“Raça” é sempre o outro - Le Monde Diplomatique

SER NEGRO NO BRASIL

“Raça” é sempre o outro

janeiro 10, 2017
compartilhar
visualização

Esse jogo hegemônico de opostos ainda pode parecer evidente num contexto de memória escravagista. Nunca se falou,  por exemplo, num “continente amarelo” (como se fala desde sempre num “continente negro”): a persistência classificatória do “negro” é um álibi para a coincidência histórica entre a África e o tráfico escravagistaMuniz Sodré

Em meados dos anos 1990, o conhecido sociólogo peruano Anibal Quijano sustentava que “a mais pungente questão que circula entre os intelectuais latino-americanos é a da identidade”. Não era, entretanto, uma questão que parecia interessar à intelectualidade brasileira da época, em geral convicta de que essa temática já tivesse sido por demais abordada no passado …

Conteúdo apenas para Assinantes



Artigos Relacionados


Edições Anteriores