-AMERICANO

A Austrália seduzida pela China

Num Sudeste Asiático perturbado pelas ambições econômicas e territoriais chinesas, a Austrália denuncia a agressividade de Pequim cumprindo seu papel de tenente da estratégia norte-americana em relação ao Pacífico. No entanto, sua inserção nos jogos de aliança da região revela um comportamento bem mais complexo, marcadOlivier Zajec


NECESSIDADES DEMOGRÁFICAS, RETICÊNCIAS CULTURAIS

Imigração seletiva à la Japão

O primeiro-ministro Abe Shinzo e seu partido liberal-democrata ganharam as eleições legislativas de dezembro de 2014. Apesar do recorde de abstenções (47,4%), durante os próximos quatro anos eles estarão livres para desenhar reformas estruturais impopulares, entre as quais uma nova política de imigração restritivaMarc Humbert


FECHAMENTO DOS ÚLTIMOS HOSPITAIS PSIQUIÁTRICOS

Desamarrando os loucos

Os últimos hospitais psiquiátricos judiciais italianos devem desaparecer nos próximos meses. A medida é o desfecho de um longo combate contra os preconceitos a respeito da periculosidade dos doentes mentais. Em Trieste, pioneiros experimentam com sucesso abordagens alternativas desde o início dos anos 1970Mathilde Goanec


LITERATURA

Mia Couto, o canto magnético de Moçambique

Testemunha engajada da independência de Moçambique, em 1975, e da guerra civil que se seguiu a ela, o grande escritor Mia Couto apropria-se do português para reinventá-lo. Como se o trabalho com a língua lhe permitisse oferecer aos seus concidadãos uma renovação do mundoSébastien Lapaque


QUEM SAIR LEVA VANTAGEM?

Funesta rivalidade entre a Al-Qaeda e a Organização do Estado Islâmico

A reivindicação do massacre na Charlie Hebdo pela facção da Al-Qaeda na Península Arábica recoloca em primeiro plano um movimento afastado da mídia pelos sucessos militares da Organização do Estado Islâmico. Entretanto, com as mesmas aspirações e agindo com igual crueldade, os dois grupos têm estratégias diferentesJulien Vercueil


EDITORIAL

Água e democracia

Silvio Caccia Bava