Dossiê 10

 

Muito antes de analisarmos as instituições políticas – governos e partidos políticos –, que na democracia são os instrumentos de exercício do poder, é preciso reconhecer que esses governos e partidos são sustentados por recursos, valores e uma cultura profundamente arraigada na sociedade.

Quando os imigrantes são criminalizados, a pena de morte é defendida, as discriminações de todo tipo – raciais, religiosas, de gênero, por exemplo – reafirmam desigualdades, a sociedade mostra sua cultura autoritária e excludente.

Mas seria injusto atribuir a toda a sociedade esse mesmo comportamento, como se ela fosse homogênea, feita de iguais. Na realidade, é sempre uma sociedade em disputa, na qual há oprimidos e opressores. E esses opressores se valem de numerosos instrumentos para difundir seus valores e ganhar a adesão das maiorias. Isso se chama ideologia: a narrativa dos opressores que justifica e legitima a opressão.

A escola, as igrejas, a televisão, o cinema e os jornais atuam sobre a opinião pública reconstruindo a todo momento a narrativa dos poderosos, criando novas versões para reafirmar seus valores e interpretar o que vivemos.

Quando os poderosos do momento são os bancos, os donos do capital, esse discurso assume os valores do capitalismo financeiro e passa a exaltar a disputa, o egoísmo, o individualismo, o desejo de acumular sem limites, a destruição do concorrente, a vitória sobre os demais. Uma proposta de vida que é um estado de guerra permanente.

Nesse caldo de cultura, se podemos chamar assim, é que se exercem os pequenos e os grandes poderes; as relações assimétricas que ocorrem na família, no trabalho, nos espaços públicos, recriando sociedades autoritárias, hierárquicas, centralistas, verticais.

E nessa condição de convivência humana, o instrumento de defesa das maiorias é a democracia, por meio de instrumentos públicos de regulação e controle dos interesses privados. Mas mesmo a democracia é desafiada e, na maior parte dos casos, submetida aos interesses dos poderosos.

Reconquistar a liberdade, a autonomia e a capacidade de decidir sobre a vida cotidiana e os destinos da coletividade é enfrentar esses pequenos e grandes poderes. Isso significa disputar no dia a dia os sentidos da democracia.

Vamos discutir esses temas nesta edição.

04 de julho 2012
ver artigos

R$ 14,90Comprar

Um nome e um endereço

Imaginemos um francês não muito castigado pela vida. Ao acordar, ele manda. Uma empregada esfregou os azulejos de seu banheiro e passou...

Tudo começou na ilha de Robinson

O personagem solitário Robinson Crusoé frequentemente inspira os economistas por sua força, eficiência, inteligê...

O pulmão do capitalismo norte-americano

Nalargada, uma pequena loja num dos estados (Arkansas) mais pobres do país. Na chegada, um volume de negócios girando em torno de U...

Intrusão operária no cenáculo de acionistas

Quando raiou o dia na fábrica, as trabalhadoras desceram de um ônibus para entrar em outro e dirigir-se a um destino desconhecido. C...

O universo em expansão do mundo das finanças

O Poder corporativo dos intermediários financeiros

Controlar de forma organizada uma cadeia produtiva gera naturalmente grande poder econômico, político e cultural. Econômico, em r...

A Bolsa, onde tudo faz sentido

Situada na confluência da racionalidade estatal com as lógicas de mercado, a Bolsa é, ao mesmo tempo, um lugar, um dispositiv...

O reinado das agências de classificação de risco

Como adolescentes agitados, os governos contemporâneos espreitam as mudanças de humor das agências de classificaç&atild...

Nos jantares do Siècle, a elite se fortalece em silêncio

Publicado nos Estados Unidos em 1956, em plena Guerra Fria, A elite do poder, de Charles W. Mills, suscitou intensas controvérsias. Esse l...

E agora, as estrelas!

Ninguém esperava realmente de Ronald Reagan que, na sua carreira anterior de ator de cinema e de governador da Califórnia, tivesse ...

Uma escola de torturadores nas Américas

A região do Canal do Panamá não abriga apenas uma via de água transoceânica de importância vital para os ...

Israel, um país dominado por seu exército

O setor militar exerce em Israel uma influência que excede de longe os problemas de segurança. Tudo que se refere à vida coti...

A transmutação chinesa nos corredores da OMC

Não se trata de um monumento como a Torre Eiffel. Ainda assim numerosos turistas tiram fotos da entrada do Centro William Rappard, sede da...

A vida do imigrante começa no guichê

O guichê não é um lugar de poder como os outros. Pertencendo à paisagem cotidiana das administrações con...

“Pau para toda obra” made in Filipinas

Um caminho sinuoso, bosques de pinheiros verdejantes e homens de uniforme. De repente, surgem as imagens de cartão-postal da Baía d...

Sombras da intimidade

A questão das desigualdades entre homens e mulheres está longe de ser resolvida: sejam quais forem o campo e a dimensão da v...

Cena ordinária de um tribunal escolar

A cena a seguir, extraída do documentário de Gilles Balbastre, Fortunes et infortunes des familles du Nord[Fortunas e infortú...

Um passeio pelo mundo dos grandes burgueses

Portes-en-Ré, uma ilha dentro da ilha. Rodeada pelo mar e pelos mangues, na ponta da Ilha de Ré, essa comunidade pouco frequentada ...

Tentacular e doutrinário, o Opus Dei

Com exceção dos jesuítas nos séculos anteriores, nenhuma organização católica suscitou tantos li...

Golpe de Estado midiático na Venezuela

Temos uma arma capital: os meios de comunicação. E quando a ocasião se apresentar, eu os felicitarei.” No dia 11 de ab...

Anatomia do poder

Nointerior da sociedade norte-americana, o essencial do poder nacional reside nas áreas econômica, política e militar. As out...

Quem manda no mundo

por Silvio Caccia Bava

Dossiê


Especiais relacionados

Copa: futebol e política

|
Paixão das multidões, negócio bilionário, fator de mobilização social: o futebol é arrebatador. E, a cada quatro anos, as melhores seleções nacionais se reúnem ...

Desencarceramento como política de saúde

|
Este especial, uma parceria Le Monde Diplomatique Brasil e Radar Saúde Favela (Fiocruz), coloca no centro de suas reflexões o encarceramento e a produção da morte. Os...

O agro não produz comida, produz fome

|
Este especial, uma parceria Le Monde Diplomatique Brasil e Radar Saúde Favela (Fiocruz/RJ), coloca no centro de suas reflexões as correlações entre o agrocapitalismo...

Qual é o plano? Eleições 2022

|
O mês de outubro revelará as escolhas do povo brasileiro para a composição dos governos dos estados e do país. Isso se dará em um dos momentos sociais e políticos ...