Podcast Guilhotina #43 – Natália Neris - Le Monde Diplomatique Brasil

Guilhotina

Guilhotina #43 – Natália Neris

Guilhotina | Brasil
17 de outubro de 2019
compartilhar
visualização

Qual a contribuição do Movimento Negro para a elaboração da Constituição Cidadã de 1988? Será que as pautas defendidas por esse grupo foram mantidas no texto final? Ouça a entrevista com Natália Neris sobre o assunto.

Sob intenso ataque desde 2016, a Constituição de 1988 foi um marco na consolidação de direitos de todos os brasileiros. Conquistas promovidas pela efervescência política do período, mas que poderiam ser bem maiores não fosse atuação das forças conservadoras, aglutinadas no chamado Centro Democrático, o Centrão. Síntese dessa dinâmica é a disputa em torno dos direitos da população negra. Em um momento de enfrentamento do mito da democracia racial, que em si nega a própria existência dessa luta, a agenda de direitos avançou graças ao movimento negro. Sua atuação abriu possibilidades, por exemplo, para o reconhecimento de terras quilombolas e, anos depois, para a efetivação de ações afirmativas.

Entretanto, muitas dessas vitórias foram revertidas na fase “partidária” da Constituinte, quando o texto final foi redigido e aprovado pelos parlamentares, longe da influência da sociedade civil.

Para conversar sobre esse período, Bianca Pyl e Luís Brasilino recebem a pesquisadora Natália Neris, doutoranda em Direitos Humanos na Faculdade de Direito da USP, coordenadora da área de Desigualdades e Identidades do InternetLab e autora do livro “A voz e a palavra do Movimento Negro na Constituinte de 1988”.

A obra descreve essa participação na produção da Carta Magna e detalha o processo em que as medidas apresentadas pela sociedade civil foram perdendo o foco na população negra e se tornando mais genéricas. Além das conquistas de 1988, também falamos sobre os desafios do movimento negro atual, a importância das mulheres nessa construção e as ameaças colocadas pelo avanço conservador pós-2016.

Ouça em seu agregador favorito ou clique na imagem abaixo:

Trilha: Marquinho Art’Samba, “História para ninar gente grande” (Deivid Domênico, Tomaz Miranda, Mama, Marcio Bola, Ronie Oliveira, Danilo Firmino, Manu da Cuíca e Luiz Carlos Máximo); e Maria Bethânia, “Yáyá Massemba”.

E-mail: guilhotina@diplomatique.org.br.



Artigos Relacionados

Chacina de Jacarezinho

Bala, fome, vírus e rivotril na cidade do purgatório, da beleza e do caos

por Rachel Gouveia Passos
GUILHOTINA

Guilhotina #115 — Julita Lemgruber

Apagão estatístico

A extinção do censo demográfico e a negação do Estado Social

Online | Brasil
por Fábio Prudente Netto e Gabriel Mattos da Silva
Repressão

Violência estrutural e construção da ordem social na Colômbia

Online | Colômbia
por João Estevam dos Santos Filho
Mídia e Justiça

Acabou o BBB, agora temos a CPI

Online | Brasil
por Grazielle Albuquerque

Novo apagão na Ciência brasileira no pior momento da pandemia

Online | Brasil
por Angelina Moreno
Direito à Educação

Meninas negras têm menos acesso ao ensino remoto, diz estudo

por Campanha Nacional pelo Direito à Educação
Luto

Em tempos de ódio e negacionismo rir é um ato de resistência

Online | Brasil
por Rachel Gouveia Passos