Março 2015

Edição 92

R$14,90Comprar

A SOBERANIA EM QUESTÃO

Exterminadores do futuro

No bojo das investigações da chamada Operação Lava Jato e de todo o fervor midiático que a rodeia, já estamos vivendo um desmoronamento da tão importante política de conteúdo local, pois a Petrobrás, pressionada pela grande imprensa e pelo juiz Sérgio Moro, excluiu das últimas licitações mais de vinte empresas nacionaiJoão Antônio de Moraes


A SOBERANIA EM QUESTÃO

Petrobras, pré-sal e futuro

Ao emergir como grande produtor global de petróleo, o Brasil também ganhou inédita relevância geopolítica. O que já vinha se materializando aos olhos do mundo, pelas conquistas sociais e tecnológicas do passado recente, tornou-se muito mais palpável com o impulso impressionante do pré-salJean-Paul Prates


PRÉ-SAL, PETROBRAS E DESENVOLVIMENTO NACIONAL: ENTENDA POR QUE ALGUNS (SEMPRE OS MESMOS) NÃO QUEREM

O interesse por trás do ataque à Petrobras

Os opositores são os mesmos que foram contrários à existência da Petrobras. O viés político que se vê em alta no ataque à companhia é infinitamente mais perverso para o futuro do país se comparado aos atos ilícitos até aqui descobertos. É dever cívico alertar e deixar claro a quem interessa que há uma Petrobras frágilJosé Sergio Gabrielli de Azevedo


SWISSLEAKS

A grande evasão

No combate à sonegação, o fisco repete infinitamente a cena em que o marido de A dama de Shangai (1947) persegue sua esposa no palácio de gelo criado por Orson Welles. A cada tiro que ele pensa tê-la acertado, é um espelho do labirinto que quebra, e os amantes acabam fugindo por uma passagem secreta…Ibrahim Warde


JUVENTUDE

Novos atores em cena

Na entrevista a seguir, Maria Virginia de Freitas, coordenadora da área de juventude da Ação Educativa, e Anna Luiza Salles Souto, coordenadora da área de juventude do Instituto Pólis, discutem as relações entre juventude e política e analisam os resultados da pesquisa Agenda Juventude BrasilSilvio Caccia Bava


NOVOS MOVIMENTOS SOCIAIS BRASILEIROS

No meio da multidão

A partir de junho de 2013, o Brasil passou a conviver com a emergência e o protagonismo de formas inovadoras de mobilização social e ação coletiva que ultrapassam o espectro de influência do Partido dos Trabalhadores. Muitas são as dúvidas sobre essas novas expressões da luta popular: como surgiram, quais seus limitesCristiano Navarro e Luís Brasilino


ENTRE A FORMA E O CONTEÚDO

Breves anotações sobre os “novos” atores coletivos na cena política

Estes sujeitos, ao enfrentarem um problema que a geração dos movimentos dos anos 1980 não conseguiu tocar, podem produzir uma ruptura no imaginário supostamente “pacificado” da transição democrática brasileira e assim resgatar os sentidos da radicalidade das lutas por igualdade e direitosTaciana Gouveia


MUDANÇA DE CICLO

O novo protagonismo social dos protestos de massa

A falsa disjuntiva que há um quarto de século reduz as expectativas de mudança no Brasil aplicando o mesmo programa comum de rentabilização financeira, agroindústria e mineração predatórias e associação com quase todas as oligarquias regionais tradicionais, representadas por PT/PSDB, pode estar com os dias contadosHenrique Carneiro


PARA AVANÇAR NAS CONQUISTAS E ENFRENTAR O CONSERVADORISMO

Reencontrar nas ruas o caminho da unidade

“Nas escolas, nas ruas, campos, construções” vamos encontrar ambiente e espaço político para a repactuação das relações entre movimentos sociais, partidos e governo, as quais preservem valores imprescindíveis de nossa história comum, o respeito democrático às diferenças e divergências e a unidade de ação nos consensosRenato Simões


SUPERAR SECTARISMOS E DIRIGISMOS

Tal crise, quais reformas?

A direita se assanha com o derretimento de princípios e os escândalos protagonizados por setores da “esquerda”. Mas o avanço do atraso alertou aqueles que não aceitam a distopia. Sinal embrionário de uma articulação por transformações sociais efetivas é a Declaração da Frente pelas Reformas Populares, firmada por 26 enChico Alencar


GRANDES ETAPAS DE UMA RELAÇÃO TEMPESTUOSA

Irã e Estados Unidos: o tempo do ódio terminou?

