O que é o Parlamento Europeu? - Le Monde Diplomatique

DOSSIÊ EUROPA O

O que é o Parlamento Europeu?

por Bernard Cassen
1 de setembro de 2001
compartilhar
visualização

O Parlamento não pode redigir e adotar por si próprio um decreto ou uma proposta. Seu poder de veto não se aplica à política agrícola comum, à política fiscal, econômica ou monetária. Por outro lado, aplica-se a certos dispositivos na área socialBernard Cassen

Composto por 626 deputados, o Parlamento Europeu é eleito por sufrágio universal direto desde 1979. Cada mandato tem a duração de cinco anos.

Em conjunto com o Conselho Europeu, o Parlamento participa da elaboração de projetos legislativos comunitários (propostas e decretos), segundo quatro tipos de procedimento:

Consulta simples (por exemplo, o tabelamento anual de preços agrícolas);
Cooperação: se o Conselho não levar em conta o parecer do Parlamento, este pode vetar o texto do projeto. O Conselho não pode aprovar uma medida exceto se esta for votada por unanimidade;
Co-decisão: caso o Conselho não tenha levado em conta a posição do Parlamento, este pode impedir a adoção do texto.
Iniciativa: o Parlamento não tem poder para tomar iniciativas, mas pode solicitar à Comissão Européia que apresente um projeto de proposta ou de decreto.

Parlamento e Conselho
Em última instância, é o Conselho Europeu que delibera sobre as despesas obrigatórias ? decorrentes do tratado ? da União Européia

O Parlamento não pode, portanto, redigir e adotar por si próprio um decreto ou uma proposta. Seu poder de veto, bastante ampliado pelo Tratado de Amsterdã, não se aplica à política agrícola comum, à política fiscal, à política externa, à defesa ou à união econômica e monetária. Por outro lado, aplica-se a certos dispositivos na área social e ao livre trânsito das pessoas.

Cabe ao Parlamento ratificar qualquer nova adesão à União Européia, bem como a aprovação de acordos externos (desde que obedecido o procedimento dos pareceres).

Embora não exerça controle sobre as receitas do orçamento, pode modificar, dentro de limites estabelecidos, a distribuição e o montante de despesas “não obrigatórias” da União (despesas de funcionamento, de política regional, de pesquisa…), equivalendo a uma quarta parte do total de despesas. Pode propor alterações nas despesas obrigatórias (decorrentes do tratado, tais como a política agrícola). Em última instância, no entanto, é o Conselho que delibera sobre essas despesas. O Parlamento tem poder de decisão sobre o orçamento definitivo, podendo recusá-lo integralmente.

Cabe também ao Parlamento aprovar a composição da Comissão Européia: primeiro, nomeando o seu presidente, e em seguida, todos os comissários. Tem o poder de d

Bernard Cassen é jornalista, ex-diretor geral de Le Monde Diplomatique e presidente de honra da Atacc França.



Artigos Relacionados

Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva
ELEIÇÕES 2022

Voto útil: o chamado ao primeiro turno em 2022

Online | Brasil
por Luísa Leite e Alexsandra Cavalcanti