Esperanças - Le Monde Diplomatique

EDITORIAL

Esperanças

por Ignacio Ramonet
1 de junho de 2005
compartilhar
visualização

A França rebelde, ao dar um “não” às pretensões ultraliberais do tratado constitucional para a Europa, enche de força e esperança o movimento antermundialistaIgnacio Ramonet

Mais uma vez, ao dizer “não” de maneira retumbante, no último dia 29 de maio, ao projeto de tratado constitucional para a Europa, a França rebelde honrou sua tradição de “nação política por excelência”. Ela sacudiu o Velho Continente, suscitando novamente a esperança dos povos e a inquietação das elites estabelecidas. Retomou sua “missão histórica” ao provar, por meio da ação audaciosa de seus cidadãos, que é possível escapar da fatalidade e do peso dos determinismos econômicos e políticos.

Efetivamente, esse “não” tem um significado central: ele marca um freio na pretensão ultraliberal de impor, em todo o mundo e a despeito dos cidadãos, um único modelo econômico – aquele definido pelo dogma da globalização.

Em meados da década de 1990, esse modelo já havia suscitado diversas resistências. Por exemplo, durante o grande movimento social de novembro de 1995 na França. Ou também em Seattle (1989), onde nasceu o que passou a ser denominado depois – sobretudo após o I Fórum Social Mundial de Porto Alegre (2001), seguido dos acontecimentos de Gênova (2001) – “movimento altermundialista”. E em diversos países, da Argentina à Índia, passando pelo Brasil. Mas é a primeira vez que, em um país do Norte e no âmbito de uma consulta política institucional, uma sociedade tem a oportunidade de dizer oficialmente “não” à globalização ultraliberal.

Vitória da democracia

O povo deu sua grande guinada: diante do sentimento de privação, expressa sua vontade de reapropriação

Os editorialistas da mídia dominante, tais como entomologistas debruçados sobre um inseto que acreditavam ter desaparecido, tentam desfigurar o “não” maciço da França. Tendo em sua maioria feito uma campanha unilateral pelo “sim”, alegando o “populismo”, a “demagogia”, a “xenofobia”, o “masoquismo” etc. de seus adversários, eles se revelam incapazes de adaptar suas análises à amplitude de sua derrota. Extraordinária suficiência de notáveis que não compreendem – e muito menos suportam – que o povo (palavra que só utilizam tampando o nariz) tenha recusado seguir as prescrições do “círculo da razão” europeísta. Pois foi exatamente o povo que retomou o caminho das urnas: apenas 30% de abstenções em comparação aos 57% há exatamente um ano por ocasião das eleições do Parlamento europeu.

Essa mobilização, especialmente das categorias populares e também entre os jovens, sobre um tema árido – um texto de 448 artigos, sem contar os anexos, declarações e protocolos – constitui por si só um sucesso inesperado para a democracia. O povo deu sua grande guinada: diante do sentimento de privação, expressa sua vontade de reapropriação.

Desde o início em 1958, e sobretudo desde o Ato Único Europeu de 1986, a construção da comunidade exerceu uma pressão crescente sobre todas as decisões nacionais. O Tratado de Maastricht (1992), em seguida o Pacto dito de Estabilidade e de Crescimento (1997) retirou dos governos duas das maiores alavancas da ação pública: a política monetária e a política orçamentária. A terceira, a política fiscal, é cada vez menos autônoma, pois se inscreve em uma lógica generalizada de “concorrência livre e perfeita”.

Voto pró-europeu

Privados de referendo, muitos europeus pediram aos franceses para emitir em seu nome um voto por procuração

Os cidadãos compreenderam que o tratado submetido à sua aprovação “constitucionalizava”, em escala européia, a concorrência exacerbada não só entre os produtores de bens e serviços, mas também entre sistemas sociais abocanhados por uma espiral descendente. Sem dúvida, não seriam os pouquíssimos “avanços” democráticos do tratado que poderiam compensar o bloqueio induzido pelo modelo ultraliberal, esvaziando assim de sentido as futuras consultas eleitorais.

O voto “não” foi um voto extremamente esclarecido por milhares de encontros, debates e leituras, tendo as obras sobre a Constituição figurado durante meses entre os livros mais vendidos. Diante da propaganda ora do governo, ora pela maior parte da mídia, os cidadãos quiseram ter sua própria opinião. Foram ajudados pelo trabalho de formiga realizado na área por múltiplos coletivos que espontaneamente se constituíram em toda a França, particularmente os comitês locais do Attac. Essa grande mobilização honra a democracia…

Esse voto foi nacionalista? Não, em sua maioria, ele foi pró-europeu. Não se enganaram todos esses sindicalistas e militantes associativos de muitos países da União Européia que, seja por eles próprios, seja por sua participação na campanha na França, manifestaram sua solidariedade com a aspiração a uma outra Europa conduzida pelas forças vivas do “não”. Privados de referendo, muitos europeus pediram aos franceses para emitir em seu nome um voto por procuração!

Portas abertas

Uma nova situação foi criada, permitindo reavaliação detalhada dos valores da vontade de viver em comunidade na Europa

No exterior, alguns interpretaram esse “não” como um enfraquecimento da Europa em relação aos Estados Unidos, algo que deixa a grande potência norte-americana sem contrapeso. Estão enganados: a Constituição teria submetido ainda mais a União (particularmente no plano militar) a Washington.

Uma nova situação foi criada, permitindo uma reavaliação detalhada dos valores e das regras da vontade de viver em comunidade na Europa. Essa vontade de viver poderia apenas reduzir a seu grau zero a liberdade de circulação dos capitais, dos bens, dos serviços e até mesmo das pessoas. Desse ponto de

Ignacio Ramonet é jornalista, sociólogo e diretor da versão espanhola de Le Monde Diplomatique.



Artigos Relacionados

Pesquisa

Concentração de entregadores nas regiões mais ricas da capital paulista

Online | Brasil
por Lívia Maschio Fioravanti
Direito à cidade

As perspectivas para o Brasil pós 2 de outubro

por Nelson Rojas de Carvalho
Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil