Gabi Bonin, Autor em Le Monde Diplomatique

Jogo de cena das empresas e bancos em relação ao desmatamento

Os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em junho de 2019 constataram um aumento de 88% no desmatamento da Amazônia em relação a junho de 2018 e 40% no total acumulado nos doze meses referentes a esse intervalo. As imagens da floresta em chamas correram o mundo e geraram atritos diplomáticos entre …

por em

Miscelânea

PONTO-FINAL: A GUERRA DE BOLSONARO CONTRA A DEMOCRACIA Marcos Nobre, Todavia: São Paulo, 2020.   As cenas não poderiam passar despercebidas – e não passam. Em meio ao crescimento vertiginoso das mortes por Covid-19 no Brasil, o comportamento de Jair Bolsonaro parece descolado da realidade. Ora o presidente sai para passear de jet ski, ora …

por em

Renascimento das pioneiras

Em 1896, um ano após o nascimento do cinematógrafo, a francesa Alice Guy, de 23 anos, dirigiu A fada do repolho. Esse filme de 51 segundos a tornou a autora da primeira ficção fantástica da história do cinema e também a primeira mulher cineasta. Ela prosseguiu sua atividade de diretora durante cerca de vinte anos, …

por em

Bombas biológicas nos aeroportos

Acreditávamos conhecer o cenário da chegada do novo coronavírus a Europa com os primeiros casos graves detectados no fim de janeiro e as primeiras mortes no fim de fevereiro. Na Itália, o Instituto Superior de Saúde descobriu outra história, tornada pública em 18 de junho: “Os resultados, confirmados em dois laboratórios por dois métodos diferentes, …

por em

Os medos dos brancos nos Estados Unidos

A partir da Segunda Guerra Mundial, a “grande migração” de afro-americanos do sul dos Estados Unidos para as cidades industriais do norte e do meio-oeste do país causou uma “fuga” dos brancos. Estes preferiram ceder às pressas seu patrimônio imobiliário, preocupados em ficar entre aqueles que estavam chegando e com medo de que uma vizinhança …

por em

Migalhas suecas

Meio-dia de uma terça-feira normal, em Hägersten, na periferia sul de Estocolmo. Dezenas de clientes aguardam diante dos portões do supermercado “social e solidário” Matmissionen (cujo significado é “missão alimentar”). Os primeiros chegaram duas horas antes, a fim de obter uma senha melhor na fila de espera. Podem, enfim, entrar na loja, mas a conta-gotas, …

por em

Na Alemanha, hospitais bem rentáveis

Axel Hopfmann foi enfermeiro em um hospital por muito tempo. Em 2004, o estabelecimento em que trabalhava, em Hamburgo, foi privatizado. Ele preferiu então continuar na administração pública a se tornar empregado de um grande grupo voltado para o lucro. “Trabalho hoje em um escritório”, especifica. Constanze Weichert, enfermeira há dez anos, deixou outro hospital …

por em

A anorexia, uma doença social

Raramente uma doença escolhe vítimas de modo tão pouco aleatório: entre 90% e 95% das pessoas que sofrem de anorexia mental – distúrbio do comportamento alimentar que se manifesta por uma privação estrita e voluntária da alimentação por um período de vários meses, ou até vários anos – são mulheres. Tal desequilíbrio entre os dois …

por em

Memória de um Setembro Negro

Amã, setembro de 1970. “Revolução até a vitória!”, “Todo o poder para a Resistência!”, “A estrada para Jerusalém passa por Amã!”. Esses slogans, pintados nas paredes da capital da Jordânia, estão ao lado de cartazes do “guerrilheiro heroico” Che Guevara, assassinado em 9 de outubro de 1967 na Bolívia por ordem da CIA. Militantes armados, …

por em

Líbia, um condomínio russo-turco?

Desde o levante popular de fevereiro de 2011 seguido da intervenção aérea das forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e da morte do seu chefe de Estado, Muamar Kadafi, a Líbia está entregue ao caos, à fratura e às ingerências externas. As três regiões tradicionais do país se transformaram em agrupamentos fratricidas.1 …

por em

Manipulação digital na África

Por muito tempo colocadas no museu das utopias, as eleições democráticas se disseminaram na África no decorrer das três últimas décadas. Mas, à medida que o continente se conecta à internet, o risco de manipulação digital cresce, principalmente por meio das redes sociais. A ameaça parece ainda mais grave na medida em que passa muitas …

por em

A “República Pentecostal” da Nigéria

Na Nigéria, epicentro do despertar cristão na África e no mundo, o neopentecostalismo, comumente chamado de cristianismo renascido (born again), nutre a renovação evangélica. Potência demográfica e econômica, esse país da África ocidental produziu um número significativo de pastores ricos e famosos no mundo inteiro. Entre eles, David Oyedepo, bispo da Igreja da Fé Viva, …

por em

O amém à segunda maior TV brasileira

São cinco e meia da manhã, na sede do 22º Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro, e membros de uma equipe de televisão vestem coletes à prova de balas. Entre eles está o apresentador de jornalismo Ernani Alves, do programa Cidade Alerta Rio, que vai ao ar à tarde, de segunda a sábado. …

por em

Os evangélicos sul-coreanos na arena política

Na primavera de 2020, quando a pandemia de Covid-19 ameaçava se espalhar pela Coreia do Sul, os evangélicos conservadores continuaram com suas reuniões diárias, exigindo a renúncia do governo e se recusando a substituir as cerimônias religiosas presenciais pelos cultos on-line. Ao contrário dos budistas e dos católicos, eles consideraram que estava em curso um …

por em

Uma Internacional reacionária

Do Rio de Janeiro a Seul, passando pela Cidade do México e por Lagos, há quatro décadas o mundo protestante passa por uma dinâmica ultraconservadora que influencia as questões sociais, societais, econômicas e diplomáticas. Com seus 800 milhões de fiéis, o evangelismo cristão – uma corrente do protestantismo – tem tido um avanço fulgurante.1 No início …

