Provocando uma reflexão da esquerda - Le Monde Diplomatique

POLÍTICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO E DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

Provocando uma reflexão da esquerda

por Renato Dagnino
novembro 3, 2017
compartilhar
visualização

A maioria das pessoas de esquerda que integram a comunidade de pesquisa não foi capaz de perceber que a dinâmica tecnocientífica global (ou das empresas globais) se encontra “contaminada” com os vírus da deterioração programada, da obsolescência planejada, do consumismo exacerbado e da degradação socioambiental

Ao contrário do que ocorre com outras políticas públicas, é ainda incipiente no âmbito da esquerda a discussão sobre as políticas cognitivas (de ciência, tecnologia e inovação, e de educação superior).

Dado que a retomada do desenvolvimento exigirá uma política cognitiva capaz de gerar o conhecimento necessário para produzir os bens e serviços que irão satisfazer as demandas materiais da maioria da população, é importante entender por que o recurso a ela dedicado está sendo cortado.

O atual governo golpista diz que o corte se deve a uma pretensa crise fiscal. A elite da comunidade (ou corporação) científica reage alegando que esse corte “compromete o futuro do país”. Com esse argumento, ela tenta reeditar o que ocorreu décadas atrás, quando a elite cívico-militar golpista foi convencida da importância da C&T para seu projeto Brasil Grande Potência, e pretende que a política cognitiva não seja afetada pelos cortes.

Até agora a política cognitiva foi hegemonicamente controlada pela elite científica, sem atentar que seu caráter público exige que ela atenda aos atores sociais que a possibilitam. Os que analisam essa política numa perspectiva de esquerda ficam numa situação delicada. É difícil não se somar às suas reclamações, mas também é impossível fazê-lo incondicionalmente.

Aquela alegação da elite científica já não convence os dirigentes políticos. Os de direita vêm há anos criticando sua postura autorreferenciada e declarando que o recurso que recebem não tem retorno para a “sociedade” (leia-se a empresa). E muitos da esquerda já haviam reduzido a previsão de gasto no nível federal, provavelmente em razão da percepção de que ele nem induzia à inovação empresarial que paradoxalmente perseguiram nem alavancava as políticas-fim atinentes ao seu projeto.

As forças políticas que articularam o golpe, afinadas com os “interesses globais”, optaram por um estilo de desenvolvimento que prescinde ainda mais do que o anterior das atividades de pesquisa e da formação de pessoal universitário custeadas pelo Estado. Elas serão agora mais “pragmáticas” e ainda mais afastadas dos desafios cognitivos que contêm as demandas materiais da maioria dos brasileiros, que paradoxalmente é quem as custeia com seu imposto.

O corte efetivado não reflete uma simples mudança quantitativa. Ele revela uma alteração qualitativa, que ocorre também nos países desenvolvidos, sobre como a política cognitiva deve ser orientada. O corte deve ser entendido como um “ponto de viragem” de uma “reação química” que vinha ocorrendo e que o golpe, atuando como “catalisador”, aqui deslocou num sentido coerente com o projeto neoliberal.

A elite científica pretende convencer os que podem usar seu poder político e econômico da importância do que ela faz e da necessidade de crescente recurso público para suas atividades de ensino e pesquisa.

O fato de enfatizarem a importância da ciência para o agronegócio, para a produção de combustíveis dos automóveis e dos aviões, do remédio para hipertensão etc. não é gratuito. Convencida de que o conhecimento para beneficiar a sociedade deve necessariamente passar pela empresa privada e aumentar seu lucro, essa elite quer chamar atenção para as oportunidades de negócio que é capaz de gerar.

Espelhando-se em seus pares “do Norte”, ela tem privilegiado uma agenda de ensino e pesquisa liderada pelas multinacionais. Em consequência, suas atividades têm sido orientadas para os assuntos que lá maximizam o lucro dessas empresas.

No entanto, nossa elite empresarial, que sabe melhor do que ninguém como ganhar dinheiro em economias periféricas, não tem se sensibilizado com o discurso da elite científica de que nos países desenvolvidos as empresas que fazem pesquisa são as mais exitosas.

Atentas como devem estar aos sinais do mercado, nossas empresas inovadoras preferem importar a tecnologia de que necessitam para oferecer aqui o que já era produzido no “Norte”. Dos 90 mil mestres e doutores formados entre 2006 e 2008 (anos de bonança econômica) para fazer pesquisa e desenvolvimento nas empresas, somente 68 foram por elas contratados.

O discurso usado pela elite científica para mostrar o que considera uma miopia dos políticos responsáveis pelo corte de recursos contém muitas outras imprecisões. A afirmação de que eles estariam contrariando o bom senso dos países desenvolvidos, que para enfrentar a crise financeira e fazer crescer sua economia teriam aumentado seu gasto em pesquisa, é uma delas. Mesmo que esses governos conhecessem alguma evidência empírica de que pesquisa gera crescimento e acreditassem numa relação de causalidade que pudesse manifestar-se a curto prazo, tendo, por isso, decidido aumentar seu gasto, é pouco provável que as empresas o fariam. Além do que todos sabemos que esses países “saíram” da crise por outra via: favorecendo ainda mais a financeirização e prejudicando os mais pobres.

Já a maioria das pessoas de esquerda que integram a comunidade de pesquisa não foi capaz de perceber que a dinâmica tecnocientífica global (ou das empresas globais) se encontra “contaminada” com os vírus da deterioração programada, da obsolescência planejada, do consumismo exacerbado e da degradação socioambiental.

As quatro normas de conduta – o cientificismo, o produtivismo, o inovacionismo e o empreendedorismo – que a elite impõe para que se possa acompanhar a dinâmica tecnocientífica enredou a própria maioria das esquerdas nesta área, que não percebeu que isso vem agravando a disfuncionalidade social de nossas instituições públicas de ensino e pesquisa. Foi se consolidando uma politics de alianças para a elaboração da policy que orienta sua ação, a qual exclui aqueles que, paradoxalmente, deseja incluir.

O compromisso com os pobres, que com seu imposto “bancam” sua entrega, se resumia a emular aquelas normativas e as agendas de ensino e pesquisa condicionadas pela dinâmica tecnocientífica global. Raramente se percebe que essas agendas expressam uma lógica estranha a seus propósitos, ao conjunto de nossa sociedade.

Essas pessoas de esquerda também não se deram conta de que esse comportamento as submetia àqueles que, segundo alega a elite científica, podem usar seu poder político e econômico para viabilizar suas atividades. Pior ainda, não perceberam que eles iriam preferir o golpe e o corte de recursos.

Tudo indica que, para inverter o sentido da “reação química” que os golpistas desencadearam, é necessário outro catalisador: uma autocrítica da comunidade de pesquisa, alavancada e liderada por seu segmento de esquerda, que conecte a política cognitiva com o processo de radicalização da democracia que se sucederá ao golpe.

*Renato Dagnino é professor titular do Departamento de Política Científica e Tecnológica da Unicamp e professor convidado em várias universidades latino-americanas.



Artigos Relacionados