Le Monde, a Bolsa e nós - Le Monde Diplomatique

IMPRENSA

Le Monde, a Bolsa e nós

por Ignacio Ramonet
1 de dezembro de 2001
compartilhar
visualização

Ignacio Ramonet

Inúmeros leitores comunicaram-nos sua apreensão após o anúncio da entrada na Bolsa de Valores, num futuro próximo, de uma parte do capital do Monde SA. Perguntam-se em que medida essa decisão implica em ameaças à independência do Monde diplomatique.

O capital do Monde diplomatique AS é dividido da seguinte maneira: 24% pertence ao pessoal do jornal, 25% aos leitores (o que, no total, representa 49%, ou seja, mais do que a minoria necessária para vetar uma votação) e 51% ao Monde, que é o acionista majoritário. Sua decisão de entrar no mercado de capitais, portanto, não nos pode deixar indiferentes.

O capital do Monde propriamente dito pertence, em 52%, a acionistas internos (entre eles a Comissão de Redação, principal acionista) e em 48% a acionistas externos. As várias comissões do Monde foram consultadas sobre o projeto e todas elas votaram favoravelmente. Por uma maioria mínima, também a Comissão de Redação se pronunciou nesse sentido, a 22 de outubro. Somente a Comissão de Empresa, cujo voto tem caráter consultivo, emitiu uma opinião desfavorável. Já as seções sindicais da CFDT e do SNJ dos jornalistas do Monde pronunciaram-se contra.

Com o objetivo de respeitar a Lei de Imprensa de 1986, que proíbe a cotação direta em Bolsa de empresas jornalísticas, três novas empresas foram criadas ? Le Monde et partenaires associes, Le Monde SA e a Société éditrice du Monde ? substituindo a antiga empresa editora Le Monde SA.

Le Monde passa a dispor do prazo de exatos dois anos ? até o dia 5 de novembro de 2003 ? para introduzir na Bolsa de Valores 25% das ações da nova empresa Le Monde SA, o que lhe permitirá levantar 100 milhões de euros (cerca de 220 milhões de reais).

Independentemente de quaisquer argumentos técnicos em favor desta entrada na Bolsa de Valores, é indiscutível que essa decisão modifica a filosofia em vigor até hoje. Hubert Beuve-Méry, fundador do nosso jornal ? e também fundador do Monde ?, costumava dizer, ao comentar as perigosas relações que envolvem a imprensa e o dinheiro: “É fundamental que os nossos meios de vida não comprometam as nossas razões de viver.” Essa advertência parece ter sido esquecida. A lógica financeira toma, a partir de agora, o coração da administração da empresa; e exercerá, indiscutivelmente, uma influência determinante. O apelo ao mercado de capitais impõe, nolens volens, a obrigação de resultados financeiros que, às vezes, são pouco compatíveis com a missão da informação rigorosa e crítica de uma imprensa de referência.

Com razão, os sindicatos de jornalistas lembraram o caso do Financial Times, que decidiu demitir 150 jornalistas pela simples razão de que seus lucros serão inferiores este ano aos do ano passado ? excepcionais.

Le Monde constitui a primeira linha de defesa da independência do Monde diplomatique e seu eventual colapso representaria um grave perigo para nós, expondo-nos a ambições hostis. Nossos estatutos constituem a segunda linha de defesa, protegendo a nossa independência na medida em que garantem que o diretor do Monde diplomatique só pode ser eleito com o aval do pessoal do jornal.

Ninguém duvida da vontade dos dirigentes do Monde de preservarem a independência da empresa ? inúmeros obstáculos foram criados, prevendo essa possibilidade ? mas o que acontecerá com essa independência em caso de turbulências na Bolsa, ou de queda do valor das ações, ou de ataques premeditados por parte dos grandes predadores? Para que serve a independência quando deixa de existir a diferença com r

Ignacio Ramonet é jornalista, sociólogo e diretor da versão espanhola de Le Monde Diplomatique.



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa