O polvo da publicidade - Le Monde Diplomatique

PUBLICIDADE O

O polvo da publicidade

por Ignacio Ramonet
1 de maio de 2001
compartilhar
visualização

Tentacular, asfixiante e opressiva, ela sabe utilizar os melhores trunfos da sedução, e mobilizar todos os recursos do desejo. Mas sob ela, o luxo torna-se uma necessidade, e é preciso perpetuar uma existência devotada a desafios alienados e desumanizadosIgnacio Ramonet

Tentacular, asfixiante e opressiva, a publicidade não pára de ampliar seu território de caça. Conquistou recentemente novos espaços — especialmente os da galáxia Internet — e, sob a forma discreta de patrocínio, seu espectro de ingerência não conhece, na prática, nenhum limite. Por meio desse viés quase clandestino, conseguiu, nestes últimos anos, penetrar na arte, na cultura, na ciência, na educação e até na religião.

Por meio do patrocínio, a publicidade conseguiu, nestes últimos anos, penetrar na arte, na cultura, na ciência, na educação e até na religião

Ao mesmo tempo um veículo ideológico e uma técnica de persuasão, a publicidade tem a capacidade de saber utilizar os melhores trunfos da sedução, mobilizando todos os recursos da estratégia do desejo, sob todas as formas. Sua aparência risonha e seu entusiasmo simpático a tornam agradável, ou aceitável, para a maioria das pessoas. E ainda fazem passar por chato quem lembra, simplesmente, que sob aquela aparência externa atraente, a publicidade é, quase sempre, pura propaganda, uma autêntica máquina de guerra ideológica a serviço de um modelo de sociedade que tem por base o capital, o mercado, o comércio e o consumo.

A arte do comportamento humano

Devido à publicidade, escreveu Herbert Marcuse, “o luxo torna-se uma necessidade que a pessoa, homem ou mulher, deve adquirir, sob pena de perder seu status no mercado competitivo — seja no trabalho ou no lazer. Isso conduz à perpetuação de uma existência inteiramente devotada a desafios alienados, desumanizados; à obrigação de conseguir um emprego adequado, que reproduz a submissão e o sistema de submissão”.1

É uma máquina de guerra ideológica a serviço de um modelo de sociedade que tem por base o capital, o mercado, o comércio e o consumo

O poder dos investimentos em publicidade é tamanho2 que atualmente existem setores da vida econômica, social e cultural que dependem integralmente dela. É o caso do esporte e dos meios de comunicação3. Mas também, e cada vez mais, da cultura, da pesquisa, do ensino. E da própria política, que a ela recorre maciçamente durante as campanhas eleitorais4. Pois não se pode esquecer que a publicidade parasita a principal e maior de todas as artes: o comportamento dos seres humanos.(Trad.: Jô Amado)

1 – Ler, de Herbert Marcuse, “Um Nouvel ordre”, in “Sociétés sous contrôle”, Manière de voir nº 56, março-abril de 2001.

2 – Nos Estados Unidos, as despesas com publicidade chegam a 200 bilhões de dólares por ano!

3 – A queda em publicidade decorrente do fracasso das empresas ligadas à Internet levou dois importantes jornais norte-americanos, The New York Times e The Wall Street Journal, a demitirem dezenas de jornalistas.

4 – Seria obra do acaso o fato de Silvio Berlusconi, que no final de abril ocupava o primeiro lugar nas pesquisas sobre as eleições legislativas italianas de 13

Ignacio Ramonet é jornalista, sociólogo e diretor da versão espanhola de Le Monde Diplomatique.



Artigos Relacionados

Eleições

A política não cabe na urna

Online | Brasil
por Mariana de Mattos Rubiano
IMPACTOS DA CRISE E DA GUERRA NA ECONOMIA CHILENA

Surto inflacionário agrava a crise alimentar

por Hugo Fazio

Junho de 2022: o plano Biden para a América do Sul

Online | América Latina
por Luciana Wietchikoski e Lívia Peres Milani
PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL

A reta final da Constituinte chilena

Online | Chile
por David Ribeiro
ARGENTINA

Isso não pode acontecer aqui...

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud