Os trópicos de Caetano Veloso - Le Monde Diplomatique

PRÉVIA DE JANEIRO

Os trópicos de Caetano Veloso

por Guilherme Henrique
dezembro 11, 2017
Imagem por Fernando Young
compartilhar
visualização

Leia um trecho da conversa com o compositor. Íntegra da entrevista estará na edição de janeiro de 2018 do Le Monde Diplomatique Brasil

 

Caetano Veloso diz em Sobre as Letras (2003), livro no qual explica o contexto e o significado de algumas de suas canções, que Nine Out Of Ten, do álbum Transa, de 1971, é uma das únicas músicas composta por ele em inglês de que gosta. A canção feita no exílio em Londres é um misto de tudo que o cercou na capital inglesa, como o reggae jamaicano e os incontáveis filmes assistidos no Eletric Cinema.  

Caetano usa parte da letra para dizer repetidamente que está vivo. Vivo, muito vivo, vocifera, como se quisesse reafirmar seu desejo de seguir organizando o movimento, orientando o carnaval e influenciando a cultura do Brasil, esse “esboço monstruoso de país”, como o próprio definiu em entrevista ao Le Monde Diplomatique Brasil.

Aos 75 anos, o baiano de Santo Amaro da Purificação mostrou no último domingo (10), no Largo da Batata, que não está apenas vivo, mas pulsante. Ao lado de Criolo, Maria Gadu e Péricles, foi o anfitrião de um show que comemorou os 20 anos do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e serviu para apoiar a ocupação da frente Povo Sem Medo, localizada no Jardim Planalto, em São Bernardo do Campo, em um terreno de quase 70 mil m² e que acolhe cerca de oito mil famílias desde setembro.

Em entrevista que será publicada na primeira edição de 2018 do Le Monde Diplomatique Brasil, Caetano Veloso exercitou o mesmo olhar reflexivo e crítico que fez do Tropicalismo um dos movimentos culturais mais celebrados do mundo. Política, música, literatura e outros temas foram esmiuçados pelo artista nessa conversa.

Abaixo, trechos da entrevista:

Le Monde Diplomatique: Em Fora de Ordem você diz que “Aqui tudo parece que é ainda construção e já é ruína”. Em recente entrevista ressaltou o fato de o Brasil ter algo meio ‘’desafinado’’. Ainda que essas frases tenham sido construídas em momentos diferentes, isso sugere um Brasil caminhando para a melancolia e descrença?

Caetano Veloso: A frase de Fora da Ordem vem de Lévi-Strauss, um autor que me impressionou desde o final dos anos 60. Em Tristes Trópicos ele apresenta alguns retratos pessimistas do Brasil e essa fórmula de construções em estado de ruínas é algo que a gente pode reconhecer em mil lugares e momentos do país. O “desafinado” tem algo a ver com isso. É a óbvia inadequação dos talentos, o desperdício de possibilidades. Visões como a descrita por Lévi-Strauss são melancólicas. Mas não sinto o Brasil caminhando para a melancolia. Em muitos momentos vejo que o grande inventor do estruturalismo não tinha sensibilidade para apreciar as energias históricas de países vira-latas como o Brasil. 

Você já disse que o funk carioca e o sertanejo eram “a nova Tropicália”. Esses dois estilos, no entanto, não utilizam referências como o Cinema Novo, a obra de Glauber Rocha ou um romance de José de Alencar. Como essas duas estéticas se encontram e criam similaridade?

Claro que era uma provocação. É como o escritor José Agrippino de Paula dizer, em 1966, que Chacrinha, o apresentador grosseiro de um programa de massas televisivo da segunda metade do século 20, era a maior personalidade teatral do Brasil. José Celso, aliás, dedicou sua montagem do Rei da Vela a esse apresentador. Que de fato era um fenômeno cultural e estético importante e fascinante. O funk carioca e as duplas sertanejas são importantes de fascinantes. Mas esses gêneros não são produzidos por artistas que citem cineastas ou escritores. Os grandes criadores do funk vêm das favelas; os sertanejos, das áreas rurais enriquecidas. Mas eles criam ritmos, melodias, frases e modos de comunicação com vastas plateias que por vezes são inventividade pura. Agora, se você quiser ouvir um músico jovem brasileiro capaz de citar filmes e livros (fazendo música caprichadíssima e sofisticada), ouça Thiago Amud. 

 *Guilherme Henrique é jornalista

conheça e apoie nossa campanha de financiamento coletivo


Artigos Relacionados


Edições Anteriores