Prima Estúdio, Autor em Le Monde Diplomatique

As duas faces da crise venezuelana

Dois brutamontes avançam, intimidadores. O homem que está diante deles, com a cabeça coberta por um boné vermelho, tenta dialogar. De nada adianta: ele é empurrado, ameaçado… De repente, uma terceira pessoa aparece. Ela tira um revólver da calça e abre fogo. A multidão grita; o homem de boné cai. Em agosto de 2017, esse …

por em

Profissionais do sexo que estão detendo o HIV

POR JULES MONTAGNE*   É tarde quando chegamos a Inhamízua, na periferia da cidade. Barracas vendem pés de galinha fritos e bananas-da-terra cozidas. Muitos homens e mulheres se reúnem em um bar improvisado, coberto por uma placa de aço ondulado. Estão bem-humorados. O som das risadas se eleva sobre o barulho dos caminhões que trafegam …

por em

A jogada por trás dos sites caça-cliques

Fabricar em alguns minutos artigos insólitos sobre o último tema que agita as redes sociais, inserir sutilmente referências elogiosas aos anunciantes, espalhar o conjunto de vídeos divertidos que vão viralizar na internet: a receita levou a picos de audiência sites de variedades como Melty, Konbini e BuzzFeed. A imprensa tradicional direciona a esses jovens concorrentes …

por em

A nova imprensa da extrema direita alemã

Na entrada dos escritórios do jornal semanal Junge Freiheit (“Jovem Liberdade”), em um bairro rico do oeste de Berlim, uma pintura mostra em cerca de vinte personagens em marcha uma alegoria da história alemã: camponeses e reis, soldados e mulheres a caminho do êxodo. Tem até Karl Marx e, lá no final, um manifestante antinuclear. …

por em

Trump acuado pelo partido anti-Rússia

Alguns meses foram suficientes para que os Estados Unidos se retirassem do acordo internacional de Paris sobre o clima, assumissem novas sanções econômicas contra a Rússia, invertessem a dinâmica da normalização das relações diplomáticas com Cuba, anunciassem sua intenção de denunciar o acordo nuclear com o Irã, colocassem em guarda o Paquistão, ameaçassem a Venezuela …

por em

Barbárie: compartilhar

No final da década de 1990 assisti, na graduação, a uma aula de Gabriel Cohn a respeito do livro Revolução ou barbárie, de Rosa Luxemburgo. Lá pelas tantas, ele parou a exposição, olhou para a lousa e se deteve por alguns segundos, em silêncio, pensando consigo mesmo, até que murmurou: “Barbárie… barbárie…”. Voltando-se novamente para …

por em

A reinvenção necessária da esquerda

O processo que culminou no impeachment da presidenta Dilma e na mais grave crise econômica e política trouxe novos elementos para o debate sobre o Brasil que queremos, trazendo reflexões sobre a construção de um novo ciclo de desenvolvimento econômico mantendo politicas sociais inclusivas e a sua política externa econômica e política. É apressado afirmar …

por em

Disputas pelo poder político causam aumento da violência contra os povos indígenas

O Relatório Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil relativo ao ano de 2016 abordará, com ênfase, os impactos de dois momentos da política indigenista, tendo em vista que o Estado foi administrado por governantes com perspectivas diferentes no que tange aos direitos constitucionais das comunidades. O governo da presidenta Dilma priorizava, em sua política, …

por em

Contrarreforma e “corte” de benefícios: o lucro com a miséria

Tem sido notícia frequente o corte de benefícios do INSS por incapacidade e assistenciais administrados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além do Bolsa Família. Em geral, as notícias trazem o montante de benefícios “cortados” acompanhado das justificativas de “economia” aos cofres públicos. Mas não se faz relação entre os “cortes” e a contrarreforma …

por em

Produzir o comum

  Produzir o comum é produzir o que é de todos, o que todos partilham em comum. E, se é de todos, não é de ninguém, não pode ser comercializado, não pode ser privatizado. É público. É produzir uma sociedade colaborativa, solidária, com ampla participação cidadã em suas instâncias políticas, com um governo voltado para …

por em

A fonte da contestação popular

Em 1917, após três anos de guerra, o entusiasmo patriótico dos soldados se voltou contra o Império Russo. Um deles confessou à sua enfermeira: “É que antes eu não sabia até que ponto os ricos viviam bem. [Na frente de combate], começamos a nos alojar em casas requisitadas e vi como ali tudo era bom; …

por em

Círculo vicioso das crises alimentares na África

A fome ameaça a humanidade desde o início dos tempos. As mais antigas representações do fenômeno vêm do Egito antigo, onde encontramos cenas de escassez pintadas nas paredes dos túmulos faraônicos. Hoje, as penúrias no sentido estrito são mais raras, mas ainda existem. Algumas regiões conhecem “fomes silenciosas” que passam despercebidas aos olhos do mundo. …

por em

Vamos repensar os caminhos da esquerda?

Sobreviver no Brasil é fazer política. Indígenas, mulheres, trabalhadores, quilombolas, jovens negros, sem-teto, LGBTs, ao levantarem e se afirmarem, resistem todos os dias. Que as práticas e os saberes dessas vidas insurgentes e de seus territórios sejam coletivizados e apontem um novo sentido para o país é o que se espera de um projeto de …

por em

Comércio ameaça agricultura africana

O vento do livre-comércio sopra cada vez mais forte sobre o continente negro. De um lado, a União Europeia aumenta a pressão sobre as capitais africanas para finalizar a assinatura de acordos de parceria econômica (APEs)1 e acabar com as preferências comerciais não recíprocas: para conservar a isenção de tarifas alfandegárias sobre suas exportações para …

por em

O século de Lenin

URSS: União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. De início, o nome não remetia a um território, mas a uma ideia: a revolução mundial. Suas fronteiras seriam aquelas da revolta que triunfara na Rússia, depois daquelas que se esperavam em outros lugares. No canto superior direito de uma imensa bandeira vermelha, uma foice e um martelo simbolizavam …

por em

“Geringonça”, a aliança improvável

Não falta bom humor a Pedro Nuno Santos. O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, de apenas 40 anos, expõe em um ponto nobre de seu escritório uma caricatura de Hélder Oliveira publicada na revista portuguesa Expresso. Ao volante de um triciclo extravagante e fumacento, o primeiro-ministro socialista, António Costa, olha direto para a frente, …

por em

Quando a revolução hesita

Para os historiadores de direita, ávidos por desqualificar a própria ideia de revolução, o verme estava no fruto: “A repressão de massa não foi um acidente nem uma resposta a uma situação difícil, mas um componente do projeto leninista”, afirma Dominique Colas.1 Seus colegas de esquerda, ao contrário, enfatizam as circunstâncias que levaram os bolcheviques …

por em

E se refundarmos a legislação trabalhista?

Só um cego discordaria da necessidade de uma reforma profunda do direito trabalhista. Na história da humanidade, as mudanças técnicas sempre acarretaram a refundação das instituições. Foi assim com as revoluções industriais anteriores, que, depois de perturbarem a antiga ordem do mundo abrindo as comportas da proletarização, da colonização e da industrialização da guerra e …

por em

Experimentos de esquerda em Portugal

À beira do Tejo, a um pulo da turística Praça do Comércio, em Lisboa, uma caixa de som ruim lança no ar Os vampiros, do cantor e compositor Zeca Afonso. O artista engajado, morto em 1987, é um monumento nacional: foi uma de suas músicas, tocada por uma estação de rádio católica no dia 25 …

por em

Em nome do povo ou com o povo?

Pouco antes do Outubro de 1917, Lenin achava que a primeira tentativa de derrubar o poder czarista em 1825, em São Petersburgo, havia fracassado principalmente porque os revoltosos estavam “muito longe do povo”. Embora visse com benevolência os primeiros a desafiar o czarismo, ressaltava o abismo existente entre os bolcheviques e os insurretos de 1825. …

por em

A solidariedade entre nós

  Você, leitora e leitor, que já não aguenta mais o pensamento único que impera nos grandes jornais diários, nas revistas semanais de notícias e nas emissoras de rádio e televisão, todos alinhados na defesa dos interesses do mercado; que já não confia mais nas notícias que vêm pela internet, muitas delas fakes; que se …

por em

Negociar a qualquer custo com Pyongyang

Para dirigentes norte-coreanos, poderio nuclear é a única garantia de possível sobrevivência O diabo nuclear escapou da garrafa. Poderá ser enclausurado de novo? Não é de hoje que ele faz das suas na República Popular Democrática da Coreia (RPDC): o primeiro ensaio data de 1993. Mas, desde o ano passado, Kim Jong-un manda soar o …

por em

A falácia dos 99%

No final de janeiro de 2015, Barack Obama acabou sofrendo um momento breve, mas amargo de constrangimento político. Uma proposta de medida orçamentária que ele acabara de enviar ao Congresso se revelou natimorta antes de ser submetida à votação – morta no ovo pelo próprio presidente. A ideia básica brilhava ao mesmo tempo por sua …

por em

É proibido criticar o patriarcado

Em Porto Alegre, depois de um mês de visitação do público, o Centro Cultural Santander fechou no dia 10 de setembro de 2017 a exposição Queermuseu, atendendo à gritaria de ultraconservadores. Menos de uma semana depois, em Jundiaí (SP), o juiz Luiz Antonio de Campos proibiu a apresentação da peça O Evangelho segundo Jesus, Rainha …

por em

Cuba quer o mercado, mas sem capitalismo

  Berimbau de boca, fachadas degradadas, estéticas ultrapassadas: para a maioria dos observadores, a vida cotidiana cubana ilustra a obsolescência de sua retórica política. Comunista, a ilha parece parada no tempo. O cheiro de naftalina só é interrompido durante o tempo que dura uma fumarola de parafina: aos 86 anos, o presidente Raul Castro raramente …

por em

Temer e a diplomacia do G-Nada

Em 2016, o cenário internacional passou por mudanças importantes: a aprovação do Brexit em consulta popular, o crescimento da narrativa de extrema direita na Europa e a eleição do instável Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos são alguns fatores que colocaram em debate a ordem global ocidental estruturada no multilateralismo e nos valores …

por em

“Querem nos impor uma vida irrefletida”

Como na maioria das periferias das grandes metrópoles, o extremo leste da cidade de São Paulo é formado por bairros ricos em diversidade cultural, mas carentes em projetos e equipamentos públicos que apoiem a produção artística e comunicacional de seus moradores.    Na luta por seus direitos culturais, os ativistas de Ermelino Matarazzo, distrito periférico …

por em

Ser gay e a saúde pública

  Fazia seis anos que eu não realizava um exame de HIV e, naquela ocasião, eu estava certo de que o resultado seria positivo e eu seria parte do número crescente de jovens gays (15 a 29 anos) soropositivos em São Paulo. Embora cuidadoso em minha vida sexual, não estava livre do risco da contaminação: …

por em

O que fazer do “brasil”?

Há trinta anos, Roberto DaMatta publicou um ensaio de grande repercussão: O que faz do brasil, Brasil?1 Discutia a identidade brasileira e nossa capacidade de negociar, relativizar e sintetizar, que lhe permitia acreditar na possibilidade de inventarmos um futuro comum, mesmo convivendo com desigualdades de todo tipo e articulando hierarquias com a cordialidade que seria …

por em

O caos penitenciário brasileiro

É uma das raras imagens tornadas públicas da prisão Vila Independência, em São Paulo: um emaranhado de redes forma uma teia de aranha onde aparecem, aqui e ali, os braços balançando ou as pernas de um prisioneiro. Nas paredes, distingue-se o esqueleto de metal sobre o qual está presa a estrutura de corda, que fragiliza …

por em

“A atuação das forças de segurança do Rio é marcada pelo caráter repressivo e pela criminalização da juventude negra”, diz Jurema Werneck

Jurema Werneck é médica, diretora da Anistia Internacional e ativista sobre temas relacionados à raça, ao gênero e à orientação sexual   Somente de janeiro a junho de 2017 ocorreram cerca de 2,5 mil tiroteios no Rio de Janeiro. Estes foram responsáveis por quase 800 mortes, segundo o aplicativo Fogo Cruzado que registra os dados …

por em

Vidas matáveis, morte em vida e morte de fato

Treze de agosto de 2015, 23h09, município de Barueri, região metropolitana de São Paulo. Três homens encapuzados chegam em um carro prata. Com armas em punho, rendem os clientes de um bar – cerca de dez homens – e os direcionam para o fundo do estabelecimento, fazendo que coloquem as mãos sobre a cabeça. Em …

por em

O conservadorismo moral como reinvenção da marca MBL

– O MBL (Movimento Brasil Livre), organização com membros investigados por diferentes crimes e financiado por partidos como o PMDB e grupos de interesse econômico dos EUA, surgiu inspirado nas formas de mobilização da juventude, como as vistas em 2013, especialmente na força das redes sociais. Isso pode ter acontecido na escolha de um nome …

por em

O adeus às armas?

Os três movimentos armados em luta contra os Estados britânico, espanhol e francês sobreviveram várias décadas a mais que outras organizações clandestinas que emanavam de nações sem Estado, na Bretanha, nas Antilhas francesas, na Catalunha, no País de Gales e na Escócia. Eles sobreviveram igualmente a numerosas lutas armadas de extrema esquerda que marcaram a …

por em

A violência e o retorno do Leviatã

Na manhã de domingo, do dia 17 de setembro, moradores da Rocinha acordaram ao som de tiros, num conflito interno entre os traficantes da comunidade. Na noite do mesmo dia, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, mais um policial militar foi morto, o 103º. Em julho, moradores da Vila Kennedy, zona oeste do …

por em

Como entrevistar Adolf Hitler?

Até segunda ordem, Hitler não quer dar entrevistas na presença de jornalistas franceses, o que se explica pela atitude da França em relação à Alemanha.” Essa comunicação de inadmissibilidade enviada em março de 1932 pelo secretário do chefe nazista a um enésimo solicitante não permitia réplica. Se o banimento da imprensa francesa se flexibilizou após …

por em

Direito ou gentrificação?

O Rio de Janeiro é conhecido por ter parte de suas “periferias” nas áreas centrais, em forma de favelas, genuínos focos de resistência à centrifugação dos mais pobres, deflagrada pelos preços da terra e pelas leis de mercado. Desde a década de 1980, uma série de programas de dotação de infraestrutura vem sendo testada e …

por em

Maioridade penal: mitos e fatos

Mais uma vez a sociedade brasileira é bombardeada por uma campanha pelo retrocesso na legislação e nas políticas públicas relativas à responsabilização de adolescentes infratores. Desde a entrada em vigor do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em 1990, sempre que os cálculos político-eleitorais de lideranças e grupos conservadores revelam oportunidade de exploração da …

por em

“Redução da maioridade vai gerar mais crimes e violência”

  O Estado estará tirando adolescentes das unidades de internação, onde hoje eles são atendidos por educadores, psicólogos, assistentes sociais, para colocá-los em masmorras medievais, que são os presídios do país! Nessas prisões, esses jovens serão comandados por chefes de facções criminosas.” Essa é a análise do advogado Ariel de Castro Alves sobre a proposta …

por em

Sobre um pano azul com doze estrelas amarelas

No começo, essa grande esperança tinha tudo para dar certo. São Tomás e Victor Hugo, uma feliz mistura de inspiração cristã e profecias humanitárias, generosidades e verossimilhanças. Era a marcha inexorável rumo à unificação dos povos num governo global, como outrora as regiões nos Estados-nações ou, ainda, certezas fortes e simplistas como “A união faz …

por em

Capitalismo e Política II: Limites da democracia

O discurso liberal insiste em identificar democracia com capitalismo, como se país democrático e país capitalista fossem sinônimos e os regimes totalitários e ditatoriais se implantassem em contradição com os princípios e interesses do capital. Na verdade, porém, a democracia no capitalismo reduz-se à efetiva participação da minoria e os golpes e regimes autoritários são …

por em

Capitalismo e Política (primeira parte): A corrupção

Ao contrário do discurso liberal e das grandes corporações de mídia, a corrupção não é um desvio na política que possa ser corrigido pelo lado moral, mas forma essencial e necessária de funcionamento do Estado no capitalismo. Quando, nos séculos XVII e XVIII, a burguesia europeia ansiava por ocupar seu espaço no poder monopolizado pela …

por em

Stálin e Hitler: irmãos gêmeos ou inimigos mortais?

Acontecimentos históricos e categorias teóricas   Na atualidade, com base na categoria de “totalitarismo” (a ditadura terrorista do partido único e o culto ao líder), Stálin e Hitler são considerados as máximas encarnações desse flagelo, dois monstros com características tão semelhantes a ponto de parecer gêmeos. Não por acaso – argumenta-se –, ambos se uniram …

por em

No Arizona, o muro de Trump já existe

Passada a vila de Sierra Vista, no Arizona, e vários quilômetros de estradas empoeiradas, a fronteira se anuncia. Em uma colina que abriga a vanguarda da vigilância, surge o rancho de Glenn Spencer. Com a barba recém-feita, ele está de pé desde as 3 horas da manhã, como faz todos os dias, para interceptar as …

por em

A guerra racial de alta letalidade

A própria realidade, com base na experiência das pessoas negras na América, prova que estamos e sempre estivemos em um estado de guerra […] A natureza desta guerra assume muitas formas diferentes, às vezes abertamente violentas, às vezes economicamente restritivas, e ainda outras vezes socialmente repressivas. Desta forma não deve ser muito difícil para nós …

por em

Avançamos e levamos porrada ao mesmo tempo

LE MONDE DIPLOMATIQUE BRASIL – O cotidiano LGBT vem melhorando no Brasil nos últimos anos? KLECIUS BORGES– A grande mudança das últimas duas décadas foi o aumento da visibilidade do que a gente chama de as diferenças de sexualidade e identidade. Até então, a homossexualidade ou as sexualidades menos de acordo com a heteronormatividade viviam …

por em

Rio de Janeiro sitiada?

“Meu nome é Sebastião e estou ferido. Mas não me entrego.” Assim começa o vídeo institucional lançado pelo governo federal no domingo, 30 de julho de 2017, dois dias após tropas militares ocuparem, sem aviso prévio, pontos estratégicos do Rio de Janeiro, São Gonçalo e Niterói. O tal “Sebastião”, avisa uma voz grave, é “São …

por em

A armadilha dos 99%

A 100 °C a água ferve, com certeza. Mas é melhor não esperar que a vida das sociedades se dobre diante das leis da física. O fato de 1% da população possuir a maioria das riquezas produzidas na Terra não faz dos 99% restantes um grupo social solidário, muito menos uma força política em ebulição. …

por em

As três batalhas de Raduan Nassar

Pela garganta é que se reconhece a fibra da reflexão, pelo calibre ranzinza da goela na hora de engolir”, diz, em Um copo de cólera, o personagem quarentão à sua jovem parceira, atribuindo, não à cabeça ou à profissão, mas a um defeito de anatomia a independência do pensamento. A contundência do timbre utilizado pelo …

por em

“Queermuseu”: A apropriação que acabou em censura

  Na última semana, foi impossível passar incólume de um assunto nos sites de notícias e nos fóruns virtuais: a censura da exposição Queermuseu – cartografia das diferenças na arte brasileira, realizada no Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. A mostra foi fechada arbitrariamente pela instituição – que cedeu a pressões de setores conservadores …

por em

Estratégias da violência se fundam no genocídio de negros, pobres e mulheres

Muito se ouve, se fala e se sente acerca da violência. O ódio se encontra disseminado entre as pessoas dissonantes, como se não fosse possível habitar o mesmo espaço do outro que pensa e age diferente. A violência institucional do Estado prolifera, seja na omissão de um sistema prisional, que produziu mortes em massa no …

por em

A desorientação da social-democracia alemã

Numa manhã chuvosa de primavera, um grupo de estudantes caminha ao longo da Stadthalle, em Bad Godesberg. Nenhum dos adolescentes se dá ao trabalho de dar uma olhada nesse edifício fora de moda pertencente à cidade e que serviu de cenário para um congresso histórico do Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD). Em novembro de 1959, …

por em

Crises em cadeia

Como demonstrou o historiador Reinhart Koselleck, o sentimento de crise é inerente à condição do homem moderno.1 As mudanças tecnológicas, os ciclos da economia e a evolução da cultura contribuem para alimentar uma impressão de constante novidade e, em consequência, de fim de época. Acontece, no entanto, que a crise é real, e muitas delas …

por em

Golpes democráticos

Com a aura proveniente de uma eleição vencida com 3 milhões de votos a menos que sua adversária, o presidente Donald Trump escolheu a Arábia Saudita para denunciar a ausência de democracia… no Irã. Depois, em Miami, diante dos sobreviventes de uma operação militar fracassada montada em abril de 1961 pela CIA contra o governo …

por em

O Executivo como servo do povo

No século XVIII, o iluminista Charles de Montesquieu esboçou na obra “O Espírito das Leis”(1748), a teoria dos três poderes. Para ele, tudo “estaria perdido se o mesmo homem ou o mesmo corpo dos principais ou dos nobres, ou do povo exercesse esses três poderes: o de fazer leis, o de executar leis, o de …

por em

Patriarcado e a cultura do estupro no Brasil

Em 21 de maio, no Rio de Janeiro, um crime brutal, cometido a uma garota de 16 anos, chocou parte considerável da sociedade brasileira. A adolescente foi estuprada por mais de trinta homens, sendo ao menos um deles conhecido da garota, pois era o seu namorado. Outros dois estupros ocorreram na mesma semana. No dia …

por em

A igualdade de gênero é boa para a segurança e o desenvolvimento econômico. Então, por que ela não é uma prioridade?

A violência contra as mulheres não acontece por acaso. Quanto maior a desigualdade de gênero, mais graves são os níveis de violência contra as mulheres. O inverso também é verdadeiro: quanto maior a igualdade entre os sexos, mais segura é uma sociedade para todos. Os dados não deixam dúvidas: um dos melhores indicadores de estabilidade …

por em

Um assalariado sem submissão é possível

É raro ver trabalhadores reivindicando uma relação de submissão com seus patrões. No entanto, os condutores de veículos particulares que trabalham em conjunto com as plataformas digitais, como o Uber, empunharam essa bandeira na França. Eles querem sair da situação de autônomos para poder contar com direitos sociais, argumentando que, na verdade, dependem de um …

por em

Os governos e as ruas

Na Avenida Paulista, em 15 de março, os músicos tocaram o trecho “Fortuna”, de Carmina Burana, e um coro de milhares de vozes entoou “Fo-ra, Te-mer, Fo-ra, Te-mer”, na mesma cadência. O governo pós-impeachment começou sob protestos como esse, que prolongaram campanhas anteriores. Tanto o “Fora, Dilma” como o “Não vai ter golpe” decorreram dos …

por em

A temível influência saudita nos EUA

A Arábia Saudita teve motivos para receber com inquietação a vitória de Donald Trump em novembro de 2016. Afinal, sua velha amiga Hillary Clinton não economizava elogios ao reino, que ela apresentava como uma força de paz e estabilidade, enquanto seu adversário republicano havia anos só falava horrores a respeito dele. Depois dos atentados de …

por em

A democracia no Brasil ou a (des)esperança equilibrista

O trecho acima, da letra da canção O bêbado e o equilibrista, de 1978, expressa como nunca o Brasil de hoje, em que o impedimento da presidenta Dilma Rousseff significa, em verdade, o impedimento da democracia no Brasil. Grande parte da cultura de resistência política nas mais diversas manifestações artísticas que marcaram a oposição à …

por em

O cerco chinês se fecha sobre Hong Kong

Presidente chinês Xi Jinping (ao centro) e a chefe do Executivo de Hong Kong Carrie Lam (à direita) nas celebrações de vinte anos da transferência de soberania A nova chefe do Executivo, Carrie Lam, prestou juramento em grande pompa no dia 1º de julho de 2017, numa Hong Kong cercada de barricadas onde estavam espalhados …

por em

Dissonâncias do progresso

O que é progresso? Para alguns teóricos, apenas uma palavra que não passa de um slogan, um clichê ou, no máximo, um mito; pode ser também uma crença, jamais um conceito. Para ganhar estatuto de “conceito” universal, o termo se apoia em outras palavras em busca de legitimidade e, assim, passa de relativo a absoluto: …

por em

Metamorfoses da mídia norte-americana

Há meio século, o presidente norte-americano Richard Nixon fustigava as “mídias” como se elas fossem uma entidade única e indistinta. Numa época dominada por um punhado de redes de televisão, revistas e jornais, ele não estava muito errado. Contudo, a partir do início dos anos 2000, o panorama se diversificou. Podemos distinguir três famílias, em …

por em

A autocrítica da sobrevivência

Desde que deixou a Prefeitura, após um mandato de quatro anos (2013-2017), Fernando Haddad intensificou o número de viagens pelo Brasil para, segundo ele, sentir o clima do ambiente acadêmico em um momento de cortes na área da Ciência e Tecnologia, Cultura e Direitos Sociais, promovidos pelo governo Temer. Entre palestras e aulas magnas, o …

por em

Como a Alemanha transformou desempregados em empregados pobres

Oito horas: o Centro de Emprego do bairro berlinense de Pankow acaba de abrir seus portões e quinze pessoas já fazem fila no balcão de recepção, cada uma dentro de seu casulo de silêncio ansioso. “Por que venho aqui? Porque, se você não responde à convocação, eles tiram o pouco que lhe dão”, resmunga um …

por em

A grande batalha em torno dos transgênicos na África

Foi uma boa surpresa para Paul Badoun, produtor de algodão da região de Bobo-Dioulasso, em Burkina Faso: há pouco menos de um ano, um amigo lhe ensinou que não precisava mais cultivar o “maldito algodão Bt” que havia anos vinha sendo imposto pela empresa burkinense de fibras têxteis (Sofitex). “Bt” significa Bacillus thuringiensis, uma bactéria …

por em

Um supersoldado saído dos laboratórios

Diante de armas cada vez mais aperfeiçoadas, o soldado “se torna o elo mais fraco” dos sistemas defensivos. Essa constatação da Agência Norte-Americana para os Projetos de Pesquisa Avançada da Defesa (Darpa), formulada num relatório não confidencial datado de 2002,1 faz pensar em outra: ainda que os robôs tomem o campo de batalha, o Exército …

por em

Nos bastidores da Assembleia Geral da ONU

Na Assembleia Geral das Nações Unidas, não há Estados pequenos”, afirma Dessima Williams em seu escritório na Casa de Vidro, a sede envidraçada da ONU em Nova York. A ex-embaixadora de Granada que se tornou conselheira especial do presidente da Assembleia dá ênfase a cada palavra para ter certeza de que entendemos bem. Diante de …

por em

“A solução para a crise está nas favelas e periferias”

“A solução para a crise está nas favelas e periferias. Basta ver o que estamos fazendo de forma independente, basta nos ouvir, basta parar de nos observar pela mira do fuzil de um policial.” A conclusão é de Raull Santiago, do coletivo carioca Papo Reto, formado por moradores dos complexos do Alemão e da Penha, …

por em

O problema do Brasil é o ódio ao pobre

  Este artigo é o resumo parcial de um fio condutor que percorre meu último livro, lançado em setembro pela editora Leya com o título A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Na publicação, busco enfrentar o desafio ambicioso de formular uma gênese histórica alternativa à narrativa hoje dominante, seja na direita, seja …

por em

O risco de colocar a ideologia à frente da ciência

Dezenas de organizações da sociedade civil se dispuseram a acompanhar (e tentar contribuir com) a elaboração do Programa de Metas que orientará a gestão da maior cidade da América do Sul até a virada da década em temas diretamente relacionados ao maior desafio da humanidade neste século: o aquecimento global. Uma análise minuciosa das contribuições …

por em

Quando a África do Sul importava franceses

“Sabíamos muito bem o que era o apartheid.” Para Jean, funcionário da siderúrgica dos Altos Fornos da Chiers, na região da Lorena, a escolha pela imigração não era insignificante. Um simples encarte no jornal Républicain Lorrain foi o suficiente para fazer esse fura-greve tomar a decisão, cansado do clima político dos anos 1960 e dos …

por em

O naufrágio da universidade francesa

O ensino custa caro. Como não ser tentado a reduzir seu valor? O Estado neoliberal não tem a primazia dessa preocupação administrativa, concebida como uma exigência de racionamento. A resposta principal que se dá a ela – limitar os efetivos – se confunde mais ou menos com uma seleção social. Esquece-se um pouco que Maio …

por em

Um trunfo geopolítico para a Rússia

O presidente chinês, Xi Jinping, pode se congratular pelo sucesso do primeiro fórum destinado ao projeto das novas rotas da seda, aberto no dia 14 de maio de 2017 em Pequim. Fora a Índia, que boicotou o evento por se opor à construção de uma autoestrada no Planalto de Doklam (em chinês, Donglang), disputado pelo …

por em

As ramificações do escândalo Odebrecht

Ele era conhecido por seu bom humor e pelo sorriso franco. E foi assim que, em dezembro de 2016, Emílio Odebrecht, ex-presidente do maior grupo industrial brasileiro,1 apresentou-se diante dos procuradores da Operação Lava Jato, que investiga a corrupção há três anos. A atmosfera poderia ter sido tensa: ele é acusado, ao lado de 76 …

por em

Vem aí um novo golpe?

O recurso que deve ser apresentado pelos advogados de Lula ao Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª região, em Porto Alegre, sobre a condenação sem provas de que o ex-presidente seja dono do tríplex do Condomínio Solaris, no Guarujá, pode, eventualmente, anular sua condenação e deixá-lo em condições de disputar as eleições de 2018. Mas, …

por em

Somos todos mutantes

Você é contra ou a favor?” No campo da genética, especialmente no das modificações dirigidas dos genomas, essa questão crucial com frequência se sobrepõe a outras. Ela se coloca com uma insistência ainda mais estridente desde o desenvolvimento de novas ferramentas moleculares, chamadas CRISPR, que permitem cortar, eliminar ou substituir com facilidade sequências bem precisas …

por em

Irmãos inimigos no Sudão do Sul

  No dia 30 de maio, o Vaticano anunciou o adiamento indefinido da viagem do papa Francisco ao Sudão do Sul, prevista para outubro. Não se trata de uma simples escapatória: a viagem revela-se realmente impossível diante da violência que assola o jovem país da África central, independente desde 2011. O saldo do conflito, iniciado …

por em

Austeridade fiscal permanente do fundo público

Dentro da discussão da política macroeconômica, desde a crise da dívida pública nos anos 1980, a política fiscal brasileira vem sofrendo um processo de inflexão quanto à sua capacidade de financiar o desenvolvimento nacional. Naquela década, com um quadro de desequilíbrio nas contas públicas advindo da ruptura do padrão de financiamento, da estatização da dívida …

por em

Para a África, produtos adulterados

O campo de tomates de 35 mu (2,3 hectares) fica perto de Wusu, uma cidade no norte de Xinjiang, na China, a meio caminho entre a capital regional, Urumqi, e o Cazaquistão. Entre uma centena de trabalhadores da colheita, a maioria migrantes de Sichuan e alguns uigures, uma jovem de 14 anos ergue o facão …

por em

Da espanholização do Brasil

No final do século XX, momento de expansão global da racionalidade neoliberal, justificadora da revolução tecnológica e do capitalismo financeiro, Ulrich Beck, sociólogo alemão, dizia que se a Europa quisesse saber o que aconteceria no continente acaso as reformas de ajustes estruturais (chamadas de políticas de austeridade) fossem aprovadas, bastava que olhasse para o Brasil. …

por em

Dois Minutos de Ódio (ou o perigo de ignorar os ressentidos)

Cresce no Brasil um velho conhecido tipo de medo e a insegurança. Não nos referimos aqui ao aumento no número de assaltos, sequestros e afins. São problemas aos quais se somam esses outros, cada vez mais frequentes em nosso país: as investidas agressivas de parte considerável da sociedade contra cidadãos defensores dos direitos humanos, politicamente …

por em

Quando a justiça dilui o eleitorado

Ainda que ninguém duvide da existência de um déficit democrático da União Europeia, raramente se entende que sua principal fonte se encontra na transformação dos tratados europeus em Constituição. Essa foi a consequência da jurisprudência criada pela Corte de Justiça da União Europeia (CJUE), cujos efeitos comprometeram a aceitação da integração pelas populações. Até 1963 …

por em

Uma nova ordem bipolar: a tragédia de um discurso superficial

A bipolaridade na política age como um imã. Exatamente como a Terra para a bússola. Em política, o magnetismo atrai os indivíduos que vagam em um mundo onde o excesso de opções suscita angústia. Quando nos distanciamos da política parlamentar e nos aventuramos pelo pensamento político-cultural dos cidadãos, nos deparamos com uma divisão (às vezes …

por em

Dez reais e a valorização do salário mínimo no Brasil

Na França dos anos 50, as campanhas eleitorais foram marcadas pela discussão sobre a pobreza da classe trabalhadora, da existência de “duas Franças”, de um lado uma França moderna, fruto do esforço de reconstrução do país, de outro, a França mergulhada na pobreza, herdada em grande medida do entre-guerras. É nesse cenário de discussão que …

por em

Para quem a Belo Sun mente?

Em fevereiro de 2017, a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Estado do Pará (Semas/PA) autorizou a instalação da maior mineradora de ouro a céu aberto do Brasil. Trata-se do Projeto Volta Grande, da empresa canadense Belo Sun Mining Corporation, pertencente ao grupo Forbes & Manhattan Inc. e que será instalado na beira do …

por em

Profissão: deputado

Em 2013, uma deputada socialista da Gironda acusou alguns de seus jovens colegas de estarem desligados da “vida real” porque sempre teriam vivido apenas no “túnel da política”.1 Mais recentemente, em maio de 2016, um puro produto da elite francesa chamado Emmanuel Macron declarou: “Não faço parte dessa casta política e me felicito por isso. …

por em

Árabes na América Latina

Manifestante contra a guerra na Síria sobre a faixa de pedestre na Avenida Paulista O libanês de origem Michel Temer torna-se presidente do Brasil.” Em 1º de setembro de 2016, a manchete do An-Nahar, jornal conservador de Beirute, não fez a menor alusão a Dilma Rousseff, obrigada a ceder seu lugar àquele que até então …

por em

Os limites da democracia brasileira

O golpe de 2016 contra a presidenta Dilma Rousseff, legitimamente eleita em 2014, revelou as contradições e os limites da Constituição de 1988 e do processo de democratização no Brasil. O golpe é, de certo modo, o desfecho de uma democracia que vinha perdendo intensidade ou, de outro modo, que não havia conseguido superar suas …

por em

O destino da garota desconhecida

Não se pode acusar o cinema de ter passado ao largo dos reveses recentes no mundo do trabalho. A precarização das relações produtivas e o desemprego maciço ganharam as telas em filmes como Recursos humanos (Cantet, 1999), Segunda-feira ao sol (Aranoa, 2002), As neves do Kilimanjaro (Guédiguian, 2011) e A lei do mercado (Brizé, 2015). …

por em

Os povos indígenas, emparedados pela crise política no Brasil

Após duas décadas de ditadura militar, a  Constituição de 1988 consagrou os direitos humanos e a proteção do meio ambiente. Apelidada de Constituição Cidadã, expressou a esperança de um regime de justiça e democracia. Trinta anos depois, ela já sofreu múltiplas distorções: seus termos não são observadose, mais grave ainda, emendas constitucionais e outras normas …

por em

Reencontrar o riso de Bertolt Brecht

Descobrimos Bertolt Brecht na França em 1954 com a apresentação de Mãe Coragem e seus filhos, no Festival Internacional de Teatro de Paris pelo Berliner Ensemble, um acontecimento sem precedentes.1 O Teatro Nacional Popular (TNP), os teatros nascidos da descentralização, as companhias: todos saudaram e endossaram rapidamente a revolução que o dramaturgo alemão propôs na …

por em

Na Guiana Francesa, a corrida do ouro… e da Bíblia

Com reivindicações próprias, as organizações indígenas estiveram plenamente presentes na movimentação social ocorrida na primavera deste ano na Guiana Francesa. Sentindo-se esquecidos pelas autoridades públicas, os seis povos originários do território (entre 10 mil e 20 mil pessoas, segundo estimativas) convivem de perto com traficantes de ouro e sofrem a devastação do garimpo, tanto ambiental …

por em

Cinco motivos pelos quais um fascista tem chances reais nas próximas eleições

Não sou Michael Moore e nem pretendo ser. Mas no Brasil estamos vivendo um filme, de drama e com um roteiro ditado por poucos. É neste cenário, de almas derrotadas, de debacle econômica e de paralisia geral é que escrevo este artigo. Como o cineasta, delimito cinco motivos para que nas eleições de 2018 um …

por em

Um caminho para o ódio: ciberespaço e o crescimento da extrema direita

Fico extremamente triste ao saber que alguns alunos do ginásio e do Ensino Médio estão fazendo reverência a Jair Bolsonaro, pregando uma moral tradicional, enquanto nos aplicativos trocam vídeos pornográficos e nos finais de semana enchem a cara em boates onde as entradas só são permitidas para maiores. Pregam o extermínio de bandidos, mas compram …

por em

Último salto rumo à seleção humana

O termo “eugenia” foi inventado no final do século XIX por Francis Galton, antropólogo primo de Charles Darwin, para definir a “ciência da melhora das raças”. O infanticídio, a gestão dos casamentos, a esterilização, o extermínio e o aborto correm o risco de em breve aparecerem como meios muito medíocres para melhorar a qualidade humana, …

por em

O desmonte da universidade pública e branqueamento cultural: outra estratégia do genocídio

Sem dúvida, as contribuições de Abdias Nascimento, intelectual e político negro brasileiro, são de fundamental importância à formulação de um quadro mais geral de interpretação a respeito dos retrocessos sociais acelerados pelo golpe civil-parlamentar travestido de impeachment em 2016. Abdias não se limitou a constatar o mais óbvio da violência que recai sobre grupos historicamente …

por em

As mulheres e a Batalha de Mossul

  Após diversas tentativas, em julho de 2016 uma ofensiva liderada pelo exército iraquiano e pelas forças peshmerga conseguiu retomar Mossul. Durante três anos, a cidade havia sido controlada pelo auto-denominado Estado Islâmico do Iraque e Levante, também conhecido como Daesh . A vitória do Iraque, das forças do Curdistão iraquiano e seus aliados—que contaram …

por em

A memória da terra: o que o marco temporal não pode apagar

Desgraçado país o que tenha medo de livrar-se dos próprios erros porque para liberta-se deles tenha de exibi-los. Mil vezes exibi-los, e expondo-os inspirar horror, para que nunca mais voltem a repetir-se, do que envergonhadamente ocultá-los e ocultando-os, protegê-los, com o risco de voltarem amanhã, confiados na complacência que enseja, senão estimula os abusos. (ministro …

por em

Hollywood e a liberdade norte-americana

Africanos, asiáticos e ocidentais unidos para defender a liberdade norte-americana. Disso se trata o filme Independence day: o ressurgimento. No 4 de Julho, alienígenas invadem a Terra, mais especificamente os Estados Unidos. A cabeça da líder da espécie invasora lembra o penteado das rainhas inglesas (coincidência?). Em um dado momento da aventura, a nave alienígena …

por em

Neofascismos e crise política no Brasil

A “Dezembrada” ocorreria no dia 12 de dezembro de 2015, em Curitiba, e serviria como congresso de fundação da Frente Nacionalista (FN), recém-criado movimento de coalização política. Entre as formalidades, oito bandas se apresentariam a um público de aproximadamente mil pessoas que se deslocavam de várias regiões do país. Dias antes, porém, o evento foi …

por em

O craque crespo

Desde que Neymar despontou no futebol, uma de suas marcas registradas é o cabelo. Sempre com um visual novo a cada campeonato, o jogador já apareceu em campo com corte moicano, tingido de loiro, raspado e com os fios alisados (ou tudo isso de uma vez), inspirando milhares de fãs mirins a adotar seus looks …

por em

O médico e o monstro – A reforma trabalhista e o exercício da medicina no Brasil

No dia 13 de julho, foi sancionada pelo Presidente Michel Temer o Projeto de Lei da Câmara 38/2017, a reforma trabalhista, que alterou profundamente a CLT. O projeto, que teve acelerada tramitação tanto na Câmara dos Deputados como no Senado, suscitou caloroso debate entre os parlamentares. No entanto, não houve o tempo e o espaço …

por em

Nas vielas da periferia, a insubmissão

  “Eu acreditava, sinceramente, que não iria dar em nada”, conta Marcelo Alonso, 46, autor da proposta legislativa que quer criminalizar o funk no Brasil. Em maio de 2017, sua ideia alcançou, há 8 dias do vencimento do prazo, 20 mil apoios no site do Senado Federal, número mínimo para que fosse apreciada na Comissão …

por em

A agricultura orgânica ameaçada pela indústria do “orgânico”

Nada se parece mais com uma maçã do que outra maçã”, afirma Claude Gruffat, CEO da Biocoop. O que faz a diferença são os valores. A agricultura orgânica representa hoje 5,7% das áreas agrícolas francesas, ou seja, três vezes mais que em 2002. Esse mercado em pleno crescimento atrai importantes grupos de beneficiamento e distribuição, …

por em

O que não se aprendeu com a tragédia no Rio Doce

É de amplo conhecimento que a extração mineral gera impactos negativos sobre o meio ambiente e as pessoas que vivem em seu entorno. Entre esses impactos, a geração de rejeitos passou a ser discutida no Brasil após a tragédia decorrente do rompimento da barragem do Fundão, em Mariana (MG). Apesar do crescente questionamento, grandes mineradoras …

por em

Novo massacre indígena no Maranhão

Os buracos de bala são as testemunhas na silenciosa e bucólica paisagem de um sítio na Baixada do Maranhão. Estão em troncos de árvores, nas paredes externas da casa. Traçam o caminho realizado por cerca de trinta indígenas do povo gamela, que haviam ocupado o local horas antes, recuando diante do avanço de 250 indivíduos, …

por em

O desprezo pelo povo

O populismo transcende as divisões ideológicas tradicionais.1 Enquanto o nacionalismo anti-imigração de Donald Trump crescia para tomar de assalto o Partido Republicano e a Casa Branca, à esquerda Bernie Sanders mobilizava os trabalhadores com remédios inspirados no Partido do Povo (People’s Party), que emergiu no final do século XIX em resposta à influência de bancos …

por em

“Não há negociação se a oposição mantiver uma estratégia baseada na insurreição”, afirma Adolfo Pérez Esquivel

Agraciado com o prêmio Nobel da Paz em 1980, o ativista dos direitos humanos, Adolfo Pérez Esquivel, pede objetividade e serenidade na resolução da crise institucional e política que assola o governo de Nicolás Maduro, na Venezuela. Com as atividades da Assembleia Nacional parcialmente interrompidas, um confronto entre simpatizantes do governo chavista e parlamentares oposicionistas …

por em

A história do capitalismo contada pelo ketchup

No coração do Vale de Sacramento, na Califórnia, no salão de um restaurante decorado com ursos e cobras empalhadas, um homem morde seu hambúrguer diante de um frasco de ketchup. Chris Rufer, proprietário da Morning Star Company, é o rei mundial da indústria do tomate. Com apenas três fábricas, as maiores do mundo, sua empresa …

por em

Em Chiapas, a revolução continua

Eles têm medo que descubramos a possibilidade de governarmos a nós mesmos”, lança a maestra Eloisa. Essa frase é proferida desde 2013 a centenas de simpatizantes vindos do México e de fora do país para conhecer a experiência zapatista durante uma semana de imersão ativa. Batizada carinhosamente de “Escuelita”, essa iniciativa visava inverter a síndrome …

por em

Os invisíveis geram medo

A situação ainda não está fora de controle, mas há riscos de entrarmos em um período de confrontos e violência muito mais agudos do que vivemos atualmente. O que acontece hoje no Rio de Janeiro é sinal do que vem por aí. Já assusta todo mundo o fato de que o Brasil atingiu a marca …

por em

O ar-condicionado ao assalto do mundo

A cidade de Hamilton, no Canadá, não é conhecida pelo clima ameno: todo ano, a temperatura se mantém negativa durante 129 dias e passa dos 30 °C em apenas 18. Nessa localidade de 500 mil habitantes, 82% dos domicílios possuem climatização, uma tecnologia que o conselho municipal se encarrega de fornecer gratuitamente aos residentes pobres …

por em

No Arizona, o muro de Trump já existe

Muitos corpos não são recuperados: a prioridade da Border Patrol é pegar os vivos Passada a vila de Sierra Vista, no Arizona, e vários quilômetros de estradas empoeiradas, a fronteira se anuncia. Em uma colina que abriga a vanguarda da vigilância, surge o rancho de Glenn Spencer. Com a barba recém-feita, ele está de pé …

por em

Golpe de toga

Golpe militar, de Estado ou de mão. Para quem achava que havia visto de tudo, eis que o Brasil nos lembrou de mais um. Desde a tentativa de derrubar Hugo Chávez na Venezuela em 2002 e do alegado sequestro do presidente do Haiti, Jean Aristide, por militares norte-americanos dois anos depois, a América Latina parecia …

por em

Quem matou Samora Machel?

Em 19 de outubro de 1986, o primeiro presidente de Moçambique independente, Samora Machel, de 53 anos, morreu num acidente de avião na encosta da colina de Mbuzini, no nordeste da África do Sul. Ele voltava, a bordo de um Tupolev 134A, de Mbala, no norte da Zâmbia, onde havia participado de uma cúpula regional. …

por em

Na periferia, um prefeito contra os moradores

Bloqueio policial fecha rua de Sarcelles após manifestação contra violência na Faixa de Gaza Vocês estão cansados desse bando de malandros? Bem, vamos nos livrar deles!” A sala inteira explode de rir e aplaude: nesse 29 de maio de 2015, em Saint-Denis, assiste-se à projeção do filme Ils l’ont fait.1 O entusiasmo do público da …

por em

Casamentos desastrosos no Tadjiquistão

No quintal de uma casa no coração de Duchambé, a capital do Tadjiquistão, dezenas de mesas transbordam com entradas, frutas, chapatis gordinhos e refrigerantes fluorescentes. Neste sábado, às 7 horas da manhã, sob o sol já forte do mês de agosto, os convidados chegam para degustar o plov – tradicional prato de arroz pilaf, cebola, …

por em

O governo Temer na economia: conjuntura, estrutura e “fracasso”

No fim de abril de 2017, os sinais da conjuntura econômica eram dúbios, mas não autorizavam grande otimismo. Beneficiados por uma mudança metodológica (usual, mas desta vez muito mal esclarecida) relativa aos setores de comércio e serviços, os indicadores antecedentes apontavam para um encerramento da recessão no primeiro trimestre. Por outro lado, os dados de …

por em