O desastroso Goncourt 2000 - Le Monde Diplomatique

LIVROS O

O desastroso Goncourt 2000

por Lothar Baier
1 de agosto de 2001
compartilhar
visualização

O livro Ingrid Caven, prêmio Goncourt 2000, é um poço de erros, desinformações e imprecisões. Ousaram propor ao leitor um texto que mais parece um rascunho, ou uma prova escolar não corrigidaLothar Baier

Ler um livro, e mais ainda em se tratando de uma obra literária, tornou-se um ato cívico fantástico, comparável, por exemplo, a salvar uma espécie ameaçada de extinção. Numa demonstração de reconhecimento jamais vista, os leitores passaram a ser calorosamente recebidos nos salões do livro ? que vêm se multiplicando por toda parte ? e ovacionados como mensageiros da vivacidade do mundo do espírito, resistentes heróicos diante da frota invasora das imagens eletrônicas… E, entretanto, seria o caso de nos perguntarmos se os tão celebrados leitores são, de fato, levados a sério. Especialmente pelos editores. Estes muitas vezes produzem o “nobre objeto livro” com a mesma displicência, a mesma falta de cuidado com que se monta, às pressas, uma página eletrônica.

Algumas pérolas de imprecisão
A editora Gallimard deveria ter exigido um trabalho mais profissional e uma releitura mais competente dos originais antes da publicação

Tomemos o exemplo do livro, vendido às centenas de milhares de exemplares, que ganhou o prêmio Goncourt 2000, na França: o “romance autobiográfico” Ingrid Caven, de Jean-Jacques Schuhl. Publicado pela prestigiosa editora Gallimard (e não por qualquer editora de fundo de quintal), o livro é um poço de erros, desinformações e imprecisões. Ousaram propor ao leitor um texto que mais parece um rascunho, ou uma prova escolar não corrigida. Entre as dezenas de erros, eis aqui algumas pérolas: a famosa rua das boates noturnas de Hamburgo, a Reeperbahn, é chamada no livro de “Ripperbahn”, como se ela tivesse algum vínculo com Jack-the-Ripper (Jack, o estripador)… Os 850 quilômetros que separam Paris de Munique tornaram-se 1.500… Em outra passagem, é permitido ao autor dizer que 8 milhões de judeus foram exterminados pelos nazistas, quando o número a que faz normalmente alusão Raul Hilberg, o grande historiador do genocídio, é de 6 milhões… Rudi Dutschke, o líder do movimento estudantil alemão que foi gravemente ferido, à bala, em abril de 1968, surge fantasiado com o nome imaginário de “Rudy, o vermelho”… O grupo político palestino que desviou um avião da Lufthansa em outubro de 1977, em Mogadíscio, é curiosamente chamado “Os Baader”, quando o verdadeiro Andreas Baader, um dos fundadores da Fração do Exército Vermelho, estava, nessa ocasião, preso em Stuttgart-Stammheim e foi encontrado morto, em sua célula, no dia seguinte à tentativa fracassada de desviar o avião…

Um papel ridículo
E é bom ressaltar que a crítica fez um elogio rasgado, chegando ao panegírico ? “obra-prima de liberdade e alegria”, escreveu Bernard-Henri Lévy

Como a heroína do romance, Ingrid Caven, é alemã, o autor cita com freqüência frases ou versos em alemão, mas com uma imprecisão que beira o ridículo. O verbo ekeln, provar/degustar, por exemplo, transforma-se em eckeln. Referindo-se a Ingrid Caven, diz que ela “começa uma frase com um sotaque althochdeutsch” ? e como seria possível, nos dias de hoje, saber como era o “sotaque” do Althochdeutsch, língua falada por volta do ano 1.000, na Alemanha, e metamorfoseada várias vezes desde então? E por aí vai.

Ninguém exige de Jean-Jacques Schuhl que tenha um conhecimento profundo da língua, da cultura ou da história alemãs. Mas a editora Gallimard deveria ter exigido de seu conselho editorial um trabalho mais profissional e uma releitura mais competente dos originais antes da publicação. Isso teria evitado ao autor o ridículo, em alguns momentos. Mas nada foi feito. E é bom ressaltar que a crítica fez um elogio rasgado, chegando, em geral, ao panegírico ? “obra-prima de liberdade e alegria”, escreveu Bernard-Henri Lévy. Também ela não soube cumprir o seu papel, deixando passar em branco as inúmeras fragilidades fatuais e textuais que poluem este prêmio Goncourt. Há diversas formas de arruinar o livro e a leitura: uma delas é a divulgação de trabalhos tão mal editados. (Trad.: Jô Amado)



Artigos Relacionados

RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud

Para automatizar a censura, clique aqui

Online | Europa
EMPREENDIMENTOS DE DESPOLUIÇÃO

Música e greenwashing

Edição 180 | Mundo
por Éric Delhaye
NA FRANÇA, A NOVA UNIÃO POPULAR ECOLÓGICA E SOCIAL

Os bárbaros estão em nossas portas!

Online | França
por Pauline Perrenot e Mathias Reymond
“NO TOPO, O PODER CORROMPIDO; NA BASE, A LUTA INTRÉPIDA”

A revolta popular no Sri Lanka

Edição 180 | Sri Lanka
por Éric Paul Meyer
COMO ESCOAR O TRIGO DA UCR NIA

No front dos cereais

Edição 180 | Ucrânia
por Élisa Perrigueur