Intelectuais não sabem lidar com a periferia e as novas gerações - Le Monde Diplomatique

Intelectuais não sabem lidar com a periferia e as novas gerações

por equipe Le Monde Diplomatique Brasil
15 de fevereiro de 2012
compartilhar
visualização

Heloisa Buarque de Hollanda from FLi Multimídia on Vimeo.

Heloísa Buarque de Hollanda é ensaísta e pesquisadora, formada em Letras Clássicas pela PUC-RJ, com doutorado em Literatura Brasileira na UFRJ e pós-doutorado em Sociologia da Cultura na Universidade de Columbia, em Nova York.                                    Seu campo de pesquisa privilegia a relação entre cultura e desenvolvimento, poesia, relações de gênero e étnicas, culturas marginalizadas e cultura digital. Publicou livros centrais na crítica literária brasileira, como “26 poetas Hoje” (1976), “Macunaíma da Literatura ao Cinema” (1979), “Esses poetas: uma antologia dos anos 90″ (1998) e “Enter, uma antologia digital” (2009). Coordenadora do Programa Avançado de Cultura Contemporânea da UFRJ, diretora da Aeroplano Editora e curadora do Portal Literal.

Produção e gestão cultural brasileira, em parceria com o Diplô

Produção Cultural no Brasil é um trabalho multimídia que reúne 101 entrevistas em vídeo com gestores, artistas, técnicos e realizadores culturais de todo o país. O material, produzido, publicado e distribuído com licenças livres em 2010 na plataformawww.producaocultural.org.br, deu origem a 5 livros e é o ponto de partida para um processo permanente de discussão e reflexão sobre o que é, quem faz e como se produz cultura brasileira.

Como se produz um filme? Um livro? Uma música? Um disco? Um programa de TV? Quem financia? Por quê?  E como criar uma política pública para a cultura do país? O foco do #prodculturalbr é tornar público o pensamento e as ações de importantes agentes da cultura brasileira que muitas vezes fazem seu trabalho quase sem aparecer.

Foram selecionados 101 profissionais para serem entrevistados, mas poderiam ser 1 milhão. A opção foi contrapor, sobrepor e misturar universos tão diferentes quanto os do cineasta Luiz Carlos Barreto e do cozinheiro de set Sergipe; do ex-secretário de cultura do Maranhão, João Batista Ribeiro Filho, e da diretora de Patrocínio da Petrobrás, Eliane Costa; ou ainda do produtor musical André Midani e da restauradora de obras de arte Florence de Vera. Também na lista, os três últimos ministros da Cultura do Brasil – Juca Ferreira, Gilberto Gil, Francisco Weffort,  entre tantos outros.

Dez dessas entrevistas você vai ver redistribuídas agora, em 2011, pelo jornal Le Monde Diplomatique Brasil. A parceria garante novo frescor às discussões iniciadas quando da realização do projeto e se propõe a criar mais um fórum de discussão de políticas públicas de cultura para o país, agora sob os olhos dos leitores do Diplô Brasil, sinônimo de pensamento crítico que busca identificar, para além dos fatos, os cenários maiores que lhes conferem sentido e inteligibilidade.

Aproveite, discuta, compartilhe e remixe os conteúdos dessa parceria #prodculturalbr e #diplobrasil



Artigos Relacionados

Eleições

A política não cabe na urna

Online | Brasil
por Mariana de Mattos Rubiano
IMPACTOS DA CRISE E DA GUERRA NA ECONOMIA CHILENA

Surto inflacionário agrava a crise alimentar

por Hugo Fazio

Junho de 2022: o plano Biden para a América do Sul

Online | América Latina
por Luciana Wietchikoski e Lívia Peres Milani
PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL

A reta final da Constituinte chilena

Online | Chile
por David Ribeiro
ARGENTINA

Isso não pode acontecer aqui...

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud