Comunicação e cultura: as ideias de Paulo Freire - Le Monde Diplomatique

Comunicação e cultura: as ideias de Paulo Freire

1 de dezembro de 2011
compartilhar
visualização

As ideias de Paulo Freire constituem uma plataforma para a ação político-social contemporânea e visionária nos campos da educação, cultura, comunicação, entre outros. O texto busca situar e valorizar a obra de Freire em contribuição aos estudos em comunicação e cultura e seus conceitos fundamentais. Estabelece os parâmetros para a relação dialógica nos processos tecnológicos e interativos, pautada na teoria do conhecimento e anterior à revolução digital. Por comunicação dialógica entenda-se o direito de todos os indivíduos ao acesso à informação e aos meios de resposta e articulação. Uma relação que enfrenta qualquer tipo de censura, enfatizando a liberdade de expressão e o discurso em que todas as vozes possam ser ouvidas.

Para isso, o autor recupera, primeiramente, o contexto biográfico de Freire entre os anos 1950 e 1960 desde o Nordeste brasileiro. Venício Lima destaca as principais forças ideológicas que influenciaram a pesquisa de Paulo Freire: o nacionalismo e o catolicismo radical, contribuições importantes na formação do pensamento freiriano, e a busca pela justiça social, no comprometimento com a emancipação dos oprimidos. Após essa introdução, apresenta os conceitos antropológico, epistemológico e sociopolítico de comunicação para então analisar o conceito de cultura do silêncio e a ação cultural propriamente dita.

Comunicação e cultura: as ideias de Paulo Freire nos abre horizontes entre futuro e passado, atualidade e reminiscências históricas. Amplia o repertório sobre informação como direito, conhecimento compartilhado e debate público. Uma referência e registro do educador sobre diversos artigos e declarações, publicações inéditas e de vanguarda, para saber ler o mundo mesmo que sem a palavra. Um amor revolucionário que manteve o educador fiel até o fim de sua vida a valores de transcendência humana e existencial, mantendo a crença de que o homem pode realizar plenamente seu potencial criativo por meio da práxis.

Boa leitura!



Artigos Relacionados

Guilhotina

Guilhotina #78 – Charles Trocate

GENOCÍDIO INDÍGENA

Não sou indígena, mas choro por Aritana

Online | Brasil
por Max Alvim
RESENHA

“Por um populismo de esquerda”

por Felipe Calabrez
Covid-19

Conhecimento e solidariedade para enfrentar a pandemia

por Alan Rossi Silva e Luciana M. N. Lopes
Necropolítica

Necrossociedade

Online | Brasil
por Vinícius Mendes

Vulnerabilidade e violência: imigrantes e refugiados na pandemia brasileira

Online | Brasil
por Vários autores
Feminismos transnacionais

A beleza negra como instrumento político de transformação social

por Bianca Assis Oliveira de Paula
Crônica

Meninos e caranguejos: desencontros entre o asfalto e o mangue

Online | Brasil
por Roberta Traspadini