À sombra de um tribunal internacional - Le Monde Diplomatique

TIMOR LESTE ?

À sombra de um tribunal internacional

por Roland-Pierre Paringaux
1 de maio de 2000
compartilhar
visualização

A diretora do departamento de Direitos Humanos teme que “mais uma vez sejam os executantes a serem julgados, e não os mandantes desses crimes”. Ou seja, que a justiça se interesse mais pelos milicianos timorenses que pelos generais indonésiosRoland-Pierre Paringaux

Quantas teriam sido as vítimas da violência armada e da violação maciça dos direitos humanos no Timor Leste entre os meses de agosto e setembro de 1999? Quem seriam os responsáveis? E quem será chamado a julgá-los?

Para estas questões a norte-americana Sydney Jones, diretora do departamento de Direitos Humanos da Untaet, não tem ainda resposta. Mas a cada dia aumenta o seu temor de que a justiça seja vítima dos imperativos da reconciliação entre timorenses, da normalização das relações com a Indonésia e do “realismo” da diplomacia internacional. Teme que “mais uma vez sejam os executantes a serem julgados, e não os mandantes desses crimes”. Dito de outra maneira, que a justiça se interesse mais pelos milicianos timorenses que pelos generais indonésios.

Uma selvageria planejada

Para Jones, “o caráter planejado, sistemático e coordenado desta selvageria não suscita nenhuma dúvida. Para colocar fogo em milhares de edifícios em todo o território do Timor foi necessária uma logística militar, com caminhões para transportar os incendiários e grande quantidade de combustível”.

“Temos provas” afirma a jovem, dizendo possuir os nomes de oficiais e de unidades implicadas nesses atos de violência. E cita o exemplo do batalhão 745 do exército indonésio, composto por maioria de timorenses “que atravessaram o país deixando atrás deles um rastro de matanças, destruições e estupros”. As unidades especiais e as milícias timorenses são responsáveis pelo principal dessa violência. Mas estavam todas elas ligadas à polícia e ao exército de Jacarta; as ordens vinham “de cima”.

Crimes contra a humanidade

As provas acumuladas aqui vêm somar-se às de duas comissões de inquérito tornadas públicas em fevereiro. A das Nações Unidas aponta militares acusados de terem “recrutado, armado e financiado” as milícias para que semeassem o terror. A comissão indonésia de direitos humanos acusa certos oficiais de terem camuflado “crimes contra a humanidade”. Além disso, estão em andamento negociações entre a Untaet e o governo de Jacarta para o estabelecimento de um roteiro que permitisse uma assistência judiciária recíproca em matéria de direitos humanos, inclusive a extradição de suspeitos. Portanto, não é certo que ainda vigore a imunidade de que gozaram durante muito tempo os chefes militares indonésios neste gênero de negócios, por sua importância no regime de Suharto. Mesmo que alguns pareçam intocáveis. Por exemplo, o general Kiki Syahnakri, comandante militar da região de Timor Ocidental. “Os piores crimes foram os que se passaram sob seu comando, e se as milícias permanecem ativas é em parte por causa dele”, afirma um diplomata da Untaet. “No entanto — acrescenta ele com amargura — este general participa de negociações com a administração provisória do Timor Leste!”

Tribunal especial com juízes internacionais

A jurisdição competente para estes crimes será nacional ou internacional? Em Dili, onde a justiça está dando seus primeiros passos, o Conselho Consultivo Nacional prevê a criação de um tribunal especial do qual participariam juízes internacionais. O Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos e as ONGs especializadas na área são favoráveis a um tribunal internacional. Mas o governo de Jacarta não o quer. Em fevereiro, o Conselho de Segurança recomendou que se deixasse a ele a responsabilidade dos processos. O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, manifestou-se recentemente no mesmo sentido: “Idealmente, o governo relacionado deveria julgar essas pessoas e puni-las, se forem reconhecidas culpadas”. Com um adendo: se a Indonésia não conseguir organizar um processo aceitável, seria possível falar de um tribunal internacional.

À espera de progressos nestas questões, cerca de quinze investigadores (especialistas, médicos legistas e policiais do Civpol) continuam seus trabalhos práticos. No início de abril, mais de 300 casos referentes a 627 vítimas de massacres eram objeto de investigações. Muitas sepulturas (17 corpos em Liquiça, cerca de sessenta em Oecussi) foram analisadas. Sydney Jones fala



Artigos Relacionados

GENOCÍDIO

Extermínio do povo Yanomami e repercussões no direito penal internacional

Online | Brasil
por Sylvia Helena Steiner e Flávio de Leão Bastos Pereira
EDUCAÇÃO

A violência da extrema direita contra professores

Online | Brasil
por Fernando Penna e Renata Aquino
CONJUNTURA POLÍTICA

Pensando o 8 de Janeiro

Online | Brasil
por Coletivo Desmedida do Possível
CONJUNTURA POLÍTICA

Brasil como laboratório da insurreição fascista - II

Online | Brasil
por Augusto Jobim do Amaral
CONJUNTURA POLÍTICA

Brasil como laboratório da insurreição fascista – I

Online | Brasil
por Augusto Jobim do Amaral
BRASIL E AMÉRICA DO SUL

Uma década de desestabilização e guerra híbrida

Séries Especiais | América Latina
por André Luís André
SANEAMENTO BÁSICO

Mil razões para pedir desculpas

Online | Brasil
por Vicente Andreu
DADOS OFICIAIS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA

A comprovação indiscutível do não acesso à justiça por brasileiras violentadas

Online | Brasil
por Vários autores