por em

Privatização ameaça território sagrado

Pai Tiago de Bará gravou uma live improvisada, em sua própria casa, no dia 4 de junho deste ano. Visivelmente nervoso, ele advertia: “Nós podemos perder o nosso espaço sagrado […]. A gente não está falando só do Bará do Mercado. Todas as paredes, todos os portais, todos os caminhos internos e externos do Mercado …

por em

O cinema em tempos de cólera

As portas fechadas da Cinemateca impedem que os antigos funcionários, mesmo que de forma voluntária, façam a mínima manutenção no acervo. Cercado de policiais armados, o governo federal tomou as chaves e desfez os vínculos com todos os colaboradores. Restam para cuidar de toda a memória fílmica do país dois bombeiros, abandonados à própria sorte, …

por em

Canto do povo de um lugar

Esse negócio de povos e privilégios Quando um homem e sua família resolveram deixar a aldeia aos pés da missão em que seu povo havia sido reduzido e regressar às cabeceiras do Rio Trairão, onde nasceram e morreram seus pais e avós, o chefe de posto da Funai lhes teria negado o direito. Não se …

por em

A guerra para viver de cultura no Brasil

Desde que a vitória de Jair Bolsonaro começou a parecer certa, o setor cultural ficou em alerta. Por uma simples razão: ele já havia escolhido a cultura como inimiga. E, sim, a cultura é realmente sua inimiga. Não pode ser diferente quando consideramos seu perfil. O desmonte na área promovido por ele desde que assumiu …

por em

Arte e cultura da ponte pra cá

Eu tinha pelo menos 12 anos quando descobri que era negra, afrodescendente, mestiça, afroindígena. Pareceria estranho dizer isso se não soubéssemos que o Brasil é um país estruturalmente racista e que há tempo demais temos sido coniventes. Nesse mesmo processo descobri coisas sobre minha identidade, meu bairro, meu lugar no mundo e também sobre mundos …

por em

Políticas públicas e estratégia eleitoral

A pouco mais de dois meses das eleições municipais, o governo Bolsonaro prepara o lançamento de um conjunto de políticas sociais para os eleitores de baixa renda. Anuncia o Renda Brasil (R$ 300?) para substituir o Bolsa Família (R$ 190), indicando que o valor será maior que o deste último e que os beneficiários serão em maior …

por em

Restauração em Washington?

Em 2008, quando Barack Obama designou o veterano centrista Joe Biden como seu candidato à vice-presidência, a prudência parecia se impor: os democratas já expressaram seu desejo de ruptura escolhendo um negro progressista contrário à Guerra do Iraque para suceder George W. Bush. Em novembro, será Biden quem carregará as cores do partido. Contudo, este …

por em

O racismo como psicopatologia social do Brasil

No livro Peles negras, máscaras brancas,[1] o psiquiatra Frantz Fanon (1925-1961) sustenta que o racismo passou a se tornar uma psicopatologia social a partir do colonialismo. No Brasil, sabidamente, a subordinação das minorias raciais teve início com a sua mercantilização pelo processo de colonização europeu. Ainda que possa ser considerado como o período pré-histórico do …

por em

Política fiscal e desoneração tributária no Brasil

Munidos de poder econômico e lobby político, os grupos de interesse recorrem à política estatal para garantir a realização dos negócios. Sabem que o Estado exerce influência considerável na economia por meio da demanda efetiva, seja adquirindo bens, comprando equipamentos, contratando serviços e reciclando títulos podres. Porém o Estado ao garantir a realização dos negócios …

por em

Miscelânea

POR UM POPULISMO DE ESQUERDA Chantal Mouffe, Autonomia Literária   Acaba de chegar ao Brasil o novo livro de Chantal Mouffe, Por um populismo de esquerda. O título, provocador, é um chamado à ação política e soa especialmente provocativo no atual contexto brasileiro. Já no início a autora apresenta seu diagnóstico central, cujo foco é, …

por em

Terrorista um dia, sempre terrorista?

Fim de março de 2020. A fim de esvaziar as prisões francesas num momento em que a pandemia do coronavírus ameaça provocar uma catástrofe, a ministra da Justiça, Nicole Belloubet, ordena a liberação de 13,5 mil presos nos dois meses seguintes. Trata-se principalmente de pessoas que já cumpriram a maior parte da pena. No momento …

por em

A guerra das terras-raras vai acontecer?

A cena aconteceu em 20 de maio de 2019, em Ganzhou, cidade de uma dezena de milhões de habitantes situada na província de Jiangxi (sudeste da China). Xi Jinping, o presidente chinês, caminha pelos corredores de uma usina de terras-raras. Para essa “visita de inspeção”, amplamente coberta pela imprensa oficial, ele está acompanhado por Liu …

por em

O mundo ideal dos hobbits

Provavelmente ninguém é obrigado a acreditar que John Ronald Reuel Tolkien (1892-1973) seja o autor da “obra mais rica e complexa do século XX”,1 mas a verdade é que a trilogia Senhor dos Anéis vendeu 150 milhões de exemplares, com a ajuda das adaptações de Peter Jackson para o cinema: US$ 3 bilhões pela projeção …

por em

“Língua servil” e sociedade da submissão

A crise política que o Japão atravessa é a mais grave desde 1947, data de entrada em vigor da atual Constituição. E, neste momento, cabe justamente aos cidadãos aprovar ou não sua revisão segundo o projeto publicado em 2012 pelo Partido Liberal Democrata (PLD), que está no poder. O primeiro-ministro Abe Shinzo, que o dirige, …

por em

Babel jovem e inocente

O rapaz ia à cidade. Em direção ao leste, ao nascer do dia seguinte. As férias de verão jorravam como suor. Na véspera, a última aula fora muito simples, tal como um problema de matemática resolvido desde a leitura do enunciado. Fim da aula. As férias começavam. O rapaz se lançou para fora da sala …

por em

Os usos de Johann Sebastian Bach

Em 31 de julho de 1750 enterraram em Leipzig “um homem de 67 anos, o senhor Johann Sebastian Bach, mestre de capela e diretor de coro da Escola Saint-Thomas, falecido na terça-feira. Quatro filhos menores, carro fúnebre grátis”.1 A família do compositor se mudou. Wilhelm Friedmann, o filho predileto, dirigia a música da cidade de …

por em

Afinal, para que servem os artistas?

Maravilhoso: a arte é hoje muito, muito bem-vista por nossos políticos, parece até uma solução milagrosa para os múltiplos problemas suscitados ou agravados pela “crise” sanitária e social atual. Sem exageros, trata-se quase sempre da-arte-e-da-cultura, seja lá o que se entenda por isso. Mesmo assim, é um momento impactante. Em 2 de maio, respondendo a …

por em

A sede por segurança social no mundo das artes

Os trabalhadores do setor das artes e da cultura estão em dificuldades. No mundo do espetáculo, salas de teatro e de cinema fecharam, o que significou uma interrupção brutal no processo de difusão das obras e na entrada de dinheiro. Nas artes visuais, galerias e museus deixaram de receber o público. No setor do livro, …

por em

Polêmicas sobre a restituição das obras de arte africanas

Naquele 23 de março de 2019, trezentas armas e obras rituais do continente africano eram leiloadas em uma sala em Nantes. “Vocês receberão um recibo pela compra, mas os fabricantes desses itens receberam apenas a morte”, lançou Thomas Bouli, porta-voz da associação Afrique-Loire, interrompendo a reunião. “A França acaba de emitir o princípio da restituição …

por em

A Bolívia enfrenta a agonia de suas geleiras

Dezenas de milhares de pequenos pontos vermelhos cintilam no horizonte: são os tijolos de La Paz e de sua vizinha popular, El Alto. O Monte Chacaltaya (5.395 metros) está localizado na Cordilheira Real, cerca de 30 quilômetros ao norte da capital administrativa da Bolívia. Cem metros abaixo do cume, a estrada sinuosa termina com uma …

por em

Defesa dos indígenas contra a Covid-19

A pandemia de Covid-19 que assola a humanidade atinge gravemente o Brasil, que ocupa a posição de segundo país em casos e mortes, números esses que aumentam a cada dia. Essa situação já grave por si mesma fica ainda mais trágica com a demora e ineficácia das medidas tomadas pelos órgãos públicos de saúde para …

por em

Os populistas norte-americanos contra o lobby dos médicos

Neste ano de pandemia, a crise política que lhe serve de fundo teria relação, segundo dizem, com a obstinação do povo norte-americano em rejeitar a autoridade do discurso científico. Veja aquele pessoal brincando na piscina do restaurante, perto do Lago de Ozarks (Missouri), enquanto uma epidemia terrível varre o país… E toda aquela gente que …

por em

As cidades secretas da pesquisa nuclear soviética

Todo ano, faça chuva ou faça sol, 50 mil peregrinos vêm a Diveievo meditar sobre os passos de São Serafim (1754-1833). No meio do bosque, a rocha sobre a qual o asceta russo passou dias em oração; um pouco mais adiante, a fonte gelada onde se pode encher cantis e garrafas, e o lago adjacente …

por em

Como controlar a pandemia no Brasil

Entramos no temido mês de agosto com mais de 2 milhões de casos e perto de 100 mil mortos confirmados por Covid-19 em todas as regiões do Brasil. Em função da grande diversidade geográfica, social e cultural do país, o panorama da pandemia mostra-se bastante complexo. Aqui, ela tornou-se um sistema de epidemias, afetando distintos …

por em

A roleta-russa da abertura das escolas

Nove estados anunciaram em julho o retorno das atividades presenciais nas escolas para agosto e setembro: Acre, Distrito Federal, Maranhão, Paraná, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins – governados por partidos tão diferentes quanto MDB, PCdoB, PSD, PT, PSL, PSDB e PHS. Em cada um deles há um cenário …

por em

Bolsonaro, a pandemia e a explosão das demandas sociais

O primeiro ano do governo Bolsonaro foi de múltiplas privações para a sociedade brasileira. As reformas trabalhista e previdenciária e as medidas de austeridade resultaram, entre outras mazelas, na queda do PIB per capita em dólar em 2019 (–3,2%) e na continuidade da trajetória de precarização do trabalho, uma vez que a maior parte dos …

por em

O colapso de um modelo de gestão

Na segunda metade dos anos 1990, o Brasil se destacou no cenário internacional ao implementar um dos maiores programas de privatização dos serviços públicos do mundo. O governo de Fernando Henrique Cardoso, com o Programa Nacional de Desestatização, passava para as mãos do setor privado, além de bancos e estatais nas áreas de mineração, siderurgia …

por em

Quem quer prolongar a guerra no Afeganistão?

Os soldados norte-americanos de 18 anos que partem hoje para a guerra no Afeganistão ainda não eram nascidos quando o confronto foi desencadeado. Em 2012, Donald Trump já havia concluído: “Está na hora de deixar o Afeganistão”.1 Não ficou provado que ele atingiu seus objetivos melhor que seu antecessor, Barack Obama. Cada uma das tentativas …

por em

Por um programa de garantia de empregos no Brasil

Em meio à pandemia, a prefeitura do munícipio de Três Pontas (MG) identificou a aglomeração de pessoas como um problema a ser combatido. Em resposta, contratou cem pessoas desempregadas para fazer o trabalho de monitoramento de pontos de aglomeração ao custo de um salário mínimo. E se outras prefeituras pudessem contratar desempregados com salários pagos …

por em

O vírus que o Brasil não conseguiu eliminar

A pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2) tem alterado a rotina de grande parte das pessoas. Com o avanço da doença, a partir da transmissão comunitária, medidas de contenção social foram adotadas pelos governos como forma de combate à Covid-19. Entretanto, tais recomendações vêm causando severas repercussões negativas para uma parcela específica e significativa da sociedade: …

por em

Elena Ferrante: desejo de intangibilidade

O poeta italiano Attilio Betolucci tem um verso que diz: “Ausência, a mais aguda presença”. Como no paradoxo do verso de Bertolucci, a ausência de uma figura que acompanhe o nome Elena Ferrante tem sido percebida como uma das presenças mais afirmativas do cenário literário contemporâneo. Há quase três décadas, Ferrante tem assinado algumas das …

por em

O que Bolsonaro falou durante a pandemia

Em dois meses e meio de pandemia Jair Bolsonaro falou o suficiente para preencher 130 páginas de pronunciamentos, entrevistas, coletivas e “lives”. Em uma média superior a mil palavras ao dia, é possível reconhecermos padrões de conteúdo, prioridades e valores do presidente diante da maior crise sanitária do século XXI. Durante 77 dias de pandemia …

por em

O enfrentamento do coronavírus na Venezuela

A pandemia do novo coronavírus teve seu início entre novembro e dezembro de 2019, sendo identificada pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan. A alta transmissibilidade do vírus SARS-CoV-2 provocou uma rápida propagação do quadro a nível mundial desde então.[1] Na Venezuela, os primeiros casos reportados foram registrados no dia 13 de março e …

por em

Miscelânea

O ESPÍRITO DOS MEUS PAIS CONTINUA A SUBIR NA CHUVA Patricio Pron, Todavia O romance do argentino Patricio Pron pertence a um conjunto de obras relacionadas à última ditadura militar de seu país, entre 1976 e 1983. Com base em suas experiências e/ou na leitura que fizeram sobre as vivências de seus pais e familiares, …

por em

A extinção judicial do Escola sem Partido

Antes tarde do que nunca. O STF decidiu dar fim a uma das mais danosas farsas jurídicas da atualidade: as legislações antigênero na educação, que proliferam no Brasil desde 2014. Disseminadas por movimentos reacionários e grupos fundamentalistas junto aos Legislativos, essas normas e os debates parlamentares que as antecedem dão suporte institucional à cruzada antigênero …

por em

O lado vergonhoso do “metal azul”

A indústria mundial corre o risco de ficar sem cobalto num futuro próximo? Ultimamente, seu pequeno mercado – 136 mil toneladas produzidas em 20191 – ficou no centro de todas as atenções por causa do aumento dos preços, motivado pelo medo de escassez. Utilizado há muito em equipamentos médicos de imagem e radioterapia, o “metal …

por em

Uma aldeia chinesa na Itália

As grandes mídias de Pequim fizeram a festa com os elogios proferidos pelo prefeito de Prato (Toscana), Matteo Biffoni, a propósito dos residentes chineses de sua cidade. “Quando a epidemia foi declarada na China, os jornais e cadeias de televisão [italianos] estavam convencidos de que Prato se tornaria o buraco negro da Itália. Na verdade, …

por em

As duas faces da censura

Em 12 de novembro de 2018 ocorreu, no grande salão de conferências da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em Paris, o Fórum de Governança da Internet. Muito entusiasmado, Emmanuel Macron avançou para o painel. Decidido a manter firmemente o papel de defensor da democracia liberal contra os …

por em

A voracidade do Exército egípcio

Em uma propaganda de televisão, soldados de infantaria egípcios de macacão cáqui pulverizam o asfalto com desinfetante. Com uma trilha sonora digna de filme B, distribuem máscaras para uma multidão disciplinada que se dirige com pressa para o metrô do Cairo, enquanto drones sobrevoam um dos quatro hospitais de campanha do país. O audiovisual também …

por em

Enganos a respeito da dívida dos países pobres

Em 13 de abril de 2020, Emmanuel Macron chamou a atenção do mundo inteiro ao pedir a “anulação maciça” da dívida africana para apoiar o continente diante da pandemia de Covid-19. De 2010 a 2018, essa dívida dobrou, alcançando US$ 195 bilhões (ver boxe). Horas depois, o G20 desautorizou o presidente, decretando apenas uma suspensão …

por em

Após a pandemia, o despertar da África?

Nas últimas três décadas, o mundo alarmou-se algumas vezes diante de uma pandemia: Sars, H1N1, Ebola. E, no fim, as inquietudes sempre excederam a ameaça. Sem dúvida, isso contribuiu para subestimarmos de início o perigo do novo coronavírus Sars-Cov 2. Talvez não seja tão mortal quanto a gripe espanhola de 1918, mas seu impacto econômico …

por em

Sob a proteção de um jaleco

Transformar um país em uma prisão a céu aberto, sem provocar revolta, é sem dúvida uma façanha, tendo em vista que contra esse processo já se esboça um vigoroso movimento social. No entanto, vários dirigentes fizeram isso por ocasião da pandemia de Covid-19. Em alguns países, o poder recorreu à força; na França, ele se …

por em

Bolívia: na estrada com a elite de Santa Cruz

Chegar a Santa Cruz de la Sierra é uma experiência estonteante. No aeroporto, cruzamos com homens de terno, famílias menonitas ruivas, mulheres que parecem ser obrigadas pelos costumes locais a passar – quando se atinge determinado padrão de vida – pelo bisturi do cirurgião plástico e taxistas sempre procurando clientes (estes geralmente de pele mais …

por em

“Não posso parar de trabalhar”: a exposição ao vírus e o avanço da fome

Entre o final de fevereiro e o início de março, uma sequência de fatos evidenciou que o novo coronavírus (Covid-19) não apenas chegaria ao Brasil, como também exigiria que nossa sociedade praticasse o distanciamento social. Em 11 de março, a Organização Mundial da Saúde passou a descrever a situação como uma pandemia e, com a …

por em

A cavalgada autoritária de Bolsonaro

Em 31 de maio, o ex-capitão paraquedista Jair Bolsonaro, eleito presidente do Brasil dezenove meses antes,1 saiu de seu palácio presidencial a fim de se juntar a um grupo que reclamava a intervenção dos militares para derrubar o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF), a mais alta instância judiciária do país. Era a quarta …

por em

Um país crivado por homicídios policiais

Na história política norte-americana, Minnesota é uma exceção: foi o único estado a votar contra Ronald Reagan em 1984. A última vez que seus eleitores escolheram um candidato republicano à presidência remonta a 1972, há quase cinquenta anos. Ao longo de gerações, esse santuário da esquerda enviou ao Congresso Hubert Humphrey, Walter Mondale e Ilhan …

por em

A desconfiança dos cidadãos em relação à polícia

As imagens da agonia de George Floyd, sufocado por um policial de Minneapolis sob o olhar impassível de seus colegas, provocaram uma onda de protestos de amplitude incomum nos Estados Unidos. Centenas de milhares de pessoas foram às ruas para denunciar com veemência, às vezes com violência, o tratamento discriminatório dado pela polícia às minorias. …

por em

Comunicação e racismo estrutural

Sabemos que, no Brasil, a população negra “teve o pior ponto de partida para a integração ao regime social que se formou ao longo da desagregação da ordem social escravocrata”1 e que essa integração, absolutamente marginalizante, estruturou a própria organização capitalista, produzindo desigualdades socioeconômicas que se sobrepuseram às diferenças de raça (conceito aqui operacionalizado do …

por em

“Falando da perda: hoje estou mal, espero que você entenda”

Esse é o título de um artigo da escritora, cineasta e jornalista norte-americana Bridgett M. Davis, publicado originalmente em 1994. Um relato íntimo sobre as múltiplas perdas que envolvem a experiência de ser negro numa sociedade racista. A hiperexposição à morte, a impossibilidade de viver plenamente os processos de luto e a gravidade dos efeitos …

por em

“O racismo é uma realidade violenta”

Ao escrever sobre racismo e violência no Brasil, sempre tenho algumas dificuldades em iniciar o texto. Não porque a realidade brasileira não seja vasta em ambas as temáticas, mas pela impossibilidade que vejo ao separá-las quando pensamos o país em que vivemos. Em Memórias da plantação: episódios do racismo cotidiano, a escritora e multiartista Grada …

por em

A pandemia e a pena de morte nas prisões brasileiras

As prisões são o lugar onde as violências e desigualdades sociais revelam sua mais brutal expressão. No Brasil, trata-se de celas lotadas e sem ventilação, instalações elétricas com remendos e potencialmente perigosas, comida racionada e de péssima qualidade, muitas vezes estragada, água escassa para o banho, para a limpeza das celas e mesmo para beber. …

por em

Enquanto houver racismo, não haverá democracia

Quando o joelho de um policial branco norte-americano sufocou e matou George Floyd, muitos de nós por aqui pudemos sentir o peso daquele corpo sobre o pescoço e também os últimos suspiros deste, agora símbolo contemporâneo eterno contra a brutalidade racial e do combate ao racismo. No Brasil, conhecemos bem o significado da violência policial …

por em

A hora é agora!

Aqueles que enfrentaram a ditadura, e a derrotaram em 1985, nos asseguraram o novo período democrático, que chegou a 2015. Suas mobilizações e lutas nos garantiram trinta anos com liberdade de pensamento, de expressão, uma nova Constituição, novos partidos, um novo pacto social, eleições. Uma democracia imperfeita, que não enfrentou a desigualdade, o racismo, o …

por em

Você disse “sistêmico”?

As multinacionais norte-americanas recorrem frequentemente à filantropia para mascarar os crimes que as enriqueceram. Desde maio, estão entregando centenas de milhões de dólares a diversas associações afro-americanas, entre as quais a Black Lives Matter. Essas liberalidades para com uma estrutura militante que combate o “racismo sistêmico” lembram um pouco os pagamentos de apólices de seguro. …

por em

As resistências ao fascismo e ao racismo nos EUA e no Brasil

Quem já leu algo dos chamados “pais da política moderna” passou, inevitavelmente, por Thomas Hobbes e aprendeu que, para os chamados “contratualistas”, não há vida possível sem a existência do Estado. Seria essa grande e poderosa instituição o ente que protegeria a integridade física de cada súdito e preservaria sua propriedade. Independentemente do regime político …

por em

A visão turva do governo federal em relação à importância das “Humanidades”

No que se refere à criação de valor e riqueza, há pelo menos duas décadas, o foco tem se centrado no conceito de inovação produtiva, a qual possibilita o aumento da competitividade, de valor, e consequentemente maior riqueza nacional. Por meio de uma visão linear desenvolvida nos Estados Unidos na década de 1940 – para …

por em

Vidas em estatísticas

A morte de George Floyd no dia 25 de maio de 2020 gerou comoção entre negros e brancos nos Estados Unidos. Segundo relatos, o cidadão norte-americano de 46 anos que trabalhava de segurança em um restaurante de Minneapolis teria sido abordado por policiais após uma denúncia de que estaria usando documentos falsos. Na ocasião, o …

por em

A Marcha do Silêncio, Uruguai

A cada dia 20 de maio é realizada, a há 25 anos, a manifestação mais multitudinária da República Oriental do Uruguai, conhecida como a Marcha do Silêncio. A liderança incansável e inflexível é da Associação de Mães e Familiares de Uruguaios Detidos e Desaparecidos, entre muitas organizações, movimentos e personalidades que a apoiam. Um dado …

por em

Miscelânea

PELA METADE: A LEI DE DROGAS NO BRASIL Marcelo da Silveira Campos, Annablume   Em 2006 tivemos uma mudança substantiva na lei que operava as ordenações referentes às substâncias ilícitas: era lançada a chamada Nova Lei de Drogas. À primeira vista, ela mostrava, ao que parecia e tudo indicava, pontos positivos para o avanço do …

por em

O discreto adeus de Jeremy Corbyn

O mandato de Jeremy Corbyn à frente do Partido Trabalhista terminou em abril, em meio a um silêncio sepulcral. O Reino Unido encontrava-se em pleno confinamento. Seu destino estava nas mãos do Serviço Nacional de Saúde (National Health Service, NHS), cujo subfinanciamento e falta de efetivos Corbyn não cessara de denunciar, e à mercê de …

por em

Retratos de missionários midiáticos

Em 1969, um jovem funcionário público norte-americano perguntou a Richard Nixon qual seria a região do mundo a que ele deveria se dedicar para fazer uma carreira de sucesso: “Especialmente não a América Latina, da qual todos riem”,1 respondeu o presidente. Um ano depois, Nixon mudou de ideia: a eleição de Salvador Allende foi o …

por em

A caquistocracia

Stanley Hoffmann acreditava que a melhor explicação para o início da Segunda Guerra Mundial podia ser encontrada em O rinoceronte, a peça de Eugène Ionesco. Para o eminente acadêmico norte-americano, o absurdo da peça “capta melhor do que qualquer trabalho de História ou de Ciências Sociais todos os absurdos e tragédias dessa longa descida ao …

por em

Na África, a promessa de “economia emergente” não passa de uma miragem

Era uma vez a ideia de emergência do continente africano. Ela surgiu, sem dúvida, em 1957, em um relatório de Richard Nixon intitulado The Emergency of Africa [A emergência da África].1 O então vice-presidente dos Estados Unidos acabara de voltar de uma viagem à África durante a qual havia conhecido uma dezena de dirigentes, entre …

por em

Petróleo, acordos e desacordos

O dia 21 de abril de 2020 certamente entrará na história como aquele em que o “ouro negro” custou menos do que água de chuva. Nessa data, a Bolsa de commodities de Nova York fechou negociando um barril de West Texas Intermediate (WTI) ao preço negativo de US$ –37,63 no mercado futuro. Metade da humanidade …

por em

Trabalho, família, wi-fi

Boas notícias no jornal das oito da noite do canal France 2 do dia 6 de maio de 2020. No quinquagésimo dia de confinamento na França, enquanto a escassez de equipamentos sanitários fustigava o país em plena pandemia de Covid-19, a Prefeitura de Paris anunciou que finalmente ia distribuir máscaras gratuitamente nas 906 farmácias da …

por em

Confinados na matrix

Meses de doença e confinamento levaram populações inteiras a depender cada vez mais da mídia para se informar, refletir, discutir e trabalhar. Embora a distribuição da imprensa escrita tenha sido prejudicada pelas medidas de confinamento, raramente seu consumo foi tão grande: jornais, cadeias clássicas de rádio e televisão, vídeos na internet, redes sociais, informações 24 …

por em

Por que desconfiar das estatísticas chinesas sobre o coronavírus

Enquanto os Estados Unidos se afundam na crise sanitária, Donald Trump e seu governo apontam o dedo para a China, acusando-a de ter minimizado a gravidade da epidemia. Os Estados Unidos, seguidos pela Austrália, querem agora promover uma pesquisa internacional. Denunciam a Organização Mundial da Saúde (OMS), cujo diretor é acusado de complacência, ou mesmo …

por em

Três hipóteses geopolíticas para o pós-pandemia

Uma crise persistente é uma prova de resistência: os fortes a atravessam, os fracos sucumbem a ela. O centro não se quebra a cada golpe. Pelo contrário. Há alguns anos, vivemos uma crise mundial que promete ser forte e duradoura. Se Nova York sucumbir – o que eu não acredito que vá acontecer –, o …

por em

No Texas, armados contra o confinamento

Cada estado dos Estados Unidos tem sua própria história sobre o vírus. A do Texas começou de repente em 6 de março, quando Steve Adler, prefeito democrata da capital, Austin, declarou emergência municipal e cancelou um festival internacional uma semana antes da data marcada. Ainda não haviam sido relatados casos de Covid-19 na cidade. Adler …

por em

Nos Estados Unidos, “no fundo, nada vai mudar”

Este é o pior momento da história dos Estados Unidos. A pandemia que os profetas do desastre anunciavam havia décadas caiu sobre nós sem que estivéssemos minimamente preparados. Nosso governo mastodôntico, tão pronto em tempos normais a explorar a fundo o menor reflexo de medo, sobretudo quando isso é conveniente para a extrema direita, permaneceu …

por em

A disputa de discursos sobre a pandemia

Na maioria das interpretações, a pandemia não é vista só como uma crise sanitária. Neste artigo convidamos o leitor a olhar para a pandemia como um “acontecimento”. O filósofo Byung-Chul Han, recuperando Nietzsche e Foucault, destaca que o “acontecimento” abre uma fissura na certeza dominante. É tão imprevisível e repentino como um evento natural. Apresentando …

por em

A escalada da desigualdade em meio à “coronacrise”

Quando a epidemia de coronavírus foi descoberta pelos chineses, em dezembro de 2019, a economia-mundo já dava sinais de desaceleração. No meio da guerra comercial com os Estados Unidos, o crescimento econômico da China registrou, em 2019, seu pior resultado em trinta anos (6,1%). De todo modo, o crescimento do PIB norte-americano (2,3%), da zona …

por em

Que a austeridade fiscal não volte da quarentena

A pandemia atingiu o Brasil em meio à aplicação de uma agenda de reformas centrada na austeridade e na redução do papel do Estado na economia. A realidade concreta impôs uma mudança no rumo da política econômica e transformou o debate fiscal no Brasil. Em poucas semanas, o gasto público passou do grande problema do …

por em

O laboratório e a experimentação do trabalho na pandemia do capital

Primeiro ato O mundo principiou este trágico ano de 2020 de modo muito diferente. Não bastasse a recessão econômica global e em curso acentuado no Brasil, já visualizávamos no radar sinais de expressivo aumento dos índices de informalidade, precarização e desemprego, quer pela proliferação de uma miríade de trabalhos intermitentes, ocasionais, flexíveis etc., quer pelas …

por em

É nóis por nóis!

Quem é que vai cantar a dor que nóis sente? Quem é que vai sangrar na linha de frente? Quem é que vai somar, fortalecer a corrente? Se não for nóis por nóis, quem é que vai ser pela gente? A286, “Nóis por nóis”   No mundo inteiro, o discurso neoliberal está mudando e reconhecendo …

por em

A aposta no caos

A situação é desesperadora. Vivemos uma epidemia que já mata mais de mil pessoas por dia no Brasil, sem que o governo federal tenha adotado uma estratégia de defesa da vida e mobilizado todos os recursos disponíveis para controlar a Covid-19. O vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, além de todos os seus …

por em

Vender Audis na Birmânia

Da criação, em 1950, da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço à da União Europeia (UE), passando pelo Tratado de Roma e pelo Mercado Comum, os arquitetos da Europa tiveram por inimigos declarados o protecionismo e a soberania. Não devemos estranhar, portanto, que, mesmo num momento em que a economia internacional periclita e o …

por em

Miscelânea

DEMOCRACIA E LUTA DE CLASSES Vladímir Ilitch Lênin, Boitempo Organizado por Antonio Carlo Mazzeo, o livro traz uma excelente e atual compilação de textos de Lenin. A gama de temas tratados nos escritos é grande, mas tem uma unidade e uma linha vermelha. Passando pela questão da organização da classe trabalhadora, pela atividade dos revolucionários …

por em

A recusa de Sartre

Existe um “paradoxo Sartre”. Aquele que simboliza “o intelectual total, presente em todas as frentes do pensamento (filósofo, crítico, romancista, teatrólogo)”,1 mal encontra um lugar póstumo, digno desse nome, em seu país. O paradoxo é acentuado pela disseminação cada vez mais intensa do pensamento e dos escritos sartrianos no estrangeiro. É que a França se …

por em

A V República em coma político

Visivelmente interpelado pela amplitude da mobilização contra a reforma da previdência, este político do partido Les Républicains deixa escapar um grito sincero: “Vocês se dão conta: se a gente estivesse na IV República [1946-1958], o governo já teria sido derrubado”.1 E o homem, que é oponente do presidente Emmanuel Macron, vangloria os méritos da “estabilidade” …

por em

As singulares relações germano-israelenses

Em abril de 2018, o Parlamento alemão se reuniu para comemorar o aniversário de 70 anos da criação do Estado hebreu. No decorrer das discussões, Martin Schulz, falando em nome do Partido Social-Democrata (SPD), declarou: “Ao protegermos Israel, nós nos protegemos dos demônios do passado”.1 O porta-voz do partido ecologista, de centro-esquerda, resumiu em uma …

por em

Em Buchenwald, antifascistas perderam a batalha da memória

Toda comemoração é um ato político. Ouvem-se discursos domingueiros cuja fraseologia, quase sempre convencional e repetitiva, dissimula certas intenções. O 75º aniversário da libertação do campo de extermínio de Auschwitz, este ano, é mais uma prova disso. Em 27 de janeiro, cada país, perseguindo objetivos próprios, enunciou sua (re)visão da história. Em Israel, o historiador …

por em

O futuro sorri para o Estado Islâmico

Dois anos após a sangrenta Batalha de Marawi, as máquinas ainda trabalham para limpar os escombros, em uma paisagem apocalíptica. Por causa da escala da destruição, essa área, a mais duramente atingida pelos confrontos, passou a ser chamada pelos moradores de “Marco Zero”. Em 23 de maio de 2017, centenas de combatentes da Organização do …

por em

Autonomia enganosa nas Filipinas

Faz um ano que as províncias integrantes da Região Autônoma do Mindanao Muçulmano votaram pela criação da “Região Autônoma Bangsamoro do Mindanao Muçulmano” – seu nome oficial. Em 21 de janeiro de 2019, apesar das ameaças de ataques terroristas de grupos islâmicos radicais, centenas de professores de todas as religiões e orientações políticas garantiram a …

por em

Autonomia enganosa nas Filipinas

Faz um ano que as províncias integrantes da Região Autônoma do Mindanao Muçulmano votaram pela criação da “Região Autônoma Bangsamoro do Mindanao Muçulmano” – seu nome oficial. Em 21 de janeiro de 2019, apesar das ameaças de ataques terroristas de grupos islâmicos radicais, centenas de professores de todas as religiões e orientações políticas garantiram a …

por em

Fortalecer a resistência e mobilizar para a ação coletiva

Vivemos em tempos perigosos. Governos populistas autoritários estão em ascensão pelo mundo, ameaçando todos aqueles considerados descartáveis pelo sistema. O combate à ascensão do fascismo neoliberal pode começar expondo o regime de governo baseado em mentiras, notícias falsas e espetáculos fabricados. É essa linguagem fortemente ideológica que permite a normalização de condições bizarras e catastróficas, …

por em

Debandada norte-americana no Afeganistão

Em 29 de fevereiro, Zalmay Khalilzad, dos Estados Unidos, e o mulá Abdul Ghani Baradar, do Talibã, finalmente assinaram em Doha o acordo que vinha sendo negociado desde setembro de 2018. Acordo de paz? Longe disso. O uso abusivo da palavra “paz” desde o início do processo distorceu a análise e criou falsas esperanças. Quando …

por em

Petrobras, privatização em águas profundas

Vinte mil funcionários mobilizados, 130 usinas, plataformas e refinarias bloqueadas. Durante 25 anos, o setor petrolífero brasileiro não conheceu uma greve como a de fevereiro de 2020. Segundo Sérgio Borges Cordeiro, membro da direção da Federação Única dos Petroleiros (FUP) do estado do Rio de Janeiro, o movimento representa o desejo, por parte dos grevistas, …

por em

Coronavírus e a “volta às aulas”

O fechamento generalizado das instituições de ensino superior por conta da pandemia do novo coronavírus impõe desafios enormes a estudantes, professores, familiares e gestores. Enquanto os governos ainda patinavam nas ações de contenção do surto pré-pandêmico, universidades públicas e privadas tomaram a iniciativa de suspender atividades administrativas regulares e de ensino. Na retomada do ano …

por em

O combate ao coronavírus nas favelas

A velocidade da contaminação pelo coronavírus implica rápidas transformações sociais. Em meados de março ressaltei  a necessidade de medidas urgentes e adaptadas ao contexto socioespacial das favelas brasileiras para conter a expansão do vírus. Naquele momento, o tema dos assentamentos precários ainda não era, nem aqui nem no exterior, uma preocupação específica relacionada à pandemia. …

por em

Viralização e confinamento

É estranho ser um participante desarmado diante do crescimento de um cataclismo e desejar ser observador. Paixões contrárias nos atravessam. A indiferença forçada e o medo descontrolado: a primeira pede que se continue como se não fosse nada; o segundo, que se vigie e se puna qualquer movimento proibido. Deixemos as equipes de cuidado (e …

por em

Austeridade, a grande ceifadora

Em termos de progresso social, o Reino Unido perdeu dez anos, e é nítido. Avaliada em termos de expectativa de vida, a saúde dos britânicos está se deteriorando, depois de um período em que melhorou sistematicamente ano após ano. Ao mesmo tempo, as desigualdades na saúde estão aumentando. E o que é verdade para a …

por em

Por trás dos muros da “fábrica de encomendas”

Em tempos de confinamento, como obter tapete de ginástica, halteres, cortador de grama, espreguiçadeiras, churrasqueira ou massinha para manter as crianças ocupadas? Para milhões de pessoas obrigadas a ficar em casa, a resposta está em seis letras: Amazon. No auge da pandemia, como um gênio saído de sua lâmpada mágica, apesar das instruções das autoridades, …

por em

A tentação de recorrer ao “inevitável”

Em 12 de março, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou que levaria seu país a uma aposta arriscada. Ao contrário da doutrina de confinamento radical decretada por vários países asiáticos e pela Itália, o Reino Unido decidiu “conter […] mas não erradicar o vírus”, a fim de “criar imunidade de grupo” dentro a população:1 sem …

por em

Uma mina de ouro para os laboratórios

As crises econômicas são tão seletivas quanto as epidemias: em meados de março, enquanto as Bolsas de Valores entravam em colapso, as ações dos laboratórios farmacêuticos Gilead subiam 20% após o anúncio dos testes clínicos do remdesivir contra a Covid-19. As da Inovio Pharmaceuticals aumentavam 200% após o anúncio de uma vacina experimental, a INO-4800. …

por em

Até o próximo fim do mundo…

A arte da prestidigitação consiste em direcionar a atenção do público para que ele não perceba o que está diante de seus olhos. No coração da epidemia de Covid-19, o truque de mágica tomou a forma de um gráfico de duas curvas, transmitido por televisões de todo o mundo. Na abscissa, o tempo; na ordenada, …

por em

A polícia política

O motim da Polícia Militar do Ceará e a forma como o governo federal tratou a questão abrem um novo momento na escalada autoritária em nosso país. Para compreender o alcance dessa operação é preciso contextualizar esse motim e avaliar seus possíveis desdobramentos. Com uma estrutura herdada da ditadura (1964-1985), as PMs contam com 425 …

por em

Desde já

Uma vez superada essa tragédia, tudo começará de novo como antes? Durante trinta anos, cada crise alimentou uma esperança irracional de um retorno à razão, de uma tomada de consciência, de uma parada. Imaginamos o confinamento e depois a reversão de uma dinâmica sociopolítica da qual cada um teria enfim mensurado os impasses e as …

por em

Reduzir ou suspender salários é solução para manter emprego?

Um dos pontos cruciais da crise do coronavírus no mundo e no Brasil é a questão da paralisia nas atividades econômicas, algumas mais diretamente afetadas, como bares, restaurantes e comércio em geral, que são fortemente intensivas em trabalho, e outras indiretamente em função da paralisação física parcial da produção, sendo boa parte impactada pela forte …

por em

“Fora Bolsonaro”: por que isso é urgente?

O governo Bolsonaro-Mourão não é um governo “normal”, como todos os anteriores que passaram pelo país após o término da ditadura em 1985. Ele é resultado e desdobramento direto do golpe perpetrado em 2016, que tirou Dilma Rousseff da Presidência da República, e também do uso de práticas bandidas durante as eleições. O processo eleitoral …

por em

É hora de comemorar, presidente?

Em meio a uma grave crise mundial, Jair Bolsonaro festeja seu aniversário. Segundo ele mesmo, uma festa pequena, só para os mais íntimos. O presidente Bolsonaro completa 65 anos de vida (ou seja, integrante de grupo de alto risco por contaminação pelo coronavírus). Ao invés de estimular a quarentena e servir de exemplo, Bolsonaro estimula …

por em

É hora de sair

A cadeira que o presidente ocupa é maior que o próprio presidente. Ela exige uma liturgia e um respeito rigoroso. Trata-se do símbolo maior da República Federativa do Brasil. Nesse sentido, é o presidente Bolsonaro que deve dar o primeiro exemplo, como primeiro cidadão que é. Todavia, a realidade política brasileira passou a ser digna …

por em

Pandemias e crises: do feudalismo à sociedade capitalista atual

As pandemias são frequentemente apresentadas como casualidades, como movimentos aleatórios que surgem da interação humana em sociedade e com a natureza. Isso no melhor dos casos, quando não são compreendidas como castigo divino ou como provação para o paraíso. Contudo, quando olhamos historicamente, nos damos conta de que as grandes pandemias se inserem em quadros …

por em

A favela nos tempos do coronavírus

“Mas se alguma coisa haviam aprendido juntos era que a sabedoria nos chega quando já não serve para nada” (Gabriel G. Márquez)   Vivemos a primeira pandemia da globalização com níveis de letalidade relativamente altos e capacidade já comprovada de pôr em xeque o sistema de saúde mundial, inclusive dos países ricos. Diferente do que …

por em

O contágio da bolha

O lançamento, pelo FMI, do Global Financial Stability Report, em outubro de 2019, despertou pouca discussão na imprensa e nos mercados, a despeito do seu sugestivo título: “Lower for longer”. No documento, o fundo defende a tese de que as taxas de juros nos países avançados e sobretudo nos Estados Unidos, foram mantidas baixas durante …

por em