Dossiê 8


Os bancos ficaram grandes demais. Maiores e mais poderosos que os governos, eles hoje mandam no mundo e impõem as regras do jogo financeiro internacional. Na crise de 2007/2008 eles impuseram que os governos pagassem as suas contas com dinheiro público, quando suas especulações no mercado não deram certo. Agora, em uma situação muito mais delicada, com os governos já endividados pelo movimento anterior, novamente essas instituições cobram o socorro dos governos nacionais e mesmo da União Européia.



Desconhecendo as lições da crise anterior e até mesmo aumentando os riscos de praticar uma especulação ainda mais intensa, muitos desses grandes bancos estão hoje super expostos num duplo sentido: tanto pela operação especulativa com derivativos, alavancando seu capital na proporção de até 1:50, como é o caso do banco francês Societé Générale; como pela compra de títulos dos governos da Grécia, Espanha, Portugal, obrigados a aceitar taxas de juros escorchantes pelo risco embutido no empréstimo. Hoje, os títulos da Grécia, pelo default anunciado, isto é, pela ameaça real do calote, valem no mercado menos que metade do seu valor de face e, se os bancos que os detém tiverem que se desfazer deles, terão grandes prejuízos. O efeito conjugado dessas duas frentes de especulação leva a um estado de endividamento dos grandes bancos internacionais que ameaça sua solvência.



A sua fragilidade, neste momento, é consequência deles próprios terem criado esse cassino financeiro, em que, especulativamente, ganham fortunas em poucas horas. Sua ameaça, por serem grandes demais, é que, se forem à falência, todo o sistema financeiro entra em colapso e a economia real também. É uma chantagem na qual os governos nacionais ficam reféns. E se os governos aceitam essa chantagem, como vêm fazendo, ficam eles super endividados e, para saldar as novas dívidas, acabam por promover ajustes no orçamento público que implicam corte nas políticas de previdência e nas políticas sociais, desemprego e toda uma cesta de maldades para com a população que termina por colocá-los contra o interesse das maiorias. A Grécia hoje é o melhor exemplo, mas não o único.



Nesse cenário, chamam a atenção duas iniciativas: a estatização do sistema financeiro privado, que ocorreu, por exemplo, com bancos na Irlanda e nos EUA; e os esforços de uma regulação pública supranacional, como se aplica para pôr em prática a União Européia, através do Banco Central Europeu e do Fundo de Estabilização criado há pouco. Estarão, por meio dessas iniciativas, delineando-se novas tendências no plano da governança mundial?



Como os bancos privados vieram se constituindo como os atuais donos do poder? Como foram criadas as condições para que a ciranda do cassino financeiro ameaçasse toda a população do mundo com uma possível Segunda Grande Depressão? Será possível reunificar o que a doutrina neoliberal impôs, que é a separação entre a economia e a política? Haverá possibilidade de um controle democrático do mundo das finanças? Ou continuaremos com a socialização das perdas e a privatização dos ganhos?



08 de novembro 2011
ver artigos

R$14,90Comprar

1

Riggs, máquina de lavar dinheiro para ditadores

Enquanto estava no poder entre 1973 e 1990, o ditador chileno Augusto Pinochet conseguiu fazer um belo pé de meia. Isso antes que investig...

2

Cumplicidade com o tráfico de drogas

Qualquer que seja a atividade, a partir de, digamos, um punhado de milhões de dólares em negócios, nada escapa aos banqueiro...

3

Em Madri, vidas hipotecadas

(Homem caminha diante de acampamento dos "Indignados" na praça Puerta del Sol, em Madri) Até a aparição d...

4

Minha vitória no caso Clearstream

A Corte de Cassação, a mais alta jurisdição francesa, me deu ganho de causa na batalha que travei há uma dé...

5

Neoconquistadores

Quando o semanário do jornal El País traçou “O retrato do poder” na Espanha, em 31 de outubro de 2010, foi seu r...

6

Islandeses votam contra banqueiros

Pequena ilha, grandes questões. Os cidadãos devem pagar pelo desatino dos banqueiros? Existe ainda uma instituição de so...

7

Prêmios e castigos dos negociadores do mercado financeiro

Quais eram as motivações de Jérôme Kerviel, simples operador e aparentemente sem antecedentes, que cometeu a maior fraude...

8

Todo trabalho merece um salário?

De tanto avaliar todas as coisas e todas as pessoas de acordo com seu valor monetário – que contribuição você tr...

9

Luz na sala do cofre

Se as instituições de crédito francesas, apontadas como responsáveis pelo papel catalisador da tempestade financeira,...

10

Como se nada tivesse acontecido…

Em outubro de 2008, no auge da crise financeira, a Harvard Business School celebrava em grande estilo seu centenário. Em seu discurso, o reit...


Dossiê


Especiais relacionados

Cracolândia SP

|
Para debater as ações desencadeadas pelo governo estadual e pela Prefeitura de São Paulo a partir do dia 20 de maio na região conhecida como cracolândia, no centro d...