Guilhotina #20 – Ludmila Costhek Abilio - Le Monde Diplomatique

PODCAST

Guilhotina #20 – Ludmila Costhek Abilio

Guilhotina | Brasil
2 de maio de 2019
compartilhar
visualização

Novo episódio do podcast do Le Monde Diplomatique Brasil. Ouça no SpotifyGoogle PodcastsiTunes ou no seu agregador preferido; ou clique na imagem abaixo

Bianca Pyl e Luís Brasilino conversam com Ludmila Costhek Abilio, pesquisadora da Unicamp e que, entre outras linhas de pesquisa, investiga a “Uberização do trabalho: novas formas de controle, gerenciamento e organização do trabalho”. Doutora em Ciências Sociais na Unicamp e pós-doutora na Faculdade de Economia e Administração da USP, ela também é autora do livro “Sem maquiagem: o trabalho de um milhão de revendedoras de cosméticos” (http://bit.ly/sem_maquiagem), fruto de pesquisa realizada entre 2007 e 2011 com trabalhadoras da Natura. Nos últimos anos, Ludmila tem se concentrado nos motofretistas que operam com o aplicativo Loggi, mas suas análises se expandem para os impactos no mundo do trabalho da atuação de outras companhias, como Uber e Airbnb. *Link para entrevista do Passa Palavra com funcionários da Livraria Cultura: http://bit.ly/liv_cultura. E-mail: guilhotina@diplomatique.org.br.

Ludmila Costhek Abilio



Artigos Relacionados

O AGRO NÃO PRODUZ COMIDA, PRODUZ FOME

Por que a reforma agrária não acontece?

O AGRO NÃO PRODUZ COMIDA, PRODUZ FOME

Por que podemos dizer que agro é fome?

por Yamila Goldfarb
O agro não produz comida, produz fome

As doenças do capitalismo e a luta contra o agronegócio

por Allan Rodrigo de Campos Silva
OPINIÃO

Por que Lula? Nem caserna, nem casa-grande

Online | Brasil
por Berenice Bento
AMAZÔNIA OCUPADA #3

Madeira da Amazônia: normas avançam, mas só 10% da extração é regular

Online | Brasil
por Felipe Betim
CHILE – LIÇÕES DE UMA DERROTA

Jogar o jogo: nove parágrafos para uma nova força transformadora

por Jorge Arrate
O RETUMBANTE TRIUNFO DO REJEITO NO PROJETO CONSTITUCIONAL

No Chile, o futuro que nos escapou

por Álvaro Ramis
QUAL É O PLANO?

Programa de Bolsonaro quase assume a responsabilidade pela tragédia na educação

por Antonio Carlos Souza de Carvalho