Quais são as cidades mais frágeis do mundo? - Le Monde Diplomatique

RANKING

Quais são as cidades mais frágeis do mundo?

por Robert Muggah
novembro 9, 2017
compartilhar
visualização

No afã de preencher essa lacuna de conhecimento, o Instituto Igarapé, junto com a Universidade das Nações Unidas, o Fórum Econômico Mundial e uma rede de parceiros que inclui o Create Lab da universidade americana Carnegie Mellon, criou ferramentas para mapear as fragilidades de todas as cidades ao redor do mundo    POR ROBERT MUGGAH

Cidades são facas de dois gumes. Por um lado, são abertas, dinâmicas e cosmopolitas: são os motores econômicos do mundo, gerando 80% do PIB global e mais de 90% de todas as patentes. Por outro, concentram desamparo e desigualdade: são verdadeiros desastres climáticos, consumindo 75% de toda a energia produzida e produzindo 80% das emissões de CO2. O que é certo é que nossa sobrevivência depende de como as cidades do futuro serão planejadas.

Vivemos em um século urbano. Quando os Estados nacionais começaram a se consolidar no século XVII, menos de 1% da população mundial morava em cidades: hoje, esse montante gira em torno de 54%. Em razão da urbanização desmedida, as cidades estão crescendo tanto em quantidade como em tamanho. Cerca de dois terços da população mundial viverá em cidades até 2030 – e três quartos, até 2050. Essa expansão é desigual: em torno de 90% do crescimento urbano futuro ocorrerá em cidades de baixa renda da África e da Ásia.

Uma proporção considerável desse crescimento passará despercebida. Parte do surto populacional ocorrerá em áreas formais e informais de grandes aglomerações urbanas como Lagos (Nigéria), Nova Déli (Índia) e Cantão (China). Porém, a maior parte dessa expansão urbana consistirá de uma mudança mais sutil – embora não menos impactante – da população rural para cidades pequenas e médias. Os 3 milhões de novos habitantes das cidades por semana não moram em reluzentes arranha-céus, mas em comunidades negligenciadas das periferias.

A urbanização acelerada está criando tipos radicalmente novos de cidades que desafiam os padrões da geografia urbana. Modelos antigos e ocidentalizados de planejamento urbano não mais se aplicam. Considere a nova “supercidade” de 130 milhões de pessoas que une Pequim e Tianjin. Ou então a nova safra de “hipercidades” no mundo, como Jacarta ou Dongguan, que reúnem 20 milhões de residentes ou mais. E há ainda algo em torno de trinta “megacidades”, como Istambul, Paris, São Paulo ou Buenos Aires, com pelo menos 10 milhões de cidadãos. Um número crescente de cidades rivaliza com estados-nação em poder e influência.

As notícias não são muito positivas. Apenas uma minoria das cidades prospera e impulsiona o crescimento global. De acordo com a McKinsey, espera-se que 600 cidades gerem 60% de todo esse crescimento até 2025. Eis o problema: a vasta maioria das cidades está com dificuldades para acompanhar o ritmo – muitas ficam para trás, incapazes de atender às demandas de suas populações em expansão. Essas cidades não estão crescendo verticalmente, ficando mais “inteligentes” ou se beneficiando da nova economia digital. Muitas delas estão se urbanizando antes mesmo de se industrializar, fazendo com que os governos, infraestrutura e serviços tenham dificuldade em acompanhar o ritmo. O resultado é o surgimento de cidades mais desiguais, empobrecidas e frágeis.

Todas as cidades sofrem de fragilidade, mas algumas são mais frágeis que outras. Curiosamente, a despeito da importância das cidades à governança global, ao comércio e ao bem-estar socioeconômico, muito pouco é conhecido sobre elas. A maior parte das pesquisas foca nas cidades mais ricas da América do Norte, Europa Ocidental e do leste da Ásia. No afã de preencher essa lacuna de conhecimento, o Instituto Igarapé, junto com a Universidade das Nações Unidas, o Fórum Econômico Mundial e uma rede de parceiros que inclui o Create Lab da universidade americana Carnegie Mellon, criou ferramentas para mapear as fragilidades de todas as cidades ao redor do mundo.

