Os escravos do celular - Le Monde Diplomatique

COMUNICAÇÃO

Os escravos do celular

por Dan Schiller
1 de fevereiro de 2005
compartilhar
visualização

O avanço espetacular da telefonia móvel no mundo vende a ilusão de liberdade e nos torna dependentes do “contato permanente”Dan Schiller

Nós nos emancipamos e estamos bêbados de liberdade. Graças a uma miríade de bugigangas que funcionam sem fio, comunicamo-nos com o mundo inteiro enquanto nos locomovemos. Esse comportamento novo é chamado pelos especialistas de “contato permanente1 “. As formas de dependência multiplicam-se e ganham raízes. No fim de 2003, mais de 500 milhões de telefones celulares haviam sido vendidos no mundo; um terço da população japonesa utilizou Internet em seu celular; os assinantes norte-americanos passaram mais de 15 bilhões de horas ao telefone celular; os europeus enviaram 113 bilhões de SMS (Short Message Service). Com 220 bilhões de mensagens-texto, é a China que está em primeiro lugar nessa categoria.

Como outras antes dela, a comunicação móvel é, na origem, uma necessidade criada por quem controla os meios de produção e também tem interesse político na expansão do individualismo. Tudo se decide do lado da oferta. QualComm, Motorola, Intel, Nokia, Sony Ericsson, Samsung, Vodafone, Hutchison Whampoa, NTT DoCoMo, Microsoft e muitos outros comercializam em escala mundial gadgets/i< e serviços sem fio. Esforços prodigiosos de desenvolvimento transformam todos os setores do mercado: material, rede, sistemas de operação, software etc. As tecnologias sem fio beneficiam-se de investimentos maciços, comparáveis às expectativas que estão em jogo: o número de telefones celulares já ultrapassou o de telefones fixos. E tudo indica que a verdadeira explosão do sem-fio ainda não aconteceu.

A multiplicação dos aparelhos e dos serviços, bem como o marketing que a acompanhou, acarretaram uma transformação social de grande amplitude. O mundo maravilhoso da mobilidade é um produto emblemático do neoliberalismo no poder há vinte anos. Como ele, baseia-se numa atividade predatória e ameaça gerar o caos. Desenvolvendo padrões incompatíveis, consórcios rivais tomam os assinantes como reféns e fragmentam o mercado, tornando difícil, senão impossível, a utilização de um só aparelho para telefonar e baixar arquivos. A competição que se desencadeia em torno das próximas gerações de tecnologias móveis ameaça ampliar esses problemas

Dan Schiller é professor de comunicação na Universidade Urbana-Champaign (Illinois), autor de How to think about information, University of Illinois Press, Chicago, 2006.



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa