Guilhotina #181 - Heloisa Starling e Newton Bignotto

GUILHOTINA

Guilhotina #181 – Heloisa Starling e Newton Bignotto

Guilhotina | Brasil
1 de setembro de 2022
compartilhar
visualização

Bianca Pyl e Luís Brasilino conversam com a historiadora Heloisa Starling e o filósofo Newton Bignotto, autores junto com o cientista político Miguel Lago do livro “Linguagem da destruição: a democracia brasileira em crise, publicado em abril pela Companhia das Letras. A obra investiga a atuação do bolsonarismo e seu plano de poder pautado pela destruição, em especial da democracia, mas de todas as instituições baseadas no espírito da Constituição de 1988.

Bianca Pyl e Luís Brasilino conversam com a historiadora Heloisa Starling e o filósofo Newton Bignotto, autores junto com o cientista político Miguel Lago do livro “Linguagem da destruição: a democracia brasileira em crise, publicado em abril pela Companhia das Letras. A obra investiga a atuação do bolsonarismo e seu plano de poder pautado pela destruição, em especial da democracia, mas de todas as instituições baseadas no espírito da Constituição de 1988. Conversamos sobre o reacionarismo materializado na atual ascensão da extrema direita, os valores e os ideais da base bolsonarista, a utopia regressiva que a move, a noção de “cidadão de bem”, as dimensões de implementação do fascismo, o papel das forças armadas, a perspectivas de golpe e a importância das eleições. Heloisa é historiadora, cientista política e professora titular-livre da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). É autora, entre outros, de “Os senhores das Gerais”, “Lembranças do Brasil”, “Brasil: uma biografia”, escrito em parceria com a Lilia Schwarcz, “República e democracia: impasses do Brasil contemporâneo” e “Ser republicano no Brasil colônia”. Newton é professor titular aposentado de Filosofia da UFMG e pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Defendeu sua tese de doutorado sobre Maquiavel, na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, em Paris, e é autor, entre outros, de “Golpe de Estado: história de uma ideia” e “O Brasil à procura da democracia: da proclamação da república ao século XXI”. Links: Matheus Leitão, “Órgãos de inteligência suspeitam de ataques no 7 de setembro; e Angela Alonso e Paulo Markun, “Ecos de Junho.

Trilha: Paulinho da Viola, “Dança da solidão”; e Chico Buarque e Maria Bethânia, “Notícia de jornal” (Haroldo Barbosa e Luis Reis).



Artigos Relacionados

Direito à cidade

As perspectivas para o Brasil pós 2 de outubro

por Nelson Rojas de Carvalho
Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva