Fronteiras de tensão - Le Monde Diplomatique

Fronteiras de tensão

3 de Abril de 2012
compartilhar
visualização

Esse livro resulta de pesquisa etnográfica premiada pela Anpocs e definida pelo autor como “uma tradução do vivido”. Trata-se de um painel denso e pulsante da história recente da cidade de São Paulo, construído com base em longa imersão pessoal na realidade de Sapopemba. Sendo uma tradução, deve ser entendido não como retrato, mas como fabricação que pode ser expandida e/ou alterada indefinidamente. Feltran convida o leitor a um diálogo crítico com seu livro, que se quer humano, incompleto, polêmico – mas não ficcional, pois o material empírico a sustentar o argumento é enorme.
O autor introduz a dimensão temporal em seu quadro de referência a partir de longo contato com os jovens de Sapopemba, cujas práticas lhe impuseram uma reflexão sobre a relação entre mudanças socioculturais e diferenças geracionais nas ideias sociopolíticas. Disso resulta que o presente da etnografia se forma com profundidade histórica, o que faz da pesquisa uma reconstrução da saga dos moradores de Sapopemba.
A base do argumento é que as periferias urbanas são lugares (produtos de vivências e não simplesmente espaços sem densidade social própria) marcados pela ausência de linearidade na relação entre o funcionamento do sistema jurídico-institucional e os processos de legitimação da dominação. Daí o título do livro, Fronteiras, porque a autoridade constituída precisa afirmar-se permanentemente diante de outras formas de poder que também buscam legitimar-se; o resultado é a tensão expressa no título, em que a organização estatal da vida pública se constrói junto com processos que a questionam todo o tempo. Produzem-se mutuamente as regras do mundo do crime, sua gestão jurídico-institucional com os respectivos desvios, os movimentos sociais locais e supralocais.
Mas o leitor não precisa se preocupar: o espaço disponível obriga a uma apresentação seca e pobre da argumentação. No livro, ao contrário, ela se desenvolve por meio de saborosas descrições da vivência pelos moradores de Sapopemba (especialmente os jovens) e das vicissitudes da atuação de organizações não estatais da região. O leitor terá em mãos um trabalho que merece plenamente o prêmio que recebeu.



Artigos Relacionados

Genocídio

O que separa João Hélio de João Pedro?

Online | Brasil
por Luana Barbosa da Silva
campo democrático

Por quem os sinos dobram?

Online | Brasil
por Italo Jardim
Direito à moradia

O Estado e o Direito como perpetuadores de injustiças

Online | Brasil
por Davi Spilleir
PANDEMIA, CONCENTRAÇÃO DE RENDA E SMARTPHONES

Figura alguma é o bastante

Online | Brasil
por Paula Ordonhes
Extermínio

Quando a cor importa: o racismo estrutural na esquerda

Online | Brasil
por Érico Andrade
RESENHA

O “Evangelho da Razão” segundo Celso Furtado

Online | Brasil
por Alexandre de Freitas Barbosa
Rituais, construção de caminhos e redes de cuidados

Etnia Xukuru-Kariri e as práticas populares no enfrentamento à Covid-19

Online | Brasil
por Tanawy de Souza Tenório e Saulo Luders Fernandes
DISCRIMINAÇÃO E INVISIBILIDADE

O abandono de pessoas trans durante a pandemia

Online | Brasil
por Wendel Limeira e Anne Nunes