A escandalosa de Viena recompensada - Le Monde Diplomatique

LITERATURA

A escandalosa de Viena recompensada

por Brigitte Pätzold
1 de dezembro de 2004
compartilhar
visualização

A escritora desprezada pela mídia e pela direita liberal-conservadora austríaca recebe o Nobel de literatura, com uma obra que põe o dedo nas feridas de seu paísBrigitte Pätzold

No dia 8 de dezembro, Elfriede Jelinek entrou para a história como a primeira austríaca e a décima escritora a receber o prêmio Nobel de literatura. Na linha dos polêmicos Karl Kraus e Thomas Bernhard, ela põe o dedo nas feridas de seu país, no passado reprimido e com a consciência tranqüila, revelando as relações de poder e de discriminação. Normalmente desprezada pela mídia e pela direita liberal-conservadora austríaca, houve vezes em que ela se isolou em uma “emigração interna” e, em alguns momentos (em 2000), até proibiu que suas peças fossem apresentadas em seu país natal.

Durante a campanha eleitoral em 1995, o partido populista de Jörg Haider alimentou sua rejeição pela opinião pública, colando cartazes: “Você gosta de Jelinek – ou da arte e da cultura?”. Vítima de uma caça às bruxas como Günter Grass, na Alemanha, também recompensado pelo prêmio Nobel (em 1999), ela desconfia dos projetores. Temendo as viagens e as aglomerações, ela não iria a Estocolmo para receber o prêmio prestigioso do qual ela teme uma recuperação por “conta da Áustria”.

A “pornográfica comunista”, autora de uma “arte degenerada”, segundo seus detratores, começou a escrever por revolta. Revolta contra seus pais – sobretudo contra sua mãe autoritária – que queria transformá-la em música de grande talento. Revolta também contra seu país. A herança é pesada para carregar.

Linguagem crua

Seus textos têm como único leitmotiv as relações de dominação sexual, econômica e racial, que disseca com frieza cáustica e linguagem crua

Elfriede Jelinek nasceu em 1946, em Styrie (Áustria), de mãe católica burguesa e um pai judeu, ligado à “Viena vermelha”, que conseguiu escapar do holocausto. Desde os quatro anos de idade, foi levada para uma instituição religiosa e, com sete, foi matriculada no conservatório de Viena para ser submetida a um treinamento musical exagerado: violino, órgão, piano, harmonia. Depois de entrar para a universidade, passou por uma depressão nervosa. Seu pai morreu louco em um hospital psiquiátrico em 1968. Ela tinha 22 anos.

Talvez tenha sido seu pai quem lhe legou o gosto pelas palavras. Seja como for, dois anos após a morte paterna, ela escreve seu primeiro romance estilo pop-art: Wir sind Lockvögel, Baby! [Somos chamariz, Menina!] 1. Talvez tenha sido, também, a rebelião contra a mãe paranóica que, no entanto, jamais deixou e de quem cuidou até a morte aos 97 anos. Em A pianista2, ela retrata as relações infernais entre mãe e filha, que são também laços sadomasoquistas entre a filha e seu amante. Esse romance tornou Jelinek conhecida, muito além das fronteiras austríacas. Foi também o primeiro romance traduzido para o francês em 1988, graças à editora Jacqueline Chambond.

Além disso, seus textos têm como único leitmotiv as relações de dominação sexual, econômica e racial, que ela disseca com uma frieza cáustica e uma linguagem crua, recusando-se a qualquer apelo à psicologia. Em Lust [Prazer], pretenso romance pornográfico que se tornou best-seller na Alemanha, ela inventa a linguagem da obscenidade feminina. Ao voltar o discurso dos homens contra eles, ela desmonta os mecanismos da dominação masculina. Sem jamais recorrer aos clichês da mulher vítima, pacifista e boa, nem ao do homem sedutor, agressivo e cruel. Condicionadas pela educação em uma sociedade autoritária e patriarcal, as mulheres aparecem tão ambiciosas e estúpidas quanto os homens. Muitas vezes, como em Avidité [Avidez], pretenso romance policial, as mulheres são as vítimas permissivas obcecadas pela paixão amorosa.

Questionamento radical

Pode-se esperar que a entrega do prêmio Nobel incite os diretores de teatro a montar suas peças pouco conhecidas

Foi com Die Kinder der Toten3 [Os filhos dos mortos] (1995), que ela escreveu seu opus magnum de 660 páginas sobre o passado enterrado da Áustria. Extraordinário. Os mortos voltam entre os vivos na pitoresca pensão Rose dos Alpes para cobrar o que lhes é devido.

Pode-se esperar também que a entrega do prêmio Nobel incite os diretores de teatro a finalmente montar suas peças pouco conhecidas4, apesar do desafio que representa seu questionamento radical do teatro institucional. Sua subversão talvez encontre concorrentes.

(Trad.: Wanda Caldeira Brant)

1 – Wir sind Lockvögel, Baby! Rowohlt, Reinbeck, 1970, 272 p. 6,5 euros.

2 – Die Klavierspielerin. Publicado na França: La Pianiste, Point-Seuil, Paris,1995. 6,50 euros. Adaptação para o cinema, com o mesmo título francês, por Michael Haneke, 2001. No Brasil, o filme foi intitulado A professora de piano.

3 – A Seuil deverá publicar a tradução francesa – Les enfants des morts – em 2006. Está também em andamento a tradução, para a publicação, de seus textos mais recentes sobre a guerra no Iraque, Bambiland et Babel.

4 – Na França, somente foram encenadas as peças Clara S. [Clara S.], Ce qui arriva quand Nora quitta son mari [O que aconteceu quando Nora deixou seu mari



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa