diplomatique, Autor em Le Monde Diplomatique - Página 2 de 5

Miscelânea

A CRISE DO VALOR DE TROCA Robert Kurz, Consequência   O público brasileiro ganha tradução inédita de um texto fundador da crítica do valor (wertkritik), assinado por aquele que foi seu principal expoente, Robert Kurz. O ensaio A crise do valor de troca foi publicado originalmente em 1986 no primeiro número da revista Marxistische Kritik …

por em

Colabore e escolha a sua ilustração exclusiva impressa fine arts

Capa da dição de outubro de 2018 por Victor Flynn   Capa da edição de novembro de 2015 por Alarcão Capa da edição de janeiro de 2018 por Flavia Bonfim Capa da edição de março de 2018 por Victor Flynn

por em

Estratégia europeia para a esquerda

Um fantasma assombra a esquerda: a Europa. Ele assombrará os “coletes amarelos” a partir do momento em que eles se colocarem concretamente a questão das políticas alternativas – o que, de fato, já é o caso. É que toda a ideia de fazer “outra coisa” está condenada a se chocar com o muro dos tratados. …

por em

Viagem nas falsas verdades

Bernard-Henri Lévy Colunista do Le Point, Bernard-Henri Lévy iguala todos aqueles que lhe desagradam – a lista é infinita – a nazistas.1 Em dezembro de 2010, feliz demais para checar o fato, ele confundiu o jornalista do Le Monde Diplomatique Bernard Cassen com o panfletário antimuçulmano de extrema direita Pierre Cassen. O semanário recusou a …

por em

A filosofia do desprezo

“Je vous hais, compris?”:1 um dos slogans escritos com caneta hidrográfica em muitos coletes amarelos condensa em uma fórmula a atitude de Emmanuel Macron e a célebre frase do general De Gaulle, modelo exemplar do discurso duplo dos políticos. Para além das múltiplas reivindicações sociais e fiscais dos “coletes amarelos”, se há uma constante, é …

por em

Revoltas na periferia da Europa

A Sérvia está oferecendo a si mesma uma nova primavera no inverno. Como em 1996-1997, quando dezenas de milhares de cidadãos protestaram contra o regime de Slobodan Milošević, os cortejos serpenteiam pelas ruas de Belgrado todos os sábados. Surgido em 8 de dezembro de 2018, o protesto contra a política autoritária e antissocial do presidente …

por em

Na Índia, os “bons dias” vão ter de esperar

Enquanto o Bharatiya Janata Party (BJP), o partido nacionalista hindu no poder, busca renovar suas chances nas urnas na primavera, as ruas não esperaram: em 8 e 9 de janeiro, em toda a Índia, entre 150 milhões e 200 milhões de pessoas deixaram o trabalho para sobrecarregar as cidades com sua cólera. Ônibus nas garagens, …

por em

Políticas da morte e seus fantasmas

[…] os que sabem o que aqui se passou devem dar lugar àqueles que pouco sabem, ou menos que pouco. E por fim nada mais que nada […] Wisława Szymborska, “Fim e começo”, Poemas, Companhia das Letras. São Paulo, 2011.   O esquecimento, como nos diz o poema de Szymborska, é matéria não apenas do …

por em

O pacote de Moro nasce velho

Já havia anoitecido quando Jhonata Alves, de 16 anos, saiu da casa do tio, no Morro do Borel, na Tijuca, para voltar para a Usina, na zona norte carioca, onde vivia com a mãe e os quatro irmãos. Ele fora buscar saquinhos de pipoca para a festa junina da creche do caçula, que aconteceria no …

por em

O que quer a oposição na Venezuela?

Poderia o inimaginável ter ocorrido na Venezuela? Uma oposição paralisada pelos ressentimentos e pelas divergências estratégicas parece ter conseguido se unir. A ideia de que a reeleição do presidente Nicolás Maduro em maio de 2018 carecia de legitimidade ajudou a construir pontes para além dos antagonismos que até então pareciam intransponíveis. Majoritariamente antimaduristas, os deputados …

por em

A sombria carreira do enviado especial norte-americano à Venezuela

O anúncio pelo secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, da nomeação do neoconservador Elliott Abrams ao posto de enviado especial à Venezuela, no dia 25 de janeiro de 2019, não passou despercebido. A imprensa interpretou a decisão de confiar a esse homem a missão de trabalhar para a destituição do presidente Nicolás Maduro como uma …

por em

Retrato do intelectual como soldado

Diante de uma tela, um soldado pilota um drone. A milhares de quilômetros do centro de controle, ele abre fogo contra pessoas no solo. Essa cena agora comum acontece no Iraque, no Iêmen e na África como parte da luta contra a Al-Qaeda no Magreb islâmico e contra o Boko Haram. Como identificar o inimigo? …

por em

A repressão contra os uigures no controlado mundo do “sonho chinês”

O que está acontecendo no Xinjiang, no extremo oeste da China? Em setembro de 2018, a organização Human Rights Watch alertou sobre violações dos direitos humanos de uma amplitude sem precedentes contra os uigures – população turcófona e muçulmana –, e também contra cazaques, uzbeques etc.1 As autoridades chinesas negam e falam em combate ao …

por em

Somente para meus olhos

A subordinação dos militares ao poder civil é unanimidade nos estudos acadêmicos sobre relacionamento civil-militar em regimes democráticos. Não há democracia sólida se os militares não aceitarem e serem comandados de fato por um poder civil. A lógica é que as instituições civis, ao representarem o desejo popular, definem a política a ser seguida. Aos …

por em

Notas para entender os militares brasileiros na atualidade

Historicamente, a América Latina tem se caracterizado por ser uma região onde as relações civis-militares se desenvolveram de forma bastante atribulada. No caso da experiência brasileira, maior país e economia deste espaço geográfico, isso não foi diferente, particularmente no período republicano, nascido sob o signo da espada ainda no século XIX. Foi a partir da …

por em

A guerra contra os diferentes

Como entender e superar esta polarização e violência que marcam nossa convivência como brasileiros e brasileiras nos dias de hoje? O primeiro passo é olhar para a situação real. Pelo lado do cidadão e da cidadã comuns, o que todos sentem na pele é o desemprego, a precarização do trabalho e das condições de vida, …

por em

Chegar ao fundo do poço… e continuar cavando?

“O pior ainda não aconteceu a ponto de podermos dizer: isto é o pior.” Nos dias que correm, a diplomacia francesa lembra esse verso de Rei Lear. No fim do quinquênio de François Hollande, acreditávamos ter chegado ao fundo do poço;1 alguns previam mesmo um arroubo de orgulho. Afinal, como os Estados Unidos exibiam seu …

por em

Por uma “Primavera Europeia” em maio

A crise financeira planetária de 2008 – a de 1929 de nossa geração – desencadeou uma reação em cadeia em toda a Europa. Em 2010, ela já tinha destruído os alicerces da zona do euro, levando os membros do establishment a transgredir suas próprias regras a fim de salvar os investimentos de seus amigos banqueiros. …

por em

A justiça transfigurada pelas vítimas

Por muito tempo, as vítimas e seu sofrimento foram negligenciados por uma justiça que tinha por objetivo prioritário sancionar o criminoso e proteger a sociedade. Progressivamente, elas viram seus direitos serem reconhecidos e o surgimento de um estatuto, o que tornou possível, em muitos casos, uma reparação mais justa do dano sofrido. Os movimentos feministas …

por em

Rio 2065, uma distopia não muito distante

O diretor teatral e dramaturgo Ivan Sugahara é preciso quando comenta o contexto atual: “O futuro que conseguimos imaginar agora é bem diferente do futuro que imaginamos há cinco anos. E ele não é dos melhores.” Com esta visão, uma semana após as últimas eleições, a premiada companhia de teatro Os Dezequilibrados iniciou os ensaios …

por em

Guilhotina #11 – Henrique Carneiro

O que está por trás da proibição de certas drogas e do estímulo ao consumo de outras? Uma dica: não são critérios sanitários ou científicos… Neste episódio, Bianca Pyl, Cristiano Navarro, Luís Brasilino e Taís Ilhéu conversam com o professor de História da USP, Henrique Carneiro, autor do livro “Drogas: a história do proibicionismo” (http://bit.ly/proibicionismo). …

por em

Uma reforma iníqua

Talvez fosse uma esperança vã imaginar que operadores do mercado financeiro do quilate dos que hoje comandam a economia brasileira seriam capazes de pensar políticas sociais que, de fato, contribuíssem para a redução da desigualdade, ou pelo menos, para não agravá-la. A reforma da Previdência, necessária por conta da transição demográfica e, por que não …

por em

Adoniran e o não-lugar de fala

Vamos armoçar Sentados na calçada Conversar sobre isso e aquilo Coisas que nois não entende nada [Adoniran – Torresmo à milanesa] Ano passado assisti o documentário Adoniran – Meu nome é João Rubinato e muita coisa ficou na memória. Adoniran passou sérias privações ao longo da vida e chegou ao fim com uma ponta de …

por em

É a Ciência e Tecnologia, estúpido

A frase “The economy, stupid” ficou famosa em 1992, quando James Carville, estrategista da campanha de Bill Clinton, defendeu a importância da economia para a campanha presidencial. Este pensamento permanece importantíssimo nos dias de hoje. A despeito do debate do choque liberal proposto pelo próximo ministro da economia, nos quais possui defensores e críticos dentro …

por em

Perguntas sem repostas: a guerra no Iraque e a possível guerra na Venezuela

A Guerra no Iraque, iniciada em 2003, foi precedida por uma intensa campanha midiática mundial. Os principais argumentos foram: 1) Saddam Hussein era um ditador que oprimia seu povo; 2) possuía armas de destruição em massa; 3) apoiava a Al-quaeda. Assim, o objetivo declarado do governo de Georg W. Bush para desencadear a guerra foi …

por em

Guilhotina #10 – Thiago B. Mendonça

Uma conversa sobre cinema político e independente com Thiago B. Mendonça, cujo primeiro longa-metragem de ficção, Jovens infelizes ou um homem que grita não é um urso que dança (trailer: https://vimeo.com/151105316), esteve em cartaz nos cinemas no início deste ano. Em pauta, os sentidos do cinema político, a arte que incomoda, a paixão por um …

por em

A intencional discrição do homem de Chicago

Fazendo jus ao frio mais-que-polar de sua Chicago, Paulo Guedes parece ter preferido hibernar nos primeiros 45 dias como superministro da Economia. Falou menos do que de hábito e, do que fez, pouco se sabe. Nos raros momentos em que botou a cara para fora, como em Davos, Guedes falou para os seus nada além …

por em

Guilhotina #09 – Marcia Tiburi

Neste episódio, Luís Brasilino, Cristiano Navarro, Bianca Pyl e Ligia Ximenes conversam com a filósofa Marcia Tiburi sobre seus dois últimos livros, o romance distópico “Sob os pés, meu corpo inteiro” e o ensaio “Feminismo em comum: para todas, todes e todos”. Em debate, o cotidiano cada vez mais distópico do fascismo à brasileira, suas …

por em

Nicarágua: o autoritarismo escancarado

Ao chegar em Manágua, no início de julho de 2018, a Rotonda Jean Paul Genie estava repleta de cruzes de madeira que resistiam à ação do tempo e dos apoiadores do governo de Daniel Ortega desde que foram simbolicamente colocadas no local. No dia 21 de abril, manifestantes revoltados com a repressão empregada pelo governo …

por em

Quem quer ser herói?

“Não sou nenhum herói”, a frase pronunciada pelo capitão Gregório De Falco, logo após o acidente com o navio Costa Concordia na Itália em janeiro de 2012, gerou muita polêmica. De Falco, chefe da Capitania de Portos de Livorno, protagonizou uma discussão acalorada sobre ética e responsabilidade com Francesco Schettino, comandante do navio que estava …

por em

Quão obscurantista é o emplasto filosófico de Olavo de Carvalho?

