Julho 2015

Edição 96

R$14,90Comprar

REDUÇÃO DA MAIORIDADE

“O problema do menor é o maior”

A omissão estatal propicia o surgimento das facções, e, muitas vezes, o preso acaba se envolvendo numa malha criminosa muito mais complexa ao ser encarcerado. Essa é a perspectiva no horizonte dos jovens de 16 anos, caso o Congresso aprove a redução da idade penalMarina Dias


REDUÇÃO DA MAIORIDADE -ENTREVISTA – ARIEL DE CASTRO ALVES

“Redução da maioridade vai gerar mais crimes e violência”

Para debater os efeitos da proposta de redução da maioridade penal, entrevistamos o advogado Ariel de Castro Alves, membro do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (Condeca-SP). Ele analisa a estrutura atual de atendimento a jovens infratores no Brasil e alerta: a redução vai gerar mais crimesLuís Brasilino


REDUÇÃO DA MAIORIDADE

“Não tenho nada a ver com isso…”

A sociedade alardeia que a punição tem a função de reduzir a criminalidade. Se isso é verdade, por que a criminalidade dos adultos não se reduz com a punição?Ana Olmos


ECONOMIA GLOBAL

A sobriedade contra a austeridade

É chegado o momento de fornecer aos países do hemisfério sul os fundos e as tecnologias que lhes permitam dar diretamente o salto para um desenvolvimento baseado na sobriedade energética.Philippe Descamps


A AUSTERIDADE NO PENSAMENTO ÚNICO

A mídia francesa contra o governo grego

Pierre Rimbert


COMO SALVAR VERDADEIRAMENTE A GRÉCIA

Saída do euro, uma oportunidade histórica

Aparentemente, o projeto era simples. Após cinco meses, os credores de Atenas se incumbiriam de salvar a Grécia da bancarrota. Ao final das negociações, sua outra ambição foi desvelada: desacreditar um projeto político tido como “radical”Costas Lapavitsas


A ESPANHA ENTRE DUAS ELEIÇÕES

Podemos, “a nossa estratégia”

Crise financeira, pauperização maciça, descrédito dos profissionais da política: tudo teria conduzido à renovação da esquerda na Europa. Entretanto, ela cambaleia por toda parte. Isso explica a concentração de interesses na Espanha, onde o partido Podemos exibe uma inventividade estratégicaPablo Iglesias


A DIREITA CONTRA AS MANIFESTAÇÕES ANTIAUSTERIDADE

Espanha: uma mordaça na indignação

A estratégia de quebrar o termômetro para baixar a temperatura nunca foi eficaz. É esse, contudo, o caminho escolhido por Madri para emperrar as mobilizações que dominam o país desde 2011: ocupações, panfletagens e colagens de cartazes são cada vez mais proibidas. O risco é tentar usar álcool para apagar o fogoCecília Valdez


INFLUÊNCIAS NAS ANTIGAS REPÚBLICAS DA IUGOSLÁVIA

Os Bálcãs, novo front entre a Rússia e o Ocidente

Depois da Ucrânia, os Bálcãs se tornarão o palco de um novo enfrentamento Ocidente-Oriente? A Rússia está reinvestindo na região, mas por razões tanto comerciais quanto geopolíticas. Mesmo conservando sua influência tradicional, Moscou não pode esperar muita coisa de uma região que se volta cada vez mais para a UEJean-Arnault Dérens|Laurent Geslin


DESIGUALDADE E DOMINAÇÃO

A polarização e a vaca sagrada da estabilidade política

Considerando os últimos trinta anos – recessão nos anos 1980, desindustrialização, baixo crescimento e ampliação da desigualdade nos 1990 –, torna-se significativo que é num período de crescimento com redução da desigualdade que surgem as condições para a emergência do crescimento econômico/instabilidade políticaPaulo Augusto André Balthazar


EDITORIAL

Selic

Silvio Caccia Bava


A MAIOR MINORIA DA HUMANIDADE

Um bilhão de pessoas com deficiência

A aprovação, em 2006, da Convenção Internacional sobre Direitos das Pessoas com Deficiência representou um marco na evolução dos direitos humanos e, particularmente, dos direitos de um grande número de indivíduos que durante muito tempo estiveram ausentes de estratégias de desenvolvimento e dos instrumentos de direitosLenin Moreno


POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Nosso norte é o Sul

A consolidação da América do Sul como espaço estável e de integração é prioritária para a política externa brasileira. Na sequência, enfatiza-se a necessidade de fortalecimento da relação com os Brics, a África, os Estados Unidos e a União Europeia, nessa ordemSuhayla Khalil


UMA EMANCIPAÇÃO QUE PROGRIDE

Por trás da imagem das combatentes curdas no Iraque

Distante da imagem midiatizada – e positiva – das combatentes, a condição feminina no Curdistão iraquiano permanece controversa. Ainda que notáveis progressos tenham acontecido em termos de emancipação, inclusive no plano legislativo, a opressão misógina e males como os crimes de honra perduramNada Maucourant


A HORA DA VERDADE

A vida das tunisianas depois da revolução

Quatro anos após a queda do ex-presidente Zine al-Abidine ben Ali, as diferenças de condição entre as mulheres refletem uma Tunísia dividida no plano político e enfraquecida pelas desigualdades sociais e disparidades regionaisFlorence Beaugé


NOVOS CREDORES

Metamorfoses da dívida africana

Há décadas a dívida africana mobiliza a atenção das instituições financeiras internacionais e das associações que reclamam pura e simplesmente sua anulação. Alguns países se desendividaram graças ao aumento do preço das matérias-primas, porém, outros construíram novos passivos e são ameaçados por fundos abutresSanou Mbaye


MAPA DA VIOLÊNCIA – BRASIL

A dialética do esclarecimento revisitada

Num mundo em que principalmente as novas tecnologias da comunicação mudam a todo instante, não há como não questionar o porquê de ainda termos de nos preocupar com fatos que decididamente remetem a uma barbárie arcaicaHelcio Kovaleski


ARTES PLÁSTICAS

Ver ou ter

Cadáveres no formol, vídeos de garotas nuas rolando na lama: tais audácias posadas, portadoras de um valor financeiro conferido pela moda, dominam a arte contemporânea. De forma mais discreta, pintores continuam a enfrentar a tela para produzir explosões estéticas e sensoriais capazes de alimentar o corpo e o cérebroGérard Mordillat