Trump acuado pelo partido anti-Rússia

Alguns meses foram suficientes para que os Estados Unidos se retirassem do acordo internacional de Paris sobre o clima, assumissem novas sanções econômicas contra a Rússia, invertessem a dinâmica da normalização das relações diplomáticas com Cuba, anunciassem sua intenção de denunciar o acordo nuclear com o Irã, colocassem em guarda o Paquistão, ameaçassem a Venezuela …

por em

O que fazer do “brasil”?

Há trinta anos, Roberto DaMatta publicou um ensaio de grande repercussão: O que faz do brasil, Brasil?1 Discutia a identidade brasileira e nossa capacidade de negociar, relativizar e sintetizar, que lhe permitia acreditar na possibilidade de inventarmos um futuro comum, mesmo convivendo com desigualdades de todo tipo e articulando hierarquias com a cordialidade que seria …

por em

Como entrevistar Adolf Hitler?

Até segunda ordem, Hitler não quer dar entrevistas na presença de jornalistas franceses, o que se explica pela atitude da França em relação à Alemanha.” Essa comunicação de inadmissibilidade enviada em março de 1932 pelo secretário do chefe nazista a um enésimo solicitante não permitia réplica. Se o banimento da imprensa francesa se flexibilizou após …

por em

Sobre um pano azul com doze estrelas amarelas

No começo, essa grande esperança tinha tudo para dar certo. São Tomás e Victor Hugo, uma feliz mistura de inspiração cristã e profecias humanitárias, generosidades e verossimilhanças. Era a marcha inexorável rumo à unificação dos povos num governo global, como outrora as regiões nos Estados-nações ou, ainda, certezas fortes e simplistas como “A união faz …

por em

Stálin e Hitler: irmãos gêmeos ou inimigos mortais?

Acontecimentos históricos e categorias teóricas   Na atualidade, com base na categoria de “totalitarismo” (a ditadura terrorista do partido único e o culto ao líder), Stálin e Hitler são considerados as máximas encarnações desse flagelo, dois monstros com características tão semelhantes a ponto de parecer gêmeos. Não por acaso – argumenta-se –, ambos se uniram …

por em

Rio de Janeiro sitiada?

“Meu nome é Sebastião e estou ferido. Mas não me entrego.” Assim começa o vídeo institucional lançado pelo governo federal no domingo, 30 de julho de 2017, dois dias após tropas militares ocuparem, sem aviso prévio, pontos estratégicos do Rio de Janeiro, São Gonçalo e Niterói. O tal “Sebastião”, avisa uma voz grave, é “São …

por em

A armadilha dos 99%

A 100 °C a água ferve, com certeza. Mas é melhor não esperar que a vida das sociedades se dobre diante das leis da física. O fato de 1% da população possuir a maioria das riquezas produzidas na Terra não faz dos 99% restantes um grupo social solidário, muito menos uma força política em ebulição. …

por em

“Queermuseu”: A apropriação que acabou em censura

  Na última semana, foi impossível passar incólume de um assunto nos sites de notícias e nos fóruns virtuais: a censura da exposição Queermuseu – cartografia das diferenças na arte brasileira, realizada no Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. A mostra foi fechada arbitrariamente pela instituição – que cedeu a pressões de setores conservadores …

por em

Estratégias da violência se fundam no genocídio de negros, pobres e mulheres

Muito se ouve, se fala e se sente acerca da violência. O ódio se encontra disseminado entre as pessoas dissonantes, como se não fosse possível habitar o mesmo espaço do outro que pensa e age diferente. A violência institucional do Estado prolifera, seja na omissão de um sistema prisional, que produziu mortes em massa no …

por em

As três batalhas de Raduan Nassar

Pela garganta é que se reconhece a fibra da reflexão, pelo calibre ranzinza da goela na hora de engolir”, diz, em Um copo de cólera, o personagem quarentão à sua jovem parceira, atribuindo, não à cabeça ou à profissão, mas a um defeito de anatomia a independência do pensamento. A contundência do timbre utilizado pelo …

por em

Crises em cadeia

Como demonstrou o historiador Reinhart Koselleck, o sentimento de crise é inerente à condição do homem moderno.1 As mudanças tecnológicas, os ciclos da economia e a evolução da cultura contribuem para alimentar uma impressão de constante novidade e, em consequência, de fim de época. Acontece, no entanto, que a crise é real, e muitas delas …

por em

Metamorfoses da mídia norte-americana

Há meio século, o presidente norte-americano Richard Nixon fustigava as “mídias” como se elas fossem uma entidade única e indistinta. Numa época dominada por um punhado de redes de televisão, revistas e jornais, ele não estava muito errado. Contudo, a partir do início dos anos 2000, o panorama se diversificou. Podemos distinguir três famílias, em …

por em

Um supersoldado saído dos laboratórios

Diante de armas cada vez mais aperfeiçoadas, o soldado “se torna o elo mais fraco” dos sistemas defensivos. Essa constatação da Agência Norte-Americana para os Projetos de Pesquisa Avançada da Defesa (Darpa), formulada num relatório não confidencial datado de 2002,1 faz pensar em outra: ainda que os robôs tomem o campo de batalha, o Exército …

por em

“A solução para a crise está nas favelas e periferias”

“A solução para a crise está nas favelas e periferias. Basta ver o que estamos fazendo de forma independente, basta nos ouvir, basta parar de nos observar pela mira do fuzil de um policial.” A conclusão é de Raull Santiago, do coletivo carioca Papo Reto, formado por moradores dos complexos do Alemão e da Penha, …

por em

A autocrítica da sobrevivência

Desde que deixou a Prefeitura, após um mandato de quatro anos (2013-2017), Fernando Haddad intensificou o número de viagens pelo Brasil para, segundo ele, sentir o clima do ambiente acadêmico em um momento de cortes na área da Ciência e Tecnologia, Cultura e Direitos Sociais, promovidos pelo governo Temer. Entre palestras e aulas magnas, o …

por em

O problema do Brasil é o ódio ao pobre

  Este artigo é o resumo parcial de um fio condutor que percorre meu último livro, lançado em setembro pela editora Leya com o título A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Na publicação, busco enfrentar o desafio ambicioso de formular uma gênese histórica alternativa à narrativa hoje dominante, seja na direita, seja …

por em

Último salto rumo à seleção humana

O termo “eugenia” foi inventado no final do século XIX por Francis Galton, antropólogo primo de Charles Darwin, para definir a “ciência da melhora das raças”. O infanticídio, a gestão dos casamentos, a esterilização, o extermínio e o aborto correm o risco de em breve aparecerem como meios muito medíocres para melhorar a qualidade humana, …

por em

Golpe de toga

Golpe militar, de Estado ou de mão. Para quem achava que havia visto de tudo, eis que o Brasil nos lembrou de mais um. Desde a tentativa de derrubar Hugo Chávez na Venezuela em 2002 e do alegado sequestro do presidente do Haiti, Jean Aristide, por militares norte-americanos dois anos depois, a América Latina parecia …

por em

Quem matou Samora Machel?

Em 19 de outubro de 1986, o primeiro presidente de Moçambique independente, Samora Machel, de 53 anos, morreu num acidente de avião na encosta da colina de Mbuzini, no nordeste da África do Sul. Ele voltava, a bordo de um Tupolev 134A, de Mbala, no norte da Zâmbia, onde havia participado de uma cúpula regional. …

por em

Na periferia, um prefeito contra os moradores

Bloqueio policial fecha rua de Sarcelles após manifestação contra violência na Faixa de Gaza Vocês estão cansados desse bando de malandros? Bem, vamos nos livrar deles!” A sala inteira explode de rir e aplaude: nesse 29 de maio de 2015, em Saint-Denis, assiste-se à projeção do filme Ils l’ont fait.1 O entusiasmo do público da …

por em

Ondas eletromagnéticas, poluição invisível

Se a utilização das ondas não é nova, as técnicas utilizadas e a escala de sua aplicação nos projetaram numa nova idade técnica, que leva o uso à quase saturação do espectro hertziano. Não é exagero enxergar nisso a exploração de um recurso natural limitado, já que, em determinado ponto de determinada faixa de frequência, …

por em

Crise financeira dos estados: um sintoma

Rio de Janeiro – Servidores estaduais de várias categorias em estado de greve participam de protesto contra a situação financeira e a mudança do calendário de pagamento de salários (Fernando Frazão/Agencia Brasil)   As finanças públicas brasileiras estão enfrentando um momento delicadíssimo. Ninguém sabe ao certo como o desequilíbrio fiscal poderá ser solucionado. Pelo lado …

por em

Mulheres Negras: Projeto de Mundo

Na próxima segunda-feira, dia 12 de setembro, às 19h, o Centro Cultural Galeria Olido, em São Paulo, receberá o lançamento do filme “Mulheres Negras: Projeto de Mundo”. Dirigido por Day Rodrigues e Lucas Ogasawara, o documentário de 25 minutos conta com depoimentos das ativistas Djamila Ribeiro, Ana Paula Correia, Aldenir Dida Dias, Preta Rara e …

por em

A cidade na “longa década perdida”

Entre 2003 e 2013 atravessamos um período inédito em nossa história. Combinamos crescimento econômico, com a integração produtiva de amplas parcelas da população, extensão das políticas de proteção social e retomada do planejamento governamental. Os números são conhecidos, mas, quando justapostos, não deixam de surpreender. O PIB foi multiplicado por quatro, 21 milhões de empregos …

por em

União forçada em torno de Hillary

Numa crônica de 24 de maio de 2016, o editorialista conservador do New York Times David Brooks se perguntava: “Por que Hillary Clinton é tão impopular?”. Em vez de procurar a resposta no histórico político da candidata, ele se debruçou sobre sua psicologia. “Começarei minha explicação por esta interrogação: vocês podem me dizer o que …

por em

A mídia de massas individual

A informação e a comunicação sempre foram vetores de poderes dominantes, alternativos, de resistências e de mudanças sociais. Nesse sentido, a ascensão sobre a mente das pessoas propiciada pela comunicação é fundamental: afinal, é apenas com a condição de moldar o pensamento dos povos que os poderes se constituem em sociedades, e que as sociedades …

por em

A enxurrada babélica do rap africano

E essa música tem o poder de reunir em torno dos seus temas, jovens vindos de diferentes horizontes sociais, e até mesmo de apagar suas diferenças étnicas. O rap é a rua que fala. E, mais do que nunca, é do interesse dos nossos chefes de Estado ouvi-lo com atenção”. Este comentário é dos rappers …

por em

A cidade na “longa década perdida”

Atravessamos entre 2003 e 2013 um período inédito em nossa história. Combinamos crescimento econômico, com a integração produtiva de amplas parcelas da população, a extensão das políticas de proteção social e retomada do planejamento governamental. Os números são conhecidos, mas quando justapostos não deixam de surpreender. O PIB foi multiplicamos por quatro, foram criados 21 …

por em

As bases sociais da explosão

Três dias após eleições históricas realizadas num clima de perfeita calma – nas palavras do embaixador norte-americano em Nairóbi, Michael Ranneberger –, o Quênia pegou fogo. O anúncio dos resultados, manipulados em favor do presidente Mwai Kibak,1 provocou imediatamente mais de setecentos confrontos. O incêndio espalhou-se rapidamente e a violência cresceu. A polícia, autorizada a …

por em

Faça você mesmo!

Os jovens continuam fazendo arte no Brasil como em outras épocas. A novidade são os meios, cujo acesso tornou-se mais viável. Por outro lado, a recente ampliação das políticas públicas voltadas para tal segmento da população, também tem impacto importante, tanto para o acesso aos meios como para difusão da produção artística. É nova, também, …

por em

As vítimas da Big Pharma

Em março de 2005 os testes clínicos com o Tenofovir®, um antiviral utilizado no tratamento da aids, foram suspensos na Nigéria, por motivo de problemas éticos graves. Conduzidas pela associação Family Health International (Saúde da Família Internacional), sob responsabilidade do laboratório norte-americano Gilead Sciences, essas experiências foram financiadas pelo governo dos Estados Unidos e pela …

por em