Em terra de Ciclopes: reflexões sobre cultura e barbárie no Brasil de hoje

Extremismo religioso

Em terra de Ciclopes: reflexões sobre cultura e barbárie no Brasil de hoje

por Rafael Ribeiro
10 de setembro de 2020
compartilhar
visualização

Dados do disque 100 mostram que em 2019 foram registradas mais de 17 mil denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes

Muitos de nós ficamos perplexos ao saber da notícia de que um grupo de fanáticos religiosos tentou invadir um hospital no Recife para protestar e impedir o aborto de uma menina de 10 anos que vinha sendo violentada pelo próprio tio desde os 6 anos. Infelizmente, é preciso dizer que este está longe de ser um caso isolado de abuso sexual infantil e aborto. Dados do Disque 100 mostram que em 2019 foram registradas mais de 17 mil denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes. Some-se um estudo recentemente publicado no Cadernos de Saúde Pública[1], que mostra uma média de 200 mil internações por ano por procedimentos relacionados ao aborto, entre 2008 e 2015, e 770 óbitos com causa básica aborto, entre 2006 e 2015. Uma análise mais desagregada dos dados aponta ainda que as mulheres negras e indígenas, com baixa escolaridade, com menos de 14 e acima dos 40 anos e sem companheiro formam o perfil com maior risco de óbito por aborto.

Contudo, este caso acabou se destacando perante a frieza dos números, assustadores, acima mencionados. Rodas de orações e gritos de “assassino” direcionados ao médico que conduziria a tarefa marcaram o show de horrores cuspido e escarrado em uma enxurrada de vídeos que se espalharam pela internet quase instantaneamente. A falta de empatia e o desejo de eliminação do Outro, do diferente que abala as certezas infundadas em bases racionais, estão por trás da falsa alegação de defesa da vida e da moral cristã exibida pelos fanáticos religiosos no episódio em questão. Aqueles que ainda guardam algum sinal de lucidez assistem atônitos a mais esse sinal de que aquilo que entendemos por cultura e civilidade se aproxima do fim, dando lugar à barbárie.

Momentos como esse trazem em si mesmos o questionamento sobre quais são os elementos que definem a cultura e nos separam do estágio em que nos deixaríamos ser guiados pelos impulsos violentos da natureza e da libido.

Talvez parte da resposta esteja em um retorno ao início da cultura ocidental, na Grécia antiga. Adorno e Horkheimer[2] identificam na Odisseia de Homero – obra que conta a história errante de Ulisses após o fim da Guerra de Tróia em sua travessia por um mundo místico, povoado por deuses e monstros, no seu caminho de volta a Ítaca, à ordem familiar e às leis dos homens – um paralelo com a dominação da natureza e dos impulsos como condição necessária para a entrada do homem na cultura. Assim, a sutil ironia é que Homero, representado como um poeta cego, teria estabelecido as bases da cultura e do mundo contemporâneo calcado na racionalidade e na produtividade.

Uma passagem particularmente interessante se dá quando Ulisses e seus homens desembarcam na terra dos Ciclopes em busca de comida. Como nos lembra Jeanne Marie Gagnebin[3], os Ciclopes eram conhecidos como seres grosseiros, que não dominavam a agricultura, comiam cru, não respeitavam os deuses e não tinham leis. Para Ulisses e seus homens, o respeito às leis estabelecidas pela sociedade estava associado ao respeito aos deuses. Portanto, desrespeitar os deuses e, em particular, Zeus, que derrotou os Titãns instaurando a lei e a ordem, seria um retorno ao caos.

Voltando ao ocorrido do final de semana, sabemos que o crime cometido pelos fanáticos religiosos contra a menina que estava prestes a se submeter a um aborto foi motivado por postagens feitas pela extremista Sara Giromini, que se autointitula Sara Winter. No Brasil de hoje, nada mais precisa ser velado. Logo, estando tudo exposto, não é coincidência a inspiração da extremista: vem de Sarah Winter (1870–1944), com “h”, que foi uma ativista nazista britânica e membro da União Britânica de Fascistas nas décadas de 1920 e 1930. Também não espanta que foi a mesma Sara Winter, agora sem “h”, que há poucos meses liderava um grupo chamado “300 do Brasil”, segurando tochas e proferindo, aos gritos, ameaças contra o STF. Para além da óbvia associação à Ku Klux Klan feita em muitos meios de comunicação, chamo a atenção para a metáfora que revela o sintoma. O uso do fogo nas tochas não é para produzir ou cozer. É como se disséssemos que esse grupo não domina o fogo e come cru. Além disso, o protesto em frente ao STF é emblemático. O enfrentamento às leis remete à eterna ameaça de retorno ao caos.

A escolha do nome do grupo, “300 do Brasil”, tão pouco espanta. A alusão é ao filme 300 dirigido por Zack Snyder que é uma alegoria da Batalha de Thermopylae que ocorreu no norte da Grécia em 480AC entre os gregos de Esparta e o exército de Xerxes da Pérsia. O filme exalta o aspecto nacionalista dos espartanos, que buscam defender o genos das ameaças externas trazidas pela corrupção política e pelos estrangeiros, xenos, multicoloridos e deformados. A palavra xenos, no grego, se refere ao estrangeiro, àquele de fora do grupo. Vale lembrar que xenos é a raiz etimológica tanto de “hóspede” quanto de “hostil”, dissociação esta que demarca e reflete a relação dicotômica de amizade e inimizade entre grupos diferentes ao longo da história.

O Ciclope Polifemo não reconhece Ulisses e seus homens como sendo do grupo, o que o desobriga de estabelecer relações de reciprocidade. Polifemo mostra isso ao devorar impiedosamente alguns homens de Ulisses. O ardiloso Ulisses oferece o vinho que lhe restava a Polifemo e recebe a promessa de que será devorado por último. Contudo, Polifemo fica embriagado e adormece. Ulisses, então, se aproveita desse momento para furar o olho do Ciclope e escapar com seus homens da ilha.

Por sua incapacidade de reconhecer o estrangeiro, o Outro, como merecedor de sua hospitalidade, Polifemo instaura a guerra em vez da paz. Com isso, a lição que a Odisseia nos traz é a de que inserção do homem no campo da cultura exige, por meio do domínio da natureza e repressão de suas pulsões libidinosas, gestos de hospitalidade, troca, empatia e respeito em relação ao diferente, ao estrangeiro, ao Outro. Traços esses que têm se tornado cada vez mais raros e deixado de permear as relações sociais em um país polarizado que caminha a passos largos para se transformar em uma terra de Ciclopes.

 

Rafael Ribeiro é professor de Economia na UFMG

[1] Cardoso, B.B,; Vieira, F.M.S.B. e Saraceni, V. “Aborto no Brasil: o que dizem os dados?”. Cadernos de Saúde Pública, vol. 36, supl. 1, 2020.

[2] Dialética do Esclarecimento, Tradução Guido de Almeida, Rio de Janeiro: J. Zahar, 1988.

[3] Lembrar Escrever Esquecer, São Paulo: Ed. 34, 2006



Artigos Relacionados

CINEMA & MEIO AMBIENTE

Você conhece o “artivismo”? Arte, comunicação e advocacy...

por Claudia Guadagnin e Giem Guimarães
ELEIÇÕES 2020

A análise das análises, ou, por que os institutos de pesquisa erraram tanto

Online | Brasil
por João Feres Júnior
ÁGUA

O lucro acima da vida

Online | Brasil
por Mônica Francisco
PROGRAMA CASA VERDE E AMARELA

Um novo arranjo territorial periférico e metropolitano à vista?

Online | Brasil
por Daniel Manzione Giavarotti
STARDUST

O desequilíbrio insustentável das soberanias no multilateralismo

por Santiago Alcázar e Paulo M. Buss
Retórica anti-China

A contraofensiva econômica dos EUA na América Latina

Online | América Latina
por João Estevam dos Santos Filho
Audiências de custódia por videoconferência

Decisão do CNJ torna tortura invisível e indetectável

por Hugo Leonardo, Gabriel Sampaio e Sylvia Dias
Cidade livre

Cidade livre #08 – Ana Carolina Nunes e Rafael Calabria