Segregação residencial ajuda os mais ricos

A segregação constitui-se em um problema social, na medida em que não é apenas a expressão das desigualdades, mas é também produtora de desigualdades. Morar distante dos postos de trabalho, das oportunidades educacionais, culturais e de interação com pessoas com maior capital social e cultural diminui as chances de mobilidade social para os grupos situados …

por em

Da militarização à milicialização das cidades: efeitos de uma política nacional

Desde o início do governo, o presidente Jair Bolsonaro adotou discursos voltados para a incitação do ódio e da violência no Brasil, com a defesa de aquisição ampla de armas de fogo pela população e utilização de força contra adversários políticos. Mas não se trata apenas de palavras. As políticas do governo Bolsonaro também têm …

por em

Mudanças no saneamento básico ampliam a participação privada

O ano de 2018 marcou o ressurgimento da questão da privatização do saneamento na agenda governamental. Assim, dois anos depois do impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT), a edição de duas Medidas Provisórias (MP) consecutivas no governo Michel Temer (MDB) ilustrou a virada neoliberal almejada com a retirada do PT do poder executivo nacional. O …

por em

Metrópoles pós-pandemia exigem novas políticas públicas

A pandemia evidenciou tanto a necessidade de coordenação interinstitucional e articulada quanto a dimensão complexa das desigualdades nas grandes metrópoles brasileiras. Repensar a articulação dos espaços e a geração de um sistema diferente de governança das políticas econômicas, sociais e urbanísticas é fundamental para que haja coerência entre os espaços da economia, os espaços da …

por em

Caminhos transformadores para a mobilidade urbana

Historicamente, as políticas de mobilidade das nossas cidades e metrópoles apostaram no automóvel como resposta às demandas da urbanização acelerada do país. As consequências da desconsideração do transporte público coletivo enquanto caminho prioritário, transformador e equitativo para ampliar o acesso à cidade são hoje vistas e sentidas em múltiplas perspectivas. Os investimentos mais baixos no …

por em

Democratizar radicalmente as decisões para transformar as cidades

A inflexão ultraliberal e o avanço do conservadorismo-autoritário no Brasil têm impossibilitado que parte significativa da população participe dos debates sobre os rumos das cidades e restringido seu acesso a recursos, serviços e oportunidades fundamentais à reprodução individual e social. Uma crise urbana multidimensional, resultante da associação de condicionantes estruturais a múltiplos fatores conjunturais, sociais, econômicos, …

por em

Propostas para a construção de uma agenda para a habitação social

O processo de urbanização no Brasil sempre esteve marcado por profundas desigualdades sociais, mais prementes nas grandes metrópoles, onde se acumula uma série de precariedades que incidem, sobretudo, nas condições de vida da população mais pobre. E um dos problemas que mais se destaca nesse quadro perverso é a precariedade habitacional. Documento recente divulgado pelo …

por em

Novo marco legal da terra reforça a colonialidade do direito de propriedade

De todas as reformas enviadas ao Congresso Nacional por Michel Temer, a menos comentada pela imprensa foi a do marco legal da terra, talvez por tratar da mudança das regras de um jogo menos conhecido da população. Precisamos, no entanto, compreender o sentido daquela reforma para enfrentar o incremento da gentrificação que passaremos a assistir, …

por em

Financeirização: a ameaça do modelo fundiário brasileiro para os mais pobres

A inflexão ultraliberal estabelecida no Brasil a partir de 2016 trouxe consigo uma movimentação também na gestão da terra nacional, a partir da alteração do modelo da regularização fundiária no país, que se voltou para a privatização e financeirização do vasto estoque de terras brasileiro a partir da priorização da titulação dos imóveis, via propriedade …

por em

A questão das desigualdades: pandemia e crise social nas metrópoles

Nas principais áreas metropolitanas do país vivem aproximadamente 83,8 milhões de pessoas, o equivalente a 39,3% da população brasileira. As regiões metropolitanas concentram os setores mais dinâmicos e modernos da economia nacional, fazendo a renda média das famílias ser significativamente mais alta nessas localidades: R$ 1.378, contra R$ 989 nas demais áreas urbanas e R$ …

por em

Os caminhos para enfrentar a crise e repensar a reforma urbana

Não há dúvidas de que estamos experimentando um momento sem precedentes na sociedade brasileira, com a questão urbana ocupando o centro dos grandes dilemas nacionais. A acumulação combinada de várias crises exige um novo olhar para entender as interações em jogo e pensar de maneira renovada os caminhos possíveis ao enfrentamento do apagão que atinge …

por em