A perspectiva de um acordo sobre a questão nuclear esboça um possível aquecimento das relações entre Teerã e Washington. Sem ir até os termos da aliança na época do xá, essa reaproximação poderia redesenhar os mapas estratégicos do Oriente Médio.Trita Parsi


CONTRA A AUSTERIDADE PERPÉTUA

Apoiar a Grécia

Respaldada pela maior parte das capitais europeias, a Alemanha não aceita a chegada ao poder em Atenas de um governo de esquerda que quer aplicar seu programa. Ela pretende utilizar seu domínio econômico e financeiro para forçar a Grécia a manter o rumo de uma política de austeridade que a arruinouSerge Halimi


TODAS AS DÍVIDAS DEVEM SER HONRADAS, EXCETO...

Dívida pública, um século de queda de braço

O fracasso de suas políticas privou os defensores da austeridade do argumento do bom senso econômico. Agora, de Berlim a Bruxelas, governos e bancos baseiam cada vez mais seu evangelho na ética: a Grécia deve pagar, questão de princípio! A história, entretanto, mostra que a moral não é o principal árbitro dos conflitosRenaud Lambert


DE MAIDAN A MINSK, UM PAÍS DESTROÇADO

A Ucrânia entre a guerra e a paz

A derrota em Debaltsevo arruína as tentativas de reconquista militar contra os rebeldes do Donbass. Após um ano de fracassos, os dirigentes ucranianos tiveram de aceitar os novos acordos em Minsk. No entanto, a perspectiva de uma solução política durável, baseada no respeito às minorias e no diálogo com Moscou, pareceIgor Delanoë


COMO A INFLAÇÃO ALIMENTA A CORRUPÇÃO

A revolução bolivariana minada pela especulação cambial

Caracas anunciou ter desmantelado uma tentativa de golpe de Estado em meados de fevereiro. Para além de acontecimentos desse tipo, é do interior do processo bolivariano que emerge a principal ameaça para seu futuro: a corrupçãoLadan Cher


AMEAÇA À HEGEMONIA DA DIREITA?

Eleições em Israel: o blefe de Benjamin Netanyahu

As duas casas do Congresso norte-americano convidaram o primeiro-ministro israelense a discursar no dia 3 de março. Netanyahu espera beneficiar-se da ocasião, duas semanas antes da eleição legislativa na qual ainda é favorito. No entanto, a aliança entre a esquerda e o centro mostra força, em um contexto de descontentaMarius Schattner


MOSTRA ECOFALANTE

O Antropoceno no cinema

Não poucos são os sinais do processo de esgotamento do mundo. Desde quando o homem subjugou o planeta à sua vontade, cruzou mares e começou a explorar predatoriamente os recursos naturais, o mundo pareceu dobrar-se sem grandes reações adversas aos seus caprichos e interesses.Mônica C. Ribeiro


NAS RAÍZES DO JIHADISMO

A escalada do tradicionalismo e do autoritarismo no Islã

O mundo muçulmano sunita vive um fenômeno de reislamização, impulsionado pela fragilidade das forças modernistas e pela hipocrisia dos poderes políticos. Tudo leva a crer que, apesar de estarem em campos opostos, o wahabismo saudita e a corrente da Irmandade Muçulmana vão tentar crescer.Nabil Mouline


NASCIMENTO DE UMA ECONOMIA DE MERCADO FEMININA

Mulheres e a mudança norte-coreana

Ao contrário do que se imagina, pouco a pouco os cabelos brancos desaparecem das ruas de Pyongyang, com as mulheres da capital tendendo a seguir a moda vinda da China. Para além da aparência, elas conquistaram uma nova força, promovendo mercados paralelos, mais ou menos tolerados pelo poderPhilippe Pons


EM TÚNIS, DE 24 A 28 DE MARÇO

A atualidade do Fórum Social Mundial

Mesmo com todos os seus limites e dilemas, “não existe alternativa ao Fórum Social Mundial”, declarava em 2013 o sociólogo norte-americano Immanuel Wallerstein. A questão é agora saber se o FSM será capaz de traçar uma estratégia articulada de superação do capitalismo e trazer respostas viáveis à crise civilizatória peDamien Hazard


EDITORIAL

Corruptos e corruptores

Silvio Caccia Bava