A fragilidade se intensifica quando o pacto social da cidade – o acordo entre os líderes municipais e os residentes urbanos – é quebrado. De um ponto de vista prático, quando as cidades são incapazes de fornecer um mínimo de serviços públicos – lei e ordem, serviços básicos, segurança quanto a desastres naturais de curto e longo prazo – a fragilidade se aprofunda. Não é uma condição permanente – as cidades regularmente entram e saem da fragilidade – mas quando os riscos se acumulam, eles podem assoberbar as instituições da cidade. É claro que as cidades são ecossistemas complexos e diversos. Mesmo assim, é possível prever alguns parâmetros de fragilidade e os riscos de colapso das cidades.

A visualização de dados Cidades Frágeis mapeia a evolução da fragilidade de mais de 2.100 cidades com população de 250.000 habitantes ou mais. A plataforma se vale de 11 medidas da fragilidade urbana, incluindo o crescimento populacional, desigualdade de renda, desemprego, acesso a serviços, poluição, exposição a terrorismo, índices de homicídio e relatos de conflitos. A visualização mostra dados de 2000 a 2015, permitindo que os usuários explorem tendências recentes. Reconhecendo que análises preditivas devem sempre ser vistas com cautela, as pontuações de fragilidade também são previstas para todas as cidades (até o ano de 2030).

Essa visualização de dados revela que uma proporção surpreendentemente grande das cidades do mundo sofre de níveis de fragilidade acima da média. De acordo com o último ano registrado, 239 cidades exibiram pontuação de fragilidade “alta” ou “muito alta” (2,5 ou mais em uma escala de 5 pontos), mais ou menos 11% do total. Outras 346 cidades – 13% – registraram “fragilidade baixa” (0 a 2,4 em uma escala de 4 pontos). A maioria das cidades, 1.489 ou 71% do total – apresentou pontuação de “fragilidade média”.

O mais preocupante é que a fragilidade das cidades parece aumentar cada vez mais, especialmente em locais de renda baixa ou média. Essas tendências são mais evidentes na África do Norte e Central, no Oriente Médio e no centro, sul e sudeste asiático onde o número de cidades frágeis cresceu 26% entre 2000 e 2015. Mesmo assim, situações de média e alta renda também testemunharam uma intensificação da fragilidade – 7% e 14% respectivamente. É interessante notar que altos níveis de fragilidade não estão restritos a países afetados pela guerra, sendo mais abrangentes – incluindo países notadamente pacíficos.

Existem diversos motivadores da fragilidade das cidades que variam de região a região. Por exemplo, crescimento populacional acelerado, terrorismo, rede elétrica reduzida e poluição são riscos chave para fragilizar cidades do Oriente Médio e Ásia Central. Em contraste, nas cidades da África Central e Ocidental, desemprego crônico, cobertura elétrica falha e os conflitos são os fatores mais determinantes. Enquanto isso, na América Central e no Caribe, grandes índices de desigualdade, de desemprego, de homicídios e a grande exposição a desastres naturais fazem a diferença quanto à pontuação de suas cidades serem maiores ou menores.

Neste momento delicado quando instituições multilaterais e sistemas nacionais estão paralisados, as cidades e seus líderes são os novos visionários do século XXI. Eles têm direito a um lugar na mesa onde as decisões são tomadas. Felizmente, uma crescente rede de colaboração intercidades – há atualmente mais de 200 delas pelo mundo – estão redobrando seus esforços para facilitar o empoderamento das cidades. Enquanto isso, ferramentas que usam dados para registrar o pulso das cidades podem revelar a saúde das nações, ao mesmo tempo que fomentam o planejamento municipal.