Dimitrius Dantas, do jornal O Globo, convidou a mim e a dois colegas, Maria de Lourdes Borges, da UFSC, e Maurício Keinert, da USP, para assistirmos a uma das aulas de Olavo de Carvalho e darmos nossa opinião. A matéria, publicada no dia 10 de Fevereiro, ficou interessante e gerou alguma polêmica[1], chegando até mesmo …

por em

Vale: uma empresa financeirizada

A Vale é uma empresa bastante internacionalizada,[1] embora com uma estrutura produtiva pouco diversificada e concentrada em atividades extrativas, de metalurgia, energia e logística. Sua estrutura proprietária, desde a privatização em maio de 1997, foi pulverizada entre investidores institucionais, sobretudo estrangeiros.[2] A estrutura proprietária tem condicionado a adoção de uma estratégia corporativa financeirizada e de …

por em

Intelectuais de internet chegam ao poder: a luta de classes do saber

Dizendo proteger a democracia ao suprimir o comunismo da sociedade, formam-se cruzadas que, ironicamente, suprimem a democracia – ao tolher o dissenso e a liberdade de expressão. Grupos organizados atuam em universidades e escolas para vigiar e denunciar supostos comunistas, sem provas, listando nominalmente professores e acusando-os de doutrinar e seduzir estudantes. Comitês governamentais são …

por em

O velho Atlântico e o novo ouro negro

A energia produzida em alto mar tem sido um componente cada vez mais importante para a indústria mundial de petróleo e gás. Os recursos e projetos offshore têm se consolidado como uma das principais fronteiras de expansão da economia dos hidrocarbonetos neste início do século XXI, desaguando em uma importante transformação: o oceano Atlântico com …

por em

Ladeira abaixo

Entre as grandes instituições multilaterais, financeiras e a mídia especializada, está formado o consenso de que a economia global não escapa de uma desaceleração a partir deste ano; de acordo com alguns indicadores parciais, ela já começou. A dúvida que persiste diz respeito à sua profundidade e à possiblidade de se converter numa recessão ou …

por em

Pulp fiction: tempos de Bolsonaro

Pulp: revista ou livro sensacionalista, que é geralmente publicado e impresso em material de segunda classe. Nada melhor para falar do governo Bolsonaro e de seus personagens do que o termo pulp. Na película de Quentin Tarantino, dois gângsteres estão indo recuperar uma maleta de um sócio que contrariou o chefe do grupo. Enquanto Jules …

por em

Miscelânea

ROSA LUXEMBURGO: CRISE E REVOLUÇÃO Rosa Rosa Gomes, Ateliê Editorial Rosa Rosa Gomes não só fez um estudo inédito em arquivos, como também relacionou os debates do Partido Social-Democrata alemão com a formação do pensamento econômico de Rosa Luxemburgo por meio da leitura de seus manuscritos. A primeira contribuição da autora consiste em religar o …

por em

As receitas da Netflix

A história começa por uma proeza tecnológica: tratava-se, inicialmente, de um xeque-mate ao download ilegal. A Netflix então concebeu uma interface com uma fluidez extraordinária. Em todos os lugares, o tempo inteiro, a resolução de uma imagem se adapta à velocidade de conexão de um número exponencial de usuários. A Netflix realiza essa “extensibilidade” (scalability) …

por em

A Tanzânia aposta na China

Em algum lugar na costa da Tanzânia, três pescadores originários de Cantão (Guangzhou, China) descansam à sombra de uma árvore curtindo cigarros Safari. As volutas de fumaça sobem lentamente. Poder-se-ia acreditar em uma representação chinesa de Esperando Godot às margens do Oceano Índico. Até que punhos vingativos se estendem para o céu azul: o nome …

por em

O grande retorno do trem à África Oriental

Dar es Salaam, Tanzânia, 12 de outubro de 2018. Com um orgulho não dissimulado, o ministro dos Transportes, Isack Aloyce Kamwelwe, recita um por um todos os quilômetros de vias férreas em construção em seu país. Com a ajuda de mapas projetados em uma tela e gráficos coloridos, ele descreve detalhadamente o traçado das futuras …

por em

Resistência camponesa ao confisco de terras

Em abril de 2017, a vila de Dong Tam, na periferia de Hanói, foi palco de uma notícia surpreendente. Centenas de camponeses, que havia meses protestavam contra a expropriação de suas terras para a realização de um projeto imobiliário, atreveram-se a sequestrar por mais de uma semana 38 policiais que foram executar o despejo. Em …

por em

Israel perde o apoio dos judeus norte-americanos

A lista de convidados na inauguração da nova embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém, em 14 de maio de 2018, era surpreendente. Ao lado do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, estavam os pastores evangélicos John Hagee e Robert Jeffress. Hagee considera que Adolf Hitler foi o “braço armado de Deus”;1 Jeffress acredita que todos os judeus …

por em

Um pouco de bom senso, por Dios!

A história nos ensina que no início das maiores tragédias havia ignorância. Ai Weiwei   A burrice no poder tende não só a se perpetuar, como também nela se afundar. A quantidade de tragédias que promove exigiria tamanha confissão de incompetência que assumir a burrice seria demasiado penoso. “Uma vez que uma política foi adotada …

por em

Brexit de esquerda, um caminho bastante estreito

“Eu amo Corbyn / Eu odeio o Brexit.” Há alguns meses, esse slogan adorna camisetas de alguns ativistas trabalhistas. Ele ilustra o paradoxo com que o Brexit confronta a esquerda britânica. Desde que Jeremy Corbyn assumiu as rédeas em 2015, o Partido Trabalhista retomou projetos que negligenciara havia muito tempo: renacionalizar os serviços públicos dilapidados …

por em

A violência como forma de governo

  Em 15 de janeiro de 2019, o presidente recém-empossado Jair Bolsonaro, em uma de suas primeiras medidas de ampla repercussão nacional, assinou o decreto que “facilita” a posse de armas. Promessa de campanha. Confere forma legal e estatuto de política de governo a algo que vem do fundo de nossa história, reconhecendo aos ditos …

por em

Os ideólogos de Jair Bolsonaro

Quando Jair Bolsonaro se apresentou como pré-candidato às eleições presidenciais de 2018, a maior parte dos analistas políticos não tinha dúvidas de que ele jamais seria eleito. Seriam determinantes para seu fracasso a falta de tempo na televisão, a ausência de estrutura partidária, os escassos recursos materiais para levar a cabo sua campanha e o …

por em

O que querem os militares brasileiros?

Em 28 de outubro de 2018, o ex-capitão de artilharia Jair Bolsonaro venceu o segundo turno da eleição presidencial brasileira com 55% dos votos. Na mesma noite, milhares de pessoas saíram às ruas para celebrar “o retorno dos militares ao poder”. Em Niterói, no Rio de Janeiro, um comboio de soldados foi aclamado por apoiadores …

por em

Não é possível ser internacionalista sem ser anti-imperialista

O nacionalismo é hoje o vocabulário de uma extrema direita neofascista em inúmeros países. “Brasil acima de tudo” foi um dos slogans que levaram Bolsonaro à vitória eleitoral. Esse discurso tem uma história. O nacionalismo é a ideologia do Estado-nação. Ela nos remete a uma tradição ideológica que nasceu com a Revolução Francesa. Conquistou peso …

por em

A santíssima trindade: nação, Deus e os inimigos disso daí

Jair Bolsonaro pavimentou a vitória ao vincular sua candidatura ao que seriam os interesses maiores da nação. Sem propostas claras de governo, bancou uma ousada disputa ideológica. Tocou fundo em aspectos afetivos, históricos e identitários da população. Aliás, não apenas ele, mas a extrema direita brasileira agiu com competência ao valer-se de uma estética nacionalista …

por em

Quem tem medo dos referendos?

Desde o início do século XX, o desejo de incentivar a iniciativa cidadã inspirou vários dispositivos. Estes permitem aos eleitores impor às instituições a realização de um debate, o questionamento de uma lei, a análise de um problema ou a organização de uma votação. Assim, em teoria, os cidadãos podem contribuir para definir a ordem …

por em

A casta que manda na França

Entre o resultado de Emmanuel Macron no primeiro turno da eleição presidencial, em 7 de maio de 2017, e o resultado do movimento La République en Marche (LRM) no primeiro turno das eleições legislativas, em 11 de junho do ano seguinte, houve uma erosão de mais de 2 milhões de votos. Além dessa mudança de …

por em

Das violências policiais às violências judiciárias

Em uma visita à cidade de Carcassonne, em 15 de janeiro de 2019, Christophe Castaner desempenhou seu papel de ministro do Interior: “Não conheço nenhum policial, nenhum integrante das Forças Armadas que atacou os ‘coletes amarelos’; por outro lado, conheço policiais e integrantes das Forças Armadas que utilizam meios de defesa”. A frase arrancou uma …

por em

Luta de classes na França

O medo. Não o de perder uma eleição, fracassar em “reformar” ou ver derreter seus ativos no mercado de ações, mas sim da insurreição, da revolta, da destituição. Há meio século, as elites francesas não tinham mais experimentado um sentimento como esse. No sábado, 1º de dezembro de 2018, ele de repente congelou algumas consciências. …

por em

Roteiro da resistência

Vivemos um momento de rupturas. Não se trata apenas de uma mudança de governo; é uma mudança no regime político e talvez a abertura de um novo ciclo histórico. O capitalismo global, dominado pelas instituições financeiras, fortalece as direitas autoritárias em todo o mundo e impõe um novo padrão predatório de exploração dos trabalhadores e …

por em

Longo caminho rumo à dignidade

Pensar o universal e transformá-lo em direito: é com essas poucas palavras que podemos tentar descrever o imenso objetivo daqueles que, logo após a Segunda Guerra Mundial, conceberam a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Seria necessário algum tempo para que os princípios oriundos de uma visão religiosa e filosófica do mundo abrissem caminho até o …

por em

Venezuela na encruzilhada

No dia 23 de janeiro de 2019, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país diante de uma multidão que lotava as ruas de Caracas e se mobilizava contra Nicolás Maduro – presidente eleito em 2018, escolhido por Hugo Chávez como seu sucessor quando já adoecia em função …

por em

As cores do ódio

Vende-se ódio em todas as cores e tamanhos. Ódios crônicos vendidos a granel nos balcões políticos das cidades. Ódios baratos, a preços módicos, oferecidos em voz alta pelas esquinas das ruas. É muito fácil comprá-los. Difícil é escolher os padrões. São tantas as variações que os compradores se mostram desorientados. Já vi ódio recém-nascido, ainda …

por em

O inesgotável febeapá do governo Bolsonaro

Na década de 60, quando ainda vivíamos sob o jugo de uma feroz ditadura, parte de nossa intelectualidade combatia o regime com as armas do humor e do deboche. O teatro, a música e o cinema floresciam como nunca. Nos palcos, peças como “Liberdade, liberdade” (Millôr Fernandes, dir. Flávio Rangel) e “O rei da vela” …

por em

Quem tem medo dos coletes amarelos?

É impossível prever o destino dos coletes amarelos. De partido competitivo em meio ao desgaste das forças políticas tradicionais ao esquecimento repentino, as possibilidades são numerosas para esse movimento que de novembro a janeiro, pelo menos, vem bloqueando estradas e promovendo manifestações suntuosas na maioria das cidades francesas. O que parece claro é que de …

por em

Um governo escargot para uma esquerda caviar

As eleições de 2018 para a presidência do país movimentou as posições político-ideológicas dos diversos partidos. Não foram poucos os que tentaram se desvencilhar dos termos “direita” e “esquerda”. Partidos, reconhecidamente, de direita como o MDB (Movimento Democrático Brasileiro), DEM (Democratas) e PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) buscaram rejeitar seu posicionamento ideológico, na medida …

por em

O governo Bolsonaro e o anticonstitucionalismo contra os povos indígenas

Desde o período pré-eleitoral, a temática indígena tem sido pautada recorrentemente pelo agora presidente Jair Bolsonaro. Mantendo um tom agressivo contra os povos e os direitos indígenas, especialmente quanto às suas terras, Bolsonaro arrebanhou o apoio generalizado dos setores político-econômico vinculados aos interesses do agronegócio, da mineração, da infraestrutura. Sentindo-se legitimado pelas urnas, o presidente …

por em

O solo fértil do ódio

Em 16 de fevereiro de 2017, recebi um convite da Revista Plural, da pós-graduação em Sociologia da Universidade de São Paulo, para escrever um artigo para um número temático sobre a nova direita do Brasil. A ideia, me disse um dos editores, era que eu contribuísse para o dossiê utilizando algumas das técnicas digitais de …

por em

Agronegócio e mídia brasileira: onde duas monoculturas se conectam

Em letras garrafais, o prefixo “Agro” ocupa espaço em um conjunto de peças publicitárias exibidas há cerca de dois anos na emissora de maior audiência do país, a Rede Globo, exaltando principalmente produtos voltados para exportação e a produção agrícola em massa. Em uma dessas propagandas, a voz de um narrador introduz o vídeo com …

por em

A Extinção do Consea Nacional e seu impacto nos conselhos estaduais e municipais

O Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), um espaço conquistado pela sociedade brasileira e referência internacional no combate à pobreza e a fome e defensor do direito à alimentação adequada e saudável, foi extinto no primeiro dia de janeiro de 2019, por meio da Medida Provisória nº 870/2019, editada pelo presidente da República. …

por em

Como matar uma cidade

Em um bairro tomado pela gentrificação, o lugar mais anódino pode de repente surgir como uma curiosidade, até como um foco de resistência. Na Freret Street, em New Orleans, esse papel é de uma barbearia. Inaugurada em 1974, época em que um visitante branco que se visse perdido nessa rua trataria de dar no pé …

por em

A teologia do management

Uma vez diplomado, em 2016, na Grenoble École de Management (GEM) [Escola de Administração de Grenoble], uma renomada escola de negócios e administração francesa, Étienne Badaroux, de 25 anos, partiu em uma viagem pelos Bálcãs com colegas de classe a bordo de um velho furgão Peugeot, modelo J5. Ao voltar para a França, depois de …

por em

A violência do Estado brasileiro

Estado e governo são aparatos distintos de poder. O Estado em sentido estrito se faz representar para os cidadãos por meio das suas instituições. Os governos atuam no comando político das instituições públicas de forma direta, por intermédio de seus gestores na operacionalização das políticas. No Brasil há uma percepção da sociedade de que o …

por em

A torturante função da educação na década de 1970

Para os que nascemos no início da década de 1970, a depender de onde nossos pais, professores e padres estavam situados na cadeia alimentar do capital ou contra ele, entender que se vivia a ditadura militar não era tão rápido, tampouco simples. Sendo filhos de trabalhadores que viveram a transição do rural para o urbano, …

por em

Cosmismo, uma velha ideia russa para o século XXI

Em Moscou, no meio deste ano, o Centro Pan-Russo de Exposições (antigo Parque de Exposição das Realizações da Economia Nacional, VDNKh) recuperou a aura de grande atração turística de que gozara durante a era de ouro soviética. Vitrine do orgulho nacional, o parque é um lugar crucial de representação do poder russo. Construído em 1934, …

por em

A fibra do diabo

O amianto já foi proibido em mais de 65 países industrializados, em todos os continentes, em todas as suas formas. No Brasil, no entanto, o mineral continua sendo explorado em Goiás e exportado. O país é o terceiro maior produtor mundial da fibra cancerígena. Na Antiguidade, o homem misturava o amianto ao barro para tornar …

por em

A cilada da violência

As belas paisagens de Fortaleza se misturaram nos últimos dias com imagens da violência urbana. As chamadas facções geraram uma onda de atentados pelo estado do Ceará que trouxeram insegurança à população, uma resposta às declarações do endurecimento na política carcerária, principalmente a não existência mais do regime de uma facção por presídio. Atuam no …

por em

Retardocracia

Quando assistimos a um discurso de posse, sobretudo quando se trata de um presidente da República, esperamos que, em linhas gerais, haja uma breve exposição daquilo que a pessoa eleita se propõe a fazer em quatro anos. O povo espera soluções, alternativas e propostas para cultura, educação, saúde, economia, transporte, dentre outros aspectos imprescindíveis. De …

por em

Na origem do ódio ao imposto

“Chega de impostos”, “Macron Tio Patinhas”, “Ir trabalhar se tornou um luxo”, “Direita, esquerda = impostos”, “Basta de extorsão, a revolta do povo poderoso levará à revolução”… A variedade de slogans gritados durante as manifestações dos “coletes amarelos” (motoristas de carro) que bloquearam os principais eixos de circulação de veículos da França para protestar contra …

por em

Firehosing: por que fatos não vão chegar aos bolsonaristas

No fim de novembro, as visualizações do vídeo “Por que mentiras óbvias geram ótima propaganda”, do site Vox, passaram de 1 milhão. Baseando-se no artigo “The Russian ‘Firehose of Falsehood’ Propaganda Model” (2016), do think tanknorte-americano Rand Corporation, a peça aponta quatro aspectos principais da propaganda russa: 1) alto volume de conteúdo; 2) produção rápida, contínua …

por em

E agora? Em defesa da Universidade Pública

Este artigo é uma tentativa de defesa da universidade pública, gratuita, laica e de qualidade. Ao afirmar isso, é importante até localizar a expressão em termos históricos. Embora cada adjetivo acima tenha uma história que pode ser remetida aos próprios primórdios da educação institucionalizada, dois momentos históricos necessitam ser localizados como base da conhecida expressão. …

por em

Extinção do Consea: comida de verdade e cidadania golpeadas

Em seu primeiro dia de governo, o presidente Jair Bolsonaro editou a Medida Provisória 870, que altera as atribuições e a estrutura dos ministérios e dos órgãos ligados à Presidência da República. A MP entrou em vigor imediatamente após sua publicação no Diário Oficial da União, mas será submetida à votação no Congresso Nacional. Por …

por em

Brasil: o desenvolvimento interditado

O reconhecimento da importância da atividade de pesquisa e desenvolvimento (P&D) e da inovação para o desenvolvimento é um dos raros consensos em economia. Embora haja discordância a respeito dos fatores que determinam o nível de P&D em cada país, há evidências robustas a respeito do impacto positivo da intensidade de pesquisa (P&D em relação …

por em

Inteligência Artificial – riscos e oportunidades

Inovação, desafios, complexidades e perplexidades têm norteado, com relevante frequência, os debates sobre Inteligência Artificial (IA) no novo mundo das organizações e no universo da sociedade, nos últimos anos. Nessas oportunidades, executivos, gerentes, profissionais de administração, estudantes (dos cursos técnicos em nível médio e, não raro, estudantes de colégios em nível fundamental), além dos interessados …

por em

Sobre Damares Alves, o bode expiatório de Bolsonaro

A ideologia machista e misógina, que o movimento feminista e o público mais consciente vêm combatendo ao longo da história, foi elevada ao patamar de bandeira na gestão do presidente Jair Bolsonaro.  Seu ministério tem apenas três mulheres. Uma delas, a ministra Damares Alves, tornou-se o bode expiatório do Planalto, a mais achincalhada entre todos …

por em

A proteção dos direitos de crianças e adolescentes em contexto de obras de grande impacto

Na maioria das obras e empreendimentos realizados ou em execução no Brasil, os impactos sociais às condições de vida e aos direitos de crianças e adolescentes é ainda uma questão invisível ou pouco considerada. Dois contextos distintos, a construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte, em Altamira (PA), e o rompimento da barragem de rejeitos da …

por em

Trouxeste a chave?

Encontramos um Drummond na parede úmida da casa. A princípio pensamos ser um homem qualquer, desses que aparecem pichados nas paredes dos prédios, mas quando minha amiga contornou a cabeça calva com óculos de grau, a espinha cuidadosamente empinada e as pernas finas do Carlos gauche, a interpretação foi unânime: é o poeta. Veio do …

por em

Crise do fujimorismo e a instabilidade dos poderes no Peru

O presidente peruano Martín Vizcarra estava no Brasil para a posse de Jair Bolsonaro quando decidiu retornar às pressas devido a mudanças ocorridas no interior da investigação Lava-Jato – operação derivada do processo brasileiro e que também envolve importantes lideranças políticas. A decisão do Fiscal Geral da nação de afastar dois promotores – decisão revogada …

por em

China: Qual o paradigma moderno? “Sinomics” ou o “Socialismo de Mercado”?

Artigo recente publicado na agência Xinhua (1), assinado por Zheng Xin e Wang Xiuqiong chama a atenção a um tema/questão cada vez mais recorrente entre os economistas, sobretudo heterodoxos: dado o longevo, robusto e resiliente crescimento econômico por quase quatro décadas, o caso chinês já pode ser considerado como um paradigma, nomeado, conforme os autores …

por em

MISCELÂNEA

<LIVROS>   SUPER-HOMEM E O ROMANTISMO DE AÇO Rogério de Campos, Veneta Em 2018, o Super-Homem completou 80 repetitivos anos como o famoso valentão de cueca por cima das calças que está sempre disposto a restabelecer a ordem entre os terráqueos, descendo a porrada em criminosos e inimigos da liberdade. Lançado de maneira despretensiosa pela …

por em

Gal Costa: “Gosto de me jogar em abismos e experimentar coisas novas”

São poucos os artistas que podem se dar ao luxo de ter em um mesmo álbum músicas inéditas de compositores como Gilberto Gil, Djavan, Jorge Mautner e Adriana Calcanhotto. Soma-se a isso uma parceria com Maria Bethânia, além das participações de Erasmo Carlos e Guilherme Arantes. O novo disco de Gal Costa, o quadragésimo da …

por em

Dia da vitória

– Não feche a janela, por favor. Eu tinha dito isso de um jeito dócil, um simples murmúrio. Mas Svetlana me lançou um olhar fulminante. Era a enfermeira. Ela tinha todos os direitos sobre esse quarto e o doente que o ocupava. A quantidade de travesseiros, sua posição embaixo da cabeça, o cobertor a mais, …

por em

A Revolução, ah vai dar certo!*

Uma estranha maldição parece atingir os que se arriscam a realizar um filme sobre a Revolução Francesa, como mostra o mais recente Un peuple et son roi [Um povo e seu rei], de Pierre Schoeller, que estreou na França em 2018. Em nome de uma ilusão, a da objetividade histórica, e até mesmo da neutralidade …

por em

Por dentro da Rockstar Games

Quando, em 1998, os escoceses Samuel e Dan Houser fundaram a Rockstar Games, uma filial da Take-Two Interative, os videogames eram ainda, em grande parte, identificados com uma forma de lazer para adolescentes, sem grande interesse.1 À medida que o mercado se estendeu a uma clientela adulta, a Rockstar passou a desenvolver títulos que atraíam …

por em

Um capitalismo de vigilância

Aquele dia de julho de 2016 foi particularmente difícil para David. Ele passara longas horas ouvindo testemunhas de litígios relacionados a seguros em um tribunal empoeirado de Nova Jersey, onde, na véspera, uma queda de energia havia danificado o sistema de ar-condicionado. Finalmente em casa, imergiu no ar fresco como quem mergulha no mar. Pela …

por em

Denunciar as desigualdades, ignorar suas causas

Desde o sucesso fenomenal do livro de Thomas Piketty O capital no século XXI – publicado em 2013, foram vendidos 2,5 milhões de exemplares no mundo inteiro –, a desigualdade é vista por muitos como o grande problema moral de nossos tempos. Nos Estados Unidos, Karl Marx figura entre os best-sellers da categoria “Free Enterprise” …

por em

Como fazer as multinacionais pagarem o que devem aos países do Sul

Na nova ordem mundial, as multinacionais detêm um imenso poder econômico e exercem uma influência política decisiva. A falta de coordenação entre os regimes fiscais dos Estados lhes permite minimizar sua subordinação ao imposto, muitas vezes em detrimento dos países em que operam. Essa vantagem é ampliada também pelos paraísos fiscais – como a Irlanda …

por em

Bons e maus chineses

A cena se passa diante de nossos olhos, perto da entrada lateral do Hospital do Povo nº 1 de Hangzhou, ao sul de Xangai, na província de Zhejiang. A rua é calma. Uma mulher idosa espera em pé numa calçada separada da rua por uma pequena barreira que atinge a altura de seus joelhos. Ela …

por em

Fascistização no Brasil do tempo-de-agora

Há coisas que me encerram Ou que eu não ouso tocar Porque estão demasiado perto. “Nalgum lugar”, Zeca Baleiro Se nos perguntassem daqui a cem anos quais imagens relativas às formas da vida social o último século foi capaz de materializar, talvez o campo de concentração (primeira metade do XX), a corporação capitalista neoliberal (segunda …

por em

PSDB, 30 anos: festa ou funeral?

Quando se analisam as disputas de âmbito nacional, estadual e municipal, percebe-se que a trajetória do PSDB sempre foi bastante exitosa. A reeleição de Fernando Henrique Cardoso no primeiro turno, em 1998, marca o ponto alto da legenda, com sua afirmação como segunda força na Câmara dos Deputados – com 99 cadeiras, contra 105 do …

por em

Quem será capaz de parar o pêndulo argentino?

A eleição de Mauricio Macri à presidência da Argentina, em novembro de 2015, animou o mundo das finanças. Um empresário no comando de um país que há muito tempo desprezava o mercado? O Fórum de Davos acabava de encontrar sua estrela. Três anos depois, uma nova crise varre a Argentina, que apela para a “ajuda” …

por em

A trajetória da política fiscal de desoneração tributária no Brasil

Qual é o sentido de fazer política fiscal? Seria para estimular a formação da demanda agregada ou garantir a sustentabilidade da dívida pública? De forma geral, ela transita entre ambas; contudo, sua orientação depende da vertente ideológica que governa a política econômica. Com a Reforma Tributária de 1966, o governo federal montou uma estrutura fiscal …

por em

Por que o sistema educacional brasileiro nunca adotou Paulo Freire na prática?

Ao longo da vida, passamos por um processo permanente de transmissão, assimilação e aprendizagem de valores e comportamentos dentro de uma mesma cultura. Esse processo de endoculturação se dá geralmente por duas vias: 1º) o condicionamento do meio social; e 2º) a educação. Muitas vezes, porém, esse condicionamento social faz que sejam criadas regras que …

por em

“Eu tinha a impressão de estar sozinha”

Empurram a porta: a reunião semanal dos “coletes amarelos” começa. Ao longo da noite, cerca de 150 pessoas pegam o microfone: aqueles que se encontram nas ruas porque não conseguem mais pagar aluguel, aqueles que dependem dos restaurantes comunitários… Suas feridas e suas raivas, por muito tempo privadas – “noites a gritar na frente da …

por em

Quando tudo sobe à superfície

Em Paris, em 15 de dezembro de 2018, três “coletes amarelos” se revezavam na Casa da Ópera para ler uma mensagem dirigida “ao povo francês e ao presidente da República, Emmanuel Macron”. Já de início, o texto anunciava: “Este movimento não pertence a ninguém nem a todos. Ele é a expressão de um povo que, …

por em

São Paulo 2028

São Paulo é uma cidade segura. Muitas vezes, por causa do calor, durmo de janela aberta e, se saio para comprar pão para o café da manhã, deixo a porta da frente aberta também. Não é assim que fazem os californianos que moram em La Joya? Pois em São Paulo isso também se tornou possível …

por em

Chile e Argentina selam pacto contra o novo “inimigo interno”

No último dia 21 de dezembro foi condenado a nove anos e um dia de prisão o líder mapuche Facundo Jones Huala, julgado na província de Valdívia, Chile. O lonko (cabeça) Jones Huala não é, porém, mais um preso político mapuche. Extraditado pelo governo argentino depois de uma série de arremetidas repressivas no território mapuche …

por em

A nova geopolítica do petróleo no século XXI

As duas primeiras décadas do século XXI tem sido marcadas por transformações importantes na geopolítica do petróleo. Desde a década de 1970 com a consolidação da OPEP o epicentro da indústria petrolífera orbita ao redor do Golfo Pérsico, entretanto, novas estratégias nacionais e empresariais para o setor de óleo e do gás parecem fortalecer a …

por em

Apologia a uma ciência que supere o “achismo”

É bem provável que todos nós, sobretudo de alguns poucos anos até hoje, tenhamos escutado a seguinte frase: “É só minha opinião”. É provável, também, que o termo “só” seja acompanhado por um sorriso arrogante, sugerindo que o “só” não seja tão “só” assim. É um “só” que atropela evidências, anos de pesquisa e a …

por em

Alberto Acosta: “Governos progressistas apostaram na expansão do extrativismo”

Político, economista, ex-ministro, ex-presidente da Assembleia Constituinte do Equador, candidato à Presidência e autor de obras como “Pós-extrativismo e Decrescimento — saídas do labirinto capitalista” (Autonomia Literária e Elefante), seu livro mais recente. Pode-se dizer que Alberto Acosta se encaixa na definição de Gramsci de “intelectual orgânico”, para quem o trabalho intelectual deve estar diretamente ligado ao …

por em

Rotulagem nutricional: do que a indústria de alimentos tem medo?

Estão em curso no Brasil mudanças nos rótulos dos alimentos. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) quer incluir na parte da frente das embalagens informações nutricionais relevantes que ajudem o consumidor a fazer escolhas mais conscientes e saudáveis. Hoje é tarefa quase impossível se informar adequadamente na hora de escolher um produto diante de …

por em

No front contra o Escola Sem Partido

Às 3 horas de uma tarde de novembro, sol a pino no Rio, o historiador Fernando Penna, 39, se dirigia ao campus da UFF (Universidade Federal Fluminense). A travessia Rio-Niterói é habitual para o historiador, que desde 2013 integra o quadro docente da Faculdade de Educação. Mas o smartphone tocou. Era a produtora Paula Lavigne, …

por em

Guilhotina #08 – Rogério de Campos

O Super-Homem é fascista? Rogério de Campos, diretor da editora Veneta (veneta.com.br), escreveu um livro para responder a esta questão, “Super-Homem e o romantismo de aço” (http://bit.ly/super-homem-rogério). Parece uma questão infantil, e talvez devesse ser, mas não se considerarmos que hoje em dia os quadrinhos e filmes de super-heróis são consumidos majoritariamente pelo público adulto. …

por em

A Pedagogia do Oprimido no Brasil: 50 anos de pertinência

Comemoramos o aniversário de cinquenta anos da obra “Pedagogia do Oprimido” do educador Paulo Freire, a qual tem grande significado para a Educação e para a concretização da democracia não só no Brasil, mas em qualquer outra nação, pois trata do fenômeno educativo como um processo situado na sociedade e, portanto, como emancipação humana na …

por em

Erica Malunguinho, na luta contra o racismo e o patriarcado

A candidatura quilombo se concretizou em representação de resistência e radicalidade. Radicalidade para garantir a segurança das mulheres e dos LGBTQs, acolher a população de rua, fazer valer uma educação plural, livre e democrática. Para não mais se aliar a certos discursos, ceder certos lugares. Para reescrever a história que não está registrada em muitos …

por em

COP24: Os povos indígenas em um apelo global

Katowice, Polônia – Diante dos retrocessos na área ambiental e de direitos humanos no Brasil anunciados pelo novo governo, a delegação indígena do Brasil e parceiros da sociedade civil foram à 24ª Conferência Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP24), que terminou no último fim de semana, para alertar sobre os riscos à conservação …

por em

A política industrial recente no Brasil: uma avaliação

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apresentaram o relatório Avaliação de desempenho do Brasil Mais Produtivo, que avalia esse instrumento de política industrial, o Brasil Mais Produtivo (B+P). O estudo faz uma análise dessa política iniciada em 2016, no final …

por em

Paulo Freire: A tentativa de se matar ainda mais aquele que já partiu

Os últimos anos vêm sendo marcados por uma ofensiva contra aquele que é considerado o patrono da educação brasileira: Paulo Freire. Não é difícil perceber que nosso povo – sobretudo em decorrência de uma escolarização precária, da tentativa de se manter um ensino superior elitizado e aristocrático e da difusão manipulada de informações pela grande …

por em

Uma inovação brasileira: o fascismo servil

Em 2002, os primeiros ministros Tony Blair e José María Aznar levaram à cúpula da União Europeia a proposta de punir com sanções econômicas os países de origem de imigrantes indesejáveis. A proposta causou escândalo porque explicitava o desejo de que governos dos países da África, por exemplo, transformassem-se em “carcereiros dos seus cidadãos”[1]. O …

por em

Estamos seguros?

Recentemente o diretor da Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA, em inglês), Bernhard Url, foi entrevistado pelo jornal El País e fez considerações sobre o que considera o “maior problema alimentar que a Europa enfrenta”: a “superabundância de alimentos e a epidemia de obesidade que ela provoca”, além do “maior perigo real” representado pela comida, …

por em

O crescimento da desigualdade no capitalismo contemporâneo

Em resumo: aquele que pede reformas igualitárias de acordo com os tempos e as circunstâncias, como o socialista, baseia-se na história. Aquele que defende a constituição de uma sociedade igualitária, em que todas as diferenças são consideradas irrelevantes no que diz respeito à distribuição das vantagens e das desvantagens, voa pelos céus da utopia. [i] …

por em

Da prisão para os palcos: A história de três homens livres pelo teatro

Era por volta das 14h quando chegamos a casa de Adriano Xerife, na entrada da favela do Jacarezinho, Zona Norte do Rio. Paredes verdes e descascadas davam para a escada íngreme que levava até sua laje, com a vista da comunidade atrás. “Querem uma cervejinha?”, ofereceu o Xerife. Sua esposa preparava o almoço para a …

por em

Guilhotina #07 – Fábio Mallart

A prisão é a melhor resposta para a resolução dos conflitos? Para sociedade brasileira atual, com a terceira maior população carcerária do mundo, parece que sim. Uma visão que não poderia ser mais falsa. Não só o mundo externo segue influenciando a vida nas cadeias, como o que acontece do lado de dentro afeta profundamente …

por em

Homem rendeiro, ou quando é preciso desfazer um ponto para consertar dois

A primeira semana de dezembro foi marcada por três fatos relacionados à ditadura civil-militar brasileira. No dia 3, a Comissão Nacional da Verdade divulgou a identificação da ossada de um sindicalista torturado e morto em São Paulo, feita por meio de exame de DNA. No dia 4, familiares de mortos e desaparecidos políticos, reunidos em …

por em

Cordão da Mentira vai às ruas nos 50 anos do AI-5

“Denunciar a verdade sobre a mentira de um passado que não passa” é ao que se propõe o Cordão da Mentira, bloco carnavalesco que une intervenção estética e política e desfila pelas ruas de São Paulo desde 2012, não deixando esquecer a violência e crimes cometidos durante os 21 anos de ditadura civil-militar no Brasil. …

por em

O liberalismo panglossiano

Desde há algum tempo, e mais precisamente a partir de 2017, economistas e instituições ortodoxas, como por exemplo, o Centro de Estudos de Mercado de Capitais (Cemec), em vários relatórios, e o próprio Banco Central, em Financiamento amplo das empresas. Relatório de Inflação (jun. 2018), têm insistido na tese de que, finalmente, o mercado de …

por em

O uso medicinal da maconha é um passo para o fim da guerra às drogas?

No dia 28 de novembro, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado aprovou o projeto de lei que permite o cultivo da cannabis sativa, planta que dá origem à maconha,  para uso pessoal terapêutico, desde que haja prescrição médica. Para ser aprovado, o projeto de lei ainda precisa passar pela Comissão de Constituição e …

por em

A retórica do “ajuste fiscal” e “mais do mesmo”

Invariavelmente, ao longo dos tempos, o debate sobre o ajuste fiscal toma relevância no debate econômico. Temos assistido a recorrentes revisões do desempenho fiscal, sendo que, nos últimos quatro anos, implicando déficits primários. A opção escolhida tem sido sempre a de cortar gastos. Mas, diante da dificuldade e mesmo impossibilidade em fazê-lo especialmente nos gastos …

por em

Guilhotina #06 – Ladislau Dowbor

Por que oito famílias têm mais riqueza do que metade da população mundial? Quais as causas e as implicações políticas e sociais dessa imoralidade? Luís Brasilino, Cristiano Navarro e Taís Ilhéu, da redação do Le Monde Diplomatique Brasil, conversam neste episódio com o economista Ladislau Dowbor, professor titular da PUC-SP, consultor de agências da ONU, governos …

por em

Feliz ano velho

Jair Bolsonaro (PSL) assumirá a Presidência da República a partir de 1o de janeiro de 2019. Feliz ano velho: fantasmas antigos de um passado autoritário rondam o presidente eleito em outubro último, como o discurso elogioso à ditadura militar, a caça às bruxas nas universidades, a censura à imprensa, além de uma escalada de atos …

por em

Que ano é hoje?

Alertas vermelhos dispararam ainda antes do impeachment da presidente Dilma Rousseff, em 2016. Turbulências depois, desembarcamos num 2019 com ares de 1968. “Nós, historiadores, sentimos rapidamente no ar o que estava acontecendo. A democracia estava sendo corroída por dentro. Dentro do mecanismo democrático, as instituições estavam sendo minadas.” A análise é da historiadora Beatriz Mamigonian, …

por em

‘Tem que mudar tudo isso que tá aí, tá ok?’

2018 foi marcado pelo resgate de termos como “fascismo” e “nazismo” no debate político brasileiro. À medida que os projetos das forças de extrema-direita ganharam popularidade e se tornaram cada vez mais palpáveis, cresceram as comparações da candidatura presidencial do PSL aos fascismos italiano e alemão das décadas de 1920 e 1930. Analistas políticos, articulistas, …

por em

‘As instituições estão funcionando normalmente’

O futuro era outro. Em 2012, o Brasil ultrapassou o Reino Unido e se tornou a 6a maior economia do mundo, com estimativas para ser a 5a maior até 2023. Em 2014, o país saía do mapa da fome da ONU, resultado de suas políticas públicas voltadas para o combate deste problema social, as quais …

por em

‘Vote consciente!’

Um bom estudante de ensino médio saberia relacionar o termo coronelismo às aulas sobre a República Velha. Neste período do início do século 20, o voto de cabresto garantia vitórias consecutivas entre candidatos presidenciais mineiros e paulistas. A República do “Café com Leite”, como foi alcunhado este fenômeno, já é até uma decoreba clássica para …

por em

‘As mulheres de direita são muito mais bonitas que as de esquerda’

Ouvimos falar de Jair Bolsonaro faz tempo. Pudera: ele está na Câmara de Deputados desde 1991. Um detalhe, porém: nós o conhecemos não pela sua trajetória enquanto parlamentar, mas por seu discurso. Em 2002, Bolsonaro disse que bateria em homossexuais que se beijassem em sua frente. No salão verde da Câmara, em 2003, empurrou a …

por em

‘Já está feito, já pegou fogo, quer que faça o quê?’

Nas comemorações dos 200 anos do Museu Nacional do Rio de Janeiro, o diretor Alexander Kellner e a Associação de Amigos do Museu Nacional organizaram uma campanha de crowdfunding para arrecadar fundos para reabertura de uma sala expositiva. Em maio de 2018, o diretor do museu afirmou ter estrategicamente transferido a sala da direção para …

por em

Descobrindo um passado que atravessa o presente

Na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a história da ditadura militar dizia: não houve fatos marcantes de repressão; reinava paz e cordialidade nas relações entre administração, professores e estudantes; e, graças a esse quase-consenso e ao protagonismo do primeiro reitor, João David Ferreira Lima, que permaneceu 10 anos no cargo, a universidade foi pioneira …

por em

Escola sem escola?

Rimos quando uma pessoa que passou a vida como engenheiro, por exemplo, pega uma faca afiada e resolve operar o nosso coração, mas não quando opiniões são emitidas sem fundamentação alguma a respeito do que deveria ser a educação dos nossos jovens, aqueles que serão o futuro do nosso país. Assim como em todos os …

por em

Os games como uma nova forma de persuasão

A origem de um mito “O cowboy tornou-se legitimamente norte-americano quando se transformou em um símbolo legendário e folclórico do oeste selvagem e do período de expansão das fronteiras internas da nova nação”,[1] nos mostra Fernando Simão Vugman. O cinema hollywoodiano contribuiu para a “condensação histórica em que se fundam os mitos” para assim consolidar …

por em

Freud, Boaventura e o exemplo de Temístocles em uma nova racionalidade política

Durante estes dias, recordei-me de uma breve passagem machadiana de outrora leitura que me marcou profundamente. Em Esaú e Jacó, Aires discute com Custódio sobre o novo nome de sua Confeitaria, espaço que possuía a alcunha de “Confeitaria do Império” em meio ao novo regime republicano instituído. Aires, como um Conselheiro de parcimônia, dentre suas …

por em

Nunca fomos tão livres

Nunca fomos tão livres quanto agora. Perdemos a cada dia nossos direitos e, em primeiro lugar, o de falar; somos ultrajados todo santo dia e temos de nos calar; somos colocados diante de um horizonte obscuro, decrescente, acintoso; todo amargor de uma derrota muito além do circo das eleições nos é servido no prato fundo …

por em

Brasil já tem 707,4 mil imigrantes

O número dos imigrantes no Brasil atingiu 707.438 registros em 2017. Do total, destacam-se 449.174 imigrantes de longo termo e 245.110 imigrantes temporários. Se considerados apenas fluxos recentes, a partir de 2010, os haitianos (101,9 mil) aparecem como primeira nacionalidade em termos de regularização no período. Os venezuelanos, a partir de 2017, ganham destaque nos …

por em

O que se pode esperar da economia no governo Bolsonaro?

O quadro atual da economia brasileira mostra uma situação de compasso de espera, com uma recuperação gradual e lenta: taxa de crescimento do PIB de 1% em 2017 e 1,4% em 2018 (segundo previsão do Focus). Já a taxa de desocupação se mantém bastante elevada, oscilando entre 12% a 13% desde o início de 2017 …

por em

A sociedade do auto espetáculo

As relações sociais que norteiam as decisões políticas dos nossos tempos mudaram. Muitos dos analistas em jornais, universidades, bares e igrejas estão buscando entender como as novas formas de comunicação e manipulação da informação desse novo século XXI estão impactando nosso cenário político. Termos como fake news, narrativas, big data, bots e sockpuppets se tornaram …

por em

Assine ou dê de presente o Diplo e ganhe um livro

Até o fim do mês de janeiro, assinando o Le Monde Diplomatique Brasil por um ano (impresso ou digital), você ganha o livro “Thomas Piketty – O segredo dos ricos”. Se você já é assinante, aproveite para dar uma assinatura do Diplo Brasil de presente. Organizado pelo Le Monde Diplomatique Brasil e publicado pela editora …

por em

G20 precisa se comprometer com o direito à educação

A Cúpula de Líderes do G20 acontece em Buenos Aires, na Argentina, entre os dias 30 de novembro e 1º de dezembro. Será não só a primeira reunião do grupo a acontecer na América do Sul, como também a primeira a tratar do tema da educação. Nesse sentido, a Campanha Latino-Americana pelo Direito à Educação …

por em

A memória da democracia em coma: a disputa do tempo presente

A estrada A possibilidade de se instalar uma ditadura (ou autoritarismo) numa determinada sociedade está baseada na memória que essa comunidade tem sobre os eventos passados. Os sentidos do passado e sua memória se tornam objeto de lutas políticas e sociais. A memória não é o passado, senão a maneira como os sujeitos constroem um …

por em

Miscelânea

LIVROS A NOVA DIREITA – APARELHOS DE AÇÃO POLÍTICA E IDEOLÓGICA NO BRASIL CONTEMPORÂNEO Flávio Henrique Calheiros Casimiro, Expressão Popular Além de uma derrota eleitoral, as eleições de 2018 significam – talvez principalmente – uma derrota ideológica. O discurso ultraneoliberal, meritocrático e de erradicação de direitos, entendidos como “privilégios”, foi assumido por parte significativa de …

por em

No Equador, o liberalismo-surpresa

Maio de 2017. A posse de Lenín Moreno como presidente do Equador proporciona um suspiro de alívio aos progressistas latino-americanos. Ao derrotar o banqueiro Guillermo Lasso, Moreno acaba de pôr fim ao avanço da direita na região depois das eleições de Horacio Cartes no Paraguai em 2013 e de Mauricio Macri na Argentina em 2015, …

por em

Assembleias de som e fúria

Passadas as eleições – momento de paixões e de natural simplificação dos argumentos –, penso que as pessoas comprometidas com a democracia, com as liberdades e com o futuro do país precisam entrar em uma etapa de reflexão. Não se trata de abandonar a ação, cada vez mais necessária, mas de perceber que a eleição …

por em

Três anos de desastre

Em 5 de novembro de 2018, o desastre causado pelas mineradoras Samarco, Vale e BHP Billiton completou três anos. Além do maior desastre socioambiental do Brasil, esse pode ser classificado como o mais longo do país: há três anos pessoas atingidas não têm uma renda digna, sofrem a angústia de não ter certeza se a …

por em

A cura da hepatite C em risco

Recentemente, a grande mídia brasileira, diversas ONGs e inclusive os candidatos à sucessão presidencial colocaram no centro do debate sobre saúde pública a concessão da patente de um dos principais remédios utilizados no tratamento da hepatite C a uma empresa privada norte-americana. O ponto central do debate foi o fato de que o governo brasileiro …

por em

Pesticidas e agricultores

Em 10 de agosto de 2018, um jardineiro dos subúrbios de San Francisco conseguiu que a empresa Monsanto fosse condenada em juízo por não tê-lo prevenido dos efeitos do Roundup, o herbicida mais utilizado no mundo. Esse processo valeu a Dewayne Johnson, que sofria de um câncer em fase terminal, uma indenização considerável: US$ 289 …

por em

Fertilizantes nitrogenados: providência transformada em veneno

Em 1909, o químico alemão Fritz Haber conseguiu combinar o nitrogênio do ar com o hidrogênio, obtendo a síntese do amoníaco (NH3). Uma reação química entre muitas? De modo algum. Ela revolucionou a agricultura, permitindo dobrar – ou triplicar – a produção. Para muitos especialistas, a invenção dos adubos nitrogenados alimentou a população do planeta, …

por em

Febre digital no Quênia

Em Kibera, a maior favela de Nairóbi, mas também da África, uma jovem mulher varre a frente de sua loja de zinco ondulado. Apenas 1 metro quadrado, aberto em um minúsculo guichê. Maureen Nyambura, de 23 anos, vende chips de celular e serviços de transferência de dinheiro. A concorrência é alta nesse cruzamento de ruas …

por em

Futuro incerto em Rojava

Pequena vila empoeirada entre as cidades sírias de Kobanê e Rakka, Ain Issa é a nova capital administrativa da Federação Democrática da Síria do Norte, também conhecida como Rojava.1 Ilham Ahmed nos acolhe. Essa curda originária de Afrin, uma cidade retomada pelo Exército turco em março de 2018, preside o Conselho Democrático Sírio (CDS), o …

por em

Direito à educação com igualdade de gênero

Como Campanha Latino-Americana pelo Direito à Educação (Clade), temos acompanhado os desafios e os avanços para a garantia da igualdade de gênero e o respeito à diversidade na educação em nossa região e no mundo. Meninas e mulheres são discriminadas durante a educação em termos de acesso, permanência, conclusão, tratamento, resultados de aprendizagem e escolhas …

por em

Pequeno manual de conduta e resistência ao controle do discurso e da libido

Vivemos uma crise política e social, uma crise que é também e principalmente dos afetos e das relações. Há um sofrer individualizado, vivido de maneira ímpar pelos sujeitos e presente em seus relatos de medo, frustração e ameaças constantes. E há um sofrer generalizado, marcado pelo enfraquecimento dos laços, pela desesperança e pelo ódio sempre …

por em

Guerra de valores

Não nos iludamos, vivemos apenas um interregno em um processo que deve se acirrar depois de 1º de janeiro, quando toma posse o novo governo. Ocupados com a montagem da equipe ministerial, Bolsonaro, seus generais e os grupos evangélicos que o apoiam deram uma trégua na guerra de valores que está orientando a estratégia de …

por em

Liberdade para Julian Assange

Orgulhoso como Artaban, sorridente, cercado por cerca de cinquenta fotógrafos e cinegrafistas, Jim Acosta realizou, em 17 de novembro, seu retorno à Casa Branca, com muito alarde. Alguns dias antes, ele havia perdido sua credencial de correspondente da Cable News Network (CNN), mas a justiça norte-americana obrigou o presidente Donald Trump a anular a sanção. …

por em

Guilhotina #05 – Rosana Pinheiro-Machado

Em nosso quinto episódio, agora também nas plataformas Itunes e Google Podcast, Luís Brasilino e Taís Ilhéu, da redação do Le Monde Diplomatique Brasil, e a jornalista convidada Gisele Silva entrevistam a antropóloga Rosana Pinheiro-Machado, professora da Universidade Federal de Santa Maria e pós-doutora pela Harvard University. Desde 2009 Rosana faz trabalho de campo com …

por em

Congresso Nacional do Medo

É penoso escrever certos textos quando o medo incomoda e desorienta. Pode-se invocar tese, antítese, síntese e consultar os mais reverenciados manuais de retórica, parece que nada terá sentido diante da recente ressignificação do futuro. Atualmente, a lógica imposta com seus dezessetes cálices de dúvidas nos rouba as certezas, nos rouba os sonhos,  as energias. …

por em

A economia global: um cenário sombrio

O prognóstico dos organismos internacionais de manutenção ou leve arrefecimento do ritmo de expansão da economia internacional é ainda excessivamente otimista à luz do desempenho recente das economias desenvolvidas e dos seus mercados financeiros. Vislumbra-se um cenário mais sombrio que, caso seja confirmado, cobrará um preço elevado à economia brasileira, orientada pelos cânones ultraliberais do …

por em

Méritos e desafios de uma agenda externa multilateral

O entendimento das profundas mudanças nos fluxos internacionais de comércio e de investimentos nas últimas três décadas, refletidos na expansão das redes globais de valor e nas novas estratégias corporativas de geração e captura de valor, é fundamental para balizar as ações e negociações de política comercial e externa. Essas transformações ampliaram os riscos e …

por em

O Estado Democrático de Direito e o Judiciário

O Brasil, pós período ditadura civil militar 1964-1985, se reconstruiu sobre a base de um Estado Democrático de Direito que se funda no princípio da soberania popular, que como ensina José Afonso da Silva, impõe a participação efetiva e operante do povo na coisa pública, participação que não se exaure na formação das instituições representativas, …

por em

O Golpe no Brasil e a reorganização imperialista em tempo de globalização

Embora os Estados Unidos não sejam o único país imperialista, eles são hoje a potência hegemônica mundial e, mais do que isso, são a potência a que, no Brasil, estamos diretamente submetidos. Por isso este artigo vai tratar essencialmente do imperialismo estadounidense, começando pela história de sua dominação sobre os países latino-americanos e suas várias …

por em

O “Comando Jungla” e o assassinato de um mapuche

Chile tem sido, desde 1973, um laboratório de maldades para nossa região. A morte do líder mapuche, Camilo Catrillanca, em 14 de novembro com uma bala na nuca disparada, segundo as peças do inquérito, pelo sargento de carabineiros, Raul Ávila, deixa entrever um padrão de ação repressiva. A ação visa remover obstáculos à integração otimizada …

por em

Guilhotina #04 | Luciana Zaffalon

“O Poder Judiciário e o Ministério Público do Estado de São Paulo agem politicamente como se partidos fossem. Isto é, representam e protegem uma fração da sociedade”. Esta é uma das conclusões do livro “A política da Justiça: blindar as elites, criminalizar os pobres”, da advogada Luciana Zaffalon, da coordenação-geral do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais …

por em

A separação entre técnica e política em terras de moros

A divisão entre política e técnica persiste no senso comum a ponto de prestigiado juíz, ao aceitar um cargo no novo governo, anunciar que seu papel seria eminentemente técnico. Na literatura especializada, a questão parece de fácil solução. Ora, a técnica e a política constituem abstrações só separáveis no plano teórico, por manobras expositivas ou …

por em

O cruzado tropical e as origens do liberalismo teocrático

A Razão de Estado enlouqueceu no Brasil? O choque não deveria surpreender mesmo aos que se omitiram nessas eleições de 2018, pois Jair Bolsonaro está fazendo exatamente o que se espera de qualquer governante eleito numa democracia: construir um governo à sua imagem e semelhança. E é essa imagem grotesca de um presidente pós-midiático que …

por em

O alinhamento de Bolsonaro com Trump

O presidente eleito Jair Bolsonaro tem mostrado sinais de que pretende alinhar a política externa de seu governo com a de Donald Trump. As decisões mais polêmicas do presidente norte-americano parecem seduzir seu homônimo brasileiro, que ironicamente afirma ser orientado por um posicionamento menos ideológico do que o de seus antecessores do PT. Assim como …

por em

Bolsonaro e o Enem

A fala do presidente eleito Jair Bolsonaro em relação ao Enem 2018 ganhou as páginas dos jornais e as redes sociais nos últimos dias. Analisando suas declarações, identificamos que elas estão equivocadas do início ao fim e que inspiram preocupação. Vejamos em partes: i) Bolsonaro não entendeu o que foi tratado na questão pontual que …

por em

A realidade por trás da Ternium Brasil

Uma trajetória marcada por impactos socioambientais, danos territoriais e violações de direitos. Ao longo de treze anos, a atuação da Ternium Brasil, antiga ThyssenKrupp Companhia Siderúrgica do Atlântico (TKCSA), interfere diretamente nas condições de vida e de trabalho da população de Santa Cruz, bairro da zona oeste do Rio de Janeiro, onde está localizada. Além …

por em

O capitalismo autoritário de Jair Bolsonaro

Não se sabe ao certo o que Jair Bolsonaro fará a partir do dia 1º de janeiro. Essa incerteza decorre da falta de apresentação de propostas concretas durante a corrida eleitoral. Para ele, tão estratégico quanto aquilo que de fato foi dito, é tudo o que não foi dito. Um populismo místico define a sua …

por em

O futuro do shale gas argentino e o papel dos Estados Unidos

Os leilões do pré-sal realizados ao longo dos últimos dois anos marcaram a acelerada da entrada de empresas norte-americanas no setor de petróleo brasileiro. Nesse período, o Congresso Nacional e a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP) realizaram diversas mudanças nos marcos regulatórios do setor facilitando a entrada de empresas estrangeiras, com …

por em

O portador da “verdade”

Em artigo publicado no dia 21 de maio deste ano, afirmei de forma polêmica o fim de um ciclo político iniciado com Lula em 2002, o qual se encerraria, na minha opinião, na derrota do PT em 2018 na campanha presidencial. Apontei três possíveis passos para esse partido após a prisão de Lula: 1) afirmar …

por em

Das fake news a Paulo Freire

Meus pensamentos e pesquisas têm sido tomados nos últimos dias por tentar compreender o fenômeno comunicacional que levou à eleição de Bolsonaro (e suas relações com outras eleições, como a de Trump). Pretendo iniciar uma série de reflexões sobre este tema, pensando também em algumas possibilidades de ação para o campo popular. Mas começo aqui, …

por em

A derrota da socialdemocracia?

Após anunciar o fim do Ministério do Trabalho, via incorporação em outra pasta, Bolsonaro incorre em novo recuo mantendo a referida pasta ministerial. Mas não nos enganemos, com ao menos um esvaziamento da pasta. Porém, uma das características fundamentais de Bolsonaro, e dos que o cercam, está na nitidez de princípios, meio e estratégia. E …

por em

Guilhotina #03 | Jessé Souza

Neste episódio, Luís Brasilino, Cristiano Navarro e Taís Ilhéu, da redação do Le Monde Diplomatique Brasil, e o jornalista convidado Igor Ojeda conversam com o sociólogo Jessé Souza, ex-presidente do Ipea e professor titular de sociologia da Universidade Federal do ABC. Jessé é autor de mais de 20 livros, entre os quais “A classe média …

por em

O Estado contra as mães: relato de um júri de chacina

Oito horas da manhã do dia 30 de outubro de 2018, Débora avisa por mensagem que logo as mães estarão no Fórum Criminal de Brás Cubas. Às nove da manhã, ao chegar ao Fórum, encontro já a postos as Mães Mogianas, as Mães de Maio e as Mães em Luto da Zona Leste, estendendo suas …

por em

Liberdade de imprensa ou liberdade de empresa?

Os dispositivos de comunicação, segundo Jesús Martin-Barbero, promovem coesão política e cultural. Para ele, existe uma complexa trama de mediações que articula a relação comunicação-cultura-política.[1] Nela, a mediação desses discursos visa cooptar, através da sua veiculação, a formação de uma opinião pública que a priori o senso-comum faz crer que surge dos próprios consumidores dessa …

por em

O governo Bolsonaro, o neofascismo e a resistência democrática

Mesmo antes do término das eleições estava claro que, independentemente de quem ganhasse, havia sido construído no país um movimento político-ideológico de caráter neofascista que, embora tendo Jair Bolsonaro como símbolo e representante maior, já evidenciava certa autonomia em relação ao seu chefe. Esse tipo de movimento (e sua ideologia), como se sabe pelas lições …

por em

O discurso conservador contra a oposição no Império do Brasil

  Tudo o que opõe ou reúne os homens, ainda que apenas por um momento, participa desta distância que é o objeto último da retórica. Michel Meyer Machado de Assis parece não discordar tanto de Sílvio Romero quando este diz que o socialismo não é de verdade e que “não tem sequer o sentido altamente …

por em

As raízes do fascismo segundo Trotsky

O nazi-fascismo foi derrotado na pior guerra já conhecida pela humanidade. Na Alemanha e Itália estas palavras foram proibidas como denominação política. No século XXI, no entanto, os movimentos europeus neonazifascistas se reciclaram. Deixaram de serem grupos saudosistas e se vincularam com o fenômeno de uma nova extrema-direita que mantém muitas das características fascistas, mas …

por em

Nem Venezuela nem Turquia?

“Um amor pronunciado pelas formas fixas e pelas leis genéricas, que circunscrevem a realidade complexa e difícil dentro do âmbito dos nossos desejos, é dos aspectos mais constantes e significativos do caráter brasileiro”, escreve Sérgio Buarque de Holanda no sexto capítulo de Raízes do Brasil, logo depois do capítulo em que define o que seria …

por em

Impunidade dos crimes da ditadura abriu brechas para o retrocesso atual

Grande parte do apoio ao candidato Jair Bolsonaro (PSL) e seus seguidores é fruto de um pacto de esquecimento estabelecido durante a transição para a democracia no Brasil há quase trinta anos. É o que defende Eugênia Augusta Gonzaga, procuradora da República e presidente da Comissão Especial Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP). A comissão …

por em

Um comunista e a identidade política nordestina

Se Jair Bolsonaro se identifica com Pinochet e Paulo Guedes promete aplicar uma agenda econômica semelhante ao que o ditador chileno fez no país andino, o governador do Maranhão Flávio Dino, 50 anos, tem como referência o ex-presidente chileno Salvador Allende — um marxista declarado que chegou ao poder pelo voto democrático. Nascido na capital …

por em

A memória artística da ditadura

Quando se fala em resistência à ditadura civil-militar brasileira da segunda metade do século XX, uma das primeiras coisas que me vêm à cabeça são os artistas da época: ousados, corajosos que não se deixaram calar mesmo com a censura, as ameaças e a tortura correndo soltas. Primeiro, lembro-me de Gal Costa e Nara Leão; …

por em

Guilhotina #02 – Henrique Costa

No segundo episódio do Guilhotina, Luís Brasilino, Cristiano Navarro e Taís Ilhéu, da redação do Le Monde Diplomatique Brasil, recebem Henrique Costa, doutorando em Ciências Sociais da Unicamp, para falar sobre educação, crise do lulismo e a ascensão da extrema direita. Henrique é autor do livro “Entre o lulismo e o ceticismo: um estudo com …

por em

A nova cara do presidencialismo

Durante longo período o presidencialismo brasileiro foi caracterizado como sendo de “coalizão”, aquele arranjo no qual o centro do Executivo negocia cada passo com uma nuvem de partidos ou consórcios de interesse pouco significativos por si mesmos, mas dotados do inestimável recurso que é o poder de veto. Pois bem, isso que agora vemos ser …

por em

Conjecturas sobre o governo Bolsonaro

Em países nos quais o Estado não é capaz de garantir de forma democrática os seus monopólios fundadores, o da violência e o da moeda, não raro surgem as soluções ad hoc para essas atribuições. No primeiro caso, por meio de restrições crescentes à operação do Estado de direito e de forma mais radical, pela …

por em

Nova Constituição de Cuba

Cuba se prepara para aprovar uma nova Constituição que trará importantes novidades ao país, como mudanças importantes na estrutura do Estado, entre as quais maior autonomia aos municípios, novas formas de economia mista e o reconhecimento da união homoafetiva. A atual Constituição foi aprovada em 1976 e revela forte influência das Cartas Magnas dos países …

por em

Miscelânea

LIVROS NO ESPELHO DO TERROR: JIHAD E ESPETÁCULO Gabriel Ferreira Zacarias, Editora Elefante   Partindo do desconforto produzido por boa parte das análises sobre as recentes ondas de ataques terroristas na Europa reivindicadas pelo Estado Islâmico, Gabriel Ferreira Zacarias coloca de maneira extremamente didática sob o rigoroso escrutínio da teoria crítica esses eventos, desvelando processos …

por em

“A sociedade brasileira vive um fracasso medonho”

“Machista é o caralho”, esbravejou Cláudio Assis quando os microfones do Le Monde Diplomatique Brasil estavam prestes a ser desligados, terminada a entrevista em um hotel no centro da cidade de São Paulo. O desabafo, carregado de ironia e incômodo, faz menção às vaias que o diretor recebeu no Festival de Brasília de 2015. Meses …

por em

Quando a gestão corporativa se torna letal

Uma leitura distraída dos acontecimentos poderia fazer esse caso exemplar passar por um episódio isolado. No último verão, decidiu-se que a France Télécom e seu ex-CEO, Didier Lombard, assim como seus auxiliares Louis-Pierre Wernès e Olivier Barberot irão a julgamento em 2019 por assédio moral. Responderão pelo suicídio de dezenas de empregados ocorrido no final …

por em

Elogio da gratuidade

O projeto de renda universal suscita o entusiasmo de alguns, em sua imensa maioria animados pelo anseio de equidade e generosidade. Mas será que sua ambição repousa em alicerces sólidos, uma vez que postula a ideia de uma “crise do trabalho” nos termos da qual uma parte cada vez maior da população não encontrará mais …

por em

A rede de prostituição nigeriana na França

Na França, a prostituição nigeriana é um fenômeno maciço que se desenvolve continuamente há trinta anos. Provenientes da região de Edo e, em particular, da cidade de Benin City ou de povoados vizinhos, um grande número de jovens, às vezes menores de idade, se deixa seduzir pela Europa. Em sua maioria, são mulheres nigerianas como …

por em

Imigração, um debate enviesado

Os fluxos migratórios para a União Europeia atingiram seu nível mais baixo desde o início da “crise de refugiados” iniciada com a guerra na Síria. Em dois anos, o número de travessias ilegais das fronteiras do continente caiu para um nono do que era: de 1,8 milhão em 2015 para 204 mil em 2017. No …

por em

Na Itália, uma rebelião antieuropeia?

Desde a chegada ao poder da coalizão formada pela Liga e pelo Movimento Cinco Estrelas (M5S), em 1º de junho, a Itália vem inquietando os comentaristas políticos europeus. Enquanto alguns se alarmam com a dureza das políticas migratórias do ministro do Interior, Matteo Salvini, outros denunciam as escolhas econômicas que ignoram as regras da União. …

por em

Brexit expõe as fraturas do Partido Conservador britânico

Por muito tempo, o cargo de líder do Partido Conservador foi o mais cobiçado da vida política britânica. Fundado na década de 1830, esse partido esteve no poder durante dois terços do século XX. Para muitos candidatos, dirigi-lo é, portanto, o caminho mais curto para chegar ao número 10 da Downing Street, sede do Poder …

por em

A Venezuela precisa sair do impasse

O período durante o qual Hugo Chávez presidiu o destino da Venezuela (1999-2013) foi marcado por sucessos inquestionáveis, particularmente no que diz respeito à redução da pobreza. O chavismo também pode orgulhar-se de resultados para lá de respeitáveis em áreas mais inesperadas, como o crescimento econômico: o PIB, por exemplo, quintuplicou entre 1999 e 2014.1 …

por em

Estados Unidos, México e Canadá: uma renegociação desconcertante

Uma coisa é certa: após catorze meses de um diálogo às vezes virulento, a assinatura do Tratado Estados Unidos-México-Canadá (USMCA, na sigla em inglês), que concluiu a renegociação do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês), em 1º de outubro de 2018, veio acompanhada de quatro suspiros de alívio – os dos …

por em

As primeiras fissuras na fortaleza do livre-comércio

Após treze meses de negociações, uma versão revista do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (North American Free Trade Agreement, Nafta) foi publicada em 30 de setembro de 2018.1 Não há nenhuma grande surpresa para ninguém: os governos do norte-americano Donald Trump, do canadense Justin Trudeau e do mexicano Enrique Peña Nieto não romperam com o …

por em

Brasil, novo laboratório da extrema direita

Ainda impactados pelos resultados eleitorais no Brasil, muitos se perguntam como a avalanche de votos na candidatura de Jair Bolsonaro e do general Hamilton Mourão (PSL) ocorreu e o que exatamente pode acontecer em um governo de extrema direita no país. Ainda estamos longe de ter as respostas, mas as conexões entre seu principal guru …

por em

O Congresso mais conservador dos últimos quarenta anos

O novo Congresso Nacional, renovado em 52% na Câmara e 85% no Senado – em relação às 54 vagas em disputa – será mais liberal na economia, mais conservador nos costumes e mais atrasado em relação aos direitos humanos e ao meio ambiente do que o atual. Pulverizado partidariamente e organizado em torno de bancadas …

por em

A perfeitamente resistível ascensão de Jair e Hamilton

Os mecanismos políticos que permitiram a chegada da extrema direita ao governo do Brasil foram deflagrados em 2015, no primeiro ano do segundo mandato de Dilma Rousseff, em reuniões de parlamentares opositores e situacionistas, além de juristas e economistas de todas as cores políticas e ideológicas, organizadas por um deputado federal piauiense do PSB, Heráclito …

por em

Um novo tempo. Mas… qual?

Durante o governo Temer, havia quem perguntasse por que não havia uma explosão das massas populares diante dos abusos e achincalhes que sofriam e os absurdos que se revelavam. O resultado das eleições de 2018 foi, quem sabe, uma dessas explosões – não do jeito como alguns esperavam ou desejavam. A seu modo, inesperado e …

por em

Um olhar sobre a instável hegemonia da direita radical

Os últimos cinco anos testemunharam claras mudanças na política brasileira. A novidade veio, sobretudo, dos setores mais radicais da direita, agora fortalecidos após as eleições, nas quais colecionaram inúmeras e muitas vezes imprevistas vitórias. A conquista de Jair Bolsonaro é apenas a superfície de uma avalanche. Os resultados do pleito não decorrem, entretanto, apenas de …

por em

Os brasileiros são todos fascistas?

Há poucos meses, o Brasil caminhava para uma guinada à esquerda. Tudo indicava que Luiz Inácio Lula da Silva (Partido dos Trabalhadores, PT) venceria facilmente a eleição presidencial em outubro de 2018. Com 40% das intenções de voto, o ex-chefe de Estado desfrutava de uma vantagem confortável sobre seus adversários, inclusive em um contexto de …

por em

Somos muitos, podemos ser fortes

Cinquenta e oito milhões de brasileiros e brasileiras elegeram Jair Bolsonaro presidente da República. Isso representa 39% do total de 147 milhões de pessoas aptas a votar. Temos então que 89 milhões de brasileiros e brasileiras, ou 61% dos eleitores, não votaram nele. Destes que não votaram em Bolsonaro, 47 milhões votaram em Haddad; quase …

por em

Mudança favorável na Ásia

Há um país onde, diferentemente do que ocorre no Brasil, a justiça processa ex-presidentes conservadores, os condena por desvio de verbas e manda-os para a prisão. Onde direita, extrema direita e protestantes fundamentalistas se consideram traídos por Donald Trump. Onde, em vez de questionar um acordo de desarmamento nuclear, como aquele feito com o Irã, …

por em

A democracia do amor

Li em algum lugar que o amor é o teatro dos ricos e o circo dos pobres. Em verdade, não sei se eu li, ou se vi em uma dessas séries de TV por assinatura. Certo é que tenho pensado nisso e me intriga o fato do amor da classe média não ter sido inscrito …

por em

Guilhotina #01 Esther Solano – Conheça o novo podcast do Diplo

Neste primeiro episódio, Luís Brasilino, Cristiano Navarro e Taís Ilhéu, da redação do Le Monde Diplomatique Brasil, e o jornalista Maurício Hashizume conversam com a socióloga Esther Solano sobre a ascensão da extrema direita no Brasil e a vitória de Jair Bolsonaro nas eleições de 2018. Esther, organizadora do livro recém lançado pela editora Boitempo …

por em

O que a cultura tem a ver com a vitória de Bolsonaro?

O fenômeno de Jair Bolsonaro é explicado por uma teia complexa de elementos interligados e interdependentes. É uma questão de representatividade ultraconservadora; é resultado de uma militarização histórica da política brasileira; é fruto de uma minimização dos debates travados sobre notícias falsas que vêm sendo alertados por entidades competentes desde antes das eleições. Também é …

por em

A mídia antipetista: quem está por trás do portal “O Antagonista”?

Nestas eleições de 2018, o portal O Antagonista ganhou destaque ao se prestar ao serviço de “assessoria de imprensa” informal da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República. Como ele é um dos dez sites noticiosos brasileiros mais acessados em 2017, é pertinente investigar seu papel na ascensão da extrema-direita no país, assim …

por em

Reflexões sobre o bolsonarismo

Venho insistentemente tentando compreender o fenômeno do bolsonarismo que se exasperou neste ano eleitoral e que penetrou nas mais variadas camadas socioeconômicas do Brasil. É deveras reducionista responder a esse movimento como simples antítese à generalizada corrupção desencadeada pelo PT nos governos Lula e Dilma. Por essa razão, ou seja, por não aceitar resposta óbvia …

por em

Infâncias, eleição e democracia – A Redação

  Muitas famílias, unidades de educação infantil e ensino fundamental I  acreditam ser importante tratar dos assuntos comentados pelos adultos. Ora se trata das Olimpíadas, ora da Copa do Mundo e agora das eleições 2018. Muitas vezes, por não sabermos como proceder, nos silenciamos. Alguns adultos preferem proteger as crianças dessa chuva de informações e …

por em

A produção de verdades falsas: o que o PSL aprendeu com Foucault

“Não há hoje um povo que não clame por César”, disse o jurista Francisco Campos em seu livro O Estado nacional publicado em 1939. Nas épocas de crise, as massas não conseguem resistir à sedução de um Leviatã. Mas, para entender melhor esse processo no mundo atual, precisamos estabelecer conexões entre poder e verdade. Poder …

por em

O que está em jogo na independência do Banco Central?

A independência do Banco Central (BC) é uma oferta do santo graal que políticos recorrentemente fazem ao tecnicismo e aos interesses do “mercado”. O BC brasileiro há algumas décadas tem autonomia operacional para executar a política monetária. A independência significaria conferir a seus diretores mandatos por períodos fixos e não coincidentes com o do presidente …

por em

Steve Bannon e as eleições fake

Um novo termo começou a ser difundido desde a última eleição presidencial norte-americana: fake news. Até algumas semanas tratávamos disso com certo comedimento, era comum aparecem notícias falsas pela internet. Então surgiram rumores da atuação de uma tal Cambridge Analytica, chefiada por um tal Steve Bannon, especializados em coletar dados de contas do Facebook, criar …

por em

Os óbices do financiamento

A campanha eleitoral está dando ensejo à discussão de dois modelos de financiamento do investimento na economia brasileira, em particular, na infraestrutura. Um, de fundamento liberal defendido por uma gama ampla de partidos, mas levado ao paroxismo pelo candidato Bolsonaro; o outro, de natureza desenvolvimentista suportado pelo candidato Fernando Haddad. No primeiro, a ideia força …

por em

Considerações sobre o silêncio

O silêncio tem lá sua beleza – seja o efeito estético na construção literária como, por exemplo, o silêncio das mulheres ideais de Heinrich Heine, retratadas em Noites Florentinas; seja o efeito musical, como na música The Sound of Silence de Simon & Garfunkel; e também na pesquisa histórica, que, por sua vez, vê no …

por em

Pra quem sabe ler, um pingo é letra

O fascismo é uma forma de governo que foi aplicada principalmente na Itália, na Espanha e na Alemanha no século XX. Nesse último país ficou conhecido como nazismo, em função da abreviatura do nome do partido político de Hitler. As ditaduras militares na América Latina possuem muitas características comuns com aquele regime, embora a literatura …

por em

A vitória da direita será o caminho para a corrupção voltar aos seus dias de glória

O erro da esquerda foi ter acreditado no processo democrático, ou melhor, nas instituições que zelam pela democracia que, por sua vez, mostram-se claramente contrários a ela (a ambiguidade aqui foi proposital). Desde o golpe, o PT vinha com críticas fortes à violação aos eleitores que não tiveram o seu voto respeitado. Críticas que se …

por em

O porte de “armas” precisa vir antes da posse do título de eleitor

Sou a favor da posse e do porte de armas, de todos os calibres, para toda a população. Me entenda bem, toda pessoa tem o direito à legítima defesa e vamos ser sinceros? Isso só é possível com a liberação imediata de armamentos, queremos armar as mentes. Sei que uma pistola fascina e leva franco-atiradores …

por em

A negação do imprescritível: Como Ustra foi isentado de reparar o assassinato de Merlino

A prescrição é a regra conforme a qual, depois de certo prazo, não é mais possível promover uma ação contra o autor de um ato ilegal, ou aplicar a ele uma pena¹.  Por trás dela está a ideia de que, passado o tempo, as provas terão se perdido e os sentimentos estarão apaziguados, deixando de …

por em

Carta aos novos intelectuais

Minha mãe queria ser jornalista, escritora. Sonhava quando menina com a pena e o papel. Não teve a oportunidade. Os livros eram caros demais. “Sabe por que os livros custam tanto? Porque eles nos querem ignorantes.” Foi mais ou menos isso que ela me disse quando eu tinha uns 11 ou 12 anos. Ela comprava, …

por em

Ao responsabilizar igualmente Haddad e Bolsonaro pela violência, a mídia isenta candidato do PSL

A mídia brasileira insiste em dizer que vivemos uma eleição polarizada, na qual os candidatos estão equidistantes nos polos. Produzir a falsa equivalência entre extremos é fundamental para que a mídia possa equalizar Bolsonaro e Haddad, transformando ambos numa igual ameaça à democracia, como já apontamos. Passo seguinte no esforço de equalização, a mídia busca, …

por em

Quando a grande mídia pedir desculpas por acabar com a democracia, o que faremos?

É muita cara de pau uma jornalista como Miriam Leitão vir dizer agora que o PT combateu a corrupção e que representa muito mais a democracia que Bolsonaro. A Globo foi a corporação midiática que contribuiu na disseminação da maior fakenews de todas: a de que o PT quebrou o Brasil. Essa fakenews misturada com …

por em

A mídia e a ascensão do conservadorismo neofascista nos trópicos

“A alienação do espectador em favor do objeto contemplado (o que resulta de sua própria atividade inconsciente) se expressa assim: quanto mais ele contempla, menos vive; quanto mais ele aceita reconhecer-se nas imagens dominantes da necessidade, menos compreende sua própria existência e seu próprio desejo. Em relação ao homem que age, a exterioridade do espetáculo …

por em

Totalitarismo e identidade nacional: o passado é agora

Este breve ensaio busca reunir um fundamento teórico para uma pesquisa realizada sobre identidade de massa e endossamento político de medidas autoritárias. No texto serão identificados traços entre a eleição de 2018 e a fórmula de campanha adotada pelo candidato Jair Bolsonaro com trejeitos do desenvolvimento de uma cultura totalitária no seio social. O marco …

por em

Eleições 2018 e o reencontro com a história

O Brasil vive um dos momentos mais difíceis de sua vida política desde quando foi aprovada a Constituição de 1988 e reconquistado o direito universal de votar para presidente. A dinâmica da luta de classes impõe dinâmicas e escolhas políticas que ambos os lados precisam fazer. Nenhuma classe luta sozinha enquanto a outra aguarda, pacientemente, …

por em

O mundo invertido de Bolsonaro

Bolsonaro é um monstro de duas cabeças. Um duplo. Como os homens que unem as graças do matrimônio à força da família, mas que nada dizem sobre suas escapadas com prostitutas, dificilmente ele cometerá o erro de expressar seus planos centrais diante de público mais amplo. Por trás de falas agressivas, altamente reacionárias e populistas, …

por em

As veredas da infraestrutura

Há consenso entre economistas de várias orientações sobre a importância da infraestrutura no desenvolvimento econômico. Além de dinamizar a economia no curto prazo, pela criação de demanda por materiais de construção e, principalmente, pelo aumento do emprego, a ampliação e melhoria da infraestrutura tem efeitos mais generalizados e permanente, tais como, a elevação da produtividade …

por em

A Previdência e a proposta de regimes múltiplos

O sistema previdenciário brasileiro é uma conquista da Constituição de 1988. Ancorada pelo eixo da solidariedade, é composta de uma parte contributiva, financiada por trabalhadores e empregadores, uma parte de financiamento coletivo por meio de impostos e uma parte não contributiva, acessada via Assistência Social. Em 2015, o sistema inteiro pagou 40 milhões de benefícios …

por em

Deus e o diabo na terra de Riobaldo: coisas por demais de muitas!

Viver é muito perigoso! afirmou Guimarães Rosa em Grandes Sertões Veredas. Mais do que nunca a frase faz sentido: viver é de fato muito perigoso. Riobaldo, o personagem rosiano que profere tal sentença, estava consciente da existência de um perigo exímio, mas não sabia exatamente o que era. Daí a angústia em lutar por algo …

por em

Uma carta sobre o momento político

Fui instigado a escrever essa carta porque não podia calar num momento político tão atormentado como o nosso, hoje. Não consigo responder isoladamente a todas e a todos nas redes sociais, nos grupos, nos e-mails. Fica, então, essa carta como resposta coletiva. Familiares e amigos: não o faço por provocação; é por dever cívico. E …

por em

Por que uma pessoa abriria mão da liberdade e dos direitos para votar em Bolsonaro?

Quem assistiu ao filme Esquadrão Suicida pôde observar uma questão curiosa. A agente, interpretada pela vencedora do Oscar, Viola Davis, intitula-se “o olho” e liberta os vilões para combater o que chama de “terrorismo”. “As pessoas deixam a sua liberdade para defender este país”, diz a agente. É renunciando à liberdade que a liberdade pode …

por em

Ascensão do bolsonarismo e os rumos do campo progressista

Independente dos resultados do segundo turno das eleições, a nova bancada de deputados, senadores e governadores expõe uma nova configuração da política nacional marcada pela ascensão de novas forças políticas e rupturas de antigas estruturas de poder materializada na destruição da “velha direita democrática”, aquela formada após a Constituição de 1988, e numa crescente fragmentação …

por em

Luta de classes e a dinâmica das representações políticas no Brasil

Quais as razões deste protagonismo da extrema direita no cenário eleitoral brasileiro? Existem mais coisas entre o céu e a terra do que pregam as campanhas eleitorais. A crise que ora vivemos foi a confluência de muitos fatores a começar pelo governo anterior. O desenvolvimento econômico e a política de conciliação de classes realizada pelo …

por em

O que aprendi em debates com eleitores de Bolsonaro nas redes sociais

Primeiro, aprendi que Jair Bolsonaro do Partido Social Liberal é personagem controverso que representa uma ameaça a democracia brasileira e uma ilusão perdida de mudança de seus eleitores, que atuam nas redes sociais projetando nele a saída para a crise justificando seu voto pelo fato dele estar na ficha limpa. Muitos desses eleitores são trabalhadores …

por em

A voz da casa-grande

Apesar do discurso com viés racista e discriminatório, o candidato Jair Bolsonaro detém a preferência da classe média/alta e a pergunta posta a exame é; por que essa importante parcela do eleitorado que o coloca em primeiro lugar nas pesquisas,relevam os aspectos e declarações desumanas do candidato? Frases como, “o erro da ditadura foi torturar …

por em

O STF e a “maldição autoritária” em andamento

A declaração pública do novo presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, de que “a intervenção militar” de 1964 não foi “nem golpe, nem revolução”, mas um “movimento”, é um espirro de gasolina na fogueira política que nos encontramos desde junho de 2013. Visto de forma isolada, do ponto de vista acadêmico, nomear de “movimento …

por em

Brasil 2018: direitização das classes médias e polarização social

A virada dos anos 1970-1980 foi marcada na América Latina pelo fim das ditaduras militares que, nas décadas anteriores, represaram forças de transformação social em todo o continente. Esse represamento foi sucedido por um período de transição democrática, catalizador de expectativas e reivindicações populares, que se materializava em forte pressão social contra o continuísmo de …

por em

Da guerrilha na Alemanha às favelas brasileiras

As memórias de Lutz Taufer, Atravessando fronteiras: da guerrilha urbana na Alemanha ao trabalho comunitário nas favelas brasileiras, constituem um livro para duas gerações e dois países. Ex-membro da guerrilha urbana Fração do Exército Vermelho (Rote Armee Fraktion, em alemão), mais conhecida pelo apelido dado pela imprensa sensacionalista de Banda Baader-Meinhof, Lutz Taufer passou vinte …

por em

Por que os trabalhadores não percebem o ódio que Bolsonaro tem a eles

A imprensa, que vive através do conluio com o grande empresariado, jamais se posicionaria contrária às reformas trabalhistas e à venda do pré-sal para o capital estrangeiro. E a maneira pela qual atua nesse processo eleitoral demonstra claramente a sua posição. Adotando estratégias de divulgação da notícia, escolheu depreciar a imagem de Jair Bolsonaro na …

por em

João Grilo, os neoliberais e as contas públicas

João Grilo, sujeito desvalido de qualquer direito, pobre e arguto, no dia do seu traspassamento, afirma: “O senhor não repare não, mas de besta eu só tenho a cara. Meu trunfo é maior do que qualquer santo”. E Jesus pergunta: “Quem é?” João responde: “A mãe da justiça”. Ouvindo a conversa, o diabo ri e …

por em

Rascunhos sobre Distopia: web-série reflete sobre realidades distópicas

Umbigolândia, uma terra em que pescoços imensos e curvados permitem que cada um tenha e viva apenas seu mundo particular, situado no centro de si mesmo. Ficção ou retrato da realidade? E em que medida o mundo real já não carrega uma conotação mais assustadora que a da ficção? O cantor Belchior já dizia que …

por em

Regulação da mídia: a invisibilidade de uma agenda essencial à democracia

Enquanto o Brasil se mobiliza nas mais polarizadas eleições desde a redemocratização, uma agenda passa ao largo da preocupação de eleitores, autoridades e especialistas: a regulação dos meios de comunicação. Das candidaturas, apenas duas (Fernando Haddad, do PT, e Guilherme Boulos, do PSOL) trazem propostas sobre a regulação do setor com vistas à promoção da …

por em

Capa “Tribunais de Exceção” é finalista no prêmio Vladimir Herzog

“Chega a ser desesperador. O Executivo, o Legislativo e o Judiciário se alinharam com a oligarquia financeira e estão destruindo o Brasil e nossa democracia.” Assim abria o editorial de março deste ano do Le Monde Diplomatique Brasil. Para aqueles que insistiam em não enxergar, Vitor Flynn desenhou: na capa da edição, o tribunal de …

por em

Aperte verde e confirme: o discurso ambiental dos presidenciáveis

Um raro consenso entre os candidatos à presidência da República é a percepção de que em outubro os brasileiros irão às urnas em meio a um cenário de grave crise econômica, política e ética. Não deixa de ser paradoxal, no entanto, que os problemas ambientais fiquem em segundo plano no confronto democrático, mesmo em face …

por em

Miscelânea

A GUERRA: A ASCENSÃO DO PCC E O MUNDO DO CRIME NO BRASIL Bruno Paes Manso e Camila Nunes Dias, Editora Todavia Quem nasceu primeiro, o crime organizado ou a ofensiva virulenta de um Estado em nome do combate à violência? A história da maior facção criminosa do país é marcada, em diversas camadas, por …

por em

“Sem cultura você tem a fronteira, o país, mas não tem uma nação”

  Fernanda Montenegro é lacônica sobre o ofício que escolheu: “uma profissão arretada”. O teatro, que no Brasil vive em permanente estado de emergência, só admite aqueles que, como ela, são devotos do palco, sem moderação ou desconfiança. “Desista. Se morrer, volta. Se não morrer, não volta”, disse a uma amiga relembrando o conselho que …

por em

Tremam, as bruxas estão de volta!

Todo mês, desde a posse de Donald Trump, em janeiro de 2017, milhares de bruxas reúnem suas forças, na lua minguante, para amarrar um feitiço (binding spell) para o presidente com a esperança de limitar seu poder maligno. Algumas se encontram ao pé da Trump Tower, em Nova York; outras fazem uma cerimônia em casa, …

por em

Quando a Iugoslávia apoiava as lutas anticoloniais

Algumas imagens despertam a nostalgia de uma época passada: a dos líderes do movimento não alinhado tentando estabelecer as bases de uma nova ordem mundial, ou então as do marechal Josip Broz Tito (1892-1980), presidente da República Socialista Federativa da Iugoslávia (RSFI), em imponente uniforme branco de desfile, recebendo em sua casa de campo na …

por em

Heroína com receita médica

“Usei heroína para enfrentar meus problemas psicológicos”, explica David, um quinquagenário viciado há 25 anos. “Isso acabou comigo. Perdi meu emprego de relojoeiro, pedi dinheiro ‘emprestado’ à namorada, aos amigos… Acabei na rua. Para comprar as doses, tornei-me usuário-revendedor.” Há um ano e meio, ele comparece diariamente ao centro do Programa Experimental de Prescrição de …

por em