E na Europa... - Le Monde Diplomatique

MULHERES

E na Europa…

por Elisabeth Kulakowska
1 de julho de 2002
compartilhar
visualização

Nos países da União Européia, de cada cinco mulheres, uma sofre, ao longo de sua vida, algum tipo de violência infligida por seu marido ou companheiro. Na Grã-Bretanha, a cada três dias morre uma mulher devido a esse tipo de brutalidadeElisabeth Kulakowska

Uma notícia na página policial contribuiu para acordar a sociedade espanhola. Numa noite de abril de 1995, Tani brigou com o marido, que a ameaçava com um revólver. Um tiro foi dado e matou o marido. A jovem foi condenada a catorze anos de prisão. A sentença provocou um escândalo e Tani foi absolvida poucos meses depois. Porta-bandeira dessa luta, Tani revelou a violência doméstica exercida contra as mulheres, que mata mais que o terrorismo do ETA.

Em todos os países da União Européia, de cada cinco mulheres, uma sofre, ao longo de sua vida, algum tipo de violência infligida por seu marido ou companheiro, revelou Anna Diamantopoulou, comissária européia do Trabalho e de Assuntos Sociais. 1 Na Grã-Bretanha, a cada três dias morre uma mulher devido a esse tipo de brutalidade e, na Áustria, de cada dois divórcios, um baseia-se em uma queixa da esposa por ser maltratada.

No resto do continente, um relatório publicado pela Unicef2 em setembro de 1999, avalia que “a violência contra as mulheres continua a violação mais freqüente dos direitos humanos fundamentais”, ao mesmo tempo que permanece amplamente invisível. Na Armênia, Geórgia, Azerbaijão e Bulgária, a violência familiar não é proibida por lei. Na Eslovênia, também não, no caso dos ferimentos denominados “ligeiros”, tais como “fraturas do nariz, das costelas, contusões leves e dentes quebrados”. O estupro conjugal não é punível na Albânia, na Croácia, na Romênia e na Ucrânia. Nesses países, a penúria da habitação pode obrigar as mulheres a ter relações freqüentemente com seus maridos, mesmo após o divórcio.
(Trad.: Wanda Caldeira Brant)

1 – Declarações em reunião dos ministros encarregados dos direitos das mulheres da União Européia nos dias 18 e 19 de fevereiro de 2002.

2 – Femme et transition, relatório da vigilância regional (MONEE) do Centro de Pesquisa I



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa