O que está por trás da prisão dos 18 secundaristas no CCSP

O que está por trás da prisão dos 18 do CCSP?

por Henrique Santana
dezembro 14, 2017
compartilhar
visualização
O caso foi marcado por uma sequência de violações cometidas por agentes da segurança pública e ficou conhecido pela presença de um capitão do exército infiltrado no grupo

Dezoito jovens participam de mais uma audiência no Fórum Criminal da Barra Funda. Um ano depois de terem sido detidos por policiais militares, eles respondem na Justiça por participar de uma reunião antes de protesto contra o presidente Michel Temer.

O caso foi marcado por uma sequência de violações cometidas por agentes da segurança pública e ficou conhecido pela presença de um capitão do exército infiltrado no grupo.

Neste vídeo, produzido em parceria com a Revista Vaidapé, o Le Monde Diplomatique Brasil explica as controvérsias do acontecimento.

Para Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, foram encaminhados quatro questionamentos sobre o caso:

– A Secretaria tinha ciência da presença de um militar do exército infiltrado no grupo de manifestantes? Houve algum tipo de ação orquestrada com o exército?

– A Secretaria estava monitorando os jovens? Se sim, qual o critério?

– Qual foi o critério utilizado para realizar a detenção e sob quais suspeitas?

– Familiares e advogados relataram que os manifestantes detidos ficaram horas na delegacia isolados. Não foi permitida a entrada de advogados ou dos familiares e os jovens foram interrogados sem a presença de advogados. Como a Secretaria se posiciona frente a esta acusação?

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo respondeu ao repórter depois do fechamento da matéria com o envio da seguinte nota:

A Polícia Militar de São Paulo nega a existência de uma operação conjunta na ocasião citada pela reportagem. A PM desconhece qualquer ação de inteligência que tenha sido realizada por outro órgão de segurança. Sobre a presença de um suposto militar do Exército Brasileiro, a corporação esclarece que a pessoa foi abordada e liberada, pois não foram encontrados indícios de seu envolvimento em ações ilícitas. Com esse indivíduo não foi encontrado nenhum material, sendo certo também que não se enquadrava no mesmo perfil daqueles que portavam os objetos apreendidos. Dessa forma, ele foi abordado, mas não detido.  

O Deic informa que todos os detidos apresentados no departamento foram qualificados no boletim de ocorrência. Os 18 maiores foram indiciados por ‘associação criminosa’, ‘formação de quadrilha ou bando’ e ‘corrupção de menores’ e encaminhados para audiência de custódia. Também houve o registro de ato infracional por formação de quadrilha ou bando e receptação para cinco menores. Os menores foram ouvidos pela polícia acompanhados dos responsáveis e encaminhados à Vara da Infância e Juventude

Apoie o Le Monde Diplomatique: https://www.catarse.me/apoieodiplo



Artigos Relacionados


Edições Anteriores