Para enfrentar os grandes perigos deste século, prefeitos e planejadores urbanísticos precisam estar mais bem informados do que nunca. Melhorar a coleta e visualização de dados ajudará, mas são apenas o começo. As cidades não sobreviverão apenas ao se apoiar em estratégias preventivas. Elas precisam se tornar mais proativas, investindo em estratégias de adaptação e mitigação. Elas também precisarão de maior poder discricionário e da autoridade que lhes permita tomar medidas que reforcem sua resiliência. As autoridades urbanas também vão precisar trabalhar em coalizões intercidades para navegar pelas vindouras tempestades. Ao trabalharem juntos, as cidades podem amplificar suas vozes nos palcos nacional e global.

 

As cidades mais frágeis (2015)

Ranking Cidade País Índice de fragilidade
1 Mogadíscio Somália 3,7
2 Kismaayo Somália 3,7
3 Kunduz Afeganistão 3,67
4 Merca Somália 3,6
5 Ibb Iêmen 3,6
6 Ta’Izz Iêmen 3,6
7 Kabul Afeganistão 3,58
8 Aden Iêmen 3,5
9 Al-Mukalla Iêmen 3,5
10 Sana’A Iêmen 3,45
11 Al-Mawsil (Mosul) Iraque 3,36
12 Goma República Democrática do Congo 3,33
13 Bunia República Democrática do Congo 3,3
14 Baaqoobah Iraque 3,3
15 Faloojah Iraque 3,3
16 Hillah Iraque 3,3
17 Ramadi Iraque 3,3
18 Al-Hasakeh Síria 3,3
19 Al-Raqqah Síria 3,3
20 Al-Basrah (Basra) Iraque 3,27
21 Kandahar Afeganistão 3,25
22 Balkh Afeganistão 3,25
23 Al-Hudaydah Iêmen 3,22
24 Bujumbura Burundi 3,2
25 Bukavu República Democrática do Congo 3,2

 

As cidades menos frágeis (2015)

Ranking Cidade País Índice de fragilidade
2074 Nagoya Japão 1
2073 Sunderland Reino Unido 1,08
2072 Bergen Noruega 1,08
2071 St. Catharines-Niagara Canadá 1,08
2070 Windsor Canadá 1,08
2069 Oslo Noruega 1,15
2068 Oshawa Canadá 1,15
2067 Saskatoon Canadá 1,15
2066 Gatineau Canadá 1,15
2065 Hamilton Canadá 1,15
2064 Montreal Canadá 1,15
2063 Blackpool Reino Unido 1,17
2062 Birkenhead Reino Unido 1,17
2061 Bournemouth Reino Unido 1,17
2060 Niigata Japão 1,17
2059 Genova Itália 1,17
2058 Hanover Alemanha 1,17
2057 Dusseldorf Alemanha 1,17
2056 Vaughan Canadá 1,17
2055 Surrey Canadá 1,17
2054 Markham Canadá 1,17
2053 Laval Canadá 1,17
2052 Brampton Canadá 1,17
2051 Ottawa-Gatineau Canadá 1,17
2050 Graz Áustria 1,17

Fonte: Earth Timelapse e Cidades Frágeis (fragilecities.igarape.org.br). A base reúne dados de mais de 2 mil cidades com mais de 250 mil habitantes. O índice é construído a partir de 11 indicadores, entre os quais crescimento populacional, desemprego, desigualdade de renda, acesso a serviços básicos, taxa de homicídios, terrorismo, conflitos, nível de poluição e exposição a desastres naturais.

 

*Robert Muggah é diretor de Pesquisa do Instituto Igarapé. Ele proferiu duas conferências TED Global sobre o tema Cidades: em 2014, no Rio, e em 2017, em Nova York (https://www.ted.com/speakers/robert_muggah).



Artigos Relacionados


Edições Anteriores