O verdadeiro eixo do mal - Le Monde Diplomatique

EDITORIAL

O verdadeiro eixo do mal

por Ignacio Ramonet
1 de janeiro de 2002
compartilhar
visualização

O eixo maléfico – o FMI, o Banco Mundial e a Organização Mundial do Comércio – continua a impor ao mundo a ditadura do mercado, a supremacia do setor privado, o culto ao lucro, provocando, no planeta inteiro, uma terrível devastaçãoIgnacio Ramonet

Três frentes: as pessoas devem conscientizar-se de que a globalização ataca as sociedades, daqui em diante, em três frentes. Isto é fundamental porque envolve o conjunto da humanidade. A primeira frente é a da economia. Continua localizada sob a condução do que deveria ser chamado o “eixo do mal”, composto pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Mundial e a Organização Mundial do Comércio (OMC). Esse eixo maléfico continua a impor ao mundo a ditadura do mercado, a supremacia do setor privado, o culto ao lucro, provocando, no planeta inteiro, uma terrível devastação: da hiperfalência, fraudulenta, da Enron, à crise monetária na Turquia, do calamitoso colapso da Argentina à destruição ambiental por toda parte…

E a próxima Conferência Internacional sobre o Financiamento do Desenvolvimento, que se realizará em Monterrey (México), nos dias 21 e 22 de março, poderá agravar ainda mais o desastre geral, caso venha a apoiar a proposta de que o setor privado seja o principal ator de desenvolvimento dos países do hemisfério Sul1… É particularmente escandaloso que os chefes de Estado e de governo, em especial os da União Européia, se recusem a adotar, em favor do desenvolvimento, as únicas medidas indispensáveis para salvar da miséria dois terços da humanidade.

A indústria da persuasão

A próxima Conferência sobre o Financiamento do Desenvolvimento, que se realizará no México (21/22 de março), poderá agravar ainda mais o desastre geral

Podem ser citadas dez: cancelar totalmente a dívida dos países pobres; criar um sistema de avaliação – amplo, justo e imparcial – das dívidas de todos os países do hemisfério Sul; definir garantias para que futuros financiamentos sejam aplicados em condições satisfatórias e em favor do desenvolvimento sustentável; obter, junto aos países ricos, o compromisso de que destinem um mínimo de 0,7% de sua riqueza ao financiamento do desenvolvimento; reequilibrar os termos de intercâmbio comercial entre o hemisfério Norte e o hemisfério Sul; garantir a soberania alimentar a cada país; controlar os movimentos irracionais de capitais; proibir o sigilo bancário; declarar ilegais os paraísos fiscais; e, finalmente, criar uma tarifa internacional para as transações financeiras.

A segunda frente, clandestina, silenciosa e invisível, é a ideológica. Com a colaboração atuante de universidades, de institutos de pesquisa famosos (Heritage Foundation, American Enterprise Institute, Cato Institute) e dos grandes meios de comunicação (o canal CNN, The Financial Times, The Wall Street Journal e The Economist, imitados por quase toda parte por uma multidão de jornalistas subservientes), foi criada uma verdadeira indústria da persuasão com o objetivo de convencer os habitantes do planeta que a globalização liberal traria, por fim, a felicidade universal. Apoiando-se no poder da informação, ideólogos construíram, dessa forma, e com a cumplicidade passiva dos dominados, o que se poderia chamar um delicioso despotismo2.

EUA, os guardiães do mundo

Apoiados no poder da informação, ideólogos construíram, com a cumplicidade passiva dos dominados, o que se poderia chamar um delicioso despotismo

Essa manipulação foi oficialmente relançada, após o 11 de setembro de 2001, com a criação, pelo Pentágono, de um Departamento de Influência Estratégica – nos moldes característicos de George Orwell -, explicitamente encarregado de disseminar falsas informações para “intoxicar” a imprensa internacional e “influenciar a opinião pública e os dirigentes políticos, tanto nos países amigos como inimigos3“. Como nas décadas mais nefastas do macartismo e da guerra fria, e sob o controle do Ministério da Defesa norte-americano, é criado, portanto, uma espécie de ministério da desinformação e da propaganda, encarregado de estabelecer – como as ditaduras retratadas no teatro surrealista – a verdade oficial…

A terceira frente, por enquanto inexistente, é militar. Nasceu logo após o traumatismo do 11 de setembro de 2001. Tem por objetivo dotar a globalização liberal de um aparelho de segurança adequado. Embora, por algum tempo, parecessem tentados a confiar essa missão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), os Estados Unidos decidiram assumir sozinhos, dotando-se de meios consideráveis para exercê-la com a mais impressionante das eficiências (leia, nesta edição, o artigo de Paul-Marie de La Gorce). A recente guerra no Afeganistão, contra o regime taliban e a rede Al-Qaida, convenceu Washington de que, para missões dessa envergadura, é inútil pedir uma colaboração militar – a não ser que seja mínima – a seus principais aliados estratégicos: a Grã-Bretanha, a França e até a Otan4.

O rosto do eixo do mal

O Pentágono criou uma espécie de ministério da desinformação e da propaganda, encarregado de estabelecer a verdade oficial…

Essa atitude de desprezo foi confirmada pelo recente anúncio, sem consulta prévia a seus aliados, da intenção de Washington de atacar, proximamente, o Iraque. Os protestos das chancelarias européias, que já começam a diminuir, não impressionaram o governo norte-americano. A função dos vassalos é a de se inclinarem, e os Estados Unidos atualmente aspiram a exercer um domínio político absoluto. “De certa forma, os Estados Unidos são o primeiro país proto-mundial”, constata William Pfaff. “Têm a capacidade de tomar a dianteira de uma versão moderna do Império universal, um império espontâneo cujos membros se submetem voluntariamente à sua autoridade5.”

Esse império aspira a certas realizações no âmbito da globalização liberal. Quaisquer oponentes, dissidentes ou resistentes devem, a partir de agora, saber que serão combatidos nessas três frentes: econômica, ideológica e militar. E que os tempos de respeito pelos direitos humanos parecem ultrapassados, como demonstra o escandaloso estabelecimento de uma “prisão tropical de trabalhos forçados” em Guantanamo, onde vários europeus (franceses, ingleses, espanhóis…) estão enclausurados em jaulas. O eixo do mal (o FMI, o Banco Mundial e a OMC) estava escondendo seu rosto. Agora, já o conhecemos. (Trad.: Jô Amado)

1 Ler “Projeto de conclusões e decisões da Conferência Internacional sobre o Financiamento do Desenvolvimento”, Nações Unidas, Assembléia Geral, 30 de janeiro de 2002, documento A/AC.257/L.13.
2 Ler, de Ignacio Ramonet, Propagandes silencieuses, ed. Galilée, Paris, 2000.
3 International Herald Tribune, 20 de fevereiro de 2002.

Ignacio Ramonet é jornalista, sociólogo e diretor da versão espanhola de Le Monde Diplomatique.



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa