Sem presos, nem feridos, ato contra tarifa recebe apoio popular - Le Monde Diplomatique

Sem presos, nem feridos, ato contra tarifa recebe apoio popular

21 de janeiro de 2015
compartilhar
visualização


Apesar dos dois últimos protestos terem sido encerrados sob forte repressão policial, com dezenas de presos e feridos, os atos contra o aumento da tarifa no transporte público seguem reunindo milhares de pessoas na cidade São Paulo.

Convocado pelo Movimento Passe Livre – São Paulo (MPL), o protesto partiu da Praça Sílvio Romero, no Tatuapé, Zona Leste da capital paulista, às 18h30 com cerca de oitocentas pessoas. Durante a caminhada a adesão foi grande. Duas horas depois, próximo ao destino final, na estação Belém do metrô, a marcha contava com cerca de dez vezes mais manifestantes – entorno de 8 mil pessoas.  

Diferente do que ocorreu nos atos realizados no centro da cidade, o comércio local não fechou as portas. Trabalhadores chegaram a sair de seus estabelecimentos comerciais para expressar apoio. Nas sacadas e janelas das residências muitos moradores fizeram o mesmo.

 

Em frente à sede do Sindicato dos Metroviários, na Rua Serra de Japi, um representante dos trabalhadores pediu apoio dos manifestantes na revisão da demissão dos 42 trabalhadores do metrô demitidos após a greve da categoria realizada em junho de 2014 e manifestou o apoio do sindicato à luta pela redução da tarifa.


Um contingente de policiais menor do que o habitual acompanhou o ato – segundo a Polícia Militar, 450 agentes. O protesto completou seu percurso de cerca de 7 km sem registros de pessoas presas ou feridas.

No dia 6 de janeiro, as tarifas de ônibus, trens da CPTM e metrô de São Paulo subiram de R$ 3,00 para R$ 3,50. O valor da integração entre trens e ônibus também subiu de R$ 4,65 para R$ 5,45.


Um quarto ato foi convocado pelo MPL para o dia 23, sexta-feira, às 17hs em frente ao Theatro Municipal de São Paulo.
 


*Vídeo foi produzido pelo do Coletivo de Cobertura Luta Contra a Tarifa 2015 formado pelos movimentos: Mães De Maio, MPL-SP, ADVP, CMI-SP, Passa Palavra.
 



Artigos Relacionados

AMAZÔNIA OCUPADA #3

Madeira da Amazônia: normas avançam, mas só 10% da extração é regular

Online | Brasil
por Felipe Betim
CHILE – LIÇÕES DE UMA DERROTA

Jogar o jogo: nove parágrafos para uma nova força transformadora

por Jorge Arrate
O RETUMBANTE TRIUNFO DO REJEITO NO PROJETO CONSTITUCIONAL

No Chile, o futuro que nos escapou

por Álvaro Ramis
QUAL É O PLANO?

Programa de Bolsonaro quase assume a responsabilidade pela tragédia na educação

por Antonio Carlos Souza de Carvalho
GUILHOTINA

Guilhotina #184 - Jorge Chaloub

VIOLÊNCIA

O Brasil armado por Bolsonaro e seus legados

Online | Brasil
por Bruno Langeani
ELEIÇÕES 2022: A MÍDIA COMO PALANQUE I

Apresentadores de programas policialescos apostam na reeleição

Online | Brasil
por Tâmara Terso
RECIFE E REGIÃO METROPOLITANA

A ausência de políticas públicas e as consequências na vida das famílias atingidas pelas chuvas

Online | Brasil
por Neilda Pereira