A invenção dos marcianos - Le Monde Diplomatique

MARTE

A invenção dos marcianos

por Camille Flammarion
1 de dezembro de 2004
compartilhar
visualização

Futuro fundador da Sociedade Astronômica da França, Camille Flammarion publicou, em 1884, ’Terras do céu’ um tratado de planetologia em que são expostos os conhecimentos científicos da época. Ele critica rudemente os “romancistas” que, em nome
da essência divina da humanidade, se recusam a aceitar a existência de planetas habitados, ou ao contrário imaginam seus habitantes como semelhantes à humanidade terrestre. Suas considerações sobre as “formas vegetais e animais” de Marte teriam enorme repercussão, alimentando a paixão da época pelo
planetaCamille Flammarion

Assim, sem dúvida, o progresso do pensamento seguiu, tanto em Marte como na Terra, o progresso da astronomia.

Qual é o aspecto do universo, visto dessa estação vizinha? Os habitantes de Marte não habitam mais o céu que nós, e nós não o habitamos como eles, nem mais nem menos. Como vêem eles a Terra?

Visto de Marte e de seus satélites, o céu estrelado é o mesmo que este que cintila sobre nossas cabeças: as mesmas estrelas ali atraem o olhar e o pensamento, as mesmas constelações ali desenham suas misteriosas figuras. Mas se as estrelas são as mesmas, os planetas são diferentes, como acabamos de ver. Júpiter, entre outros, é magnífico para eles: ele parece para eles uma vez e meia maior do que para nós e seus satélites, ali, devem ser facilmente visíveis a olho nu. Saturno é igualmente muito brilhante; suas duas pequenas luas, de fases rápidas e eclipses freqüentes, acrescentam ao céu de Marte um atrativo particular. Às vezes, à noite, é possível admirar, depois de o sol se pôr, uma estrela luminosa que se destaca lentamente dos raios solares para vir reinar soberana no céu.

Os poetas de lá

Os poetas de lá a celebram como uma divindade benéfica e a aclamam como morada de paz, de ciência e de felicidade

Este belo planeta, que lhes oferece os mesmos aspectos que Vênus nos apresenta, e cuja suave luz recebeu também, sem dúvida, muitos olhares de admiração, confidências, muitas juras de amor adolescentes, este belo planeta é a Terra em que estamos. Os poetas de lá a celebram como uma divindade benéfica e a aclamam como morada de paz, de ciência e de felicidade. Os astrônomos terão descoberto nossas fases; talvez tenham medido a altura de nossos Alpes e de nossas Cordilheiras; talvez conheçam exatamente nossa geografia e nossa meteorologia; talvez nos tenham feito sinais há muito tempo, aos quais eles se espantam que não saibamos responder; talvez eles concluam após fazer um longo exame que a Terra é inabitável, porque ela não parece de forma alguma com seu mundo, e declararão que sua pátria é o único local organizado por uma vida agradável, idealista e intelectual… No final, eles talvez tenham razão, pois (entre nós) nossa humanidade presa em bloco não revela ainda por seus atos que ela se elevou ao posto de uma raça verdadeiramente intel



Artigos Relacionados

ARGENTINA

Isso não pode acontecer aqui...

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud

Para automatizar a censura, clique aqui

Online | Europa
EMPREENDIMENTOS DE DESPOLUIÇÃO

Música e greenwashing

Edição 180 | Mundo
por Éric Delhaye
NA FRANÇA, A NOVA UNIÃO POPULAR ECOLÓGICA E SOCIAL

Os bárbaros estão em nossas portas!

Online | França
por Pauline Perrenot e Mathias Reymond
“NO TOPO, O PODER CORROMPIDO; NA BASE, A LUTA INTRÉPIDA”

A revolta popular no Sri Lanka

Edição 180 | Sri Lanka
por Éric Paul Meyer