PONTO DE CULTURA: O BRASIL DE BAIXO PARA CIMA - Le Monde Diplomatique

PONTO DE CULTURA: O BRASIL DE BAIXO PARA CIMA

3 de janeiro de 2010
compartilhar
visualização

Quando o ministro Gil, em seu discurso de posse, afirmou que a cultura precisava mudar e que era necessário massagear os pontos vitais do país, operando um verdadeiro Do-in antropológico, sabia que essa não seria uma tarefa fácil, mas não imaginava a riqueza conceitual, teórica, de políticas públicas e de novas poéticas que o processo desencadearia. O livro de Célio Turino, secretário da Cidadania Cultural do Ministério da Cultura, traz contribuição decisiva para o entendimento definitivo da proposta dos Pontos de Cultura, e mostra que é possível fazer cultura “sem dirigismo, centralismos ou caminho único”. No entanto, Ponto de Cultura é mais que uma política pública em processo de construção: é teoria política, movimento sociocultural, gestão compartilhada, trabalho em rede. São mais de 2 mil Pontos, com milhares de pessoas envolvidas em todo o território nacional, em grupos, redes, coletivos, organizações, movimentos já existentes – com presença das culturas ancestrais, protagonismo jovem, de novas manifestações estéticas, movimentos de caráter identitário de mulheres e homossexuais, movimentos associativos e reivindicatórios, arte erudita, pesquisa em linguagens, cultura de paz. São índios fazendo filme, jovens que fazem arte, surdos no teatro. O livro delineia, com riqueza de exemplos, conceitos, poemas, depoimentos, pesquisas e dados históricos, uma poética de um Brasil “des-escondido” e “des-silenciado”, propondo um cenário do bem comum como valor da civilização.
Reflexão sociológica, história, crônica, autobiografia, literatura, indagação existencial? “Deixei meu pensamento entrar no deserto, no lugar em que só o essencial faz sentido”, diz Célio. O poeta-gestor fala também em compaixão na política. O livro é um mosaico de temas e imagens. Antes de tudo, emotivo, plenamente humano, vivo.
A conclusão definitiva é aquela revelada em sua autoentrevista, quando afirma: “Eu sou um Ponto de Cultura”. Como poetiza Mário Quintana: “Tudo  o que eu toco se transforma em mim”. Célio é criador e criatura. E tudo isso já é Brasil.
Areté!*

*Em Tupi, significa dia festivo; em grego, virtude, excelência.

 



Artigos Relacionados

Resistências latino-americanas

Resistências mexicanas: entre massacres, travessias e lutas

Séries Especiais | México
por Simone da Silva Ribeiro Gomes
RESENHAS

Miscelanêa

Edição 164 | Brasil
UM OPOSITOR MAIS INCÔMODO DO QUE O KREMLIN IMAGINA

Alexei Navalny, profeta em sua terra?

Edição 164 | Russia
por Hélène Richard
JACK MA, O EMPRESÁRIO QUE INCOMODA O GOVERNO CHINÊS

Alibaba, uma epopeia chinesa

Edição 164 | China
por Jordan Pouille
“UM CASTELO FEUDAL EM RUÍNAS COM UMA FACHADA CAPITALISTA DE PAPELÃO”

O Ícaro e a impossível democracia latino-americana

Edição 164 | América Latina
por Renaud Lambert
DUZENTOS ANOS DE UMA GUERRA DE INDEPENDÊNCIA QUE AINDA DESPERTA PAIXÕES

“Somos todos gregos”

Edição 164 | Grécia
por Samuel Dumoulin
GUERRA SOCIAL

Os dentes dos pobres

Edição 164 | França
por Olivier Cyran
EMIRADOS ÁRABES UNIDOS: IMAGEM “MODERNA” E ABUSOS NO IÊMEN

Quando a vitrine começa a rachar

Edição 164 | Emirados Árabes
por Eva Thiébaud